A importância da inovação no desempenho dos Processos de Abertura de Capital (IPO) ocorridos no Brasil na última década Outros Idiomas

ID:
3201
Resumo:
A inovação é um desafio buscado por todas as sociedades economicamente desenvolvidas. Sistemas nacionais articulam recursos públicos e privados no sentido de tornar a sociedade mais inovadora, capaz de conceber e difundir processos, produtos e serviços com graus crescentes de diferenciação em relação aos existentes. A busca pela inovação e a criação de vantagem competitiva tornam-se ainda maiores no ambiente empresarial, locus microeconômico onde a inovação pode ser aferida pelos esforços e resultados alcançados. Da mesma forma, é crescente o número de empresas que busca abrir-se para o mercado de capitais com o objetivo de acumular recursos a fim de suportar seus planos estratégicos de crescimento. Na última década, 245 empresas abriram seu capital no Brasil, mas apenas 40% delas foram para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) negociar suas ações. Ao fazer seu IPO (Initial Public Offering), a empresa tem de expor ao mercado de capitais sua real situação em diversas áreas regulamentadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ela produz uma extensa documentação, na forma de um robusto prospecto, que é disponibilizada para todo potencial investidor. O prospecto é conhecido no mercado de capitais como a fonte maior de informações sobre a empresa que faz seu IPO. É uma peça jurídica, mas, ao mesmo tempo, uma peça em que se encontram, com destaque, todos os atributos e diferenciais que a empresa intenciona ver avaliados pelo mercado. Assim, por meio de fontes secundárias, todas fundamentadas nos prospectos dos IPOs realizados, fIO empreendida uma pesquisa para reconhecer o grau de inovação que cada empresa possuía na época de seu IPO e, ao mesmo tempo, para medir o desempenho do valor das ações que o respectivo IPO obteve. Em seguida, fIO realizado um conjunto de entrevistas qualitativas estruturadas com o objetivo de avaliar os resultados da pesquisa quantitativa. A análise quantitativa dos dados coletados não revelou significância entre a variável inovação e o desempenho que as ações obtiveram ao serem lançadas na bolsa. Essa mesma conclusão fIO ratificada nas entrevistas realizadas com os agentes econômicos que operaram a maior parte dos IPOs realizados no Brasil. Assim, a despeito da importância do tema inovação para o desenvolvimento qualitativo de uma economia (e, em especial, para uma das maiores economias do mundo), os resultados apontam para a inexistência de correlação entre inovação e desempenho do IPO. Eles ainda oferecem possíveis abordagens que podem ampliar o estudo sobre o tema (incluindo outras variáveis, julgadas de maior relevância e que influenciam no desempenho do IPO), trazendo maior precisão às interpretações e conclusões aqui apresentadas.
Citação ABNT:
MORILHAS, L. J.The importance of innovation in the performance of IPO Processes that occurred in Brazil during the last decade. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 3, n. 2, art. 48, p. 117-140, 2011.
Citação APA:
Morilhas, L. J.(2011). The importance of innovation in the performance of IPO Processes that occurred in Brazil during the last decade. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 3(2), 117-140.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3201/a-importancia-da-inovacao-no-desempenho-dos-processos-de-abertura-de-capital--ipo--ocorridos-no-brasil-na-ultima-decada/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Ailin, M. & Lindgren, P. (2008). Conceptualizing strategic innovation leadership for competitive survival and excellence. Journal of Knowledge Globalization, 1(2).

Arbix, G. (2011, 28 de fevereiro). Discurso de posse na Financiadora de Estudos e Projetos. Finep, Rio de Janeiro.

Augier, M.; Teece, D. J. (2008). Strategy as evolution with design: the foundations of dynamic capabilities and the role of managers in the economic system. Organization Studies, 29(7&8), 118-1208.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1).

Brau, J. C.& Fawcett, S. E. (2006). Initial public offerings: an analysis of theory and practice. Journal of Finance, 61(1), 399-436.

Brown, M. G. & Svenson, R. A. (1988). Measuring R&D productivity. Research Technology Management, 31(número), 11-13.

Cainelli, G. et al. (2004). The impact of innovation on economic performance in services. Service Industries Journal, 24(1).

Certo, S. T. et al. (2009). IPO research in management and entrepreneurship: moving the agenda forward. Journal of Management, 35(6), 1340-1378.

Chaney, P. K. & Devinney, T. M. (1992). New product innovation and stock price performance. Journal of Business Finance & Accounting, 19

Cintra, A.F.A. O prospecto de oferta pública". (2006). Revista Capital Aberto, seção IPO em foco, n. 38.

Comissão de Valores Mobiliários. CVM. Recuperado em 15 de fevereiro, 2011, de http://www.cvm.gov.br.

Damanpour, F. (1992). Organizational size and innovation. Organization Studies, 13(3).

Damanpour, F. et al. (2009). Combinative effects of innovation types and organizational performance: a longitudinal study of service organizations. Journal of Management Studies, 46(4).

Damanpour, F. & Gopalakrishnan, S. (2001). The dynamics of the adoption of product and process innovations in organizations. Journal of Management Studies, 38(1).

Damanpour, F. & Schneider, M. (2006). Phases of the adoption of innovation in organizations: effects of environment, organization and top managers. British Journal of Management, 17(3).

Ettlie, J. E. et al. (1984). Organization strategy and structural differences for radical versus incremental innovation. Management Science, 30(6), 682- 695.

Fama, E. F. & French, K. R. (1992). The cross-section of expected stock returns. Journal of Finance, 47, 427-465.

Fingerl, E. R. (2004). Considerando os intangíveis: Brasil e BNDES. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação de Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro: RJ, Rio de Janeiro, Brasil.

Freeman, C. & Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial. Campinas, SP: Unicamp.

Godin, B. (2008). In the shadow of Schumpeter: W. Rupert Maclaurin and the study of technological innovation. Minerva: a Review of Science, Learning & Policy, 46(3), 343-360.

Gopalakrishnan, S. (2000). Unraveling the links between dimensions of innovation and organizational performance. Journal of High Technology Management Research, 11(1).

Helfat, C. E. & Peteraf, M. A. (2003). The dynamic resource-based view: capability lifecycles. Strategic Management Journal, 24(10), 997-1010.

Klomp, L. & Leeuwen, V. (2001). Linking innovation and firm performance: a new approach. International Journal of the Economics of Business.

Maksimovic,V. & Pichler, P. (2001). Technological innovation and initial public offerings. The Review of Financial Studies, 14(2), 459-494.

Mazzola, P. & Marchisio, G. (2002). The role of gIOng public in family businesses. Long-lasting growth: a study of Italian IPOs. Family Business Review, 16(2).

Nelson, R. R. (1995). Recent evolutionary theorizing about economic change. Journal of Economic Literature, 33(1), 48-90.

Nelson, R. R. & S. Winter, G. (2002). Evolutionary theorizing in economics. The Journal of Economic Perspectives, 16(2), 23-46.

Nelson, R. R. & Winter, S. G. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press.

Oslo, M. (1997). Manual de Oslo.

Pagano, M. et al. (1998). Why do companies go public? An empirical analysis. Journal of Finance, 53(1), 27-64.

Penrose, E. (Ed.) (1959-2006). A teoria do crescimento da firma. Campinas: Unicamp.

Perobelli, F. F. C. & Famá, R. (2002). Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração (RAUSP), 37(3).

Peteraf, M. A. & Bergen, M. E. (2003). Scanning dynamic competitive landscapes: a market-based and resource-based framework. Strategic Management Journal, 24(10), 1027-1041.

Porter, M. E. (1985). Competitive advantage. New York: Free Press.

Porter, M. E. (1992). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus

Rogers, E. M. (1983). Diffusion of innovation. New York: Free Press.

Schumpeter, J. A. (1912). The theory of economic development. New York: Oxford University Press.

Utterback, J. M.;& Afuah, A. N. (1998). The dynamic 'diamond': a technological innovation perspective. Economics of Innovation & New Technology, 6(2/3), 183-1999.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.