Alianças estratégicas como vantagem competitiva no cenário logístico globalizado Outros Idiomas

ID:
3202
Resumo:
Este trabalho considera as alianças estratégicas como forma de obtenção de vantagem competitiva no cenário logístico globalizado. Por meio de um estudo de caso particular de parceria e aliança estratégica entre empresas nacionais (Rapidão Cometa, Expresso Araçatuba e Transportadora Americana) e uma internacional (FedEx Express), pode-se entender a influência proporcionada à Rapidão Cometa no que tange ao aumento de participação no mercado logístico, bem como a sua consolidação entre os principais operadores logísticos nacionais. A logística, que possui uma função estratégica, funciona como apoio no gerenciamento eficiente do fluxo de materiais/produtos, informações e recursos, tanto dentro da empresa, como entre as diferentes organizações que participam do ciclo completo de criação de valor. No Brasil, a visão da logística como um processo integrador, tanto quanto uma ferramenta estratégica, começou a ganhar relevância a partir da década de 1990, marcada pela explosão do comércio internacional, pela estabilização econômica e pela privatização da infraestrutura (Fleury, Wanke & Figueiredo, 2000). O ambiente em que as empresas operam atualmente é muito complexo e fortemente competitivo. Portanto elas estão buscando a diferenciação e o estabelecimento de vantagens competitivas em relação a seus concorrentes. Para alcançar esses objetivos, cada uma tenta encontrar o próprio caminho; porém, entre muitas delas, um ponto comum pode ser observado: a opção pela aplicação da logística (Ferraes Neto, 2001).
Citação ABNT:
OLIVEIRA, M. A. M.; RODRIGUES, L. C.; RIBEIRO, L. D. R. Strategic alliances as a competitive advantage in the globalized logistics scenario. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 3, n. 2, art. 39, p. 165-185, 2011.
Citação APA:
Oliveira, M. A. M., Rodrigues, L. C., & Ribeiro, L. D. R. (2011). Strategic alliances as a competitive advantage in the globalized logistics scenario. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 3(2), 165-185.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3202/aliancas-estrategicas-como-vantagem-competitiva-no-cenario-logistico-globalizado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Aaker, D. A. (1995). Strategic market management. New York: John Wiley & Sons.

Ballou, R. H. (2001). Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Porto Alegre: Bookman.

Bonoma, T. V. (1989a, February 6). Learning with cases. Harvard Business School, 9, 589-080.

Bonoma, T. V. (1989b, July 13). Learning by the case method in marketing. Harvard Business School, 9, 590-008.

Bowersox, D. J. & Closs, D. J. (2001). Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas.

Branski, R. M. (2008). O papel da tecnologia da informação no processo logístico: estudo de caso em operadores logísticos. Tese de Doutorado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo: SP.

Corey, E. R. (1998, 30 de abril). Cometa e Fedex consolidam parceria. Jornal do Commercio, Caderno Transporte.

Delmas, M. F. (1998). Entrega a jato: brasileiros fecham acordo inédito com a Fedex. Isto É. Recuperado em 20.10.1998, de http:// www.terra.com.br/istoe/economia/149930.chtm.

Douglas, S. P. & Graig, C. S. (1995). Global marketing strategy. New York. McGraw-Hill.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, 14(4), 522-550.

Faulkner, D. & Johnson, G. (1992). The challenge of strategic management. London: Kogan Page.

FedEX amplia parceria com o Rapidão Cometa. (2002, abril). O Estado de S.Paulo. Recuperado em 16.04.2002, de http://www.estadao.com.br.

FedEX Express: maior empresa aérea para transporte de cargas do mundo. (2003, 2 de outubro). Revista Cargas. Notícias do setor.

FEDEX forma nova rede de distribuição no território brasileiro: Acordo firmado em abril com o Expresso Araçatuba, Rapidão Cometa e Transportadora Americana dará à empresa 90% do PIB. (2008). Portal Tecnologística. Recuperado em 08.09.2004, de http://www.portaltecnologistica.com.br.

Ferraes Neto, F. (2001, dezembro). Logística como estratégia para obtenção de vantagem competitiva. Revista FAE Business. Recuperado em 05.02.2011,de http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/revista_fae_business/n1_dezembro_ 2001/gestao_logistica_estrategia_competitiva.pdf

Ferronato, A. (2003, junho). Marcas de excelência. Revista Carga e Cia. Virtual.

Fleury, P. F., Wanke, P. & Figueiredo, K. F. (2000). Coleção COPPEAD de Administração. São Paulo: Atlas.

Johanson, J. & Mattsson, L.-G. (1993). Internalization in industrial systems: a network approach. In P. J. Buckley, P. Ghauri (Eds.), The internationalization of the firm: a reader (pp. 303-321). London: Academic Press. .

Lobo, T. (2003, 29 de outubro). Na estrada com a FedEx. Isto é Dinheiro.

Markides, C. C. (1999, Spring). A dynamic view of strategy. Sloan Management Review, 40(3), 55-63.

Miguel, P. A. C. (2007). Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução. Revista Produção, 17(1), 216-229.