A (des)burocratização dos paradigmas de liderança Outros Idiomas

ID:
32104
Autores:
Resumo:
Este artigo trata de uma reflexão teórica sobre o possível paradoxo existente entre os paradigmas das teorias de liderança e os processos dinâmicos entre as organizações burocráticas e o ambiente em que estão inseridas. Partindo da perspectiva weberiana sobre os tipos de dominação, caminha-se pela abordagem de autoridade carismática e pelas ideias centrais das teorias de liderança, passando pela formação paradigmática dessas teorias. Chega-se à abordagem do desenvolvimento dos processos de burocratização e desburocratização e aos possíveis desequilíbrios que os paradigmas de liderança tendem a proporcionar a estes processos dinâmicos, de acordo com os pressupostos observados. Discute-se e questiona-se sobre as premissas que de fato as teorias de liderança assumiriam e como se daria intrinsicamente o paradoxo da (des)burocratização, principalmente sob o aspecto da possível dependência de clientela pelas organizações burocráticas.
Citação ABNT:
SALLES, W.A (des)burocratização dos paradigmas de liderança. Revista Economia & Gestão, v. 14, n. 35, p. 238-263, 2014.
Citação APA:
Salles, W.(2014). A (des)burocratização dos paradigmas de liderança. Revista Economia & Gestão, 14(35), 238-263.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32104/a--des-burocratizacao-dos-paradigmas-de-lideranca/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BANDURA, A. Social Foundations of Thought and Action: a Social Cognitive Theory. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1986.

BARRICK, M.; MOUNT, M. The Big Five Personality Dimensions and Job Performance: a Meta-Analysis. Personnel Psychology, v. 44, p. 1-26, 1991.

BASS, B. M. From Transactional to Transformational Leadership: Learning to Share the Vision. Organizational Dynamics, Oxford, v. 18, n. 3, p. 19-31, Oct./Dec. 1990.

BASS, B. M. Leadership and Performance Beyond Expectations. New York: Free Press, 1985.

BENNIS, W.; NANUS, B. Líderes: estratégias para assumir a verdadeira liderança. São Paulo: Harbra, 1988.

BERGAMINI, C. W. Liderança: a administração do sentido. São Paulo: Atlas, 1994.

COVRE, M. L. M. Uma discussão teórica: ideologia neocapitalista e processo de burocratização. Rev. Adm. Empres., v. 20, n. 1, p. 43-61, 1980.

CROZIER, M. El Fenómeno burocrático. Buenos Aires: Amorrotu, 1960. v. 2.

DREIFUSS, R. A. 1964: a conquista do Estado; ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis: Vozes, 1981.

EISENSTADT, S. N. Burocracia, burocratização e desburocratização. In: CAMPOS, E. (Org.). Sociologia da Burocracia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

FILLEY, A. C.; HOUSE, R. J. Managerial Process and Organizational Behavior. Glenview: Scott Foresman and Company, 1969.

KNICKERBOCKER, I. Liderança: uma conceituação e algumas implicações. RAE, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 137-161, set./dez. 1961.

KOTTER, J. P. “What Leaders Really do”. Harvard Business Review, v. 79, p. 103111, May/June 1990.

KOTTER, J. P. A Force for Change: how Leadership Differs from Management. Nova York: The Three Press, 1990.

MINTZBERG, H. The Nature of Managerial Work. New York: Harper & Row, 1973.

NELSON, R. E. Líderes e autoridade. In: NELSON, R. E.; SANT‟ANNA, A. S. Liderança entre a tradição, a modernidade e a pós-modernidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. p. 117-146.

OUIMET, G. As armadilhas dos paradigmas de liderança. REA, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 8-16, abr./jun. 2002.

PIZZA JR, W. Burocracia(s) e (des)burocratização. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 18(3), p. 4-17, jul./set. 1984.

ROBBINS, S. P.; JUDGE, T. A.; SOBRAL, F. Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. 14. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

RODRIGUES, S. B.; SÁ, R. C. R. Estrutura organizacional brasileira: aplicação do modelo de Aston e implicações metodológicas. Rev. Adm. Empres., v. 24, n. 4, p. 158-174, 1984.

SANT`ANA, A. S. et al. Liderança: afinal, o que pensam os acadêmicos brasileiros sobre o tema? In: Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, II, 15 a 17 de novembro de 2009, Curitiba. Anais... Curitiba, 2009.

SILVA, A. S.; NETO, A. C. Uma contribuição ao estudo da liderança sob a ótica weberiana de dominação carismática. RAM, São Paulo, v. 13, n. 6, p. 20-47, nov./dez. 2012.

SILVERMAN, D. The Theory of Organisations. New York: Basic, 1970.

TREVIZAN, M. A. et al. Liderança e comunicação no cenário da gestão em enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n. 5, p. 77-82, 1998.

WAHRLICH, B. M. S. Reforma administrativa federal brasileira: passado e presente. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 5, p. 27-75, 1974.

WEBER, M. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. São Paulo: Editora UnB, 2004. v. 1 e 2.

WHIMSTER, S. Weber. Porto Alegre: Artmed, 2009.

YUKL, G. Managerial Leadership: a Review of Theory and Research. Journal of Management, v. 15, n. 2, p. 251-189, 1989.

YUKL, G.; VAN FLEET, D. Theory and Research on Leadership in Organizations. In: DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. M. (Eds.). Handbook of Industrial and Organizational Psychology. Palo Alto: Consulting Psychologists Press, 1992.