Mapa de Rede de Impactos como tecnologia de planejamento e gestão estratégica em organizações de grande complexidade Outros Idiomas

ID:
32125
Resumo:
Este relato tem como objetivo apresentar a aplicação de uma tecnologia de planejamento e gestão estratégica não lineares – o Mapa de Rede de Impactos (MRI) – e alguns resultados de um caso concreto em uma organização privada sem fins lucrativos pertencente ao Sistema S e seu precedente no ambiente universitário público brasileiro. A tecnologia de gestão apresentada fundamenta-se nas teorias da complexidade e na teoria de sistemas, sendo instrumentalizada por técnicas de análise de redes. Os resultados apontam o MRI como promissora ferramenta para operacionalização de tecnologias de planejamento não linear e gestão estratégica em organizações de grande complexidade.
Citação ABNT:
QUINTELLA, R. H.; ALMEIDA FILHO, N. M.; COUTINHO, D. M. B.; ALMEIDA, K. N. T.; BRAGA, J. J. S. Mapa de Rede de Impactos como tecnologia de planejamento e gestão estratégica em organizações de grande complexidade. Tecnologias de Administração e Contabilidade, v. 4, n. 1, p. 59-70, 2014.
Citação APA:
Quintella, R. H., Almeida Filho, N. M., Coutinho, D. M. B., Almeida, K. N. T., & Braga, J. J. S. (2014). Mapa de Rede de Impactos como tecnologia de planejamento e gestão estratégica em organizações de grande complexidade. Tecnologias de Administração e Contabilidade, 4(1), 59-70.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32125/mapa-de-rede-de-impactos-como-tecnologia-de-planejamento-e-gestao-estrategica-em-organizacoes-de-grande-complexidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, N., Filho, Quintella, R. H., Coutinho, D., Mesquita, F., & Barreto, O., Filho. (no prelo). Mapa de rede de impactos para gestão estratégica na universidade. Educação e Realidade, 39(1).

Cao, Z., & Zhang, X. (2009). On the strategic management of the colleges and universities. Recuperado de http://www.seiofbluemountain.com/upload/pro duct/200909/2009jyhy02a31.pdf

Earl, S., Carden, F., & Smutylo, T. (2001). Outcome mapping: building learning and reflection into development programs. Ottawa, Canada: International Development Research Centre.

Hammer, M. (2004). Deep change: how operational innovation can transform your company. Harvard Business Review, 79(4), 1-9.

Kaplan, R., & Norton, D. P. (1992). The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review.

Kaplan, R., & Norton, D. P. (2004). Strategy maps: converting intangible assets into tangible outcomes. Massachusetts: Harvard Business School Press.

Keller, G. (1983). Academic strategy: the management revolution in American Higher Education. Baltimore: Johns Hopkins University Press.

Kiel, L. D. (1994). Managing chaos and complexity in government: a new paradigm for managing change, innovation and organizational renewal. San Francisco: Jossey Bass.

Kiel, L. D. (Ed.). (2008). Knowledge management, organizational intelligence and learning, and complexity. Paris: EOLSS Publishers.

Lerner, A. L. (1999). A strategic planning primer for higher education. Recuperado de http://grapevine.laspositascollege.edu/academi cservices/documents/InstitutionalEffectiveness /CSUStrategicPlanningReport.pdf.

Mintzberg, H. (1994). That's not turbulence, Chicken Little, it's really opportunity. Strategy & Leadership, 22(6), 7-9. doi: 10.1108/eb054485

Munck, R., & Mcconnell, G. (2009). University strategic planning and the foresight/futures approach: an Irish case study. Planning for Higher Education, 38(1), 31-40.

Paris, K. A. (2003). Strategic planning in the university. University of Wisconsin System Board of Regents. Recuperado de http://oqi.wisc.edu/resourcelibrary/uploads/res ources/Strategic%20Planning%20in%20the%2 0University.pdf

Patton, M. Q. (1994). Developmental evaluation. Evaluation Practice, 15(3), 311- 319. doi: 10.1016/0886-1633(94)90026-4

Patton, M. Q. (2010). Development innovation: applying complexity concepts to enhance innovation and use. New York: Guilford Press.

Porter, M. (1998). Competitive advantage: techniques for analyzing industries and competitors. New York: Free Press.

Quinn, R. (1996). Deep change: discovering the leader within. San Francisco: Jossey-Bass.

Rossi, C. A. V., & Luce, F. B. (2002, setembro). Construção e proposição de um modelo de planejamento estratégico baseado em 10 anos de experiência. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 26.

Rowley, D. J., Lujan, H. D., & Dolence, M. G. (1997). Strategic change in colleges and universities. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Smutylo, T. (2005). Outcome mapping: a method for tracking behavioural changes in development programs (Relatório de Pesquisa Nº 7), Rome, Institutional Learning and Change (ILAC) Initiative.

Waddell, S. (2010). Strategic mapping for networks. Recuperado de http://networkingaction.net/2010/03/strategic mapping-for-networks/