Contribuições da teoria da atividade para o estudo das organizações Outros Idiomas

ID:
32139
Periódico:
Resumo:
Este artigo tem como objetivo delinear princípios teóricos metodológicos para o estudo da organização. É adotado o conceito de prática social como menor unidade significativa para análise, compreendendo tal conceito a partir da teoria da atividade sócio-histórica e cultural, apoiando-se nas ideais de Vygotsky, Leontiev, Engestrom e Clot. É defendida aqui a concepção de organização a partir de seu acontecer histórico e dialético, no qual o particular é considerado uma instância da totalidade, a partir de um percurso teórico nas categorias sócio-históricas de: sistemas de atividade situados, sentidos e significados, aprendizagem e desenvolvimento humano. Aponta-se para uma forma de fazer ciência que supera a concepção positivista de método para resultado para uma concepção de método e resultado. A partir dessas categorias teóricas e do relato de três pesquisas realizadas, deduz-se um conjunto de princípios teóricos metodológicos de cunho sócio-histórico que contribuem para o estudo da organização, na medida em que se rompe com a dicotomia indivíduo versus grupo versus organização, com a concepção abstrata e a-histórica do fenômeno organizacional, com a concepção behaviorista de homem predominante nos estudos organizacionais e, finalmente, com categorias que apreendem dimensões subjetivas e intersubjetivas de uma realidade organizacional em constante movimento.
Citação ABNT:
BULGACOV, Y. L. M.; CAMARGO, D.; CANOPF, L.; MATOS, R. D.; ZDEPSKI, F. B. Contribuições da teoria da atividade para o estudo das organizações. Cadernos EBAPE.BR, v. 12, n. 3, p. 0-0, 2014.
Citação APA:
Bulgacov, Y. L. M., Camargo, D., Canopf, L., Matos, R. D., & Zdepski, F. B. (2014). Contribuições da teoria da atividade para o estudo das organizações. Cadernos EBAPE.BR, 12(3), 0-0.
DOI:
10.1590/1679-39519019
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32139/contribuicoes-da-teoria-da-atividade-para-o-estudo-das-organizacoes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 26, n. 2, p. 222-245, 2006.

AGUIAR, W. Apreensão dos sentidos: uma proposta metodológica. [S.l.:s.n.], 2009. Mimeografado.

BRASIL. Ministério do Turismo. Manual para o desenvolvimento e a integração de atividades turísticas com foco na produção associada. Brasília, DF, 2011.

BROWN, J. S.; DUGUID, P. Organizational learning and communities of practice: toward a unified view of working, learning and innovation. Organizational Science, v. 2, n. 1, p. 40-57, Feb. 1991.

BRUNER, J. Realidade mental, mundos possíveis. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BULGACOV, Y. L. M.; VIZEU, F. A positividade da emoção na prática da pesquisa social em organizações. Cad. EBAPE.BR, v. 9, n. edição especial, p. 488-509, 2011. Disponível em:. Acesso em: 02 agosto 2012.

BULGACOV, Y. L. M.; VIZEU, F., v. et al. The contribution of the concept of social practice to the field of innovation. International Journal of Innovationand Learning, v. 14, n. 2, p. 145-161, 2013.

CAMARGO, D. Notas de discussão para grupo de estudo. Grupo de pesquisa: práticas, subjetividade e organizações. Curitiba: [s.n.], 2012.

CANOPF, L. Análise situada da prática docente no ensino de administração: revelando a mediação da emoção no curso da UTFPR – Campus Curitiba. 2013. 158f. Tese (Doutorado em Administração) Universidade Positivo, Curitiba, 2013.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2007.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010

COLE, M; ENGESTROM, Y. A cultural-historical approach to distributed cognition. In: SALOMON, G. (Ed.). Distributed cognition: psychological and educational considerations. New York: Cambridge University Press, 1993. 1-47 p.

DANIELS, H. (Org.). Uma introdução a Vygotsky. São Paulo: Loyola, 2002.

DANIELS, H. , v. et al. Vygotsky e a pesquisa. São Paulo: Edições Loyola Jesuítas, 2011.

DORIGAN DE MATOS, R. Representação paritária no processo decisório como elemento mediador na atividade significada. 2013. 215f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal do Paraná-UFPR, Curitiba 2013.

ELHAMMOUMI, E. Is ‘back to Vygotsky’ enough? The legacy of socio historic cultural Psychology. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 4, p. 661-673, Out./Dez. 2010.

ENGESTRÖM, Y. Expansive learning at work: Toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, v. 14, n. 1, p. 133-156, 2001.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1987.

ENGESTRÖM, Y. Como superar a encapsulação da aprendizagem escolar. In: DANIELS, H. (Org.). Uma introdução a Vigotski. São Paulo: Loyola, 2002.

ENGESTRÖM, Y. Interobjectivity, ideality, and dialectics. Mind, Culture and Activity, v. 3, p. 259-265, 2006.

FAÏTA, D.; VIEIRA, M. A. Reflexões metodológicas sobre a autoconfrontação cruzada. Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada – D.E.L.T.A., v. 19, n. 1, p. 123-154, 2003.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GOLSORKHI, D. et al. (Eds.). Cambridge handbook of strategy as practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos da construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

GONZÁLEZ REY, F. L. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

GUÉRIN, F. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgar BlücherFundação Vanzolini, 2001.

HOLZMAN, L.; NEWMAN, F. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

KEMMIS, S.; McTAGGART, R. Participatory action research. In: DENZIN, N. K; LINCOLN, I. S. (Eds.). Handbook of Qualitative Research. 2. ed. Beverley Hills, CA: Sage, 2002. 567-605 p.

KOZULIN, A. O conceito de atividade na psicologia soviética: Vigotski, seus discípulos, seus críticos. In: DANIELS, H. (Org.). Uma introdução à Vigotski. São Paulo: Loyola, 2002.

LEFEBVRE, H. Lógica formal, lógica dialética. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1991.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI, L. V.; LURIA, A. R.;

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia y personalidad. Habana: Pueblo y Educación, 1983.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

ORLIKOWSKI, W. J. Practice in research: phenomenon, perspective and philosophy. In: GOLSORKHI, D. et al. (Eds.). Cambridge handbook of strategy as practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. 23-33 p.

SPINK, P. O. Resgate da parte. Revista de Administração, São Paulo, v. 26, n. 2, p.22-31, Abr./Jun. 1991.

VIEIRA, M. A. Autoconfrontação e análise da atividade. In: FIGUEIREDO, M. Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. 215-237 p.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. The instrumental method in psychology. In: WERTSCH, J.V. (Ed.).The concept of activity in Soviet psychology. Armonk, NY: M.E. Sharpe, 1981.

VYGOTSKY, L. Pensamiento y palabra. In: Obras escogidas. v. 2. Madrid, España: Visor, 1993.

ZDEPSKI, F. B. Uma contribuição do conceito de prática social para o campo da inovação em turismo: análise cultural e mediações de aprendizagem e memória na Colônia Witmarsum PR. 2013. 224f. Tese (Doutorado em Administração) Universidade Positivo, Curitiba, 2013.