O Modelo de Design Thinking como indutor da inovação nas empresas: um estudo empírico Outros Idiomas

ID:
3228
Resumo:
Atualmente a inovação é um dos principais direcionadores estratégicos das organizações, da mesma forma como ocorreu nas décadas de 1970 e 1980 quando as empresas se dedicaram à qualidade total e nos anos 90 à reengenharia. Para criar liderança sustentável no futuro, a organização deve: mudar de forma fundamental as regras de engajamento em um setor antigo, redefinir as fronteiras entre os setores; e criar outros inteiramente novos. Além disso, a capacidade de previsão de mudanças surge quando os executivos seniores de uma empresa conseguem sentir empatia com as necessidades humanas básicas. É nesse contexto que o Design Thinking (DT) surge como um modelo de inovação com alto potencial de gerar resultados diferenciados para as organizações que buscam a liderança, pois contempla métodos de investigação e de desenvolvimento de soluções altamente focados nos usuários. O objetivo desse estudo é explorar o modelo Design Thinking sob a ótica da gestão estratégica da inovação e aprofundar o conhecimento sobre o tema. Para isso, o estudo contempla pesquisas bibliográficas sobre inovação, design e DT, uma survey com profissionais que possuem experiência na aplicação do modelo e, por último, um estudo de caso de uma empresa brasileira fabricante de computadores. Os resultados obtidos nesse estudo demonstram que a implantação de um modelo sistematizado de DT pelas organizações exige diversas mudanças culturais e processuais. Entretanto, o modelo tem capacidade de gerar resultados bastante positivos no desenvolvimento de soluções inovadoras, pois sustenta-se sobre métodos avançados de entendimento do contexto e de geração de ideias focadas no usuário e em suas necessidades.
Citação ABNT:
BONINI, L. A.; SBRAGIA, R. O Modelo de Design Thinking como indutor da inovação nas empresas: um estudo empírico. Revista de Gestão e Projetos, v. 2, n. 1, p. 3-25, 2011.
Citação APA:
Bonini, L. A., & Sbragia, R. (2011). O Modelo de Design Thinking como indutor da inovação nas empresas: um estudo empírico. Revista de Gestão e Projetos, 2(1), 3-25.
DOI:
10.5585/gep.v2i1.36
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3228/o-modelo-de-design-thinking-como-indutor-da-inovacao-nas-empresas--um-estudo-empirico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barbieri, J. C. e Álvares, A. C. T. (2003). Inovações nas organizações empresariais. In J. C. Barbieri. (2003). Organizações inovadoras: estudos de casos brasileiros. São Paulo: Editora FGV.

Barbieri, J. C. (Org.). (2004). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. 2a ed. Rio de Janeiro: FGV.

Baxter, M. (1998). Projeto de produto: guia prático para o design de novos produtos. 2a ed. São Paulo: Edgard Blüncher.

Becattini, G. (1999). Flourishing small firms and the re-emergence of industrial districts. Proceedings of the 44th ICSB - International Council for Small Business World Conference, Naples, Italy, p. 20-23.

Brown, J. S.; Duguid, P. (2001). Knowledge and organization: a social-practice perspective. Organization Science, 12(2), 198-213. http://dx.doi.org/10.1287/orsc.12.2.198.10116

Brown, T. (2008). Design thinking. Recuperado em 20 maio, 2010. .

Brown, T. (2009). Change by design: how design thinking transforms organizations and inspires innovation. New York: HarperCollins.

Cardon, E. C. (2010). Unleashing design: planning and the art of battle command. Military Review, 90(2).

Cooper, R. (2007). Optimizing the Stage-Gate® Process. Recuperado em 25 junho, 2010. < http://www.stage-gate.com/downloads/working_papers/wp_15.pdf> .

Davila, T.; Epstein, M.; Shelton, R. (2007). As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman.

Drucker, P. F. (2003). Inovação e o espírito empreendedor: prática e princípios. São Paulo: Pioneira Thomson.

IDEO (2010). A low-cost PC for Positivo. Recuperado em 20 novembro, 2010. http://www.ideo.com/work/a-low-cost-pc.

Khurana, A.; Rosenthal, S. R. (1998, January). Towards holistic 'front ends' in new product development. The Journal of Product Innovation Management, 15(1), 57-74. http://dx.doi.org/10.1016/S0737-6782(97)00066-0

Lawson, B. R. (1990). How designers think. London: Butterworth Architecture.

Martin, R. L. (2009). The design of business: why design thinking is the next competitive advantage. Boston, MA, USA: Harvard Business Press.

Peirce, C. S. (1975). Semiótica e filosofia. São Paulo: Cultrix, EDUSP.

Sanders, E. B. N. (2001). Virtuosos of the experience domain. Proceedings of the IDSA Industrial Designers Society of America, Education Conference, Massachussets, USA, 14-17.

Schumpeter, J. A. (1982). A teoria do desenvolvimento econômico. 3a ed. São Paulo: Abril Cultural.

Schumpeter, J. A. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar.