Incubadora tecnológica de Caxias do Sul: inovação tecnológica sob a perspectiva da Hélice Tríplice Outros Idiomas

ID:
32414
Resumo:
O objetivo deste estudo foi identificar como o conceito da Hélice Tríplice está aplicado nas atividades da Sociedade Incubadora Tecnológica de Caxias do Sul. Para atingir este objetivo, foram realizadas entrevistas semiestruturadas em profundidade com a ITEC, a Universidade de Caxias do Sul, Câmara da Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul, Prefeitura de Caxias do Sul e Comlink Equipamentos Eletrônicos, uma das empresas que obteve êxito na incubação. A análise do conteúdo dos resultados mostrou que a atuação dos agentes se dá, principalmente, por meio de recursos financeiros. Já os principais benefícios obtidos pela Universidade com base nessa relação são o retorno do investimento realizado sob a forma de patentes formalizadas, conquista de novos alunos e reconhecimento como uma Universidade tecnológica, empreendedora e inovadora. Os benefícios percebidos pelo setor industrial são a capacitação das empresas e empreendedores, enquanto o Poder Público Municipal percebe como benefícios a redução na mortalidade das empresas e a geração de retorno financeiro sob a forma de impostos. As conclusões mostram que o conceito da Hélice Tríplice, desenvolvido por Etzkowitz (2009), constitui uma forma de atuação cooperativa e participativa na Incubadora Tecnológica, ainda que mais segmentos da sociedade pudessem ser atendidos.
Citação ABNT:
TISOTT, P. B.; NESPOLO, D.; DIAS, D. T. ?.; OLEA, P. M.; MILAN, G. S. Incubadora tecnológica de Caxias do Sul: inovação tecnológica sob a perspectiva da Hélice Tríplice. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 15, n. 3, p. 561-561, 2014.
Citação APA:
Tisott, P. B., Nespolo, D., Dias, D. T. ?., Olea, P. M., & Milan, G. S. (2014). Incubadora tecnológica de Caxias do Sul: inovação tecnológica sob a perspectiva da Hélice Tríplice. Administração: Ensino e Pesquisa, 15(3), 561-561.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32414/incubadora-tecnologica-de-caxias-do-sul--inovacao-tecnologica-sob-a-perspectiva-da-helice-triplice/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES ANPROTEC. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2013.

BARBIERI, J. C. (Org. ). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BENNEWORTH, P. ; DAWLEY, S. Managing the university third strand innovation process? Developing innovation support services in regionally engaged universities. Knowledge, Technology & Policy, v. 18, n. 3, p. 74-94, 2005.

BERNARD, H. R. ; RYAN, G. W. Analyzing qualitative data: Systematic approaches. Thousand Oaks: Sage Publications, 2010.

CÂMARA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO E SERVIÇOS DE CAXIAS DO SUL CIC. Caxias do Sul, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2013.

CHRISTENSEN, C. M. O dilema da inovação: Quando novas tecnologias levam empresas ao fracasso. São Paulo: Makron Books, 2001.

CHRISTENSEN, C. M; ANTHONY, S. D. ; ROTH, E. A. O futuro da inovação: usando as teorias da inovação para prever mudanças no mercado. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

COOPER, D. R. ; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

DONADIO, L. Política científica e tecnológica. In: MARCOVICH, Jaques. Administração em Ciência e Tecnologia. São Paulo: Edgar Bluscher, 1983.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: Transformando idéias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

ETZKOWITZ, H. ; LEYDESDORFF, L. Thedynamics of innovation: From national systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations. ResearchPolicy February, v. 29, p. 109-123, 2000.

ETZKOWITZ, H. ; MELLO, J. M. C. ; ALMEIDA, M. Towards “meta-innovation” in Brazil: The evolution of the incubator and the emergence of a triple helix. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: Universidade-indústria-governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

ETZKOWITZ, H. Innovation in innovation: The Triple Helix of university-industry government Relations. Social Science Information, v. 42, n. 3, p. 293-337, 2003.

HENNINK, M. ; HUTTER, I. ; BAILEY, A. Qualitative research methods. Thousand Oaks: Sage Publications, 2011.

HISRICH, R. D. ; PETERS, M. P. Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

KING, N. ; HORROCKS, C. Interviews in qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications, 2010.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manual para a Implantação de Incubadoras de Empresas. Brasília, 2000. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2013.

MORAIS, E. F. C. A Incubadora de empresas como fator de inovação tecnológica em pequenos empreendimentos. 1997. Dissertação (Mestrado) Curso de Sociologia, Universidade de Brasília UnB, Brasília, 1997.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO OCDE. Manual de Frascati: Metodologia proposta para a definição da investigação e desenvolvimento experimental, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23/07/2013.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO OCDE. Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. 2005. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2013.

PLONSKI, G. A. Cooperação empresa-universidade no Brasil: um novo balanço prospectivo. Brasília: IBICT: IEL, 1998.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL. Lei n. 10. 973, 2 de Dezembro de 2004. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2013.

REIS, D. R. Gestão da inovação tecnológica. 2. ed. Barueri/SP: Manole, 2008.

REMLER, D. K. ; VAN RYZIN, G. G. Research methods in practice: Strategies for description and causation. Thousand Oaks: Sage Publications, 2011.

RIBEIRO, J. L. D. ; MILAN, G. S. Planejando e conduzindo entrevistas individuais. In: RIBEIRO, J. L. D. ; MILAN, G. S. (Eds. ). Entrevistas individuais. Porto Alegre: FEEng/ UFRGS, 2004.

ROESCH, S. M. A. ; MELLO, M. I. Projetos de estágio do curso de administração: Guia para pesquisas, projetos, estágios e trabalho de conclusão de curso. São Paulo: Atlas, 1996.

SÁBATO, J. ; BOTANA, N. La ciência y la tecnologia em el desarrollo futuro da America Latina. Revista de la Integracion, v. 3, n. 1, p. 15-26, 1968.

SCHREIER, M. Qualitative content analysis in practice. London: Sage Publications, 2012.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE. Sobrevivência das Empresas no Brasil. Brasília/DF, 2013.

SIQUEIRA, L. C. Inserção de políticas de propriedade intelectual nas instituições de ensino superior: O caso PUC-Rio. 2007. Disponível em . Acesso em: 25/08/2013.

SNELL, B. Administração: Novo cenário competitivo. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

TIDD, J. ; BESSANT, J. ; PAVITT, K. Gestão da Inovação. Porto Alegre: Bookman, 2008.

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL UCS. Caxias do Sul, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25/08/2013.

WOLCOTT, H. F. Transforming qualitative data: Description, analysis, and interpretation. Thousand Oaks: Sage Publications, 1994.

ZEN, A. C. ; POSSAS, P. H. ; SANTIN, B. A Ampliação dos Limites da Universidade por Intermédio da Cooperação com o Setor Produtivo: O caso da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. In: EnANPAD, 30. , 2006, Salvador. Anais... Salvador: Anpad, 2006.