Inovação no setor de tecnologia da informação e comunicação no Brasil - uma análise comparada entre indústria e serviço no período de 2001 a 2011 Outros Idiomas

ID:
32430
Resumo:
As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) promovem mudanças na economia mundial e contribuem para a construção da sociedade do conhecimento, na qual seu desenvolvimento é essencial. Nesse contexto, a inovação tecnológica torna-se fundamental, principalmente em um setor dinâmico como o de TIC. O presente artigo é baseado em estudo descritivo de dados quantitativos extraídos da Pesquisa de Inovação (PINTEC/IBGE) e analisa a evolução da inovação tecnológica no setor de TIC por meio da análise comparada entre atividades industriais e serviços para o período de 2001 a 2011. O intuito é proporcionar uma visão ampla do setor no que se refere ao seu desenvolvimento tecnológico e à sua contribuição para o desenvolvimento econômico e social do país. Os principais resultados indicam que o setor de TIC vem crescendo consideravelmente no Brasil nos últimos anos e possui grande potencial para se desenvolver ainda mais. Alguns obstáculos, no entanto, são significativos, e a falta de introdução de inovações para o mercado por parte das empresas brasileiras prejudica o seu crescimento. Pôde-se concluir que o setor de TIC no Brasil desenvolveu-se muito nos últimos anos, mas ainda precisa focar o seu crescimento no desenvolvimento do conhecimento e inovação.
Citação ABNT:
TALAMONI, I. C.; GALINA, S. V. R. Inovação no setor de tecnologia da informação e comunicação no Brasil - uma análise comparada entre indústria e serviço no período de 2001 a 2011. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 4, n. 2, p. 19-32, 2014.
Citação APA:
Talamoni, I. C., & Galina, S. V. R. (2014). Inovação no setor de tecnologia da informação e comunicação no Brasil - uma análise comparada entre indústria e serviço no período de 2001 a 2011. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 4(2), 19-32.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32430/inovacao-no-setor-de-tecnologia-da-informacao-e-comunicacao-no-brasil---uma-analise-comparada-entre-industria-e-servico-no-periodo-de-2001-a-2011/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGUIAR, Odílio Alves. A política na sociedade do conhecimento. Trans/Form/Ação, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 11-24, 2007.

ALBAGLI, Sarita. Conhecimento, inclusão social e desenvolvimento. Inclusão Social, Brasília, v. 1, n. 2, p. 17-22, 2006.

ANDRADE, Thales. Inovação tecnológica e ambiente: a construção de novos enfoques. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 89-106, jan./jun. 2004.

ARORA, Ashish; GAMBARDELLA, Alfonso. The globalization of the software industry: perspectives and opportunities for developed and developing countries. National Bureau of Economic Research. Innovation Policy and the Economy, Cambridge, v. 5, n. 1, p. 1-32, Jun. 2004.

BRITTO Jorge; STALLIVIERI, Fábio. Inovação, cooperação e aprendizado no setor de software no Brasil: análise exploratória baseada no conceito de Arranjos Produtivos Locais (APL). Economia e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 2, p. 315-358, ago. 2010.

DIEGUES, Antônio Carlos; ROSELINO, José Eduardo de Salles. Dinâmica concorrencial e inovação em atividades de alta tecnologia: uma análise das indústrias de equipamentos de informática e semicondutores. Gestão e Produção, São Carlos, v. 19, n. 3, p. 481-493, 2012.

FIGUEIREDO, Paulo N. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 3, n. 2, p. 323-361, jul./dez. 2004.

FLEURY, Afonso Carlos Côrrea; FLEURY, Maria Tereza Lemes. Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Gestão da Produção, São Carlos, v. 10, n. 2, p. 129-144, ago. 2003.

HITT, Michael A.; IRELAND, R. Duane; HOSKISSON, Robert E. Administração estratégica: competitividade e globalização. 2. ed. São Paulo: Thompson Learning, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. CNAE Classificação Nacional de Atividades Econômicas. [2004]. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. O Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil. [2006]. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação. [2009]. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. PINTEC Pesquisa de Inovação. [2003]. Disponível em: Acesso em: 7 maio 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. PINTEC Pesquisa de Inovação. [2005]. Disponível em: . Acesso em: 7 maio 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. PINTEC Pesquisa de Inovação. [2008]. Disponível em: . Acesso em: 7 maio 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. PINTEC Pesquisa de Inovação. [2011]. Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela de correspondências CNAE 1.0 e 2.0. [2013]. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2014.

LASTRES, H. M. M. et al. Desafios e oportunidades da era do conhecimento. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 60-66, jul./set. 2002.

LINDMARK, S.; TURLEA, G.; ULBRICH, M. Mapping R&D Investment by the European ICT Business Sector Reference Report. Seville, Espanha: Joint Research Centre/Institute for Prospective Technological Studies, 2008.

MARINS, Luciana Manhães. Globalização de competências tecnológicas inovadoras no contexto de industrialização recente: evidências de uma amostra de institutos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) em tecnologias de informação e comunicação (TIC) no Brasil. 2005. Dissertação (Mestrado) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2005.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo. 3. ed. Paris: OCDE, 2005.

PARA 72% das empresas, falta de pessoal qualificado é maior gargalo. Valor Econômico, 25 jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2012.

PARANHOS, Ronaldo Pinheiro da Rocha; PALMA, Manoel Antônio Molina. Um novo olhar para o futuro da política brasileira de Ciência, Tecnologia e Inovação. Soldagem e Inspeção, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 165168, jun. 2010.

REIS, Dálcio Roberto. Gestão da inovação tecnológica. 2. ed. São Paulo: Manole, 2004.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SANCHÉZ, Tirso W. Sáenz; PAULA, Maria Carlota de Souza. Desafios institucionais para o setor de ciência e tecnologia: o sistema nacional de ciência e inovação tecnológica. Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 13, p. 42-63, dez. 2001.

TAKAHASHI, Tadao. Sociedade da Informação no Brasil O livro Verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.

TIDD, Joe; BESSANT, John; PAVITT, Keith. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TURLEA, G. et al. The 2010 report on R&D in ICT in the European Union. Seville, Espanha: Joint Research Centre, 2010.