A inovação como conexão para o desenvolvimento de parcerias entre universidade-empresa Outros Idiomas

ID:
32434
Resumo:
A presente pesquisa, por meio de estudo de caso no setor agrícola, tem como objetivo analisar como ocorre a relação Universidade-Empresa (U-E) quanto ao contexto para a criação e transferência do conhecimento. Pretende-se analisar esse tipo de relação que acontece por intermédio da Estação Experimental denominada Fazenda-Escola de propriedade da Universidade Estadual de Ponta Grossa, onde está localizado um Campo Experimental Avançado sob responsabilidade da Empresa BASF S. A. A relação Universidade-Empresa tem se intensificado e, dentro desse contexto, as instituições de ensino e pesquisa podem contribuir de forma eficiente com a geração de novas tecnologias e conhecimentos, manifestando-se como uma alternativa de inovação juntamente com a iniciativa privada. Nesse sentindo, foram identificadas as formas, os fatores intervenientes e seus fatores estruturais no âmbito da criação e transferência do conhecimento em entrevistas com o pesquisador da universidade, o administrador da fazenda-escola da universidade e o responsável técnico pelo campo experimental da empresa. Optou-se, portanto, por uma pesquisa qualitativa, baseada em estudo de caso visando explorar a percepção das pessoas envolvidas sobre o fenômeno em análise. Os resultados indicam novos fatores intervenientes no processo de criação e transferência do conhecimento, considerados importantes para a gestão do processo e a relação com a empresa.
Citação ABNT:
GOMES, M. S.; GONÇALO, C. R.; PEREIRA, C. D.; VARGAS, S. L. A inovação como conexão para o desenvolvimento de parcerias entre universidade-empresa. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 4, n. 2, p. 78-91, 2014.
Citação APA:
Gomes, M. S., Gonçalo, C. R., Pereira, C. D., & Vargas, S. L. (2014). A inovação como conexão para o desenvolvimento de parcerias entre universidade-empresa. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 4(2), 78-91.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32434/a-inovacao-como-conexao-para-o-desenvolvimento-de-parcerias-entre-universidade-empresa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, M. . The evolution of the incubator movement in Brazil. International Journal of Technology and Globalisation (Print), v. 1, p. 258-277, 2005.

ALVARENGA NETO, Rivadávia C. D. A construção do conceito de gestão do conhecimento: práticas organizacionais, garantias literárias e o fenômeno social. Reuna, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p. 57-74, ago. 2004.

AUDY, J. L. N.; MOROSINI, M. C. (Org.). Entre a tradição e a renovação: os desafios da universidade empreendedora. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006

BALESTRIN, Alsones; VERSCHOORE, Jorge. Redes de Cooperação Empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman, 2008.

BASF. História. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2014.

BETZ, F. et al. O fator tecnológico: a velocidade das inovações tecnológicas demanda um novo modelo de gerenciamento. HSM Management, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 106-110, mar./abr. 1997.

CHAIMOVICH, H. Por uma relação mutuamente proveitosa entre universidade de pesquisa e empresas. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 18-22, out./dez. 1999.

COSTA, V. M. G.; CUNHA, J. C. A universidade e a capacitação tecnológica das empresas. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 5, n. 1, p. 61-81, 2001.

DAGNINO, R. A relação Universidade-Empresa no Brasil e o argumento da Hélice Tripla. Convergencía (Toluca), México, v. 11, n. 35, p. 253-291, 2004

DRUCKER, P. F. As fronteiras da administração: onde as decisões do amanhã estão sendo determinadas hoje. São Paulo: Pioneira, 1989

DYER, W. Jeffrey; KALE, Prashant. Relational capabilities: drivers and implications. In: HELFAT, Constance et al. (Org.). Dynamic Capabilities: understanding strategic change in organizations . UK: Blackwell Publishing, 2007. p. 65-79.

ETZKOWITZ, H. Hélice tríplice: metáfora dos anos 90 descreve bem o mais sustentável modelo de sistema de inovação. Revista Conhecimento e Inovação, Campinas, v. 6, n. 1, p. 6-9, 2010

ETZKOWITZ, H. Researchgroups as “quasi-firms”: the invention of the entrepreneurial university. Research Policy, New York, v. 32, n. 1, p. 109-121, 2003.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations. ResearchPolicy, New York, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000

FONSECA, R. Inovação tecnológica e o papel do governo. Revista Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 13, p. 64-69, dez. 2001.

GONÇALO, C. R. Inteligência organizacional: do debate metafísico para uma perspectiva contextual em estratégias de conhecimento. In: Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, 29., 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD, 2005.

GONÇALO, C. R.; ZANLUCHI, J. Relacionamento entre empresa e universidade: uma análise das características de cooperação em um setor intensivo em conhecimento. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, São Leopoldo, v. 8, n. 3, p. 261-272, jul./set. 2011

GRYNSZPAN, F. A visão empresarial da cooperação com a universidade. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 23-31, out./dez. 1999.

HAUKNES, Johan. Services in innovation: innovation in services. Oslo: STEP group, 1998.

HENDERSON, R. M.; CLARK, B. K. Architectural innovation: the reconfiguration of existingproduct technologies and the failure of established firms. Administrative Science Quarterly, Michigan, v. 35, n. 1, p. 9-30, 1990.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Dados Brasil: 2011 IBGE. [2011]. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2014

KOGUT, B.; ZANDER, U. Knowledge of the firm, combinative capabilities, and the replication of technology. Organization Science, Catonsville, MD, USA, v. 3, n. 3, p. 383-397, 1992.

LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

LEYDESDORFF, L. The triple helix of university-industry-government relations. In: CARAYANNIS, E.; CAMPBELL, D. (Eds.). Encyclopedia of creativity, innovation, and entrepreneurship. New York: Springer, 2012. p. 1-17.

LUCCHESSI, M. A. S. Universidade no limiar do terceiro milênio: desafios e tendências. Santos: Leopoldianum, 2002

MATTOS, J. R. L. de; GUIMARÃES, L. dos S. Gestão tecnologia e inovação: uma abordagem prática. São Paulo: Saraiva, 2005.

MENESES, P. Universidade e sociedade. Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 27, n. 87, p. 5–15, 2000.

MOREIRA, D. A.; QUEIROZ, A. C. Inovação tecnológica e organizacional. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

NONAKA, I. The knowledge-creating company. Harvard Business Review, Boston, USA, n. 69, p. 96-104, Nov./Dec. 1991.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa. 14. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NOVELI, M.; SEGATTO, A. P. Processo de cooperação Universidade-Empresa para a inovação tecnológica em um parque tecnológico: evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 81-105, jan./mar. 2012.

NOVO, L. F.; MELO, P. A. Universidade empreendedora: fortalecendo os caminhos para a responsabilidade social. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO UNIVERSITÁRIA NAS AMÉRICAS, 3., 2003. Anais... Buenos Aires: UNTREF, 2003. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2013.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO (OCDE). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. [S.l.]: OCDE, 2005.

PLONSKI, G. A. Cooperação empresa-universidade na Ibero-América: estágio atual e perspectivas. Revista de Administração, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 65-74, abr./jun. 1995.

PLONSKI, G. A. Cooperação Universidade-Empresa: um desafio gerencial complexo. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 5-12, out./dez. 1999.

PORTO, G. S. A decisão empresarial de desenvolvimento tecnológico por meio da cooperação Universidade-Empresa. 2000. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

RESENDE, F.; TAFNER, P. (Org.). Brasil: o estado de uma nação. Brasília: IPEA, 2005.

SBRAGIA, R. et al. Inovação: como vencer esse desafio empresarial. São Paulo: Clio Editora, 2006

SCHUMPETER, J. A. The theory of economic development. Nova York: Oxford University, 1961.

SEGATTO, A. P. Análise do processo de cooperação tecnológica Universidade-Empresa: um estudo exploratório. 1996. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

SILVA, S. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 143-151, maio/ago. 2004.

SUN TZU. A arte da guerra. Porto Alegre: L & PM, 2008.

SZULANSKI, G. Exploring internal stickiness: impediments to transfer of best practice within the firm. Strategic Management Journal, Malden, v. 17, p. 27-43, Winter Special Issue 1996.

SZULANSKI, G. The process of knowledge transfer: a diachronic analysis of stickness. Organizational Behavior and Human Decision Processes, Washington, v. 82, n. 1, p. 9-27, May, 2000.

TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: UNB, 2001. TOMBS, G. What are the “best practices” in using internal organizational sources for competitive intelligence? In: FLEISHER, C. S.; BLENKHORN, D. L. (Org.). Controversies in competitive intelligence: the enduring issues. Westport: Praeger, 2003. p. 98-109.

TOMBS, G. What are the “best practices” in using internal organizational sources for competitive intelligence? In: FLEISHER, C. S.; BLENKHORN, D. L. (Org.). Controversies in competitive intelligence: the enduring issues. Westport: Praeger, 2003. p. 98-109.

VALENTIM, M. L. P. (Org.). Atuação do profissional na área da informação. São Paulo: Polis, 2004. VALENTIM, M. L. P. et al. O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, v.4, n.3, jun. 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2014.

VALENTIM, M. L. P. et al. O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, v.4, n.3, jun. 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2014.

WINTER, S. Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, Malden, v. 24, p. 991995, 2003. ZANLUCHI. J. B. Relação Universidade-Empresa: um estudo no setor de T.I. do Estado do Rio Grande do Sul. 2008. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

YIN, R. K. Case study research: design and methods: Sage Publications, 2001.

ZANLUCHI. J. B. Relação Universidade-Empresa: um estudo no setor de T.I. do Estado do Rio Grande do Sul. 2008. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008