A mitologia da ineficiência nas organizações solidárias: em busca da ressignificação de um conceito Outros Idiomas

ID:
32627
Resumo:
O ensaio teórico propõe discutir o conceito de eficiência no contexto da economia solidária. Embora a eficiência em geral seja considerada neutra, a-histórica e a-política, na realidade é um construto social, deliberado por grupo e constituído de acordo com os objetivos estabelecidos. No caso das organizações solidárias, há que se considerar não somente as variáveis econômicas, mas elementos que envolvem aspectos políticos, sociais e culturais. Além disso, é preciso desconstruir alguns mitos que cercam as organizações solidárias, colocando-se em questão as ineficiências que, em geral, são apontadas em virtude da opção por uma lógica não mercantil e coletivista
Citação ABNT:
PINHEIRO, D. C.; PAULA, A. P. P. A mitologia da ineficiência nas organizações solidárias: em busca da ressignificação de um conceito. Desenvolvimento em Questão, v. 12, n. 27, p. 42-65, 2014.
Citação APA:
Pinheiro, D. C., & Paula, A. P. P. (2014). A mitologia da ineficiência nas organizações solidárias: em busca da ressignificação de um conceito. Desenvolvimento em Questão, 12(27), 42-65.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32627/a-mitologia-da-ineficiencia-nas-organizacoes-solidarias--em-busca-da-ressignificacao-de-um-conceito/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBUQUERQUE, P. P. Autogestão. In: CATTANI, D. A Outra economia. Porto Alegre: Veraz Editores, 2003. p. 20-26.

ARROYO, J. T. Cooperação econômica versus competitividade social. In: Rev. Katálisis, v. 11, n. 1, p. 7383, jan. /jun. 2008.

AZEVEDO, A. Autogestão e Competitividade: Estudos de caso em cooperativas industriais brasileiras e bascas/espanholas. Tese (Doutorado em Geociências) Unicamp, 2007.

BAUMOL, W. J .; OATES, W. E. The theory of environmental policy. Cambridge: Cambridge University, 1988.

BELUCCI et al. Performance measurement in solidarity economy organizations: the case of fair trade shop in Italy. Annals of public and cooperative economics, n. 83, v. 1, p. 22-59, 2012.

BERNSTEIN, E. Socialismo revolucionário. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

CALCAÑO, L. G. Las ferias de consumo familiar del estado Lara, Venezuela: una experiencia de organización participativa. Informe para la División de Estado y Sociedad Civil del Banco Interamericano de Desarrollo, Caracas, 1998.

CHRISTOFFOLI, P. I. O desenvolvimento de cooperativas de produção coletiva de trabalhadores rurais no capitalismo: limites e possibilidades. 2000. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração, UFPR, 2000.

CORAGGIO, J. Economía del trabajo. In: CATTANI, Antonio David (Org. ). La otra economia. Porto Alegre: Veraz Editores; Unitrabalho, 2003. p. 88-95.

COSTA, A. P. O ensino de administração para empreendimentos populares: os cuidados metodológicos em busca de uma pedagogia emancipadora. In: ENEO, 3. 2004, Atibaia. Anais. . . Atibaia, -SP: Eneo, 2004.

DAGNINO, R. Neutralidade da ciência e determinismo tecnológico. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

DELGADO, L. F. et al. Diagnostico del sector de la economía solidaria en la republica bolivariana de Venezuela. Caracas: Cooperativa Gestión Participativa, 2009.

FARIA, J. H. Economia política do poder. Curitiba: Juruá, 2009. V. II.

FERRAZ, D. L .; DIAS, P. Discutindo autogestão: um diálogo entre os pensamentos clássico e contemporâneo e as influências nas práticas autogestionárias da economia popular solidária. In: Organizações & Sociedade, v. 15, p. 99-117, 2008.

FREITAS, A. F .; AMODEO, N. B. P. Mecanismos sociais na regulação de atividades financeiras: uma análise em Cooperativas de Crédito Rural. In: Eneo, 7. Anais. . . Curitiba: Eneo, 2012.

GAIGER, J. Virtudes do trabalho nos empreendimentos econômicos solidários. Revista Latinoamericana de Estudios del trabajo, v. 7, n. 13, 2001.

GAIGER, L. I. Eficiência sistêmica. In: CATTANI, A. et al. (Orgs. ). A outra economia. Coimbra: Almedina, 2004. p. 135-143.

GAIGER, L. I. Eficiência. In: CATTANI, A. D. (Org. ). Dicionário internacional da outra economia. São Paulo: Editora Almedina, 2009. p. 169-175.

GUILLERM, A .; BOURDET, Y. Autogestão: uma mudança radical. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

HELLWIG, B. C .; CARRION, R. M. A participação no processo decisório: um estudo na economia solidária. In: Rege, v. 14, n. 4, p. 1-14, 2007.

KLIKSBERG, B. Cuestionando en Administración. Buenos Aires: Paidos, 1973.

KLIKSBERG, B. El rol del capital social y de la cultura en el proceso de desarrollo. In: Revista venezolana de gerencia, v. 4, n. 9, p. 11-50, 1999.

KNACK, S .; KEEFER, P. Does social capital have an economic payof? A cross country investigation. Quarterly Journal of Economics, v. 112, n. 4, p. 1. 251-1. 288, 1997.

KRAYCHETE, G. Economia dos setores populares: entre a realidade e a utopia. Petrópolis: Vozes, 2000.

LA PORTA, R. et al. Trust in large organizations. American Economic Associatlon papers and proceedings, p. 333-338, may. 1997.

LUXEMBURGO, R. Reforma ou revolução? São Paulo: Globo, 1986.

MURPHY, J. The moral economy of labor: Aristotelian themes in economy theory. Yale: Yale Univ. Press, 1993.

PARRA, H. Liberdade e necessidade: empresas de trabalhadores autogeridos e a construção sócio-político da economia. 2002. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – USP, São Paulo, 2002.

POLANYI, Karl. The great transformation: The political and economic origins of our time. Boston: Beacon Press, 1944.

RAZETO, L. El factor “C” y la economía de la solidaridad. Montevideo: Cofac, 1998.

RAZETO, L. Las empresas alternativas. Montevideu: Nordan-Comunidad, 1990.

ROMERO RAMIREZ, A, J. Cooperativismo y participación en Andalucia. In: Ciriec, Espanha, v. 50, n. 31, 1999.

ROY, W. Socializing Capital: the rise of the large industrial corporation in America. New Jersey: Princeton Univ. Press, 1997.

RUTKOWSKI, J. Sustentabilidade de empreendimentos econômicos: uma abordagem na Engenharia de Produção. 2008. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Ufscar, 2008.

SERVÓS, C. M .; GIL, M. I. Los principios cooperativos facilitadores de la innovación: un modelo teórico. In: Revesco, n. 94, p. 59-79, 2008.

SINGER, Paul. “Economía Solidaria: un modo de producción y distribución”. In: CORAGGIO, J. L. (Org. ). La economía social desde la periferia: contribuciones lati noamericanas. Buenos Aires: Ungs; Editorial Altamira.

SOUZA NETO, P. M. Relacionamentos cooperativos como fator de sustentabilidade na economia solidária no RN: um estudo de caso múltiplo no setor apícola. 2009. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, UFRN, 2009.

STORCH, S. Uma perspectiva estrutural sobre cooperativas industriais. In: PRESTES MOTTA, L. C. (Orgs. ). Participação e participações: ensaios sobre a autogestão. São Paulo: Babel Cultural, 1987.

TAUILE, J .; DEBACO, E. Autogestão no Brasil: o salto de qualidade nas políticas públicas. Indicadores Econômicos, FEE, v. 32, n. 1, p. 197-220, 2004.

TERREROS, I. S .; GORRIZ, C. G. Empresa cooperativa vs. capitalista. ¿Afecta la forma de gobierno a la eficiencia productiva?. In: Revista Europea de Dirección y Economía de la Empresa, v. 17, n. 3, p. 133-144, 2008.

VALENTIM, I. V. L. Economia popular e solidária no Brasil: uma questão de confiança interpessoal. In: ANPAD. 2005, Brasília. Anais. . . Brasilia-DF: Anpad, 2005.

VARGAS DE FARIA, J. R. Organizações coletivistas de trabalho: a autogestão nas unidades produtivas. 2003. Dissertação (Mestrado)–Programa de Pós-Graduação em Administração, UFPR, 2003.

VENOSA, R. A evolução da participação nas organizações autogeridas iugoslavas. In: PRESTES MOTTA et al. Participação e participações: ensaios sobre a autogestão. São Paulo: Babel Cultural, 1987.

VIEITEZ, C .; DAL RI, N. Trabalho associado: cooperativas e empresas de autogestão. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

WEBER, M. Economia e Sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.