Indicadores de Liquidez e o Fluxo de Caixa Operacional: um estudo nas empresas brasileiras de capital aberto Outros Idiomas

ID:
32657
Resumo:
Esta pesquisa teve o objetivo de estudar a relação da liquidez mensurada pelo capital circulante líquido (CCL) e pela necessidade de capital de giro (NCG), com o fluxo de caixa operacional (FCO). A liquidez, historicamente, é determinada pela liquidez corrente (LC) que, também, pode ser mensurada pela diferença entre o ativo circulante (AC) e passivo circulante (PC), definida como CCL. Ao final da década de 1970, Fleuriet, criou um modelo de avaliação de liquidez, similar ao CCL, que sugere a reclassificação do AC e PC em financeiro e operacional para extrair o valor da NCG determinado pela diferença entre os investimentos e financiamentos operacionais de curto prazo. No entanto, o FCO como resultado de entradas e saídas de recursos operacionais, a priori, evidencia melhor a liquidez. A pesquisa foi realizada em 166 empresas brasileiras de capital aberto no período de 2008 ao segundo trimestre de 2012. Para tratamento e análise dos dados, utilizou-se o modelo de dados em painel de efeitos fixos. Os resultados indicam que a métrica de liquidez NCG não é significante para explicar o FCO; o CCL; embora estatisticamente significante, apresenta pequena contribuição adicional no coeficiente de determinação ajustado, R2. Assim, pode-se inferir que os achados da pesquisa confirmam a teoria e expõem que a liquidez mensurada pelo CCL e a NCG não representa fidedignamente os ativos realizados em caixa a exemplo dos mensurados pelo FCO que efetivamente representa as entradas e saídas de recursos operacionais. Esta constatação confirmada nas evidências empíricas da variável que representa a variação de ativos e passivos operacionais (vap). Assim, o estudo remete há discussões e mudanças na estrutura conceitual e de mensuração do CCL e NCG.
Citação ABNT:
ZANOLLA, E.; GARTNER, I. R.; SILVA, C. A. T.; SCALCO, P. R. Indicadores de Liquidez e o Fluxo de Caixa Operacional: um estudo nas empresas brasileiras de capital aberto. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 17, n. 2, p. 137-151, 2014.
Citação APA:
Zanolla, E., Gartner, I. R., Silva, C. A. T., & Scalco, P. R. (2014). Indicadores de Liquidez e o Fluxo de Caixa Operacional: um estudo nas empresas brasileiras de capital aberto. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(2), 137-151.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32657/indicadores-de-liquidez-e-o-fluxo-de-caixa-operacional--um-estudo-nas-empresas-brasileiras-de-capital-aberto/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Accounting Principles Board (APB) n. 19. (1971). Statement of changes in financial position. New York. march

Accounting Principles Board (APB) n. 3. (1963). The statement of source and application of funds. New York.

Accounting Research Bulletin - ARB 43. (1953). Restatement and revision of accounting research bulletins. New York: American Institute of Certified Public Accountants.

Assaf Neto, A.; & Silva, C. A. T. (2012). Administração do capital de giro. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Beaver, W. (1968). Alternative Accounting Measures as Predictors of Failure. The Accounting Review. january

Braga, R. (1991). Análise avançada do capital de giro. Caderno de Estudos, (3). setembro. São Paulo: Fipecafi

Braga, Roberto; Nossa, Valcemiro; Marques, José Augusto Veiga da Costa (2004). Uma proposta para análise integrada da liquidez e rentabilidade das empresas. Revista de Contabilidade e Finanças - USP, São Paulo, p. 51- 64. Edição especial , junho

Brasil, H. V.; & Brasil, H. G. (1999). Gestão financeira das empresas: um modelo dinâmico. 4 ed. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Brigham, E. F.; & Houston, J. F. (1999). Fundamentos da moderna administração financeira. Rio de Janeiro: Campus.

Chaves, R. S. P. (2002). Análise da influência da sazonalidade das vendas na estrutura patrimonial de empresas. Dissertação de Mestrado. FACC / UFRJ. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). (2010). Pronunciamento Técnico. Demonstração dos fluxos de caixa - CPC 03 (R2). Recuperado em 11 de março de 2014 de www.cpc.org.br.

Cox, R. A. K.; & Shulman, J. M. (1985). An integrative approach to working capital management. Journal of Cash Management, pp. 64- 67. may- june.

Deloof, M. (2003). Does working capital management affects profitability of Belgian firms? Journal of Business Finance & Accounting, 30(3), 573- 587.

Eljelly, Abuzar M. (2004). A. Liquidity - profitability trade off: an empirical investigation in an emerging market. International Journal of Commerce and Management, v. 14, n. 2, p. 48- 61.

Financial Accounting Standards Board (FASB). (2001). Statements of financial accounting standards n. 95. Recuperado em 11 de março de 2014 de http://www.xavierpaper.com/documents/usgaap/n.Fas95.pdf.

Fleuriet, M. J. (2005). Fleuriet‟s rebuttal to “questioning fleuriet‟s model of working capital management on empirical grounds”. Social Science Electronic Publishing. - SSRN. Recuperado em 12 de setembro de 2013 de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=741624.

Fleuriet, M. J.; & Brasil, H. V. (1979). Planejamento financeiro das pequenas e médias empresas: um modelo integrado. 2. ed. Belo Horizonte: Fundação Dom Cabral.

Fleuriet, M. J.; Kehdy, R.; & Blanc G. (1978). A dinâmica financeira das empresas brasileiras. Belo Horizonte: Fundação Dom Cabral.

García- Teruel, P. J.; & Martínez- Solano, P. (2007). Effects of working capital management on SME profitability. International Journal of Managerial Finance, 3(2), 164- 177.

Greene, W. H. (2008). Econometric analysis. 6. ed. Pearson Prentice Hall, New Jersey.

Heath, Loyd C.; & Rosenfield, Paul. (1979). Solvency: The forgotten half of financial reporting. The Journal of Accountancy. january

Karaduman, H. A.; Akbas, H. E.; Caliskan, A. O.; & Durer, S. (2011). The relationship between working capital management and profitability: evidence from an emerging market. International Research Journal of Finance and Economics. n. 62.

Khan, M. I.; Aksh, R. S. I.; Hamid, K.; & Hussain, F. (2011). Working capital management and risk- return trade off hypothesis: Empirical evidence from textile sector of Pakistan. European Journal of Economics, Finance and Administrative Sciences. n. 40.

Largay III. J. A.; & Stickney, C. P. (1980). Cash flows, ratio analysis and the W. T. Grant Company bankruptcy. Financial Analysis Journal. julho- agosto

Lazaridis, I.; & Tryfonidis, D. (2006). The relationship between working capital management and profitability of listed companies in the Athens Stock Exchange. Journal of Financial Management and Analysis, v. 19, n. 1. January- june

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera a Lei 6.404/1976. Recuperado em 11 de março de 2014 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2007/lei/l11638.htm.

Lustosa, P. R. B.. (1997). DOAR - uma morte anunciada. Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, 9(16), 26- 38. julho- dezembro

Marques, J. A. V. C.; & Braga, R. (2001). Avaliação da liquidez das empresas através da análise da demonstração de fluxos de caixa. Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 14, n. 25.

Medeiros, O. R.; & Rodrigues, F. F.. (2004). Questionando empiricamente a validade do modelo Fleuriet. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 1, n. 2. setembro- dezembro

Minussi, J. A.; Damacena, C.; & Ness Jr, W. L. (2001). Modelo preditivo de solvência utilizando regressão logística. In: XXV Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós- Graduação em Administração (ENANPAD). Campinas: ANPAD.

Monteiro, A. A. S. (2002). Os fluxos de caixa e o capital de giro: uma adaptação do modelo de Fleuriet. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, UERJ- RJ. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Myers, J. N. (1974). Análise das demonstrações financeiras. São Paulo: Atlas.

Nepomuceno, V. (2008). Teoria da contabilidade. Curitiba: Juruá.

Raheman, Abdul; Nasr, Mohamed. (2007). Working capital management and profitability: case of Pakistani firms. International Review of Business Research Papers, v. 3 n. 1, p. 279- 300

Resolução n.º 1.296. (2010). Demonstração do fluxo de caixa. Conselho Federal de Contabilidade.

Silva, A. M. L.; Cavalcanti, G. A. (2004). A lucratividade inerente e implícita no estoque na análise de liquidez estática. RAC, v. 8, n. 4. outubro- dezembro

Silva, C. A. T. (1998). Contribuição ao estudo do capital de giro a partir do retorno sobre o ciclo financeiro. Contabilidade Gestão e Finanças - UnB Contábil, v. 1, n. 2.

Smith K. (1980). Profitability versus liquidity tradeoffs in working capital management, in readings on the management of working capital. Ed. K. V. Smith, St. Paul, West Publishing Company, p. 549- 562.

Uyar, A. (2009). The relationship of cash conversion cycle with firm size and profitability: an empirical investigation in turkey. International Research Journal of Finance and Economics, n. 24, p. 186- 193.

Villaça, M. J. (1969). O conceito de liquidez. Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro, 9(1), 33- 53.

Weston, J. F.; Brigham, E. F. (2000). Fundamentos da administração financeira. São Paulo: Makron Books.