Fatores de relacionamento interorganizacional na manutenção de redes de cooperação Outros Idiomas

ID:
32666
Resumo:
O objetivo desta pesquisa foi identificar os fatores que influenciam, dificultam e facilitam os relacionamentos interorganizacionais na manutenção de uma rede de cooperação. Este é um estudo descritivo-qualitativo, efetuado a partir de dados primários e secundários. O universo foi composto por 41 empresas conveniadas à rede analisada, sendo que a amostra se restringiu às onze empresas mais representativas. A análise documental foi submetida à técnica de análise de conteúdo. As entrevistas foram aplicadas à diretoria da rede e aos gestores das empresas. O principal fator dos relacionamentos interorganizacionais que influencia as empresas a cooperarem entre si, volta-se à ampliação de sua competitividade no setor farmacêutico. Os fatores que dificultam estão pautados na falta de interação e ausência dos associados às reuniões. Já os fatores que facilitam a manutenção da rede se baseiam na experiência do seu atual presidente, bem como na flexibilidade da rede.
Citação ABNT:
SILVA, R. S.; GASPAR, M. A.; FARINA, M. C.; SIQUEIRA, J. P. L. Fatores de relacionamento interorganizacional na manutenção de redes de cooperação. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, v. 6, n. 2, p. 101-115, 2014.
Citação APA:
Silva, R. S., Gaspar, M. A., Farina, M. C., & Siqueira, J. P. L. (2014). Fatores de relacionamento interorganizacional na manutenção de redes de cooperação. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 6(2), 101-115.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32666/fatores-de-relacionamento-interorganizacional-na-manutencao-de-redes-de-cooperacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, J. N.; ALVES, B. A.; KLEIN, L. L. Avanços e tendências nos relacionamentos interorganizacionais: um paralelo entre estudos brasileiros e internacionais. REGE – Revista de Gestão da USP, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 3-20, jan./abr. 2013.

ALVES, J. N.; ANDRADE, T. de.; REIS, E. dos. Confiança, aprendizagem e conhecimento nos relacionamentos interorganizacionais: diagnóstico e análise dos avanços sobre o tema. REAd, Porto Alegre, v. 76, n. 3, p. 70937, set./dez. 2013.

ALVES, J. N.; PEREIRA, B. A. D. Análise das publicações nacionais sobre estudos em relacionamentos interorganizacionais 2004-2009. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 169-98, abr./jun. 2013.

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidade para as pequenas e medias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

BALESTRIN, A; REYS JÚNIOR, E. O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. 3, p. 458-477, maio/jun., 2010.

BALESTRIN, A.; VARGAS, L. M. Redes horizontais de cooperação como estrutura favorável ao desenvolvimento das PME’s. In: EnANPAD, XXVI, Atibaia, 2003. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2003, p. 1-17.

BALESTRIN, A; VERSCHOORE, J... Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman, 2008.

BARRINGER, B. R.; HARRISON, J. S. Walking a tightrope: creating value through interorganizational relationships. Journal of Management, v. 26, n. 3, p. 367-403, 2000.

BRASIL. Lei nº 10.165 de 27 de dezembro de 2000. 2000. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2012.

BRASIL. Lei nº 139, de 10 de novembro de 2011. 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2012.

BURT, R. S. Structural holes: the structures of competition. Boston: Harvard University Press, 1992.

CÂNDIDO, G. A.; ABREU, A. F. de. Os conceitos de redes e as relações interorganizacionais: um estudo exploratório In: EnANPAD, XXIV, Florianópolis, 2004. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2004, p. 1-15.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999, v. 1

CASTRO, M.; BULGACOV, S.; HOFFMANN, V. E. Relacionamentos Interorganizacionais e Resultados: Estudo em uma Rede de Cooperação Horizontal da Região Central do Paraná. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 1, art. 2, p. 25-46, 2011.

DYER, J. K; NOBEOKA K. Creathg and managing a high performance knowledge-sharing networkThe Toyota case. Strategic Management Journal, v. 21. n. 4. p. 345-367, 2000.

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

FIEDLER, M.; WELPE, I. Antecedents of cooperative commercialisation strategies of nanotechnology firms. Research Policy, v. 39, n. 3, p. 400-10, 2010.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FRANCO, M. J. B. Tipologia de processos de cooperação empresarial: uma investigação sobre o caso português. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 11 n. 3, p. 149-176, 2007.

GERINGER, J. M., HEBERT, L. Control and performance of international joint ventures. Journal of International Business Studies, v. 20, n. 2, p.235-254, 1989.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organizations Studies, v. 16, n. 2. p. 183-214, 1995.

GRANOVETTER, M. Problems of explanation in economic sociology. In: NOHRIA, N.; ECCLES, R. (eds.). Networks and organizations: structure, form and action. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

HAKÃNSON, H. Industrial technological development. London: Routledge, 1987.

HAKANSSON, P.; KJELLBERG, H.; LUDGREN, A. Strategic alliances in global biotechnology. International Business Review, v. 2, n. 1, p. 65-82, 1992.

HALL, R. Organizações: estruturas, processos e resultados. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

HOFFMANN, W. H.; SCHOLOSSER, R. Success factors of strategic alliances in small and medium-sized enterprises: a survey. Long Range Planning, v. 34, n. 3, p. 357-381, 2001.

JARILLO, J. C.; STEVENSON, H. Co-operative strategies: the payoffs and the pitfalls. Long Range Planning, v. 24, n. 1, p. 64-70, 1991.

LAJARA, B.; LILLO, F.; SEMPERE, V. HR management in the formulation of strategic alliances. Human Systems Management, v. 21, v. 3, p. 205-215, 2002.

LARENTIS, F.; TONDOLO, V. A. G.; CISLAGHI, T. P.; CAMARGO, M. E. Contribuição dos relacionamentos interorganizacionais às operações de serviços: um estudo de casos múltiplos. REEN – Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, Florianópolis, v. 6, n. 3, p. 156-181, set./dez. 2013.

LAVILLE, C.; DIONNE, L. A. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

LOPES, H. E. G.; MORAES, L. F. R. Redes e organizações: algumas questões conceituais e analíticas. In: EnEO – ENCONTRO DE ESTUDOS EM ORGANIZAÇÕES, I, Curitiba, 2000, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2000, p. 1-15.

MARCON, M.; MOINET, N. La stratégie-réseau. Paris: ÉditionsZéroHeure, 2000.

MELLAT-PARAST, M.; DIGMAN, L. A. Learning: the interface of quality management and strategic alliances. International Journal of Production Economics, v. 114, n. 2, p. 820-829, 2008.

OLAVE, M. E. L.; AMATO NETO, J. A formação de redes de cooperação e clusters em países emergentes: uma alternativa para PMEs no Brasil. In: AMATO NETO. J. (Org.). Redes entre organizações. São Paulo: Atlas, 2005.

OLIVER, A.; EBERS, M. Networking network studies: analysis of conceptual configurations in the study of inter-organizational relationships. Organization Studies, v. 19, n. 4, p. 459-583, Fall 1998.

OLIVER, C. Determinants of interorganizational relationships: integration and future directions. Academy of Management Review, v. 15, n. 12, p. 241-265, Apr. 1990.

OLIVIERI, L. A importância histórico-social das redes Rede de informações para o terceiro milênio. In: EnANPAD, XXXI, Rio de Janeiro, 2003. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2003, p. 1-17.

OTTONE, S.; PONZANO, F. Competition and cooperation in markets. The experimental case of a winner-take-all setting. Journal of Socio-Economics, v. 39, n. 2, p. 163-170, 2010.

PARKHE, A. Strategic alliance structuring: a game theoretic and transaction cost examination of interfirm cooperation. Academy of Management Journal, v. 36, n. 4, p.794-829, 1993.

PARK, S. H., JUNGSON, G. R. Interfirm rivalry and managerial complexity: a conceptual framework of alliance failure. Organization Science, v.12, n.1, p. 37-53, 2001.

PEREIRA, B. A. D. Identificação dos fatores determinantes do desempenho das empresas inseridas em redes horizontais. In: EnANPAD, XXXIII, Brasília, 2003. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2003, p. 1-15.

PERETTI, L. P. de L. G.; Redes de cooperação: O processo de mudança organizacional em empresas associadas à Asiusi – um estudo de caso. 135 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Caxias do Sul. Caxias do Sul, 2008.

PERIM, A.; ZANQUETTO FILHO, Hélio. Formação de rede interorganizacional para a gestão da cadeia de suprimentos: o caso do setor avícola no estado do Espírito Santo. In: EnANPAD, XXXI, Rio de Janeiro, 2007. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007, p.1-16.

POWELL, W. W.; SMITH-DOER, L. Networks and economic life. In: SMELSER, N. J.; SWEDBERG, R. (orgs.). The handbook of economic sociology. Princeton: Princeton University Press, 1994.

REINL, L.; KELLIHER, F. Cooperative micro-firm strategies: leveraging resources through learning networks. International Journal of Entrepreneurship and Innovation, v. 11, n. 2, p. 141-158, 2010.

RING, P. S.; VAN de VEN, A. H. Developmental process of cooperative interorganizational relationships. Academy of Management Review, v. 19, n. 1, p. 90-118, Jan. 1994.

SACOMANO NETO M.; TRUZZI, O. M. S. Configurações estruturais e relacionais da rede de fornecedores: uma resenha compreensiva. Revista de Administração da USP, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 244-263, 2004.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. R; LÚCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw Hill, 2006.

SCOTT, R. Organizations: rational, natural, and open systems. New Jersey: Prentice, 2003.

SHERMERHORN, J. R. Determinants of Interorganizational cooperation. Academy of Management Journal, v. 18, n. 4, p. 11-28, 1975.

STAKE, R. R. E. Case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (eds.). Handbook of qualitative research. London: Sage, 2000, p. 435-454.

VAN DE VEN, A. H.; DELBECQ, A. L.; KOENIG JR, R. Determinants of coordination modes within organizations. American Sociological Review, v. 41, n. 2, p. 322-43, Apr. 1976.

WHETTEN, D. A.; LEUNG, T. K. The instrumental value of interorganizational relations: antecedents and consequences of linkage formation. Academy of Management Journal, v. 22, n. 2, p. 325-344, Jun. 1979.

YAN, A.; GRAY, B. Bargaining power, management control, and performance in United States–China joint ventures: a comparative case study. Academy of Management Journal, v. 37, n. 6, p.1478-1517, 1994.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010