Processo de inovação na micro e pequena empresa: implicações e achados em empresas sergipanas Outros Idiomas

ID:
32679
Resumo:
Dado o potencial competitivo que a inovação promove, organizações de todos os portes têm investido na inovação como forma de atuar no mercado, inclusive as micro e pequenas empresas. Com o objetivo de compreender como ocorre o processo de inovação nas micro e pequenas empresas, foi realizado um estudo de múltiplos casos em sete empresas sergipanas, de diferentes setores da economia. Como fontes de evidências foram utilizadas entrevistas semiestruturadas, análise documental e análise por registros. A pesquisa demonstrou um processo de inovação formado por um conjunto de práticas informais, direcionadas à busca por qualidade, controle e melhoria de suas atividades e processos. Esta busca, por sua vez, contribui para que os gestores identifiquem novas oportunidades de negócio e possíveis melhorias. Assim, as micro e pequenas empresas apresentam um formato peculiar em seu processo de gestão da inovação, voltado às práticas diárias que exercem e estreitamente dependente de seus integrantes para manterem um processo contínuo e dinâmico.
Citação ABNT:
SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Processo de inovação na micro e pequena empresa: implicações e achados em empresas sergipanas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 3, p. 55-70, 2014.
Citação APA:
Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2014). Processo de inovação na micro e pequena empresa: implicações e achados em empresas sergipanas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(3), 55-70.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32679/processo-de-inovacao-na-micro-e-pequena-empresa--implicacoes-e-achados-em-empresas-sergipanas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALSAATY, F. M. A model for building innovation capabilities in small entrepreneurial firms. Academy of Entrepreneurship Journal, vol. 17, n. 1, 2011.

BRYMAN, A.; BELL, E. Business Research Methods. 3. ed. New York: Oxford University Press, 2011.

CHESBROUGH, H. Business model innovation: opportunities and barriers. Long Range Planning, vol. 43, pp. 354-363, 2010.

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of management, vol. 14, n. 4, out. 1989.

ESTEVES, G.; NOHARA, J. J. Fatores críticos à estabilidade das alianças estratégicas das micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, vol. 8, n. 3, pp. 182 -204, jul./set. 2011.

FAN, I. Y. H.; LEE, R. W. B. Design of a weighted and informed NK model for intellectual capitalbased innovation planning. Expert Systems with Applications, vol. 39, pp. 9222-9229, 2012.

FORSMAN, H. Innovation capacity and innovation development in small enterprises: a comparison between the manufacturing and service sectors. Research Policy, vol. 40, pp. 739-750, 2011.

FRANCO, M.; HAASE, H. Failure factors in small and medium-sized enterprises: qualitative study from an attributional perspective. Int Entrep Manag J, vol. 6, pp. 503-521, 2010.

HAGEDOORN, J.; WANG, N. Is there complementarity or substitutability between internal and external R&D strategies? Research Policy, vol. 41, pp. 1072-1083, 2012.

HEGER, T.; ROHRBECK, R. Strategic foresight for collaborative exploration of new business fields. Technological Forecasting & Social Change, vol. 79, pp. 819-831, 2012.

HIRSCH-KREINSEN, H. Low-tech innovations. Industry and Innovation, vol. 15, n. 1, pp. 19-43, 2008.

JONG, J. P. J.; MARSILI, O. The fruit flies of innovations: a taxonomy of innovative small firms. Research Policy, vol. 35, pp. 213-229, 2006.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber. Editora UFMG: Porto Alegre, 1999.

LEE, S.; PARK, G.; YOON, B.; PARK, J. Open innovation in SMEs: an intermediated network model. Research Policy, vol. 39, n. 2, pp. 290-300, 2010.

MAÇANEIRO, M. B.; CHEROBIM, A. P. M. S. Fontes de financiamento à inovação: incentivos e óbices às micro e pequenas empresas - estudo de casos múltiplos no estado do Paraná. Organizações & Sociedade, vol.18, n. 56, pp. 57-75, jan./mar. 2011.

NEUMAN, L. W. Social Research Methods: Qualitative and Quantitative Approaches. 3. ed. Boston: Allyn & Bacon, 1997.

ROBERTSON, P. L.; CASALI, G. L.; JACOBSON, D. Managing open incremental process innovation: Absorptive Capacity and distributed learning. Research Policy, vol. 41, pp. 822-832, 2012.

ROPER, S.; ARVANITIZ, S. From knowledge to added value: A comparative, panel -data analysis of the innovation value chain in Irish and Swiss manufacturing firms. Research Policy, vol. 41, pp. 1093-1106, 2012.

SANTAMARÍA, L.; NIETO, M. J.; BARGE-GIL, A. Beyond formal R&D: taking advantage of other sources of innovation in low and medium-technology industries. Research Policy, vol. 38, n. 3, pp. 507-517, 2009.

SAUNDERS, M; LEWIS, P.; THORNILL, A. Research Methods for Business Students. 2. ed. Harlow, England: Pearson Education, 2000.

SCHUMPETER, J. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo Econômico. Ed. Abril S.A. Cultural e Industrial: São Paulo, 1982.

SEBRAE. Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2010-2011. 4. ed. /Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Org.); Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos[responsável pela elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas e gráficos]. -Brasília, DF; DIEESE, 2011.

TETHER, B. S. What is innovation? Approaches to Distinguishing New Products and Processes from Existing Products and Processes. ESRC Centre for Research on Innovation and Competition (CRIC), University of Manchester and UMIST, working paper n. 12, 2003 .

UTTERBACK, J. M. Dominando a dinâmica da inovação. trad. Luiz Liske. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996.

VANHAVERBEKE, W.; VERMEERSCH, S.; DE SUTTER, S. OPEN INNOVATION IN SMEs: How can small companies and start-ups benefit from open innovation strategies? Flanders: Vlerick Leuven Gent Management School, 2012.

VASCONCELLOS, L. H. R.; MARX, R. Como ocorrem as inovações em serviços? Um estudo exploratório de empresas no Brasil. Gestão e Produção, São Carlos, vol. 18, n. 3, pp. 443 -460, 2011.

WEERAWARDENA, J.; MAVONDO, F. T. Capabilities, innovation and competitive advantage. Industrial Marketing Management, vol. 40, pp. 1220-1223, 2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.