A miopia da aprendizagem coletiva nas organizações: existe uma lente para ela? Outros Idiomas

ID:
32752
Resumo:
O objetivo deste artigo é discutir como a aprendizagem nos níveis grupal e organizacional vem sendo trabalhada pelos pesquisadores brasileiros e de que maneira o conceito de prática social (GHERARDI, 2009b) contribui na compreensão dos destes níveis de aprendizagem. Assim, a pergunta norteadora do artigo é: sob quais lentes os pesquisadores brasileiros estão pesquisando aprendizagem nas organizações nos níveis grupal e organizacional? O número de estudos sobre aprendizagem organizacional tem crescido não apenas em quantidade, mas tem apresentado outras dimensões do tema (ANTONELLO; GODOY, 2010). Visando alcançar o objetivo proposto foi realizado um levantamento da produção brasileira sobre aprendizagem nos níveis de grupo e organizacional nos principais periódicos da área de administração e nos anais dos eventos da ANPAD, referente ao período de 2000 a 2011. Os resultados mostram que existe uma hegemonia de estudos que adotam as abordagens cognitivo- psicológicas para estudar a aprendizagem coletiva tanto no nível grupal quanto organizacional e evidencia a lacuna de estudos que adotam outros tipos de abordagens com viés mais sociológico, como o da prática social, para responder limitações das abordagens cognitivo-psicológicas.
Citação ABNT:
BISPO, M. S.; MELLO, A. S. A miopia da aprendizagem coletiva nas organizações: existe uma lente para ela?. Revista Gestão & Planejamento, v. 13, n. 3, p. 728-745, 2012.
Citação APA:
Bispo, M. S., & Mello, A. S. (2012). A miopia da aprendizagem coletiva nas organizações: existe uma lente para ela?. Revista Gestão & Planejamento, 13(3), 728-745.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32752/a-miopia-da-aprendizagem-coletiva-nas-organizacoes--existe-uma-lente-para-ela-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. A encruzilhada da aprendizagem organizacional: uma visão paradigmática. RAC, v. 14, n. 2, p.310-332, 2010.

ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. Uma agenda brasileira para os estudos em aprendizagem organizacional. RAE, v. 49, n. 3, p. 266-281, 2009.

ARGYRIS, C.; SCHÖN, D. A. Organizational learning II: theory, method and practice. New York: AddisonWesley, 1996. Cap. 1 What is an Organization that It May Learn? p. 3-29.

BISPO, M. S. A compreensão do processo de aprendizagem coletiva influenciada pelo uso da tecnologia em agências de viagens: contribuições dos estudos baseados em prática e da etnometodologia, 2011. 156 p. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo.

BISPO, M. S.; GODOY, A. S. The Learning Process of the use of technologies as practice: An ethnomethodological approach in travel agencies. Revista Brasileira de Turismo, v. 6, n. 2, p. 34-54, 2012.

BOURDIEU, P. Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge Press, 1977.

CLEGG, S. R.; KORNBERGER, M.; RHODES, C. Learning/Becoming/Organinzing. Organization, v. 12, n. 2, p. 147-167, 2005.

COHEN, I. J. Teoria da estruturação e práxis social. In: GIDDENS, A.; TURNER, J. (Org.). Teoria Social Hoje. São Paulo: Unesp, 1999. p. 393-446.

DeFILLIPPI, R., ORNSTEIN, S. Psychological perspectives underlying theories of organizational learning. In: EASTERBY-SMITH, M., LYLES, M. A. (Ed.). The Blackwell handbook of organizational learning and knowledge management. Oxford: UK: Blackwell Publishing, 2003. p. 19-37.

DIERKES, M.; ANTHAL, B. A.; CHILD, J.; NONAKA, I. (Org.) Organizational learning and knowledge, Oxford: Oxford University Press, 2001.

EASTERBY-SMITH, M. Disciplines of organizational learning: Contributions and Critiques. Human Relations, v. 50, n. 9, p. 1085-1113, 1997.

ELKJAER, B. Social learning theory: learning as participation in social process. In: EASTERBY-SMITH, M., LYLES, M. A. (Ed.). The Blackwell handbook of organizational learning and knowledge management. Oxford: UK: Blackwell Publishing, 2003. p. 38-53.

GARFINKEL, H. From organizational learning to practice-based knowing. Human Relations, v.54, n.1, p.131-139, 2001.

GARFINKEL, H. Introduction: the critical power of the “practice lens”. Management Learning, v. 40, n. 2, 2009a

GARFINKEL, H. NICOLINI, D. The Sociological Foundations of Organizational Learning. In: DIERKES, M. et al. (Org.) Organizational learning and knowledge, Oxford: Oxford University Press, 2001. p. 35-60.

GARFINKEL, H. Organizational Knowledge: The Texture of Workplace Learning. Oxford: Blackwell Publishing, 2006.

GARFINKEL, H. Studios en Etnometodología. Barcelona: Anthropos, 2006.

GHERARDI, S. Practice? It´s a Matter of Taste!. Management Learning, v. 40, n. 5, p. 535-550, 2009b.

GIDDENS, A. The Constitution of Society. Cambridge: Polity Press, 1984.

GUDOLLE, L. S.; ANTONELLO, C. S.; FLACH, L. Aprendizagem situada, participação e legitimidade nas práticas de trabalho. Revista de Administração Mackenzie, v.13, n. 1, jan/fev, 2012.

KIM, D. H. O elo entre a aprendizagem individual e a aprendizagem organizacional. In: KLEIN, D. A. (Org.) A gestão estratégica do capital intelectual: recursos para a economia baseada em conhecimento. RJ; Qualitymark, 1998. p. 61-92.

LOIOLA, E.; BASTOS, A. V. B. A produção acadêmica sobre aprendizagem organizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 3, p. 181-201, 2003.

MARCH, J.; SIMON, H. Organizations. New York: Wiley, 1958.

NICOLINI, D.; GHERARDI, S.; YANOW, D. Knowing in organizations: a practice-based approach. New York: M. E. Sharpe, 2003.

PAWLOWSKY, P. The Treatment of Organizational Learning in Management Science. In: DIERKES, M. et al. (Org.) Organizational learning and knowledge, Oxford: Oxford University Press, 2001. p.61-88.

SOUZA-SILVA, J. C. Aprendizagem organizacional: condições e desafios para o desenvolvimento de comunidades de prática em organizações de ensino superior. 2005, 281p. Tese (Doutorado) Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SOUZA-SILVA, J. C.; SCHOMMER, P. C. A pesquisa em comunidades de práticas: panorama atual e perspectivas futuras. Revista O&S, v.15, n.44 Janeiro/Março – 2008.

STEWART, D. “Reinterpreting the Learning Organisation”. The Learning Organization, v. 8, n. 4, p. 141-152, 2001.

WEICK, K. WESTLEY, F. Aprendizagem Organizacional: Confirmando um Oximoro. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e Análise Organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004. (v. 3).

YANOW, D. Translating Local Knowledge at Organizational Peripheries. British Journal of Management, v. 15, p. 9-25, 2004.