Proposição de um protocolo para estudo sobre a intuição e o processo de tomada de decição Outros Idiomas

ID:
32759
Periódico:
Resumo:
O atual contexto em que executivos e gestores estão inseridos é dinâmico e exigente na demanda de resultados. Decisões rápidas e precisas são necessárias, apoiadas por modelos de tomada de decisão e por aspectos mais subjetivos, a exemplo da intuição. Embora a intuição seja um tópico já longamente estudado, há escassez de pesquisas sobre seu papel na tomada de decisão, especialmente na realidade brasileira. Este artigo tem por objetivo fazer uma reflexão a respeito da intuição no contexto de tomada de decisão e apresentar uma proposta de protocolo de pesquisa para a realidade brasileira, procurando compreender como a intuição e a decisão interagem. Por meio de uma abordagem teórica, essa proposição toma como base outras pesquisas que foram realizadas na área de gestão, buscando as principais contribuições, para então elaborar um cenário que seja mais abrangente no seu escopo de observação, somando-se de forma complementar àquilo que já foi desenvolvido. A conclusão é que um estudo sobre intuição não pode colocá- la em oposição ao processo racional de tomada de decisão, mas sim como algo complementar. Por essa razão, os instrumentos apresentados na literatura deixam lacunas, não fornecendo um panorama completo sobre o assunto.
Citação ABNT:
ANDRIOTTI, F. K.; FREITAS, H. M. R.; MARTENS, C. D. P. Proposição de um protocolo para estudo sobre a intuição e o processo de tomada de decição. Revista de Gestão, v. 21, n. 2, p. 163-181, 2014.
Citação APA:
Andriotti, F. K., Freitas, H. M. R., & Martens, C. D. P. (2014). Proposição de um protocolo para estudo sobre a intuição e o processo de tomada de decição. Revista de Gestão, 21(2), 163-181.
DOI:
10.5700/rege524
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32759/proposicao-de-um-protocolo-para-estudo-sobre-a-intuicao-e-o-processo-de-tomada-de-decicao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGOR, W. H. Test Your Intuitive Powers. In: AGOR, W. H. Intuition in Organizations: Leading and Managing Productively. London: SAGE Publications, 1989.

AGOR, W. H. The logic of intuitive decision making. West Port: Quorum Books, 1986.

ALLINSON, C. W.; HAYES, J. The cognitive style index: a mesure of intuition-analysis for organizational research. Journal of Management Studies, v. 33, n. 1, p. 119-135, Jan. 1996. .

ARIELY, D. Previsivelmente irracional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BAZERMAN, M. H.; MOORE, D. Judgment in managerial decision making. 7. ed. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc., 2009.

BERNSTEIN, P. A História do Mercado de Capitais: O impacto da ciência e da tecnologia nos investimentos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BOLAN, R. Rationality revisited: An alternative perspective on reason in management and planning. Journal of Management History, v. 5, n. 2, p.68-86, 1999. .

BONABEAU, E. Don´t Trust Your Gut. Harvard Business Review, v. 85, n. 3, p. 116-123, May 2003.

BUCHANAN, A.; O'CONNELL, A. A brief history of decision making. Harvard Business Review, v. 84, n. 1, p. 32-41, Jan. 2006.

CIO BRASIL. Solução de problemas urgentes consome 59% do tempo dos gestores. CIO: Estratégias de Negócios e TI para líderes corporativos. Disponível em: . Acessado em: 12 Fev. 2011.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absortive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, 1990. .

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

EISENHARDT, K. Making fast strategic decisions in high-velocity environments. Academy of Management Journal, v. 32, n. 3, p. 543-576, Sept. 1989. .

EISENHARDT, K.; ZBACKARI, M. J. Strategic decision making. Strategic Management Journal, v. 13, Special Issue, 17-37, Winter 1992. .

ELSTER, J. Reason and Rationality. New Jersey: Princeton University Press, 2009.

FERRARO, J. The strategic project leader. Florida: Auerbach Publications, 2007. .

GIGERENZER, G. Fast and Frugal Heuristics: The Tools of Bounded Rationality. In: KOEHLER, D. J.; HARVEY, N. Blackwell Handbook of Judgment and Decision Making. [S.l.]: Blackwell Publishing, 2004.

GIGERENZER, G. Gut Feelings: The Intelligence of the Unconscious. London: Viking Penguin, 2007.

GOODMAN, S. K. Information Needs for Management Decision-Making. ARMA Records Management Quartely, v. 27, n. 4, p. 12-23, Oct. 1993.

HAMMOND, J. S.; KEENEY, R. L.; RAIFFA, H. Decisões inteligentes: somos movidos a decisores – como avaliar alternativas e tomar a melhor decisão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

HODGKINSON, G. P. et al. Intuition in Organizations: Implications for Strategic Management. Long Range Planning, v. 42, n. 3, p. 277-297, 2009. .

HODGKINSON, G. P.; SADLER-SMITH, E. Complex or unitary? A critique and empirical reassessment of the Allinson-Hayes Cognitive Style Index. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 76, n. 2, p. 243268, June, 2003. .

KAHNEMAN, D. A perspective on Judgment and Choice: Mapping Bounded Rationality. American Psychologist, v. 58, n. 9, p. 697-720, Sept. 2003. .

KAHNEMAN, D. Thinking, Fast and Slow. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2011.

KAHNEMAN, D.; TVERSKY, A. Prospect Theory: An Analysis of Decision under Risk. Econometrica, v. 47, n. 2, p. 263-292, 1979. .

KLEIN, G. Fontes do Poder: O Modo como as Pessoas Tomam Decisões. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

KLEIN, G. Naturalistic Decision Making. Human Factors, v. 50, n. 3, p. 456–460, June 2008. .

KLEIN, G. The Power of Intuition: How to Use Your Gut Feelings to Make Better Decisions at Work. New York: Broadway Business, 2004.

KNIGHT, F. H. Risk, Uncertainty and Profit. [S.l.]: Dodo Press, 2008.

LEHRER, J. How we decide. New York: HMH, 2009.

MILLER, S. J.; HICKSON, D. J.; WILSON, D. C. A tomada de decisão nas organizações. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004. v. 3, p. 282-310.

PACINI, R.; EPSTEIN, S. The Relation of Rational and Experimental Information Processing Styles to Personality, Basic Beliefs, and the Ratio-Bias Phenomenon. Journal of Personality and Social Psychology, v. 76, n. 6, p. 972-987, 1999. .

PARIKH, J. Intuition: the new frontier of management. Cambridge: Blackwell Publishers, 1994.

PATTON, J. R. Intuition in decisions. Management Decision, v. 41, n. 10, p. 989-996, 2003. .

RAMOS, A. G. A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

RAPLEY, T. Interviews. In: SEALE, C. et al. Qualitative research practice. London: SAGE, 2004. .

REHFELDT, K. H. Será? A intuição prática (e a prática da intuição) na vida privada, no ambiente empresarial, e fenômenos PSI. Blumenau: Editora Eko, 2004.

SADLER-SMITH, E. Inside Intuition. [S.l.]: Routledge, 2007. .

SIMON, H. A. Comportamento Administrativo: Estudo dos Processos Decisórios nas Organizações Administrativas. Rio de Janeiro: FGV, 1965.

SIMON, H. A. Making Management Decisions: the Role of Intuition and Emotion. Academy of Management Executive, v. 1, n. 1, p. 57-64, Feb., 1987. .

SIMON, H. A. The new science of management decision. New Jersey: Prentice-Hall, 1977.

SIMON, H. Rationality in Psychology and Economics. The Journal of Business, v. 59, n. 4, p. S209-S224, Oct. 1986.

STANOVICH, K. E.; WEST, R. F. Individual differences in reasoning: Implications for the rationality debate. In: GILOVOVICH, T.; GRIFFIN, D.; KAHNEMAN, D. Heuristics and biases. New York: Cambridge University Press, 2002. p. 421-440. .

STAUFFER, D. Sua intuição gerencial: Até que ponto você pode confiar nela? In: Harvard Business School (Org.) Tomando as melhores decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Extensional versus intuitive reasoning: The conjunction fallacy in probability judgment. Psychological Review, v. 90, n. 4, p. 293-315, Oct. 1983. .

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Judgment under Uncertainty: Heuristics and Biases. Science, v. 185, n. 4157, p. 1124-1131, 1974. .

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Rational choice and the Framing of Decisions. Journal of Business, v. 59, n. 4, p. S251-S278, 1986. .

UGUR, M. Risk, uncertainty and probabilistic decision making in a increasingly volatile world. Handbook of Business Strategy – Emerald Group Publishing Limited, 2005, p.19-24.

WEBER, M. Economia e sociedade. Brasília: UnB, 2004. v. I.

WOICESHYN, J. Lessons from "Good Minds": How CEO Use Intuition, Analysis and Guiding Principles to Make Strategic Decisions. Long Range Planning, v. 42, n. , p. 298-319, 2009.