Gestão e divulgação do risco operacional e Os Acordos de Basileia: o caso dos maiores bancos portugueses Outros Idiomas

ID:
32839
Resumo:
A gestão do risco é uma atividade, cada vez mais, percecionada como sendo indissociável de uma adequada gestão organizacional. Os Acordos de Basileia, particularmente no setor da banca, têm contribuído para o reforço desta visão. O presente estudo procura verificar, especialmente ao nível da gestão do risco operacional, qual a posição em que se encontram as instituições financeiras, tendo em conta a existência dos referidos Acordos. Foca-se a avaliação do estágio de desenvolvimento das atividades relacionadas com a gestão de risco operacional e outras questões relevantes para a banca portuguesa. Analisa-se, através dos relatórios e contas de 2010 dos cinco maiores bancos portugueses, alguns indicadores chave. Constata-se a existência de estruturas de gestão de risco operacional e os passos do processo adotados; os métodos de cálculo dos requisitos de fundos próprios para a cobertura deste tipo de risco; a forma de definição dos ratings e respetivos responsáveis; e a perda total por tipo de risco operacional nestas entidades. Verificou-se que desenvolviam integralmente as atividades relacionadas com a gestão de risco operacional e estavam a evoluir para uma abordagem integrada da gestão de riscos. Em geral, cumpriam os requisitos de Basileia II, mas Basileia III parecia não ser, à data, motivo de preocupação e/ou divulgação de informação.
Citação ABNT:
ALVES, M. T.; MATIAS, F. J. F. Gestão e divulgação do risco operacional e Os Acordos de Basileia: o caso dos maiores bancos portugueses. Revista Universo Contábil, v. 10, n. 3, p. 172-193, 2014.
Citação APA:
Alves, M. T., & Matias, F. J. F. (2014). Gestão e divulgação do risco operacional e Os Acordos de Basileia: o caso dos maiores bancos portugueses. Revista Universo Contábil, 10(3), 172-193.
DOI:
10.4270/ruc.2014325
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/32839/gestao-e-divulgacao-do-risco-operacional-e-os-acordos-de-basileia--o-caso-dos-maiores-bancos-portugueses/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
A.P.B. Associação Portuguesa de Bancos. O sistema financeiro e como funcionar. Associação Portuguesa de Bancos. 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 dez.2011.

ALVES, C. A. M.; CHEROBIM A. P. M. S. Contribuição para o estudo da gestão de riscos: evidenciação do risco operacional em quatro instituições financeiras brasileiras. In: CONGRESSO USP/FIPECAFI, 2004. Anais…, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jan.2012.

ALVES, C. A. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. Análise do nível de divulgação do risco operacional segundo recomendações do Comitê de Basileia: estudo em bancos do país e do exterior. Revista de Administração Mackenzie, v.10, n. 2, p. 57-86, mar./abr. 2009. ISSN 1678-6971.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977).

BCBS. Basel III: A global regulatory framework for more resilient banks and banking systems. Bank for International Settlements, dez. 2010 (Rev. jun. 2011). Disponível em: . Acesso em: 24 nov.2011.

BCBS. International convergence of capital measurement and capital standards – A revised framework. Bank for International Settlements. novembro 2005. Disponível em: . Acesso em: 7 jan. 2014.

BCP Banco Comercial Português. Relatório e Contas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2011.

BES Banco Espírito Santo. Relatório e Contas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2011.

BIS. Basel committee on banking supervision reforms Basel III. 2011. Disponível em: . Acesso em: 21 jan.2011.

BPI Banco Português Investimento. Relatório e Contas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2011.

BST Banco Santander Totta. Relatório e Contas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. de 2011.

CARNEIRO, L. F. F.; VIVAN A.G. F.; KRAUSE, K.. O novo acordo da Basileia – um estudo de caso para o contexto brasileiro. 2004. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2014.

CARVALHO, D. B.; CALDAS, M. P.. Basileia II: abordagem prática para acompanhamento de risco operacional em instituições financeiras. Resenha Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 nov.2011.

CASTANHEIRA, N.; RODRIGUES, L.L.. Da abordagem tradicional à gestão de risco empresarial. Revisores & Empresas, p. 58-61, jul./set. 2006.

CGD Caixa Geral de Depósitos. Relatório e Contas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan.2011.

COSO. Enterprise Risk Management — Integrated Framework Executive Summary, September 2004. Disponível em: . Acesso em: 3 nov.2011.

ETU-MENSON, F. Operational Risk Management in the Banking Industry of Ghana. 4 set. 2011. p. 1-51. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2014. DOI 10.2139/ssrn.1922289

FIGUEIREDO, R. P. Gestão de riscos operacionais em instituições financeiras – uma abordagem qualitativa. Universidade da Amazónia – UNAMA, Belém – Pará Brasil. 2001. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 011.

IASB. Norma Internacional de Relato Financeiro (IFRS) 7 Instrumentos Financeiros: Divulgação de Informações. 2007. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2014

LEITE, P. H. C.; ALVES, C. A. M.; MACHADO FILHO, C. A. P. Gestão de risco operacional em uma instituição financeira pública que atua no Brasil: um estudo de caso. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online). Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 32-48, maio/ago., 2010. ISSN 1984-3291. Disponível em: . Acesso em: 20 jan.2014.

MAIA, P.M. C.. O impacto de Basileia III sobre a economia. Faculdade de Economia da Universidade do Porto. 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 dez.2010.

NEVES, D.P.. Crise financeira internacional – impactos e desafios, Banco de Portugal. Eurosistemas de 19 de Maio de 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2011.

OLDFIELD, A. P. S. G. S.; SANTOMERO, M. A. M. O Local de Gestão de Risco em Instituições Financeiras na Escola Wharton da Universidade da Pensilvânia. 1997. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2011.

PEREIRA, J. M.. Gestão do risco operacional uma avaliação do novo acordo de capitais – Basileia II. Revista Contemporânea em Contabilidade, Florianópolis, v.1 n. 6, p.103-124, jul./dez. 2006.

RMA RISK MANAGEMENT ASSOCIATION. Operational risk: the next frontier. The Journal of Lending & Credit Risk Management, v. 82, n. 6. 2000. Disponível em: . Acesso em: 19 de nov. 2011.

SHENKIR, W.; Walker, P. Implementing Enterprise Risk Management, Institute of Management Accounting. 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2012.

SILVA, E.; MENEZES, E. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação, 3ª. ed. Florianópolis: UFSC, 2001. Disponível em: . Acesso em: 24 de Novembro de2009.

SILVA, I. F. O Acordo de Basileia II e o impacto na gestão de riscos da banca e no financiamento das empresas. Dissertação (Mestrado em Contabilidade e Administração) -Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão. 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2011.

TRAPP, A. C. G.; CORRAR, L. J.. Avaliação e Gerenciamento do risco Operacional no Brasil: Análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. Revista de Contabilidade & Finanças – USP, São Paulo, n. 37, p. 24-36, Jan./Abr. 2005. ISSN (Versão impressa): 1519-7077.

WEERTHOF, R. V. Programa de Gestão de Risco do SAS. Instituto na Europa. 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 nov.2011.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.