Institucionalização do conhecimento em sustentabilidade ambiental pelos programas de pós-gradução stricto sensu em Administração Outros Idiomas

ID:
33125
Resumo:
Este estudo analisou o processo de institucionalização e legitimação do conhecimento em programas stricto sensu em administração, no campo de sustentabilidade ambiental, por meio da proposição e aplicação de um modelo teórico segundo a abordagem de Berger e Luckmann. A sociologia do conhecimento, abordada por Berger e Luckmann, é empregada como base para a construção de um modelo de investigação aos processos de institucionalização e legitimação. A pesquisa apresenta diferentes abordagens metodológicas intrinsecamente complementares, com predomínio de técnicas quantitativas, com a análise de redes, assim, caracterizando-se como uma abordagem de métodos mistos. Foi possível concluir que as redes de colaboração formadas pelos programas stricto sensu em administração contribuem para a institucionalização e legitimação do conhecimento em sustentabilidade ambiental. As técnicas de bibliometria e data mining identificaram os autores que estão com obras institucionalizadas e legitimadas. Os resultados mostram que o modelo desenvolvido, por meio da abordagem Berger e Luckmann, permitiu identificar os autores e instituições que possuem a produção do conhecimento institucionalizada ou legitimada em sustentabilidade ambiental, bem como que sua aplicação é possível em outros campos científicos.
Citação ABNT:
MACHADO JUNIOR, C.; SOUZA, M. T. S.; PARISOTTO, I. R. D. S. Institucionalização do conhecimento em sustentabilidade ambiental pelos programas de pós-gradução stricto sensu em Administração. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 6, p. 854-873, 2014.
Citação APA:
Machado Junior, C., Souza, M. T. S., & Parisotto, I. R. D. S. (2014). Institucionalização do conhecimento em sustentabilidade ambiental pelos programas de pós-gradução stricto sensu em Administração. Revista de Administração Contemporânea, 18(6), 854-873.
DOI:
10.1590/1982 - 7849rac2014 1809
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33125/institucionalizacao-do-conhecimento-em-sustentabilidade-ambiental-pelos-programas-de-pos-graducao-stricto-sensu-em-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Berger, P., & Luckmann, T. (2008). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento (28a ed.). Petropolis: Vozes.

Borgatti, S. P., Everett, M. G., & Freeman, L. C. (2002). Ucinet for Windows: software for social network analysis. Harvard, MA: Analytic Technologies.

Bourdieu, P. (1991). The peculiar history of scientific reason. Sociological Forum, 6(1) 3-26. doi: 10.1007/BF01112725

Bourdieu, P. (1995). La cause de la science. Actes de larechercheen sciences sociales, 106(106/107), 3-10.

Crane, D. (1972). Invisible colleges. Chicago: University of Chicago Press.

Creswell, J. W. (2007). Projetos de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Cross, R., Parker, A., & Borgatti, S. P. (2000). A bird’s-eye view: using social network analysis to improve knowledge creation and sharing. Knowledge Directions, 2(1), 48-61.

Dimaggio, P., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.

Dimaggio, P., & Powell, W. W. (1991). Introduction. In W. W. Powell & P. Dimaggio (Orgs.), The new institutionalism in organizational analysis (pp. 1-5). Chicago: University of Chicago.

Donaire, D. (1994). Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas.

Easterby-Smith, M., Thorpe, R., Lowe, A., & Montingelli, N., Jr. (1999). Pesquisa gerencial em administração: um guia para monografias, dissertações, pesquisas internas e trabalhos em consultoria. São Paulo: Pioneira.

Fayyad, U. M., Piatetsky-Shapiro, G., Smyth, P., & Uthurusamy, R. (1996). Advances in knowledge discovery and data mining. Menlo Park, CA: AAAI press.

Freeman, L. (1996). Some antecedents in social network analysis. Connection, 19(1), 1-42.

Grossman, R. L., Hornick, M. F., & Meyer G. (2002). Data mining standards initiatives. Communications of the ACM, 45(8), 59-61. doi:10.1145/545151.545180

Guedes, V. L. S., & Borschiver, S. (2005, outubro). Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Anais do Encontro Nacional de Ciência da Informação, Salvador, BA, Brasil, 6.

Hunt, C. B., & Auster, E. R. (1990). Proactive environmental management: avoiding the toxic trap. MIT Sloan Management Review, 31(2), 7-18.

Jabbour, C. J. C., Santos, F. C. A., & Barbieri, J. C. (2008). Gestão ambiental empresarial: um levantamento da produção científica brasileira divulgada em periódicos da área de administração entre 1996 e 2005. Revista de Administração Contemporânea, 12(3), 689-715. doi: 10.1590/S1415-65552008000300005

Mahlck, P., & Persson, O. (2000). Socio-bibliometric mapping of intra-departamental networks. Scientometrics, 49(1), 81-91. doi: 10.1023/A:1005661208810

Maimon, D. (1996). Passaporte verde: gestão ambiental e competitividade. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Marteleto, R. M. (2010). Redes sociais, mediação e apropriação de informações: situando campos, objetos e conceitos na pesquisa em Ciência da Informação. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 3(1) 27-46.

Martins, G. S., Csillag, J. M., & Pereira, S. C. F. (2009, agosto). Produtividade e cooperação no campo de operações no Brasil: um estudo da rede de pesquisadores e instituições do Simpoi (1998-2008). Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Mello, C. M. de, Crubellate, J. M., & Rossoni, L. (2010). Dinâmica de relacionamento e prováveis respostas estratégicas de programas brasileiros de pós-graduação em administração à avaliação da capes: proposições institucionais a partir da análise de redes de co-autorias. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 434-457. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n3/v14n3a04.pdf. doi: 10.1590/S1415-65552010000300004

Meneses, M. P., & Sarriera, J. C. (2005). Redes sociais na investigação psicossocial. Aletheia, (21), 53-67.

Merton, R. K. (1968). The Matthew effect in science. Science, 159(3810), 56-63. doi: 10.1126/science.159.3810.56

Merton, R. K. (1970). Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: MestreJou.

Merton, R. K. (1988). The Matthew effect in science, II: cumulative advantage and the symbolism of intellectual property. Isis, 79(4), 606-623. doi: 10.2307/234750

Molina, J. L., Muñoz, J. M., & Domenech, M. (2002). Redes de publicaciones científicas: um análisis de la estrutura de coautorías. Revista Hispanica p/ el análisis de redes sociais, 1(3), Recuperado de http://revista-redes.rediris.es/html-vol1/vol1_3.htm

Moody, J. (2004). The str uctur e of a social science coll aborati on network: disciplinary cohesion from 1963 to 1999. American Sociological Review , 69(2), 213-238. doi: 10.1177/000312240406900204

Moretti, S. L. A. do, & Campanário, M. A. de (2009). A produção intelectual brasileira em responsabilidade social empresarial – RSE sob a ótica da bibliometria [Edição Especial]. Revista de Administração Contemporânea, 13, 68-86. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v13nspe/a06v13nspe.pdf. doi: 10.1590/S1415-65552009000500006

Nascimento, L. F. (2010). Modelo CAPES de avaliação: quais as consequências para o triênio 2010-2012? Revista Administração: Ensino e Pesquisa, 11(4), 579-600.

Newman, M. E. J. (2001). The structure of scientific collaboration networks. Proceedings of the National Academy Sciences, 98(2), 404-409. doi:10.1073/pnas.98.2.404

Porter, M. E., & Linde, C. V. D. (1995). Green and competitive: ending the stalemate. Harvard Business Review, 73(5), 120-134.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa (3a ed.). São Paulo: Mc Graw-Hill.

Santos, V. L. dos Jr. (2000). Organização e interação dos pesquisadores na prática científica: um estudo de grupos de pesquisa da UFRGS (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Saraiva, E. V., & Carrieri, A. P. de (2009). Citações e não citações na produção acadêmica de estratégia no Brasil: uma reflexão crítica. Revista de Administração da USP, 44(2), 158-166.

Souza, M. T. S. de, Machado, C., Jr., Parisotto, I. R. S. dos, & Silva, H. H. M. da (2013). Estudo bibliométrico de teses e dissertações em administração na dimensão ambiental da sustentabilidade. Revista Eletrônica de Administração, 19(3), 541-568. doi: 10.1590/S1413-23112013000300001

Souza, M. T. S., & Ribeiro, H. C. M. (2013). Sustentabilidade ambiental: uma metanálise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 368-396. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v17n3/a07v17n3.pdf. doi: 10.1590/S1415-65552013000300007

Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Revista Ciência da Informação, 31(2), 152-62. doi: 10.1590/S0100-19652002000200016

Wasserman, S., & Faust , K. (1994). Social netw ork analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University Press.

Wood, D., Kumar, V., Tredwell, T., & Leach, E. (1998). Perceived cohesiveness and sociometric choice in ongoing groups. International Journal of Action Methods, Psychodrama Skill Training and Role Playing, 50(3), 122-137.

Zucker, L. G. (1977). The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociological Review, 42(5), 726-743.