Expectativas de carreira na contemporaneidade: o que querem os jovens profissionais? Outros Idiomas

ID:
33173
Periódico:
Resumo:
O ingresso recente da denominada geração Y no mercado de trabalho tem intensificado o interesse de pesquisadores e profissionais de recursos humanos em conhecer, com maior profundidade, as diferenças geracionais. De acordo com a literatura que os caracteriza, esses jovens possuem aspirações e interesses particulares em relação ao trabalho. Algumas pesquisas recentes têm se dedicado a entender as expectativas e os valores desses jovens, todavia, ainda não existem muitos estudos que identifiquem suas expectativas em relação à carreira. Dessa forma, a fim de contribuir para um melhor entendimento dessa geração de profissionais, este trabalho teve, como objetivo, analisar as expectativas de carreira dos novos entrantes no mercado de trabalho. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, baseada em entrevistas semiestruturadas com jovens entre 21 e 30 anos de idade, que possuem formação superior completa e, no mínimo, um ano de experiência profissional no mundo corporativo. O resultado da análise sugeriu que elementos tanto das carreiras tradicionais quanto das novas configurações de carreira, estão presentes nas expectativas dos jovens dessa geração, o que deve ser considerado no desenho de políticas de recursos humanos voltadas para esse grupo.
Citação ABNT:
SÁ, P. F.; LEMOS, A. H. C.; CAVAZOTTE, F. S. C. N. Expectativas de carreira na contemporaneidade: o que querem os jovens profissionais?. Revista ADM.MADE, v. 18, n. 2, p. 8-27, 2014.
Citação APA:
Sá, P. F., Lemos, A. H. C., & Cavazotte, F. S. C. N. (2014). Expectativas de carreira na contemporaneidade: o que querem os jovens profissionais?. Revista ADM.MADE, 18(2), 8-27.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33173/expectativas-de-carreira-na-contemporaneidade--o-que-querem-os-jovens-profissionais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMO, H.W.; BRANCO, P.P.M. (Org.). Retratos da juventude brasileira. São Paulo: Instituto Cidadania/Fundação Perseu Abramo, 2005.

ALSOP, R. The trophy kids grow up: how the millennial generation is shaking up the workplace. San Francisco: Jossey-Bass, 2008.

ANDRADE, G.A.; KILIMNIK, Z.A.; PARDINI, D. J. Carreira tradicional versus carreira auto-dirigida ou proteana: um estudo comparativo sobre a satisfação com a carreira, a profissão e o trabalho. Revista de Ciências da Administração, v.13, n.31.p.58-80, set/dez.2011.

ARTHUR, M.B.; ROUSSEAU, D.M. The boundaryless career: a new employment principle for a new organizational era. New York: Oxford University Press, 1996.

BALASSIANO, M.; COSTA, I.S.A. (Org.). Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006

CAVAZOTTE, F.C.N.; LEMOS, A.H.C.; VIANA, M.A. Novas gerações no mercado de trabalho: expectativas renovadas ou antigos ideais? Cadernos EBAPE.BR, v.10, n.1, p.162-180, março, 2012.

CENNAMO, L.; GARDNER, D. Generational differences in work values, outcomes and personorganisation values fit. Journal of Managerial Psychology, v. 23 n. 8, p. 891-906, 2008.

COELHO, J. A. Organizações e carreiras sem fronteiras. In: BALASSIANO, M.; COSTA, I.S.A. (Org.). Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Altas, 2006.

DANZIGER, N.; VALENCY, R. Career anchors: distribution and impact on job satisfaction, the Israeli case. Career Development International; v. 11 n. 4, p. 293-303, 2006.

DUTRA, J. S. (Org.) Gestão de carreiras na empresa contemporânea. São Paulo: Atlas, 2010.

GOMES, D. F. N. et al. Limites e possibilidades da técnica de evocação de metáforas para entender os mapas de âncoras de carreiras entre universitários In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD, 2010.

HALL, D.T.; MOSS, J.E. The new protean career contract: helping organizations and employees adapt. Organizational Dynamics, v.26, n.3, p.22-36, 1996.

HILL, R.P. Managing across generations in the 21st century: important lessons from the ivory trenches. Journal of Management Inquiry, v.11, n. 1, p. 60-66, march, 2002.

HUNTLEY, R. The world according to Y: inside the new adult generation. Sydney: Allen &Unwin, 2006.

KLIKSBERG, B. O contexto da juventude na América Latina e no Caribe: as grandes interrogações. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 5, p. 909-942, set./out. 2006.

LEE, S.H.; WONG, P.K. An exploratory study of technopreneurial intentions: a career anchor perspective. Journal of Business Venturing, 19, p. 7-28, 2004.

LEMOS, A.H.C. Empregabilidade e individualização da conquista do emprego. In: BALASSIANO, M.; COSTA, I.S.A. (Org.). Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

LEMOS, A.H.C. Juventude, geração e trabalho: ampliando o debate. Organização & Sociedade, v.19, n. 63, p.739-743, out./dez. 2012.

LIPKIN, N.; PERRYMORE, A. A geração Y no trabalho: como lidar com a força de trabalho que influenciará definitivamente a cultura da sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

LOUGHLIN, C.; BARLING, J. Young workers’ values, attitudes, and behaviours. Journal of Occupational and Organizational Psychology, v. 74 n. 4, p. 543-58, 2001.

MACHY, K., GARDNER, D. e FORSYTH, S. Generational differences at work: introduction and overview. Journal of Managerial Psychology, v.23, n.8, p. 857-861, 2008.

OLIVEIRA, L. B. Construindo uma carreira em administração: um modelo teórico desenvolvido a partir da grounded theory. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD, 2010.

OLIVEIRA, S. Geração Y; era das conexões – tempo dos relacionamentos. São Paulo: Clube dos Autores, 2009.

OLIVEIRA, S.R.; PICCININI, V.C.; BITTENCOURT, B.M. Juventudes, gerações e trabalho: é possível falar em geração Y no Brasil? Organização & Sociedade, v. 19, n. 62, p.551-558, jul./set. 2012.

PROSERPIO, L.; GIOIA, D. Teaching the virtual generation. Academy of Management Learning & Education, v.6, n.1, p. 69–80, 2007.

ROBBINS, S. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

SCHEIN, E. Identidade profissional: como ajustar suas inclinações a suas opções de trabalho. São Paulo: Nobel, 1996.

SMOLA, K.; W.; SUTTON, C.D. Generational differences: revisiting generational work values for the new millennium. Journal of Organizational Behavior, v. 23, n. 4, 2002.

THIRY-CHERQUES, H.R. Individualismo e carreira: o duplo constrangimento. In: BALASSIANO, M.; COSTA, I.S.A. (Org.). Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2006.

TIEPPO, C.E. S. et al. Seriam as âncoras de carreira aderente às carreiras inteligentes?: um estudo comparativo entre alunos formandos de um curso de administração de empresas e de hotelaria e turismo In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD, 2010.

TULGAN, B. Not everyone gets a trophy: how to manage generation Y. San Francisco: Jossey-Bass, 2009.

TWENGE, J.; CAMPBELL, S.M. Generational differences in psychological traits and their impact on the workplace. Journal of Managerial Psychology, v. 23, n. 8, p. 862-877, 2008.

VASCONCELOS, K.C.A. et al. A geração Y e suas âncoras de carreira. Gestão.Org,v.8, p. 226-244, 2010.

VELOSO, E.F.R. et al. Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações Y, X e Baby Boomers. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 32., 2008, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: ANPAD, 2008.

VELOSO, L.; BARBOSA, L. Notas sobre o conceito de juventude e geração. In: BARBOSA, L. (Org.). Juventude e gerações no Brasil contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2012. p.17-27.

WONG, M., et al. Generational differences in personality and motivation: do they exist and what are the implications for the workplace? Journal of Managerial Psychology, v.23, n.8, p. 878-890, 2008.

YARNALL, J. Career anchors: results of an organizational study in the UK. Career Development International, v.3, n.2, p.56-61, 1998.