Abordagens e procedimentos qualitativos: implicações para pesquisas em organizações Outros Idiomas

ID:
33261
Periódico:
Resumo:
O propósito principal desse trabalho é o de fazer uma comparação (e sucinta análise) entre as diversas abordagens e procedimentos qualitativos utilizados em pesquisas nas Ciências Sociais, mais especificamente em estudos organizacionais. Pretende-se oferecer uma noção sobre os métodos qualitativos mais utilizados nas pesquisas em organizações. Acredita-se que o panorama proposto poderá auxiliar, de algum modo, investigadores na escolha metodológica na fase inicial de suas pesquisas. Para tanto, faz-se necessário e julga-se oportuno a realização de uma breve discussão sobre alguns aspectos inerentes à utilização de tais procedimentos, considerando que a abordagem metodológica do pesquisador deve refletir as premissas ontológicas e epistemológicas. Nesse trabalho, são apresentadas características, especificidades e procedimentos relacionados à fenomenologia, etnografia, etnometodologia, discurso e narrativa, grounded theory, estudo de caso, pesquisa-ação e pesquisa histórica. Os procedimentos de pesquisa aqui abordados também apresentam desafios para o pesquisador, para o projeto de pesquisa e para o futuro da pesquisa em estudos organizacionais.
Citação ABNT:
MELLO, C. M.Abordagens e procedimentos qualitativos: implicações para pesquisas em organizações. Revista Alcance, v. 21, n. 2, p. 324-349, 2014.
Citação APA:
Mello, C. M.(2014). Abordagens e procedimentos qualitativos: implicações para pesquisas em organizações. Revista Alcance, 21(2), 324-349.
DOI:
alcance.v21n2.p324-349
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33261/abordagens-e-procedimentos-qualitativos--implicacoes-para-pesquisas-em-organizacoes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BANDEIRA-DE-MELLO, R.. cuNHA, c. J. c. A. grounded theory. In: gODOI, c. k.; BANDEIRADE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

BERg, B. L. Qualitative research methods for the social sciences.4. ed. Needham Heights: Pearson, 2001.

BOAVA, D. L. T.; MAcEDO, F. M. F. contribuições da fenomenologia para os estudos organizacionais. Cadernos Ebape.bR, v. 9, Ed. Especial, p. 469-487, 2011.

CALÁS, M. B.; SMIRCICH, L. Past postmodernism? Reflections and tentative directions. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 649-671, 1999.

cARVALHO, J.L.F.; VERgARA, c. SYLVIA. A fenomenologia e a pesquisa do espaço dos serviços. Revista de Administração de Empresas, v.42, n.3, p.78-91, 2002.

cHASE, S. E. Narrative inquiry: multiple lenses, approaches, voices. In: DENzIN, N.k.; LINcOLN, Y.S. The handbook of qualitative research. 3. ed. Thousand Oaks, CA: Sage Publications Inc., 2005.

cORBETTA, P. Social research: theory, methods and techniques. London, Sage, 2003.

cOuLON, A. Etnometodologia.Petrópolis: Vozes, 1995.

CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: choosing among five traditions. Thousand Oaks: Sage, 1998.

DENzIN, N.k.; LINcOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENzIN, N.k.; LINcOLN, Y. S. e colaboradores. 2. ed. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DENzIN, N.k.; LINcOLN, Y. S. e colaboradores. 2. ed. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DOugLAS, D. grounded theories of management: a methodological review. Management Research News,v. 26, n. 5, p. 44-52, 2003.

DuBOIS, J. Dicionário de linguística.São Paulo: Cultrix, 1997.

EDEN, C.; HUXHAM, C. Pesquisa-ação no estudo das organizações. In: cLEgg, S. R.; EDMuNDS, H. Focus group research handbook.New York: AMA, 2000.

FRANcIS, D; HESTER, S. An invitation to ethnomethodology: language, society and interaction. London: Sage Publications, 2004.

GODOI, C. K. Perspectivas de análise do discurso nos estudos organizacionais. In: GODOI, C. k.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GRIX, J. Introducing students to the generic terminology of social research. Politics, v. 22, n. 3, p. 175-186, 2002.

GuESSER, A. H. A etnometodologia e a análise da conversação e da fala. EmTese, v.1, n. 1, p. 149-168, 2003.

HARDY, C.; NORD, W. R. (Orgs.) e CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Orgs. ed. brasileira). Handbook de estudos organizacionais: reflexões e novas direções. v.2. São Paulo: Atlas, 2001.

HAVE, P. T. Understanding qualitative research and ethnomethodology. Thousand Oaks: Sage Publications, 2004.

HERAcLEOuS, L. Discourse, interpretation, organization. cambridge, 2006.

HERAcLEOuS, L.; HENDRY, J. Discourse and the study of organization: toward a structurational perspective. Human Relations, v. 53, n. 10, p. 1251-1286, 2000.

HOLSTEIN, J. A.; GUBRIUM, J.F. Phenomenology, Etnomethodology, and Interpretative Practice. In: DENzIN, N. k.; LINcOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. 2. ed. Bevery Hills, cA:Sage Publications Inc.,1994.

HuSSERL, E. A ideia da fenomenologia.Lisboa: Edições 70, 1990.

JAIME JUNIOR, P. Pesquisa em organizações: por uma abordagem etnográfica. Civitas, v. 3, n. 2, p. 435-456, 2003.

MAANEN, J.V. The fact of fiction in organizational ethnography. Administrative Science Quarterly,v. 24, n. 1, p. 539-550, 1979.

MAckE, J. A pesquisa-ação como estratégia de pesquisa qualitativa. In: gODOI, c. k.; BANDEIRADE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

MARSH, D.; FURLONG, P. A skin, not a sweater: ontology and epistemology in Political Science. P. 17-41. In: MARSH, D.; STOkER, g. Theory and Methods in Political Science.Pallgrave McMillan, 2002.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MORgAN, g.; SMIRcIcH, L. The case for qualitative research. Academy of Management Review, v. 5, n. 4, p. 491-500, 1980.

PHILLIPS, N.; LAWRENCE, T. B.; HARDY, C. Discourse and institutions. Academy of Management Review, v. 29, n. 4, p. 635-652 , 2004.

RIESSMAN, catherine kohler. Narrative analysis. Sage Publications, 1993.

SANDBERg, J. How do we justify within interpretive knowledge produced approaches? Organizational Research Methods, v. 8 n. 1, p. 41-68, 2005.

SILVEIRA, R. z. da; guERRA, A. c.; gONÇALVES, c. A. A aplicação da fenomenologia nos estudos organizacionais do Brasil. Administração: Ensino e Pesquisa RAEP. Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 269-300, 2012.

STAkE, R. E. Qualitative case studies. In: DENzIN, N. k. and LINcOLN, Y. S. Handbook of Qualitative Research. 3rd. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2005.

SuDDABY, R. From the editors: what grounded theory is not. Academy of Management Journal, v. 49, n. 4, p. 633-642, 2006.

TEDLOck, Barbara. Ethnography and ethnographic representation. In: DENzIN, N. k; LINcOLN, Y. S. (Org.) Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks, cA: Sage, 2000.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 15. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

VEIgA, L.; gONDIM, S.M.g. A utilização de métodos qualitativos na ciência política e no marketing político. Opinião Pública,v. 2, n.1, p. 1-15, 2001.

YIN, R. k. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.