Desenvolvimento de um sistema de avaliação para melhorar a eficiência, a eficácia e governança no setor público: o caso do Programa de Subsídios para Empresas Exportadores no Brasil

ID:
33572
Resumo:
Melhorar a exportação de um país é amplamente reconhecido como uma questão estratégica. Para um país em desenvolvimento, os benefícios são múltiplos: expandir os mercados de bens e serviços a uma escala global, contribuindo para a criação de empregos, definir padrões tecnológicos e de gestão para os setores da economia e reduzir as vulnerabilidades externas do país, gerando reservas. Esses benefícios justificam a adoção de políticas públicas para apoiar e fomentar as exportações, mas é essencial para garantir que os recursos investidos nesses programas estão sendo utilizados de forma eficaz, exigindo a concepção e implementação de sistemas de avaliação. Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir um modelo de avaliação para o PROEX, Programa Brasileiro de Apoio às Exportações. O modelo proposto inclui a definição e cálculo de um conjunto de indicadores que permitam o acompanhamento da medida em que o programa está atingindo seus objetivos principais. Acreditamos que o modelo de avaliação proposto irá contribuir para melhorar a eficiência, eficácia e governança do Programa.
Citação ABNT:
COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. C.; REYES, D. G. C.; ALMEIDA, G. O. Desenvolvimento de um sistema de avaliação para melhorar a eficiência, a eficácia e governança no setor público: o caso do Programa de Subsídios para Empresas Exportadores no Brasil. Brazilian Business Review, v. 11, n. 6, p. 101-127, 2014.
Citação APA:
Costa, F. L., Castanhar, J. C., Reyes, D. G. C., & Almeida, G. O. (2014). Desenvolvimento de um sistema de avaliação para melhorar a eficiência, a eficácia e governança no setor público: o caso do Programa de Subsídios para Empresas Exportadores no Brasil. Brazilian Business Review, 11(6), 101-127.
DOI:
10.15728/bbr.2014.11.6.5
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33572/desenvolvimento-de-um-sistema-de-avaliacao-para-melhorar-a-eficiencia--a-eficacia-e-governanca-no-setor-publico--o-caso-do-programa-de-subsidios-para-empresas-exportadores-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAER, W. The Brazilian boom 1968-72: an explanationand interpretation. World Development, v. 7, n. 8, ago. 1973.

BARZELAY, M. The new public management: improving research and policy dialogue. California: Univ. of California Press, 2001. v. 3.

BCB. Banco Central do Brasil. 2012. Disponível em: .

BCB. Banco Central do Brasil. Boletim Seção Balanço de Pagamentos: BCB Boletim/BP. 2013.

BELLOC, M., DI MAIO, M. Survey of the literature onsuccessful strategies and practices for export promotion by developing countries. International Growth Centre, Working Paper No. 11/0248, 2011.

BERNARD, A. B.; JENSEN, J.B. Exporters, jobs, and wages in U.S. manufacturing: 19761987. Brookings Papers on Economic Activity. Microeconomics, p. 67-119, 1995.

BLOMSTRÖM, M.; KOKKO, A. Multinational corporations and spill overs. Journal of Economic Surveys, v. 12, n. 2, 1998.

BLUMENSCHEIN, F.; LEON, F. L. L. Uma análise do desempenho e da segmentação do sistema de crédito à exportação no Brasil. In: BNDES. O desafio das exportações. BNDES 2002.

BRAZIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Portaria MDIC nº 58, 10 de Abril, 2002.

CASSIMAN, B.; GOLOVKO,E.; MARTÍNEZ-ROS, E. Innovation, exports and productivity. International Journal of Industrial Organization, v. 28, p. 372-376, 2010.

CENTRAL BANK. Circular nº 2.881. 19 nov. 1999.

CNI. Confederação Nacional da Indústria. Os problemas da empresa exportadora brasileira. Brasília, 2002.

FEDER, G. On exports and economic growth. Journal of Development Economics, v. 12, n. 1-2, p. 59-73, 1982.

FEINBERG, R. E. Subsidizing success: the export-import bank in the U.S. economy. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

HARRIES, H. Financing the Future. KFW: the German bank with a public mission. Frankfurt am Main: Verlag Fritz Knapp GmbH, 1998.

HARRISON, A.; RODRÍGUEZ-CLARE, A. Trade, foreign investment, and industrial policy for developing countries. NBER Working Papers, 15261, 2009.

KAVOUSI, R. M. Export expansion and economic growth: further empirical evidence. Journal of Development Economics, v. 14, p. 241-250, 1984.

LUSTOSA DA COSTA, F.; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, FGV, v. 37, n. 5, p. 969-92, set/out. 2003.

MDIC. Ministério do Desenvolvimento Industria e Comercio Exterior. Boletim PROEX. 2011.

MELITZ, M. J. International trade and heterogeneous firms. In: DURLAUF, S. N.; BLUME, L. E. (Eds.). The New Palgrave Dictionary of Economics. 2. Ed. London: McMillan, 2008.

MOKATE, K. M. Convirtiendo el “Monstruo” en Aliado: la evaluación como herramienta de la gerencia social. Revista do Serviço Público, ano 53, n. 1, jan./mar. 2002.

MOREIRA, S. V.; SANTOS, A. F. Políticas públicas de exportação: o caso do PROEX. Textos para Discussão IPEA, v. 836, p. 45, 2001.

MOREIRA, S. V.; TOMICH, F.; RODRIGUES, M. G. PROEX e BNDES-EXIM: Construindo o Futuro. Textos para Discussão IPEA, v. 1156, p. 33, 2006.

NEVEN, D.; SEABRIGHT, P. European industrial policy: the airbus case. In: Economic Policy. Norwich, 1995.

OECD. Country risk classifications of the participants to the arrangement on officially supported exports. Oct. 2007.

OECD. Export Credit Financing Systems: in OECD member countries and non-members economies. 2005.

PFEIFFER, P. O quadro lógico: um método para planejar e gerenciar mudanças. Revista do Serviço Público, ano 51, n. 1, jan./mar. 2000.

PREBISCH, R. O desenvolvimento da América Latina e seus principais problemas. Revista Brasileira de Economia, ano 3, n. 3, set. 1949.

RICHARDSON, J. D; RINDAL, K. Why exports matter: more! Washington, DC: the Institute for International Economics and the Manufacturing Institute, 1996.

ROSENBERG, L. J.; POSNER, L. D. The logical framework: a manager’s guide to a scientific approach to design and evaluation. Washington, DC: Practical Concepts, 1979.

SCHANK, T.; SCHNABEL, C.; WAGNER, J. Do exporters really pay higher wages? First evidence from German linked employer-employee data. Journal of International Economics, v. 72, n. 1, p. 52-72, 2007.

SECRETARIA DE COMERCIO E SERVICOS. Serviços: panorama do comércio internacional. 2012. Disponível em: .

TAVARES, M. C. Auge e declínio do processo de substituição de importações no Brasil. In: TAVARES, M. C. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro: ensaios sobre a economia brasileira. 10. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1963.

TAYLOR, C.; HENISZ, W. U.S. manufacturers in global marketplace. Report 1058, the Conference Board, 1994.

TYLER, W. G. Growth and export expansion in developing countries: some empirical evidence. Journal of Development Economics, v. 9, p. 121-130, 1981.

UN, United Nations. United Nations e-government survey 2012: E-Government for the People. 2012. Disponível em: .

VEIGA, P. M.; IGLESIAS, R. A política de financiamento à exportação no Brasil. In: REDIPEA/BID. Aspectos estratégicos da política comercial brasileira. Oct. 2000.

VEIGA, P. M.; IGLESIAS, R. Políticas de incentivo às exportações no Brasil entre 1964 e 2002: resenha de estudos selecionados. Temas de Economia Internacional – 02. Brasília: Ministério da Fazenda, Secretaria de Assuntos Internacionais, 2003.

WHOLEY, J. S. Using evaluation to improve program performance and results. In: MARVIN, C. A. (Ed.). Evaluation roots: a wider perspective of theorists’ views and influences. 2. Ed. Cambridge: SAGE Publications, 2012.

WILKINSON,T. J.; BROUTHERS, L. E. An evaluation of state sponsored promotion programs. Journal of Business Research, 2000.