Sistema de Inovação do agronegócio brasileiro? Dualismo estrutural-tecnológico e desafios para o desenvolvimento do país Outros Idiomas

ID:
33620
Resumo:
A investigação da questão da inovação na agricultura brasileira e sua transformação em agronegócios e desenvolvimento para o país é uma tarefa consideravelmente complexa. Para tal, são relatados os cenários de contradições da formação do agronegócio, o paralelismo no segmento tradicional e dual estrutural-tecnológico agrícola e os desafios para o desenvolvimento brasileiro. Fundamenta-se a investigação na dinâmica da teoria neoschumpeteriana, em que profundas transformações e reestruturações ocorrem em razão das interdependências complexas, competição, crescimento econômico e mudança estrutural, sendo a inovação o link entre componentes estruturais (agentes, redes e instituições) de Sistema de Inovação (SI) para setores, regiões e países. As discussões estão focadas na participação do Estado como agente estratégico do SI e da dinâmica de desenvolvimento. Para isto, aprofundou-se na relevância do agronegócio brasileiro e na questão da inovação como estratégia para mitigar o crescimento econômico concentrado e desigual. Analisa-se também a evolução do sistema de C&T do Brasil e suas relações com o agronegócio. Por fim, são avaliados os dispêndios públicos na agricultura. Concluiu-se que, embora possam existir avanços significativos em sistemas produtivos classificados como modernos, a evolução das Políticas de CT&I, a sistemática de organização e coordenação do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (SNPA) e os níveis de evolução dos dispêndios públicos em P&D na agricultura, não asseguram redução do dualismo estrutural-tecnológico, empecilhos relevantes à formação de um SI no agronegócio. Ainda, na dinâmica da economia de mercados, os componentes estruturais do agronegócio tendem a investir em inovações nos segmentos mais competitivos vinculados às exportações. Há, portanto, necessidade da presença do Estado que, na economia evolucionária é agente fundamental, articulando atores, redes, instituições, buscando desenvolver conhecimentos, mobilizando recursos, formando mercados, legitimando e influenciando a direção de pesquisas e desenvolvimento de externalidades positivas, caso contrário, haverá apenas crescimento econômico desigual.
Citação ABNT:
GELINSKI JÚNIOR, E.; COSTA, A. D.; GONÇALVES, F. O.; DUENHAS, R. A. Sistema de Inovação do agronegócio brasileiro? Dualismo estrutural-tecnológico e desafios para o desenvolvimento do país. Desenvolvimento em Questão, v. 12, n. 28, p. 279-317, 2014.
Citação APA:
Gelinski Júnior, E., Costa, A. D., Gonçalves, F. O., & Duenhas, R. A. (2014). Sistema de Inovação do agronegócio brasileiro? Dualismo estrutural-tecnológico e desafios para o desenvolvimento do país. Desenvolvimento em Questão, 12(28), 279-317.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33620/sistema-de-inovacao-do-agronegocio-brasileiro--dualismo-estrutural-tecnologico-e-desafios-para-o-desenvolvimento-do-pais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMOVITZ, M.; Thinking about growth. Cambridge: Cambridge University. 1989.

ALBUQUERQUE, E. M. Sistema estadual de inovação de Minas Gerais: um balanço introdutório e uma discussão do papel (real e potencial) da Fapemig para a sua construção. Belo Horizonte: Face; Cedeplar; UFMG, 2001.

ALVARENGA, A.; O agronegócio e as incertezas. Avicultura Industrial, São Paulo, 20 set. 2013: Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2013.

ALVES, E.; ROCHA, D. de P.; Ganhar tempo é possível? In: GASQUES, J. G.; VIEIRA FILHO, J. E. R.; NAVARRO, Z. (Org. ). A agricultura brasileira: desempenho, desafios e perspectivas. Brasília: Ipea, 2010. p. 275-290. Cap. 11.

ASHEIM, B. T.; ISAKSEN, A.; Localisation, Agglomeration and innovation: Towards regional Innovatio Systems in Norway? European Planning Studies, v. 5 (3), p. 299-330, 1997.

BANCO CENTRAL DO BRASIL.; Relatório da inflação setembro de 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2013.

BARRO. R.; SALA-I-MARTIN, X.; Economic growth. New York: McGraw-Hill 1995.

BARROS, G.; Índices regionais de preços agro. Piracicaba: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - Esalq/USP, 2013.

BEINTEMA, N.; AVILA, F.; FACHINI, C.; Brasil: inovação na organização e financiamento da pesquisa agropecuária pública. Agricultural Science and Technology Indicators (Asti), Roma, FAO/Ifpri-Rome, 2010. (Notas de país, out. 2010). Dispo nível em: Acesso em: 15 jul. 2013.

BERGEK, A.; Shaping and exploiting technological in Sweden. PhD thesis. Departament of Industrial Dynamics, Chalmers Universiy of Technology, Goteborg, 2002.

BERGEK, A.; Under review. Levelling the playing field? The influence of national Wind power instruments on local landuse planning pratices in a Swedish county. Energy Policy. 2008.

BHIDÉ, A.; The Venturesome Economy: How Innovation Sustains Prosperity in a More Connected World. Kauffman Foundation Series on Innovation and Entrepreneur ship. New Jersey: Princeton University Press, 2008.

BIELSCHOWSKY, R.; Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Ipea; Inpes, 1988. (Série PNPE, n. 19).

BIJKER, W. E.; Of Bicycles, Bakelites and Bulbs: Toward a Theory of Sociotechical Change. Cambridge: The MIT Press, 1995.

BRASIL. Embrapa.; Gestão da inovação na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Brasília, nov. 2002. Disponível em Acesso em: 10 jul. 2013.

BRASIL. Embrapa.; Secretaria de Gestão e Estratégia. V Plano-Diretor da Embrapa: 2008-2011-2023. Brasília, DF: Embrapa, 2008b. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2013.

BRASIL. Mapa.; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Mapa.; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do Agronegócio: Brasil 2010/2011 a 2010/2021. Brasília: Assessoria de Gestão Estratégica, 2013. 59 p. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2013.

BRASIL. Mapa.; Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Plano Plurianual 2008-2011 - orientações estratégicas do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília. 2011. Disponível em: . Acesso em: 1º jul. 2013.

BRASIL. MCTI.; Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Plano Plurianual 2008-2011- orientações estratégicas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília. 2008. Disponível em: . Acesso em: 1º jul. 2013.

BRASIL. MCTI.; Mistério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Dispêndios públicos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), por objetivo socioeconômico, 2000-2012. Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2014.

BRASIL. MCTI.; Mistério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Orientações estratégicas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2013.

BRASIL. MCTI.; Mistério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Orientações estratégicas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília. 2012. Disponível em: . Fundo Setorial do Agronegócio. Acesso em: 30 ago. 2013.

BRASIL. MDIC.; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Série histórica do comércio internacional brasileiro. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2013.

BRESCHI, S.; MALERBA, F.; Sectoral innovation systems: technological regimes, Schumpeterian dynamics, and spatial boundaries. In: EDQUIST, C. (Ed. ). Systems of innovation - Technologies, Institutions and Organizations. London; Washington: Pinter, 1997. p. 130-156.

CAMPUS, F. L. S.; Inovação, trajetórias tecnológicas e sustentabilidade: uma introdução à abordagem neo-Schumpeteriana e complexa - o caso da Petrobras. In: ENCON TRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL - ANPEC SUL, 8. , 2005, Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 1º jun. 2013.

CARLSSON, B. (Ed. ). Technological Systems and Economic Performance: The Case of Factory Automation. Kluwer Academic, Publishers, Boston, 1995.

CARLSSON, B. et al.; Innovation systems: analytical and methodological issues. Research Policy, v. 21, p. 233-245, 2002.

CARLSSON, B.; STANKIEWICZ, R. On the Nature, Function, and Composition of Technological Systems. Journal of Evolutionary Economics, v. 1 (2), p. 93-118.

CASAROTTO, E. L.; Desempenho da pauta de exportação do agronegócio de Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: UFGD, 2013.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará Editora, 2003.

CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. Cepea.; ESALQ/USP. Cadernos Especiais, 2013. Disponível em: < www.cepea.esalq.usp.br>. Acesso em: 5 fev. 2013.

CIMOLI, M.; DELLA GIUSTA, M.; The nature of technological change and its mais implications on national and local systems of innovation. Relatório nº 29, International Institute for Applied Systems Analysis, 1998.

CIMOLI, M.; DOSI, G.; Technological paradigms, patterns of learning and development: an introductory roadmap. Journal of Evolutionary Economics, 5, 3, 1995, p. 243-268.

COOKE, P. et al.; Business processes in regional innovation systems in the European Union. Paper submitted to the EU-TSER workshop on Globalization and the Learning Economy: Implications for Technology Policy. Brussels, 1997.

COSTA, A. C. R. da; MONTEIRO FILHA; GUIDOLIN, S. M.; Inovação nos setores de baixa e média tecnologia. In: Inovação BNDES Setorial, Rio de Janeiro, 33, p. 379-420, 2011.

CRESTANA, S.; SILVA, R. C.; Uma possível história da inovação e gestão do agronegócio no Brasil. In: ZUIN, Luís Fernando Soares et al. Agronegócio: gestão e inovação. São Paulo: Saraiva, 2006.

DOSI, G.; FREEMAN, C.; FABIANI, S.; The process of economic development: introducing some stylised facts and theories on technologies, firms and institutions. In: Industrial and Corporate Change, v. 3, n. 1, 1994.

DOSI, G.; Mudança técnica e transformação industrial - a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006. (Primeira versão em inglês de 1984).

DOSI, G.; NELSON, Ricard R.; An introduction to evolutionary theories in economics. Journal of Evolutionary Economics, v. 4, n. 3, p. 153-172, 1994.

DOSI, G.; The nature of the innovative process. In: DOSI, Giovanni et al. (Ed. ). Technical change and economic theory. London: Merit, 1988. p. 221-238.

EDQUIST, C.; Systems of Innovation Approaches - their Emergence and Charac terístics. In: EDQUIST, C. (Ed. ). Systems of Innovation: Technologies, Institutions and Organizations. London: Pinter Publishers, 1997.

FAGERBERG, J.; Technology and international differences in growth rates. Journal of Economic Literature, v. 32, sep. 1994.

FERRAZ, J. Carlos; KUPFER, David; HAGUENAUER, Lia.; Made in Brazil: de safios competitivos para a indústria brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

FERREIRA, P. C.; Sobre a inexistente relação entre política industrial e comércio exterior. Economia Aplicada, v. 9, p. 523-541, 2005.

FONSECA, L. S.; STADUTO, J. A. R.; A evolução das políticas agrícolas: de 1964 a 1994. In: ENCONTRO DE ECONOMISTAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, 2. , 1995, Rio de Janeiro. Anais. . . Rio de Janeiro: UFRJ, 1995. p. 560-564.

FREEMAN, C.; HAGEDOORN, J. Catching up or falling behind: patterns in international interfirm technology partnering. World Development, v. 22, n. 5, p. 771780, 1994.

FREEMAN, C.; Technology policy and economic performance: Lessons from Japan. London: Pinter Publishers, 1987.

FREEMAN, C.; The “National System of Innovation” in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, n. 19, p. 5-24, 1995.

FREIRE, E.; BRISOLLA, S. N. Contribuição do caráter “Transversal” do Software para a Política de Inovação. Revista Brasileira de Inovação, v. 4, n. 1, jan. /jun. 2005.

FUCK, M. P.; A co-evolução tecnológica e institucional na organização da pesquisa agrícola no Brasil e na Argentina. 2011, 183 p. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

GALLI, R.; TEUBAL, M.; Paradigmatic shift sin national innovation systems. In: EDQUIST, C. (Ed. ). Systems of Innovation: Technologies, Institutions and Organizations. Pinter Publishers, London, 1997. p. 342-370.

GEELS, F. W.; From sectoral systems of innovation to socio-technical systems: Insights about dynamics and change from sociology and institutional theory. Research Policy, 33, 897-920. 2004.

GONÇALVES, J. S.; SOUZA, S. A. M. Heterogeneidade e competitividade: o significado dos conceitos frente ao mosaico de disparidades da agricultura brasileira. Informações Econômicas, São Paulo, v. 30, n. 11, p. 34-51, nov. 2000.

HAUSMANN, R.; RODRIK, D.; VELASCO, A. Growth Diagnostics. Harvard: Harvard University, 2004. (Mimeo).

HUGHES, T. P.; Networks of Power- Electrification in Western Society 1880-1930. The Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1983.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE.; Sistema IBGE; de recuperação automática - Sidra. Banco de dados pecuária. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2012.

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Iedi.; Contribuições para uma agenda de desenvolvimento do Brasil. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2013.

IPEA.; Séries históricas do preço internacional de commodities e da taxa de câmbio efetiva real. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2013.

JANK, M. S.; NASSAR, A. M.; Competitividade e globalização. In: ZYLBERSZ TAJN, D.; NEVES, M. F. (Coord. ). Economia e gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000.

LASTRES, H. M. M.; Redes de inovação e as tendências internacionais da nova estratégia competitiva industrial. Ciência da Informação, v. 24, n. 1, 1995.

LEMOS, C.; Inovação para arranjos e sistemas produtivos de MPME. In: LASTES, H. (Coord. ). et al. Interagir para competir: promoção de arranjos produtivos e inovativos no Brasil. Brasília: SEBRAE; FINEP; CNPq, 2002.

LEMOS, M. B.; MORO, S. O contexto macro da dinâmica de inovação do sistema agroalimentar do Mercosul ampliado. Montevideo: Procisur/BID. 2000. 47p. (Série Documentos nº 1).

LUNDVALL, B.; National systems of innovation. Towards a theory of innovation and interactive learning. Londres: Pinter, 1992.

LUNDVALL, B.; Sistemas nacionales de innovación: hacia una teoría de la innovación y el aprendizaje por interacción. 1. ed. San Martin: Unsam Edita de Universidad Nacional de Gral. San Martin, 2009.

MALERBA, F.; Sectoral systems of innovation and production. Research Policy, 31, 247-264. 2002.

MALERBA, F.; Sectoral systems of innovation: issues and analyses of six major sectors in Europe. Cambridge University, 2004.

MELLO, C. J. H. de; Inovação tecnológica para o crescimento do agronegócio: a propriedade intelectual nas ações da Finep. Curitiba: Tecpar, jun. 2007.

MENDES, J. T. G.; PADILHA JÚNIOR, J. B.; Agronegócio: uma abordagem econômica São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

MENDES, P. J. V.; Organização da P&D agrícola no Brasil: evolução, experiências e perspectivas de um sistema de inovação para a agricultura. 2009. Tese (Doutorado) - Unicamp, Campinas, São Paulo, 2009.

MONTOYA, M. A.; FINAMORE E. B. Evolução do PIB do Agronegócio Brasileiro de 1959 a 1995: uma estimativa na ótica do valor adicionado. Teor. Evid. Econ. , Passo Fundo, v. 9, n. 16, p. 9-24, maio 2001.

MOREIRA, M. M.; Industrialization, trade and market failures: the role of government intervention in Brazil. Revista Brasileira de Economia, v. 48, p. 295-324, 1994.

MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M. C.; Análise de séries temporais. São Paulo: Edgar Blücher, 2006.

MORGAN, K.; The learning region: Institutions, innovation and regional renewal. Regional Studies, v. 31 (5), p. 491-503, 1997.

NELSON, R. R.; KIM, L. (Orgs. ).; Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Tradução Carlos D Szlak. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005.

NELSON, R. R.; National Innovation Systems: a comparative study. Oxford: Oxford University Press, 1993.

NELSON, R. R.; National innovation systems: a retrospective on a study. Industrial and Corporate Change, 1 (2), 347-374, 1992.

NELSON, R.; Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Tradução Cláudio Heller. Campinas, SP: Editora de Unicamp, 2005.

NELSON, R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change. Cambridge, Mass. : Harvard University Press, 1982.

OLIVEIRA, G. B.; Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Rev. FAE, Curitiba, v. 5, n. 2, p. 37-48, maio/ago. 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2013.

PENROSE, E.; A teoria do crescimento da firma. Tradução Tomás Szmrecsànyi. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006.

PERUSSI FILHO, S.; A criação de ciclos virtuosos de inovação. In: EMBRAPA. 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2013.

PINHEIRO, M. C.; et al. Por que o Brasil não precisa de política industrial. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; FGV; Epge, 2007.

PORTUGAL, A. D.; CONTINI, E. As grandes transformações na agricultura brasileira. Revista de Política Agrícola. Secretaria da Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Mapa; Embrapa, 1977.

PORTUGAL, A. D.; CT&I para o agronegócio: perspectivas da pesquisa agropecuária nos próximos 10 anos. Unicamp. Agência de Inovação da Unicamp. Campinas, 2003.

RÉVILLION, J. P. P.; PADULA, A. D.; Sistemas setoriais de inovação - uma aplicação do conceito na cadeia produtiva de leite fluido na França e no Brasil. 2008. Dispo nível em: . Acesso em: 18 ago. 2013.

RODRIGUES, M. E.; BARBOSA, J. G. P.; Um estudo sobre o sistema de inovação brasileiro. In: Cadernos Discentes Coppead, Rio de Janeiro, n. 19, p. 1-140, 2003.

ROMER, P.; Endogenous technological change. Journal of Political Economy, v. 98, n. 3. 1990.

SANTANA, S. K. S.; BEZERRA, J. F. M. T. A.; A abertura e a volatilidade da produção industrial do Brasil no Período 1996/2008. Brasília, DF, v. 12, n. 1, p. 91-110, jan. /abr. 2011.

SANTINI, G. A. et al.; Conceitos de inovação no agronegócio. In: ZUIN, L. F. S.; QUEIROZ, T. R. et al.; Agronegócios: gestão e inovação. São Paulo: Saraiva, 2006.

SANTOS, G. R.; VIEIRA FILHO, J. E. R.; Heterogeneidade produtiva na agricultura brasileira: elementos estruturais e dinâmicos da trajetória produtiva recente. Rio de Janeiro: Ipea jun. 2012. Texto para discussão. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2014.

SBICCA, A.; PELAEZ, V.; Sistemas de inovação. In: PELAEZ, V.; SZMRECSÁNYI, T. (Orgs. ). Economia da inovação tecnológica. São Paulo: Hucitec; Ordem dos Economistas do Brasil, 2006.

SCHUMPETER, J. A.; Teoria do desenvolvimento econômico. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

SESSO FILHO, U. A. et al.; Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil. In: Economia & Tecnologia, ano 7, vol. 25, abr. jun. 2011.

SILVA, C. A. B.; BATALHA, M. O.; Competitividade em sistemas agroindustriais: metodologia e estudo de caso. Ribeirão Preto: Pensa; FEA; USP, 1999. (II Workshop Brasileiro de Gestão de Sistema Agroalimentares).

SOUZA, N. de J. de.; Desenvolvimento econômico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

SUTZ, J.; Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnología en América Latina: ¿en busca de una agenda? In: ALBORNOZ, M.; KREIMER, P.; GLAVICH, E. (Eds. ). Ciencia y sociedad en América Latina. Buenos Aires: UNQ, 1996, p. 87-106.

SUZIGAN, W.; Indústria brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.

TIGRE, P. B.; Ideias fundadoras - apresentação. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, p. 9-12, 2009.

VIEIRA FILHO, J. E. R; SANTOS, G. R.; Heterogeneidade no setor agropecuário brasileiro: contraste tecnológico. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, n. 14, abr. 2011.

WILKINSON, J.; Demandas tecnológicas, competitividade e inovação no sistema agroalimentar do Mercosul ampliado. Lácteos. Montevideo: Procisur; BID, 2000. 43p. (Série Documentos nº 9).

ZUIN, L. F. S.; ALLIPRANDINI, D. H.; Gestão da inovação na produção agropecuária (Gipa). In: ZUIN, L. F. S.; QUEIROS, T. R. (Org. ). Agronegócios: gestão e inovação. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 252-278. V. 1.

ZUIN, L. F. S.; QUEIROZ, T. R; . Agronegócio: gestão e inovação. São Paulo: Saraiva, 2006.