A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais Outros Idiomas

ID:
33625
Resumo:
Neste artigo, o objetivo é apresentar a gestão ordinária, que foge aos parâmetros gerencialistas ao focar o cotidiano do homem comum que administra negócios ordinários, os empreendimentos familiares, com suas relações sociais estabelecidas, sua forma de organizar seus negócios, suas estratégias de sobrevivência, seus usos e sentidos dos espaços – de negócio e de família – e a rede de relações tecidas por eles. Neste texto, questiona-se a perspectiva da administração como única, baseada em um conhecimento tido como puro ou neutro (restrito ao racional), absoluto e universal (excludente de outros saberes concorrentes) e que triunfou política e economicamente por meio das tecnologias de gestão. Em contrapartida a esse posicionamento, defende-se que se devem levar em consideração os fatores históricos, sociais, culturais e identitários que diferenciam os sujeitos e na prática cotidiana pluralizam a gestão. Portanto, há outras abordagens capazes de contribuir para o avanço do conhecimento científico na área de estudos organizacionais, sendo a gestão ordinária uma dessas abordagens.
Citação ABNT:
CARRIERI, A. P.; PERDIGÃO, D. A.; AGUIAR, A. R. C. A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, v. 49, n. 4, p. 698-713, 2014.
Citação APA:
Carrieri, A. P., Perdigão, D. A., & Aguiar, A. R. C. (2014). A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, 49(4), 698-713.
DOI:
10.5700/rausp1178
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33625/a-gestao-ordinaria-dos-pequenos-negocios--outro-olhar-sobre-a-gestao-em-estudos-organizacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agar, M. (1980). The professional stranger. Orlando: Academic Press.

Aktouf, O. (1994). O simbolismo e a cultura da empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In J. F. Chanlat (Org.), O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. (Vol. 2). p. 40-79. São Paulo: Atlas.

Alcadipani, R. (2011). Academia e a fábrica de sardinhas. Organizações & Sociedade, 18(57), 345-348.

Alcadipani, R.; & Davel, E. (2003). Reflexão, renovação e questionamento inspirados pela crítica. Revista de Administração de Empresas (RAE), 43(4), 72-85.

Alcadipani, R.; & Rosa, A. R. (2010). Pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “borat” brasileiro. Revista de Administração de Empresas (RAE), 50(4), 371-382.

Alvesson, M. (1993). Cultural perspectives on organizations. Cambridge: Cambridge University Press.

Alvesson, M. (2004). Organizational culture and discourse. In D. Grant, C. Hardy, C. Oswick, & L. Putnam, The Sage handbook of organizational discourse. London: Sage.

Alvesson, M. (2007). Understanding organizational culture. London: Sage.

André, M. E. D. A. (2007). Etnografia da prática escolar. 13a ed. Campinas: Papirus.

Antuniasi, M. H. R. (1993). Estratégias familiares na organização do trabalho. Informações Econômicas (IEA), 22(supl.1), 17-22.

Arendt, H. (2004). A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bakhtin, M. (1992). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Barros, A. N.; & Carrieri, A. P. (2013). Ensino superior em administração entre os anos 1940 e 1950: uma discussão a partir dos acordos de cooperação Brasil-Estados Unidos. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. 11, p. 256-273.

Barros, B. T.; & Prates, M. A. S. (1997). O estilo brasileiro de administrar: sumário de um modelo de ação cultural brasileiro com base na gestão empresarial. In: F. C. Prestes Motta, & M. P. Caldas (Orgs.), Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas.

Benjamin, W. (1987). Teses sobre a história. In W. Benjamin, Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas, v. 1, p. 222-232. São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (1994). Pequena história da fotografia. In W. Benjamin, Magia e técnica, arte e política. 7a ed. Trad Sérgio P. Rouanet. p. 100-113. São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (2006). Passagens. Belo Horizonte, São Paulo: UFMG/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Bispo, M. S.; & Godoy, A. S. (2012). A etnometodologia enquanto caminho teórico-metodológico para investigação da aprendizagem nas organizações. Revista de Administração Contemporânea (RAC), 16(5), 684-704.

Bourdieu, P. (2000). A profissão de sociólogo: preliminares epistemológicas. Petrópolis: Vozes.

Brant, F. (2004). Mercado Central. Belo Horizonte: Conceito Editorial.

Butler, J. (1998). Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do “pós-modernismo”. Cadernos Pagu, v. 11, p. 11-42.

Caiafa, J. (2002). Jornadas urbanas: exclusão, trabalho e subjetividade nas viagens de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FGV.

Canevacci, M. (2004). A cidade polifônica. São Paulo: Livros Studio Nobel.

Carrieri, A. P. (2001). O fim do “mundo Telemig”: a transformação das significações culturais em uma empresa de telecomunicações. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte, MG, Brasil.

Carrieri, A. P. (2002). A cultura no contexto dos estudos organizacionais: breve estado da arte. Organizações Rurais e Agroindustriais, 4(1), 38-50.

Carrieri, A. P. (2008). A opção teórico-metodológica para pesquisas sobre culturas nas organizações. In A. P. Carrieri, N. R. Cavedon; & A. R. L. Silva (Orgs.), Cultura nas organizações: uma abordagem contemporânea. Curitiba: Juruá.

Carrieri, A. P.; Paula, A. P. P.; & Davel, E. (2008). Identidade nas organizações: múltipla? Fluida? Autônoma? Organizações e Sociedade, 15(45), 127-144.

Carrieri, A. P.; Rodrigues, S. B. (2001). A tradição anglo-saxônica nos estudos organizacionais brasileiros. Revista de Administração Contemporânea (RAC), 5(n. especial), 81-102.

Carvalho, C. A. P. (2006). Outras formas organizacionais: o estudo de alternativas ao modelo empresarial na realidade brasileira. Brasília: Procad/CNPq.

Carvalho, F. (2004). O mito da Amélia sob a ótica da análise crítica do discurso. Recuperado em 12 dezembro,2013, de http://www.filologia.org.br/xiicnlf/resumos/htm/O%20mito%20da%20Am%C3%A9lia%20sob%20a%20%C3%B3tica%20 da.htm

Cavedon, N. R.; Craide, A.; & Eccel, C. S. (2006). Culturas organizacionais em uma empresa familiar do ramo leiteiro. In Anais do Encontro de Estudos Organizacionais, Porto Alegre, RS, Brasil, 4. Recuperado em 30 novembro,2010, de http://www.anpad.org.br/ler_pdf.php?cod_edicao_trabalho=4380&cod_evento_edicao=18

Cavedon, N. R.; Davel, E.; & Pereira, M. T. F. (2007). Cultura organizacional e corporeidade: etnografia do ritual da cerveja após o trabalho. Recuperado em 1 dezembro,2010, de http://www.anpad.org.br/ler_pdf.php?cod_edicao_trabalho=7268&cod_evento_edicao=33

Cavedon, N. R.; & Fachin, R. C. (2008). Homogeneidade versus heterogeneidade cultural: um estudo em universidade pública. In A. P. Carrieri, N. R. Cavedon, & A. R. L. Silva (Orgs.), Cultura nas organizações: uma abordagem contemporânea. Curitiba: Juruá.

Cavedon, N. R.; & Ferraz, D. L. (2003). Os diferentes modelos de família e de empresas familiares e seus respectivos valores: um olhar sobre empresas comerciais em Porto Alegre. Organizações e Sociedade, 10(27), 75-91.

Chanlat, J. F. (2000). Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas.

Ciampa, A. C. (2005). Estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense.

Clegg, S. R.; & Hardy, C. (1996). Introduction: organizations, organization and organizing. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. Nord (Eds.), Handbook of organization studies (pp. 1-28). London: Sage.

Cuche, D. (1999). A noção de cultura nas ciências sociais. (V. Ribeiro Trad.). Bauru: Edusc.

Damiani, A. L. (1991). População e geografia. In A. L. Damiani, Caminhos da geografia (pp. 55-72). São Paulo: Contexto.

Davel, E. P. B.; & Colbari, A. (2000). Organizações familiares: por uma introdução a sua tradição, contemporaneidade e multidisciplinariedade. Organizações e Sociedade, 7(18), 45-63.

De Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano 1: as artes do fazer. Petrópolis: Vozes.

De Certeau, M. (1996) A invenção do cotidiano 2: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes

Diniz, A. P. R. (2012). Mulheres gerenciáveis? Uma análise dos discursos sobre as mulheres na revista Exame. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Fairclough, N. (1992). Discurso e mudança social. Brasília: Editora UnB.

Feenberg, A. (1995). Alternative modernity. Berkeley: University of California Press.

Feldman, M. (1991). The meanings of ambiguity: learning from stories and metaphors. In P. J. Frost et al.; Reframing organizational culture. Newbury Park: Sage.

Fischer, T.; França, G.; & Santana, M. (1993). Em nome de Deus, uma ordem na pólis: o Mosteiro de São Bento. Organizações & Sociedade, 1(1), 7-26.

Forges, E.; & Hamel, J. (2000). O papel da família no desenvolvimento da economia dos ‘francophones’ de Quebec. Organizações & Sociedade, 7(18), 117-123.

Foucault, M. (1987). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (1998). Isto não é um cachimbo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Furtado, R. (2011). Construção e a (tentativa de) desconstrução da “Cultura Usiminas”: narrativas ao longo de 50 anos. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Gagnebin, J. M. (2005). Do conceito de Darstellung em Walter Benjamin ou verdade e beleza. Kriterion: Revista de Filosofia, 46(112), 183-190.

Gherardi, S. (2006). Organizational knowledge: the texture of workplace learning. Oxford: Blackwell Publishing.

Godelier, M. (1978). La part idéelle du réel: essai sur l’idéologie. L’Homme, 18(3-4), 155-188.

Goldenberg, M. (1997). A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record.

Heidegger, M. (1979). Identidade e diferença. In M. Heidegger, Escritos e conferências (pp. 177-202, Coleção Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural.

Hofstede, G. (1980). Culture’s consequences: international difference in work-related values. Beverly Hills: Sage.

Hofstede, G. (1997). Cultures and organizations: software of the mind. New York: McGraw-Hill.

Holanda, L. (2011). Resistência e apropriação de práticas de management no organizar de coletivos da cultura popular. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Ibarra-Colado, E. (2006). Organization studies and epistemic coloniality in Latin America: thinking otherness from margins. Organization, 13(4), 463-488. doi: 10.1177/1350508406065851

Josgrilberg, F. B. (2005). Cotidiano e invenção: os espaços de Michel de Certeau. São Paulo: Escrituras.

Kroeber, A. L.; & Kluckhohn, C. K. (1952). Culture: a critical review of concepts and definitions. Cambridge: Harvard University Press.

Latour, B. (1994). Nous n’ avons jamais été modernes. Paris: La Découverie.

Lima, G. C. O. (2009). Memórias da gestão: o percurso da identidade administrativa de tropeiros em Minas Gerais. Dissertação de Mestrado em Administração, Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Lima, G. C. O.; Carrieri, A. P.; Soares, A. S.; & Pimentel, T. D. (2007). Questões locais e universais em processos sucessórios da “Feira Hippie”. Revista de Administração FEAD, 4(1), 67-84.

Linstead, S.; & Grafton-Small, R. (1992). On reading organizational culture. Organization Studies, 13(3), 331-355. doi: 10.1177/017084069201300302

Marcovitch, J. (2009). Pioneiros e empreendedores: a saga do desenvolvimento no Brasil (v. 3). São Paulo: Edusp.

Martin, J. (1992). Cultures in organizations – three perspectives. Oxford: Oxford University Press.

Martins, J. S. (2008). A sociabilidade do homem simples. São Paulo: Hucitec.

Mascarenhas, A. O.; & Vasconcelos, F. C. (2009). What does Captain Cook have to tell us about culture? Contributions for a structural and historical approach to culture and organizations. International Journal of Cross Cultural Management, v. 9, p. 1-16.

Massagli, S. R. (2008). Homem da multidão e o flâneur no conto “O homem da multidão” de Edgar Allan Poe. Terra roxa e outras terras. Revista de Estudos Literários, v. 12, p. 55-65.

Matos, M. I. S. (2002). Cotidiano e cultura: história, cidade e trabalho. Bauru, SP: Edusc.

Matos, O. C. F. (2010). Benjaminianas: cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: Editora Unesp.

Mattos, P. L. C. L. (2009). Administração é ciência ou arte? E que podemos aprender com este malentendido? Revista de Administração de Empresas (RAE), 49(3), 349-360.

Medeiros, C. R.; Borges, J. F.; & Miranda, R. (2011). As manifestações das práticas discursivas no cotidiano das fundações corporativas. Revista Alcance, 18(2), 140-154.

Meyerson, D. E.; & Martin, J. (1987). Cultural change: an integration of three different views. Journal of Management Studies, 24(6), 223-245. doi: 10.1111/j.1467-6486.1987.tb00466.x

Misoczky, M. C.; Flores, R. K.; & Böhm, S. (2008). A práxis da resistência e a hegemonia da organização. Organizações & Sociedade, v. 15, p. 181-194.

Muzzio, H. (2010). Cultura organizacional e perspectivas estratégicas da regionalidade cultural brasileira. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais, Florianópolis, SC, Brasil, 6. Recuperado em 1 dezembro, 2010, de http://www.anpad.org.br/ler_pdf.php?cod_edicao_trabalho=11470&cod_evento_edicao=51

Neder, R. (Org.). (2010). Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/ Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS). Ciclo de Conferências Andrew Feenberg. Série Cadernos PRIMEIRA VERSÃO: CCTS – Construção Crítica da Tecnologia & Sustentabilidade, 1(3).

Oliveira, L. L. (2006). Cidade e cotidiano: uma reflexão sobre o Rio de Janeiro. In M. S. G. Porto, & T. Dwyer, T. (Orgs.), Sociologia em transformação: pesquisa social do século XXI (v.1, pp.13-22). Porto Alegre: Tomo Editorial.

Oliveira, R. C. de. (1988). O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In R. C. de Oliveira. O trabalho do antropólogo. São Paulo: Paralelo 15/Unesp.

Paschoal, A. E. (2001). Metodologia da pesquisa em educação: analítica e dialética. Revista Diálogo Educacional, 2(3), p. 161-169.

Paula, A. P. (2012). Repensando os estudos organizacionais: círculo das matrizes epistemológicas e a abordagem Freudo-Frankfurtiana. Tese para Provimento Efetivo de Vaga de Professor Titular, Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Pinheiro, A. S.; Carrieri, A. P.; & Joaquim, N. F. (2013). Esquadrinhando a governança corporativa: o comportamento dos personagens sob o ponto de vista dos discursos dos autores acadêmicos. Revista Contabilidade & Finanças, 24(63), 231-242.

Ramos, A. G. (1981). A nova ciência das organizações: uma reconstrução da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora da FGV.

Rocha, A. L. C. & Eckert, C. (2005). O tempo e a cidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Santos, A. P. (2005). Trajetórias da história social e da nova história cultural: cultura, civilização e costumes no cotidiano do mundo do trabalho. Anais do Simpósio Internacional Processo Civilizatório, Ponta Grossa, PR, Brasil, 9.

Santos, B. S. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência (vol. 1, pp. 55-94). São Paulo: Cortez.

Santos, M. (1979). Sociedade e espaço: a formação social como teoria e método. In M. Santos, Espaço e sociedade. Petrópolis: Vozes.

Santos, M. (2006). A natureza do espaço: técnica e tempo: razão e emoção. 4a ed. São Paulo: EDUSP.

Santos, M. (2008). Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: EDUSP.

Schein, E. H. (2004). Organizational culture and leadership. San Francisco: Jossey-Bass.

Silva, A. R. L.; Junquilho, G. S.; Carrieri, A de P.; & Melo, M. C. de O. L. (2006). Contradições gerenciais na disseminação da “cultura corporativa”: o caso de uma estatal brasileira. Revista de Administração Publica, 40(3), 357-384.

Silva, L. P. (2011). A influência da reforma gerencial sobre a cultura de uma organização pública: a Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia em análise. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Souza, J. F. (2006). A reinvenção do cotidiano: memória e história de ex-marginalizados e missionários do centro de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Souza, M. M. P. (2010). O teatro como forma de se colocar no mundo: a formação de identidades nos Grupos Galpões. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Souza, M. M. P.; & Carrieri, A. P. (2011). Racionalidades no fazer artístico: estudando a perspectiva de um grupo de teatro. Revista de Administração de Empresas (RAE), 51(4), 382-395.

Souza, M. M. P.; & Carrieri, A. P. (2012). Identidades, práticas discursivas e os estudos organizacionais: uma proposta teórico-metodológica. Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 40-64.

Stambonsky, L. S. O.; & Oliveira, I. B. (2010). A fala dos passos: a construção de um espaço sagrado judaico na cidade de Natal. Revista de História e Estudos Culturais, 7(2), 1-13.

Trompenaars, F. C. (1994). Riding the waves of culture: understanding cultural diversity in business. London: N. Brealey.

Vilas Boas, R. (2005). Gestão cultural. In L. Rubom (Org.), Organização e produção da cultura (pp.99-116). Salvador: Edufba.

Waiandt, C.; & Davel, E. (2008). Organizaçőes, representaçőes e sincretismo: a experiência de uma empresa familiar que enfrenta mudanças e sucessőes de gestăo. Revista de Administração Contemporânea (RAC), 12(2), 369-394.

Wood Jr.; T.; & Paula, A. P. P. (2002). Pop-management: a literatura popular de gestão no Brasil. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas. Relatório final de projeto de pesquisa.

Wood Jr.; T.; & Paula, A. P. P. (2002). Pop-management: contos de paixão, lucro e poder. Organizações & Sociedade, 9(24), 39-51.

Wood Jr.; T.; & Paula, A. P. P. (2002). Pop-management: pesquisa sobre as revistas populares de gestão no Brasil. Anais do Encontro Anual da Associação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 26.

Wry, T. M. L.; & Glynn, M. A. (2011). Legitimizing nascent collective identities: coordinating cultural entrepreneurship. Organization Science, 22(2), 449-463. doi: 10.1287/orsc.1100.0613