Interação Empresários-Setor Público no Turismo: uma análise institucional e neocorporativista na cidade de Huelva (Espanha) Outros Idiomas

ID:
33648
Resumo:
Nos estudos na área do turismo temas como planejamento, participação da comunidade, descrição e avaliação de políticas são importantes e amplamente discutidos. Contudo, tendo em vista tanto a relevância dos empresários para o turismo e quanto a respectiva participação do setor público na provisão de infraestrutura, no financiamento de empreendimentos e na defesa interesses da sociedade civil relacionados ao turismo, são necessárias pesquisas que avancem na compreensão da interação dos empresários com o setor público. Por isso este trabalho tem como objetivo analisar a interação entre empresários de turismo e setor público, a partir de um estudo na cidade de Huelva, Espanha, destino que se encontra em sua fase inicial de organização e com expressiva interação do setor público com os empresários. A partir de um referencial teórico relacionando neocorporativismo, governança colaborativa e institucionalismo às políticas públicas de turismo foi realizada a coleta de dados por meio de entrevistas com três dos principais representantes do setor público e com sete dos principais empresários da cidade. Após a análise dos dados por meio da Teoria Fundamentada constatou-se que empresários e setor público sabem de sua interpendência, de forma que o setor público busca minimizar sua racionalidade limitada frente às questões do mundo empresarial, enquanto os empresários predominantemente defendem junto ao setor público a promoção do destino e infraestrutura. Por fim, as variáveis trajetória, atuação das associações, expectativa, e interação interna (entre empresários e entre organizações do setor público) também foram identificadas como relevantes na compreensão da interação.
Citação ABNT:
GOMES, B. M. A.; VARGAS-SÁNCHEZ, A.; PESSALI, H. F. Interação Empresários-Setor Público no Turismo: uma análise institucional e neocorporativista na cidade de Huelva (Espanha). Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 8, n. 3, p. 382-402, 2014.
Citação APA:
Gomes, B. M. A., Vargas-sánchez, A., & Pessali, H. F. (2014). Interação Empresários-Setor Público no Turismo: uma análise institucional e neocorporativista na cidade de Huelva (Espanha). Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(3), 382-402.
DOI:
10.7784/rbtur.v8i3.760
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33648/interacao-empresarios-setor-publico-no-turismo--uma-analise-institucional-e-neocorporativista-na-cidade-de-huelva--espanha-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Referências:
Ansell, C.; & Gash, A. (2008). Collaborative governance in theory and practice. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(4), 543-571.

Araújo, A. M. C.; & Tapia, J. R. B. (1991). Corporativismo e neocorporativismo: exame de duas trajetórias. BIB - Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, v. 2, 3-30.

Arruda, D. O.; Mariani, M. A. P.; & Caleman, S. M. Q. (2014). Coordinación y Estructuras de Gobernanza en un Sistema Productivo de Turismo. Estudios y Perspectivas en Turismo, 23(2), 343-361.

Axelrod, R. (1986). La evolución de la cooperación: el dilema del prisionero y la teoria de juegos. Madrid: Alianza.

Bruyn, C.; & Alonso, A. F. (2012). Tourism Destination Governance: guidelines for implementation. In: FayosSolá, E.; Silva, J. A. M.; & Jafari, J. (org. ). Knowledge Management in Tourism: policy and governance applications. Bingley: Emerald.

Buckley, P. J. (1987). Tourism - an economic transactions analysis. Tourism Management, 8(3), 190-194

Charmaz K. (2009). A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Cortes, S. V.; & Gugliano, A. (2010). Entre neocorporativistas e deliberativos: uma interpretação sobre os paradigmas de análise dos fóruns participativos no Brasil. Sociologias, 12(24), 44-75.

David, P. (1985). Clio and the economics of QWERTY. The American Economic Review, 75(2), 332-337.

Gomes, B. M. A. (2008). Políticas Públicas e as Transações em Regiões Turísticas. São Paulo: All Print.

Hall, C. M. (1999). Rethinking Collaboration and Partnership: a public policy perspective. Journal of Sustainable Tourism, 7(3/4), 274-289.

Hodgson, G. M. (1988). Economics and institutions: a manifesto for a modern institutional economics. Oxford: Polity Press.

Hodgson, G. M. (2003). The hidden persuaders: institutions and individuals in economic theory. Cambridge Journal of Economics, v. 27, 159-175.

Hodgson, G. M. (2007). The Revival of Veblenian Institutional Economics. Journal of Economic Issues, 41(2), 325-340.

Jamal, T. B.; & Getz, D. (1995). Collaboration Theory and Community Tourism Planning. Annals of Tourism Research, 22(1), 186-204.

Konrad, K. (2006). The social dynamics of expectations: the interaction of collective and actor-specific expectations on electronic commerce and interactive television. Technology Analysis & Strategic Management, 18(3/4), 429-444.

Mclennan, C. J.; Ritchie, B. W.; Ruhanen, L. M, & Moyle, B. D. (2014). An institutional assessment of three local government-level tourism destinations at different stages of the transformation process. Tourism Management, 41(2), 107-118.

North, D. (1994). Custos de Transação, Instituições e Desempenho Econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal.

Pessali, H. (2011). Public Policy Design in Developing Societies: beyond transplantation. Journal of Developing Societies, Monterey Bay, 27(1), 11-28.

Rawlence, S. (2010). Integrating Transaction Cost and Institutional Theories in an Emerging Market Context: the case of the Tiger Leaping Gorge, Southwest China. Thesis (PhD). The University of Edinburgh.

Sánchez, A. V. (2013). El Turismo en la Provincia de Huelva. Huelva.

Schmitter, P. C. (1974). Still the Century of Corporatism? The Review of Politics, 36(1), 85-131.

Schneider, A, & Ingram, H. (2007). Ways of Knowing: Implications for Public Policy. Annual Meeting of the American Political Science Association, Chicago.

Simon, H. (1979). Rational decision making in business organizations. American Economic Review, 69(4), 493-513.

Timmermans, S. & Tavory, I. (2010). Advancing Ethnographic Research through Grounded Theory Practice. In: BRYANT, A.; CHARMAZ, K. The Sage Handbook of Grounded Theory. London: Sage Publications.

Williamson, O. E. (1989). Las Instituciones Económicas del Capitalismo. México: Fondo de Cultura Económica.

Zapata, M. J.; & Hall, C. M. (2012). Public-private collaboration in the tourism sector: balancing legitimacy and effectiveness in local tourism partnerships - The Spanish case. Journal of Policy Research in Tourism, Leisure and Events, 4(1), 61-83.