Contribuições da estética organizacional para a pesquisa em organizações gastronômicas Outros Idiomas

ID:
33653
Resumo:
O objetivo deste estudo é apresentar as contribuições da estética organizacional para a pesquisa em organizações gastronômicas. Por meio da metateoria, os dados foram coletados utilizando livros e artigos de periódicos científicos importantes para a área de estudo. A gastronomia faz parte do patrimônio cultural de uma região, por esse motivo é objeto de estudo do turismo. O turismo e a gastronomia são ambientes onde é possível observar a vida cotidiana, até porque são comumente considerados “práticos”. A administração e os estudos organizacionais, tem se debruçado ao estudo das “Práticas”, dentro do que se compreende como Estudos Baseados em Práticas. Um campo científico que permite a teorização, ao qual apresenta diversas lentes de estudo, dentre elas a estética organizacional. A estética organizacional oferece um novo olhar que possibilita admitir a corporeidade e a materialidade da vida organizacional. Todos esses aspectos são muito favoráveis para o estudo das organizações gastronômicas, onde comumente o gosto, a visão, o tato, a audição e o olfato são um diferencial na experiência gastronômica.
Citação ABNT:
SOARES, L. C.; BISPO, M. S. Contribuições da estética organizacional para a pesquisa em organizações gastronômicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 8, n. 3, p. 476-493, 2014.
Citação APA:
Soares, L. C., & Bispo, M. S. (2014). Contribuições da estética organizacional para a pesquisa em organizações gastronômicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(3), 476-493.
DOI:
10.7784/rbtur.v8i3.808
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33653/contribuicoes-da-estetica-organizacional-para-a-pesquisa-em-organizacoes-gastronomicas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Adamoglu de Oliveira, S. A.; & Montenegro, L. M. (2012). Etnometodologia: Desvelando a Alquimia da Vivência Cotidiana. Cad. EBAPE.BR, 10(1), 129-145.

Alexander, J. C. (1982). Theoretical logic in sociology. Positivism, presuppositions, and current controversies. Berkeley: University of California Press.

Alves, P. C. (2010). A teoria sociológica contemporânea. Da superdeterminação pela teoria à historicidade. Revista Sociedade e Estado, 25(1), 15-31.

Backman, K.; & Kyngäs, H. A. (1999). Challenges of the grounded theory approach to a novice researcher. Nursing & Health Sciences, 1(3), 147-153.

Barczsz, D. S.; & Amaral, F. F. A. (2010). Turismo gastronômico: a percepção do turista na 18º Festa Nacional do Carneiro no buraco de Campo Mourão Estado do Paraná. Patrimônio: Lazer & Turismo, 7(11), 66-98. Recuperado em http://www.unisantos.br/pos/revistapatrimonio/pdf/Artigo4_v7_n11_jul_ago_set2010_Patrimonio_UniSa ntos_%28PLT_33%29.pdf.

Bispo, M. de S. (2013). Estudos Baseados em Prática: conceitos, história e perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 2(1), 13-33.

Bispo, M. de S. (2014). O Processo de organizar em agências de viagens: influências estéticas, etnometodológicas e práticas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1), 161-182.

Braga, V. (2004). Cultura alimentar: contribuições da antropologia da alimentação. Saúde em Revista, Piracicaba 6(13), 37-44. Recuperado em http://www.unimep.br/phpg/editora/revistaspdf/saude13art05.pdf.

Brillat-Savarin. (1995). A fisiologia do gosto. São Paulo: Companhia das Letras.

Camargo, M. H. (2009). As estéticas e suas definições da arte. R.cient./FAP, 4(1), 1-15.

Castro, A. H. F. (2013). Muralhas da memória: fortificações, patrimônio e turismo cultural. Caderno Virtual de Turismo. Edição especial: Turismo em fortificações 1(1), 08-22.

Castro, F. M. M.; & Santos, J. G. M. (2012). A cultura gastronômica como atrativo turístico: relato de uma experiência de pesquisa nos Restaurantes de Aracaju/SE. Revista Hospitalidade, 9(2), 155-174.

Charmaz, K. (2006). Constructing Grounded Theory: A practical guide through qualitative analysis. London: Sage.

Cohen, E. & Cohen, S. A. (2012). Current Sociological Theories and Issues in Tourism. Annals of Tourism Research, 39(4), 2177-2202.

Coulon, A. (2005). La Etnomedotología. Madrid: Cátedra.

Cousins, J; O’gorman, K; & Stierand, M. (2010). Molecular gastronomy: cuisine innovation or modern day alchemy? International Journal of Contemporary Hospitality Management, 22(3), 399-415.

Czarniawska, B. (2008). Organizing: how to study it and how to write about it. Qualitative Research in Organizations and Management: An International Journal, 3(1), 4-20.

Feldman, M. S. & Orlikowski, W. J. (2011). Theorizing practice and practicing theory. Organization Science, 22(5), 1240-1253.

Garfinkel, H. (1967). Studies in Ethnomethodology. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Gherardi, S. (2001). From organizational learning to practice-based knowing. Human Relations, 54(1), 131139. doi: 10.1177/0018726701541016

Gherardi, S. (2006). Organizational Knowledge: The Texture of Workplace Learning. Oxford: Blackwell Publishing.

Gherardi, S. (2012). How to conduct a practice-based study: problems and methods. Cheltenham: Edward Elgar.

Gherardi, S.; Nicolini, D.; & Strati, A. (2007). The Passion for Knowing. Organization 14(3), 315-329. doi: 10.1177/1350508407076146

Gimenes, M. H. S. G. (2011). Viagens, sabores e cultura: reflexões sobre pratos típicos no context do turismo gastronomico. In: Possamai, A. M. de P.; Pecceni, R. (org.) Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores. Caxias do Sul: Educs. Glaser, B. G.

Glaser, B. G. (1992). Basics of grounded theory analysis. Mill Valley: Sociology Press.

Jaime Junior, P. (2003). Pesquisa em organizações: por uma abordagem etnográfica. Civitas 3(2), 435-456.

Jóhannesson, G. T. (2005). Tourism translations: actor-network theory and tourism research. Tourist Studies, 5(2), 133-150.

Kivela, J.; & Crotts, J. (2006). Tourism and gastronomy: gastronomy’s influence on how tourists experience a destination. Journal of Hospitality and Tourism Research, 30(3), 354-377. doi: 10.1177/1096348006286797

Lopes, L. L. S. (2014). Sabores do cotidiano: a experiência estética nas práticas culinárias de uma organização gastronômica. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Ceará, CE, Brasil.

Medeiros, M. L.; Passador, J. L.; & Becheleni, D. G. A. (2011). Fenomenologia e a Pesquisa em Turismo: reflexões para aplicação com base no turismo gastronômico. Turismo: Visão e Ação, 13(1), 20-34.

Nechar, M. C. (2006). Orientaciones en la construcción del conocimiento turístico: acerca de su epistemologia. Anais do Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul, Caxias do Sul, RS, Brasil.

Necher, M. C. (2011). Implicações epistemológicas en la investigación turística. Estudios y Perspectivas en Turismo 20(2), 384- 403. Recuperado em http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1851-17322011000200007.

Nicolini, D. (2013). Practice Theory, Work, and Organization: An introduction. Oxford: Oxford University Press.

Peccini, R. (2013). A gastronomia e o turismo. Revista Rosa dos Ventos , 5(2), 206-217.

Possamai, A. M. de P. (2011). As festas comunitárias como fator de preservação da cultura local: religião, gastronomia e turismo. In: Possamai, A. M. de P.; Pecceni, R. (org.) Turismo, história e gastronomia: uma viagem pelos sabores. Caxias do Sul: Educs.

Reckwitz, A. (2002). Toward a theory of social practices: a development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, 5(2), 243-263.

Reed, M. (2007). Teorização Organizacional: um campo historicamente contestado. In Clegg, S,. Hardy, C.; & Nord, W. (Orgs.) Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas.

Ren, C. (2011). Non-human agency, radical ontology and tourism realities. Annals of Tourism Research, 38(3), 858-881.

Rodrigues, L. G. (2008). A arte para além da Estética: arte contemporânea e o discurso dos artistas. Artefilosofia, v. 5, 119-131.

Scarpato, R. (2002). Gastronomy as a tourist product: The perspective of gastronomy studies. In A. M. Hjalager & G. Richards (Eds.), Tourism and gastronomy (pp. 51-70). London: Routledge.

Schatzki, T. R. (2001). Introduction: practice theory. In T. R. Schatzki, K. Knorr Cetina, & E. V. Savigny (eds). The Practice Turn in Comtemporary Theory. New York: Routledge.

Schlüter, R.G. (2003). Gastronomia e turismo. São Paulo: Aleph.

Strati, A. (1992). Aesthetics understanding of organizational life. Academy of Management Review, 17(3), 568-581.

Strati, A. (2000). The aesthetics in organization studies. In Linstead, S.; & Höpfl, H. (Eds). The aesthetics of organization. London: Sage.

Strati, A. (2007). Organização e estética. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Strati, A. (2010). Aesthetics understanding of work and organizational life: Approaches and research developments. Sociology Compass, 10(4), 880-893. doi:10.1111/j.1751-9020.2010.00323.x

Strati, A.; & Montoux, P. G. (2002). Introduction: Organizing aesthetics. Human Relations 55(7), 755-766.

Svabo, C. (2009). Materiality in a practice-based approach. Learning Organization, 16(5), 360-370. doi: 10.1108/09696470910974153

Taylor, S. S.; Bathurst, R.; Ladkin, D.; Meisiek, S.; & Wood, M. (2012). Welcome to Organizational Aesthetics. Organizational Aesthetics, 1(1), 1-4. Recuperado em http://digitalcommons.wpi.edu/oa/vol1/iss1/1/.

Van der Duim, R. (2007). Tourismscapes: an actor-network perspective. Annals of Tourism Research, 34(4), 961-976.

Wood, T.; & Csillag, P. (2001). Estética Organizacional. Organização & Sociedade, 8(21), 35-44.

Ybema, S.; Yanow, D.; Wels, H. & Kamsteeg, F. (eds). (2009). Organizational Ethnography: Studying the complexities of everyday life. London: Sage.