O processo de aprendizagem de alunos de Turismo e Hotelaria sob a perspectiva Andragógica Outros Idiomas

ID:
33656
Resumo:
Crianças, adolescentes e adultos possuem modos diferenciados de aprender, tornando necessária a utilização de abordagens específicas em seus processos de aprendizagem. Considerando o nível de maturidade e autodirecionamento que os adultos tendem a possuir na medida em que vão se desenvolvendo e vivenciando experiências, percebeu-se a necessidade de uma abordagem que considerasse essas diferenças individuais no processo de aprendizagem, fazendo emergir a andragogia - a arte e a ciência destinada a auxiliar os adultos a aprender e a compreender o processo de aprendizagem. Com efeito, este estudo tem como objetivo central analisar a percepção dos discentes de turismo e hotelaria sobre sua atuação em seu processo de aprendizagem, tendo como base o modelo andragógico desenvolvido por Knowles, Holton e Seanson (2011). Buscou-se verificar o perfil de discentes de cursos de bacharelado em turismo e hotelaria e analisar o nível de autodirecionamento (autonomia e independência) desses alunos em seu processo de aprendizagem com base nos princípios andragógicos. Como procedimentos metodológicos, realizou-se uma pesquisa survey com 60 discentes dos cursos de hotelaria e turismo da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, utilizando como instrumento uma escala de 5 pontos que versava sobre a concordância desses alunos em relação aos itens. Os dados foram analisados a luz da teoria base. Como resultados, evidencia-se que os alunos que participaram desta pesquisa possuem, na percepção dos mesmos, características como autonomia, autodirecionamento e apresentam níveis de independência enquanto sujeitos em processo de formação e de desenvolvimento de competências, o que revela a necessidade de repensar a formação profissional para melhor aproveitar essas características. Por fim, destaca-se a importância da utilização de uma metodologia de ensino que possibilite abertura para os alunos adequarem seu processo de aprendizagem a sua forma particular de estudar e aprender.
Citação ABNT:
BRANDÃO, J. M. F.; CAVALCANTE, E. D. C.; TEMOTEO, J. A. G. O processo de aprendizagem de alunos de Turismo e Hotelaria sob a perspectiva Andragógica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 8, n. 3, p. 531-551, 2014.
Citação APA:
Brandão, J. M. F., Cavalcante, E. D. C., & Temoteo, J. A. G. (2014). O processo de aprendizagem de alunos de Turismo e Hotelaria sob a perspectiva Andragógica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(3), 531-551.
DOI:
10.7784/rbtur.v8i3.802
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33656/o-processo-de-aprendizagem-de-alunos-de-turismo-e-hotelaria-sob-a-perspectiva-andragogica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Argyris, C. (1982). Reasoning, learning and action: individual and organizational. San Francisco: Jossey-Bass.

Brookfield, S. D. (1986). Understanding and Facilitating Adult Learning: a comprehensive analysis of principles and effective practices. San Francisco: Jossey-Bass.

Brusadin, L. B. (2007). A formação do bacharel em turismo com base nas estruturas curriculares e nos docentes dos cursos de graduação. Estudo de casos: Universidade de Espírito Santo do Pinhal e Universidade de Franca. Anais do IV Seminário da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo. UAM – 27 a 28 de agosto de 2007.

Candy, P. C. (1987). Reframing research into 'self-direction' in adult education: A constructivist perspective. Doctoral dissertation, University of British Columbia. Ottawa: National Library of Canada, Canadian Theses (Microfiche: 0-315-40011-0).

Candy, P. C. (1991). Self direction for lifelong learning: a comprehensive guide to theory and practice. San Francisco (USA): Jossey-Bass.

Carneiro, A. L. M. (2002). O olhar dos egressos do curso superior de tecnologia em hotelaria sobre sua formação. 118p. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

Cavalcanti, R. A.; Gayo, M. A. F. (2005). Andragogia na educação universitária. Conceitos. Julho.

Chene, A. (1983). The concept of autonomy in adult education: A philosophical discussion. Adult Education Quarterly, n. 1, p. 38-47.

Couceiro, M. L. (1995). Autoformação e contexto profissional. Formar, Instituto do Emprego e Formação Profissional, n. 14, p. 6-15.

Cranton, P. (2006). Understanding and Promoting Transformative Learning. A Guide for Educators of Adults. Second Edition. San Francisco: Jossey-Bass.

Dewey, J. (1973). Vida e Educação. Comp. Melhoramentos de São Paulo. Indústria de Papel Caixa Postal, 8120.Tradução Anísio S. Teixeira. São Paulo.

Ferraz, S. F. S.; Lima, T. C. B.; & Silva, S. M. O. (2004). Contratos de aprendizagem: Princípios andragógicos e ferramenta de gestão da aprendizagem. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO-ENANPAD, 28, Salvador. Anais…, Salvador: ANPAD, 2004. 1 CDROM.

FONSECA, J. J. S.(2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. 27a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2003). Pedagogia da Autonomia – saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garrison, D. R. (1992). Critical thinking and self-directed learning in adult education. Adult Education Quartely, v. 2, 102-116.

James-Gordon, Y.; Young, A.; & Bal, J. (2003). External environment forces affecting e-learning providers. Marketing Intelligence & Planning, v. 21, n. 3.

Jarvis, P. (2006). Towards a Comprehensive Theory of Human Learning: lifelong Learning and the learning society. New York: Routledge.

Knowles, M. S. (1975). Self-directed learning: A guide for learners and teachers. Englewood Cliffs: Prentice Hall/Cambridge.

Knowles, M. S. (1980). The modern practice of adult education: from pedagogy to andragogy. Cambridge: Adult Education.

Knowles, M. S.; Holton, E. F.; & Swanson, R. A. (2011). The adult learner: The definitive classic in adult education and human resource development. 7th ed. London: Elsevier.

Kolb, D. (1984). Experiential Learning: Experience as The Source of Learning and Development. Prentice Hall, New Jersey.

Lima, T. B (2011). Estratégias de Ensino Balizadas pela Aprendizagem em Ação: um estudo no de Graduação em Administração na Universidade Estadual da Paraíba. Dissertação de Mestrado.

Merriam, S. B.;, Caffarella, R. S.; & Baumgartner, L. M (2006). Learning in adulthood. 3a ed. San Francisco: John Wiley & Sons.

Mezirow, J. (1985). A critical theory of self-directed learning. In S. Brookfield (Ed.), Self-directed learning: from theory to practice. San Francisco: Jossey-Bass, 17-30.

Mezirow, J. (1991). Learning to Think Like an Adult: core concepts of transformative learning. In: Mezirow, J. et al. Learning as Transformation: critical perspectives on a Theory in progress. San Francisco: JosseyBass.

Rogers, C.R. (1969). Freedom to Learn. Columbus, OH: Merrill.

Rogers, J. (2011). Aprendizagem de adultos: fundamentos para educação corporativa. Porto Alegre: Artmed.

Schön, D. (1987). Educating the reflective practitioner. Toward a new design for teaching and learning in the professions. San Francisco: Jossey-Bass.

Silva, A. B. (2009). Como os gerentes aprendem? São Paulo: Saraiva.

Silva, A. B.; Godoi, C. K.; & Rambo, J. A. M. (2003). Fatores Individuais e Organizacionais Associados a Aprendizagem dos Gerentes de uma Instituição de Ensino. X Seminário Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica ALTEC.

Silva, A. C. R. (2005). Abordagem Curricular por Competências no Ensino Superior: um estudo exploratório nos Cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia no estado da Bahia – Brasil. 2005. 433f. (Tese de Doutorado). Ciência da Educação, na área de Desenvolvimento Curricular, na Universidade do Minho.

Smith, M. K. (2002). Malcolm Knowles, informal adult education, self-direction and andragogy. In the encyclopedia of informal education. Disponível em: www.infed.org/thinkers/et-knowl.htm. Acesso em: 31 de ago.

Souza, Y. S. (2004). Organizações de Aprendizagem ou Aprendizagem Organizacional. RAE-Eletrônica – Revista de Administração de Empresas, v. 3, n. 1. Art.5, Jan/Jun.