Distância psíquica no processo de internacionalização: a percepção dos expatriados brasileiros Outros Idiomas

ID:
33705
Resumo:
O objetivo deste artigo é identificar a percepção do expatriado brasileiro em relação à distância psíquica no processo de internacionalização. Apesar de o conceito de distância psíquica estar sendo explorado na literatura para a análise dos processos de internacionalização de empresas, recentemente é que pesquisadores começaram a analisar a sua influência sobre os processos de expatriação. Para este fim, foi feita uma revisão das pesquisas sobre distância psíquica e internacionalização de empresas, bem como dos processos de expatriação, que são diretamente influenciados pelo desafio da distância psíquica. Foram identificados, por meio de 24 entrevistas, as percepções dos expatriados brasileiros acerca da distância psíquica, em que se observou que a distância psíquica tende a ser alta para a dimensão cultural e mediana para as dimensões de negócios e do macroambiente na amostra pesquisada. Além disso, as dificuldades no processo de expatriação tendem a intensificar a percepção de alta distância psíquica para os expatriados brasileiros.
Citação ABNT:
GERVASONI, V. C.; KUBO, E. K. M.; FARINA, M. C. Distância psíquica no processo de internacionalização: a percepção dos expatriados brasileiros. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 9, n. 3, p. 57-77, 2014.
Citação APA:
Gervasoni, V. C., Kubo, E. K. M., & Farina, M. C. (2014). Distância psíquica no processo de internacionalização: a percepção dos expatriados brasileiros. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 9(3), 57-77.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33705/distancia-psiquica-no-processo-de-internacionalizacao--a-percepcao-dos-expatriados-brasileiros/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDERSEN, O. On the internationalization process of firms: A critical analysis. Journal of International Business Studies, v. 24, n. 2, p. 209–232, 1993. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490230

ANDERSSON, U.; JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. Organic Acquisitions in the Internationalization Process of the Business Firm. Management International Review, v. 37, n. 2, p. 67-84, 1997.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 1977.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n. 1, p. 99-120, 1991. DOI 10.1177/014920639101700108

BARNEY, J. B. Gaining and Sustaining Competitive Advantage. New Jersey: Prentice-Hall, 2011.

BARTLETT. C. A.; GHOSHAL, S. Gerenciando Empresas no Exterior – a solução transnacional. São Paulo: Makron Books, 1992.

BECKERMAN, W. Distance and the pattern of intra European trade. The Review of Economics and Statistics, v. 28, n. 1, p. 31-40, 1956.

BLACK, J. S.; MENDENHALL, M. E.; ODDOU, G. R. Toward a Comprehensive Model of International Adjustment: An Integration of Multiple Theoretical Perspectives. Academy of Management Review, v. 16, n. 2, p. 291–317, 1991.

BORINI, F.; POLIZELLI, D. L; PRADO, K. R. L. A.; MELO, P. L. R. Late movers: “basta imitar”? In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Anais... Resende: AEDB, 2006.

BUCKLEY, P.; CASSON, M. Analyzing foreign market entry strategies: extending the internalization approach. Journal of International Business Studies. Basingstoke, v. 29, n. 3, p. 539-561, 1998. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490006

CAVUSGIL, S. T. Organizational characteristics associated with export activity. Journal of Management Studies, v. 21, n. 1, p. 3-22, 1984. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1984.tb00222.x

CHILD, J.; N. G, S. H.; WONG, C. Psychic distance and internationalization: evidence from Hong Kong firms. International Studies of Management & Organizations, v. 32, n. 1, p. 35-56, 2002.

CHILD, J.; RODRIGUES, S.; FRYNAS, J. G. Reviving and Extending the Multi – dimensional Concept of Psychic Distance: evidence from Smaller Firms Exporting to Brazil. In: AIB Annual Conference, Anais. Beijing: AIB, 2006.

CHURCH, A. T. Sojourner Adjustment. Psychological Bulletin, v. 91, n. 3, p. 540-572, 1982.

DELLAGNELO, E; SILVA, R. Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. (Org) Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

DIB, L. A.; CARNEIRO, J. Avaliação Comparativa do Escopo Descritivo e Explanatório dos Principais Modelos de Internacionalização de Empresas. In: XXX Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Salvador: ANPAD, 2006.

DIELEMAN, M.; SACHS, W. Oscillating between a relationship-based and a market-based model: the salim group. Asia Pacific Journal of Management, v. 23, n. 4, p. 521–536, 2006. DOI 10.1007/s10490-006-9019-y

DUNNING, J. H. The eclectic paradigm of international production: a restatment and some possible extensions. Journal of International Business Studies, v. 19. n. 1, p. 1-31, 1988. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490372

EVANS, J.; TREADGOLD, A.; MAVONDO, F. T. Psychic distance and the performance of international retailers – a suggested theoretical framework. International Marketing Review, v. 17, n. 4, p. 373391, 2000. DOI 10.1108/02651330010339905

FLETCHER, R.; BOHN, R. The impact of psychic distance on the internationalisation of the Australian firm. Journal of Global Marketing, v. 12, n. 2, p. 4768, 1998. DOI 10.1300/J042v12n02_04

FLEURY, M. T. L. O desvendar a cultura de uma organização: uma discussão metodológica. In: FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria (Org) Cultura e poder nas organizações. 2. ed. São Paulo, Atlas, 2007

FORD, D. B. Buyer Seller relationships in international industrial markets. Industrial Marketing Management, v. 13, n. 2, p. 101-13, 1984. DOI 10.1016/0019-8501(84)90041-5

FREITAS, M. E. Como vivem os executivos expatriados e suas famílias? 2000. 117 f. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – EAESP, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2000.

FRIEDMAN, P.; DYKE, L. S.; MURPHY, S. A. Expatriate adjustment from the inside out: an autoethnographic account. The International Journal of Human Resource Management, v. 20, n. 2, p. 252268, 2009. DOI 10.1080/09585190802670524

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R.; SILVA, A. B. da (Org.) Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

HALLÉN, L.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. Psychic distance and buyer-seller interaction. In: BUCKLEY, P. J.; GHAURI, P. (Ed.) The internationalization of the firm. London: Dryden Press. p. 291-302, 1993.

HEMAIS, C. A.; HILAL, A. Teorias, paradigma e tendências em negócios internacionais: de Hymer ao empreendedorismo. In: HEMAIS, C. A. (Org.). O desafio dos mercados externos: teoria e prática na internacionalização da firma. Rio de Janeiro: Mauad, v. 1, p. 17-39, 2004.

HILAL, A; HEMAIS, C. A. Da escola de Uppsala à escola nórdica de negócios internacionais: uma revisão analítica. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30, Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, 2001.

HOFSTEDE, G. Culture’s Consequences: comparing values, behaviors, institutions, and organizations across nations. 2. ed. Califórnia: Sage Publications, 2001.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The internationalization process of the firm – a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, v. 8, n. 1, p. 23-32, 1977. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490676

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreigness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, v. 40, n. 1, p. 11411431, 2009. DOI:10.1057/jibs.2009.24

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies. v. 12, n. 3, p. 305322, 1975. DOI 10.1111/j.1467-6486.1975.tb00514.x

KEEGAN, W. J.; GREEN, M. C. Princípios de marketing global. São Paulo: Saraiva, 1999.

KHAUAJA, D. M. R.; TOLEDO, G. L. O processo de internacionalização de empresas brasileiras: estudo com franqueadoras. InternexT Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, v. 6, n 1, p. 42-62, 2011.

KILIMNIK, Z. M. Gerência internacional de recursos humanos no contexto da globalização. In: RODRIGUES S. B. (Org.). Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo: Atlas, 1999. p. 253-273.

KRECH, D.; CRUTCHFIELD, R. Elementos da Psicologia. 4. ed. São Paulo: Pioneira, 1973.

KUBO, E. K. M.; BRAGA, B. M. Ajustamento intercultural de executivos japoneses expatriados no Brasil: um estudo empírico. RAE – Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 3, p. 243-255, 2013.

LARAIA, R. Cultura um Conceito Antropológico. 9. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 1993.

LIMA, M. B. Políticas e práticas de recursos humanos do processo de repatriação de executivos brasileiros. 2009. 199 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, 2009.

MARIOTTO, F.L. Estratégia Internacional da Empresa. São Paulo: Thomson, 2007.

MELIN, L. Internationalization as a strategy process. Strategic Management Journal, v. 13, n. 1, p. 99-118, 1992. DOI 10.1002/smj.4250130908

MINAYO, C. de S. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, C. de S. (Org.) Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 2006.

O’GRADY, S.; LANE, H. The Psychic Distance Paradox. Journal of International Business Studies. v. 27, n. 2, p. 309–333. 1996. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490137

PENG, M. W. An institution-based view of international business strategy: a focus on emerging economies. Journal of International Business Studies, v. 39, n. 1, p 920-936, 2008. DOI:10.1057/palgrave.jibs.8400377

PENG, M. W.; ZHOU, J. Q. How network strategies and institutional transitions evolve in Asia. Asia Pacific Journal of Management, v. 22, n. 4, p. 321-336, 2005. DOI 10.1007/s10490-005-4113-0

PENG, M.V.; SUN, S.L.; PINKHAM, B.; CHEN, H. The institution based view as a third leg for a strategy tripod. Academy of Management Perspectives, v. 23, n. 3, p. 63-81, 2009.

PENG, M.W. Towards an institution-based view of business strategy. Asia Pacific Journal of Management, v.19, n.2, p 251-267, 2002. DOI 10.1023/A:1016291702714

PLIOPAS, A; DELLAGLI, M. Expatriados no Brasil: a percepção da cultura brasileira por expatriados em comparação à cultura de seus países de origem. 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2012.

PORTER, M. E. Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro, Campus, 1986, 419 p.

PUCK, J. F.; KITTLER, M. G.; WRIGHT, C. Does it really work? Re-assessing the impact of pre-departure cross-cultural training on expatriate adjustment. The International Journal of Human Resource Management. v. 19, n. 12, p. 2182-2197, 2008.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

ROCHA, A. O construto da distância psicológica: componentes, mediadores e assimetria em O Desafio dos Mercados externos – teoria e prática na internacionalização da firma. In: HEMAIS, C. A. (Org.). O desafio dos mercados externos: teoria e prática na internacionalização da firma. Rio de Janeiro: Mauad, v. 1, p. 40-80, 2004.

ROSA, P. R.; RODHEN, M. I. S. Internacionalização de uma empresa brasileira: um estudo de caso. Revista Eletrônica de Administração, v. 13, n. 3, p. 684-704, 2007.

SCHEIN, E. H. Organizational culture and leadership. 3. ed. Jossey-Bass: San Francisco, 2004.

SHARMA, V. M.; ERRAMILLI, M. K. Resource based Explanation of Entry Mode Choice. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 12, n. 1, p. 1-18, 2004.

SILVA; M.G.F; ROCHA, A.M.C; FIGUEIREDO, Otávio. Medindo o construto da distância psíquica. Revista E&G Economia e Gestão, v. 7, n. 14, p. 85103, 2007.

STONER, J. A. F. FREEMAN, R. E. Administração. Rio de Janeiro: Prentice Hall, 1995.

TANURE, B.; BARCELLOS, E. P.; FLEURY, M. T. L. Psychic distance and the challenges of expatriation from Brazil. The International Journal of Human Resource Management, v. 2, n. 5, p. 1039-1055, 2009. DOI 10.1080/09585190902850257

TANURE, B.; DUARTE, R. G. Gestão internacional. São Paulo: Saraiva, 2006.

TANURE, B; EVANS, P.; PUCIK, V. A Gestão de Pessoas no Brasil: virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: Elsevier: 2007. p. 169-199.

TEIXEIRA, L.A.A.; SILVA, J. T. M.; LESSA, L.C.C. Executivos brasileiros expatriados: percepções da nova função e influência da distância psíquica. REDES, v. 16, n. 1, p. 19-38. 2009.

THOMÉ, K. M.; MACHADO, R. T. M.; VIEIRA, L. M.; CARVALHO, J. M. Internacionalização de Empresas Brasileiras para um país emergente: Evidências na Rede de Negócios Brasil Rússia. BASE Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 10, n. 2, p. 169-180, Abr./Jun., 2013.

VERNON, R. International Investment and International Trade in the Product Cycle. Quarterly Journal of Economics, v. 80, n. 2, p. 190-207, 1966. DOI 10.1002/tie.5060080409

WHITELOCK, J. Theories of internationalization and their impact on market entry. International Marketing Review, v. 19, n. 4, p. 342-347, 2002. DOI 10.1108/02651330210435654