Evolução dos níveis de aplicação de relatórios de sustentabilidade (GRI) de empresas do ISE/Bovespa Outros Idiomas

ID:
33742
Resumo:
O presente trabalho trata da adoção e evolução dos níveis de relatórios de sustentabilidade(GRI). Os objetivos específicos foram: verificar o nível de evolução dos relatórios da GRI nas empresas do mundo; verificar o nível de evolução dos relatórios da GRI nas empresas do Brasil; analisar a estrutura e nível de aplicação dos relatórios da GRI nas empresas atuantes no ISE da BM&FBovespa. A GRI tem suas bases de relatórios na terceira geração do modelo, GRI-G3, o que mostra um empenho na melhoria contínua dos indicadores e sua adoção por diferentes países. A metodologia utilizada foi qualitativa, por meio de levantamento bibliográfico e dados secundários. Como instrumento de análise adotou-se a Report List GRI2011. A análise evidenciou uma evolução significativa na adoção ao modelo GRI pelas empresas nos três níveis, mundo, Brasil e Índice de Sustentabilidade Empresarial. Os resultados da pesquisa mostram a evolução dos níveis desses relatórios, na busca do nível mais aprimorado GRI A, e com adoção significativa no Brasil por verificação aos níveis autodeclarados, o que legitima o modelo de relatório de sustentabilidade da Global Reportin gInitiative. Conclui-se que a evolução dos relatórios de sustentabilidade no modelo GRI do ISE BM&FBovespa se consolida como modelo mais utilizado em 30 empresas de um total de 45 em 2010, confirmando-se assim a legitimação desta metodologia.
Citação ABNT:
CORRÊA, R.; SOUZA, M. T. S.; RIBEIRO, H. C. M.; RUIZ, M. S. Evolução dos níveis de aplicação de relatórios de sustentabilidade (GRI) de empresas do ISE/Bovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 7, n. 2, p. 24-40, 2012.
Citação APA:
Corrêa, R., Souza, M. T. S., Ribeiro, H. C. M., & Ruiz, M. S. (2012). Evolução dos níveis de aplicação de relatórios de sustentabilidade (GRI) de empresas do ISE/Bovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 7(2), 24-40.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33742/evolucao-dos-niveis-de-aplicacao-de-relatorios-de-sustentabilidade--gri--de-empresas-do-ise-bovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACEVEDO, C. R.; NOHARA, J. J. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma. São Paulo: Atlas, 2007.

ALIGLERI, L.; ALIGLERI, L. A.; KRUGLIANSKAS, I. Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas, 2009.

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

AZEVEDO, A. L. V. Indicadores de sustentabilidade empresarial no Brasil: uma avaliação do Relatório do CEBDS. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica v. 5, p. 75-93. 2006.

BASSETTO, L. I. A incorporação da responsabilidade social e sustentabilidade: um estudo baseado no relatório de gestão 2005 da companhia paranaense de energia – COPEL. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 3, p. 639-651, 2010.

BM&FBOVESPA. Índice de Sustentabilidade Empresarial. Disponível em . Acesso em: 26 mar. 2011.

CASTRO, F. A. R.; SIQUEIRA, J. R. M.; MACEDO, M. A. S. Indicadores Ambientais Essenciais: Uma Análise da Sua Utilização nos Relatórios de Sustentabilidade das Empresas do Setor de Energia Elétrica Sul Americano, Elaborados pela Versão “G3” da Global Reporting Initiative. 1st South American Congress on Social and Environmental Accounting Research – CSEAR 2009.

CLARKSON, P. M. et al. Revisiting the relation between environmental performance and environmental disclosure: an empirical analysis. Accounting Organizations and Society. v, 33, n. 4-5, p. 303–327, 2008.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro em Comum. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DI AGUSTINI, C. A.,VENDRAMETTO, L. P. Análise de Requisitos Científicos com a Dimensão Ambiental do ISE da BM&FBOVESPA e de Indicadores de Sustentabilidade Publicados nos Relatórios de Sustentabilidade/Anuais das Empresas. 3rd International Workshp Advances In Cleaner Production. Cleaner Production Initiatives and Challenges for a Sustainable Word. São Paulo; 2011. Disponível em. Acesso em: 15 jun. 2011.

FERNANDES, F. S.; SIQUEIRA, J. R. M.; GOMES, M. Z.. A decomposição do Modelo da Global Reporting Initiative (GRI), para Avaliação de Relatório de Sustentabilidade. Revista do BNDES, n. 34, p.101-132, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1995.

GRI, Global Reporting Initiative. Diretrizes G3. Disponível em: Acesso em: 14 mar. 2011.

GRI Global Reporting Initiative. Diretrizes para Relatório de Sustentabilidade de GRI 2006. Disponível em . Acesso em 10 mar. 2011.

GRI Global Reporting Initiative. Home. Disponível em: Acesso em: 13 abr. 2011

GRI Global Reporting Initiative. Report List. Disponível em: Acesso em: 12 abr. 2011.

INSTITUTO ETHOS. Parceria Ethos/GRI. Disponível em: Acesso em: 18 mar. 2011.

LAMPRINIDI, S.; KUBO, N. Debate: The Global Reporting Initiative and Public Agencies. Public Money & Management, p. 326-329, 2008.

LEITE FILHO, G. A.; PRATES, L. A.; GUIMARÃES T. N. Níveis de Evidenciação dos Relatórios de Sustentabilidade das Empresas Brasileiras A+ do Global Reporting Initiative (GRI) no Ano de 2007. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. XXXIII EnANPAD. Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 fev.2011.

LINS, L. S.; SILVA, R. N. S. Responsabilidade Sócio-Ambiental ou Greenwash: Uma Avaliação com Base nos Relatórios de Sustentabilidade Ambiental. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 4, n. 1, 2009.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório e publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas, 2007.

PAPASPYROPOULOS, K. G.; BLIOUMIS V.; CHRISTODOULOU, A. S. Environmetal reporting in Greece: The Athens stock exchange. African Journal of Business Management v. 4, p. 2693-2704, 2010.

PEREIRA, R. S.; FARIA, A. C.; SOUZA, M. T. S. Análise de indicadores de sustentabilidade no segmento químico e petroquímico. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. XXXIII EnANPAD. Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2011.

RIBEIRO, H. C. M.; GOMES, N. B.; SOUZA. Evidenciação das Informações sobre Emissões de GEE das Empresas Listadas no ISE Bovespa. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA

SACHS, I. Desenvolvimento sustentável, bioindustrialização descentralizada e novas configurações rural-urbanas. Os casos da Índia e do Brasil. IN: VIEIRA, P.F.; WEBER, (Orgs.) Gestão de Recursos naturais renováveis e desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez, 1997.

SILVA, J. O. et al. Evidenciação dos Custos Ambientais nas Empresas que Compõem o Índice de Sustentabilidade Empresarial. In: Encontro Nacional e Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. XI Engema. Anais Eletrônicos... Fortaleza: Unifor, 2009. Disponível em: . Acesso em 12 jun. 2011.

VANN, J. W.; WHITE G. B.. Sustainability Reporting in the Accounting Curriculum. Journal of Business & Economics Research, v. 2, n. 12, 2004.

VERÍSSIMO, C. M. O. Auditoria e Relatórios de Sustentabilidade. Disponível em Acesso em: 11 abr. 2011. COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

WILLIAMS, B. GRI reporting guidlines in the local government sector – are they being utilized? Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2012.