Bases epistemológicas da Teoria de Criação de Conhecimento Organizacional Outros Idiomas

ID:
33853
Resumo:
A passagem da era industrial para era do conhecimento alavancou estudos científicos organizacionais no campo da Ciência da Administração, ao longo do século XX. Estudos sobre a criação do conhecimento organizacional fazem parte deste arcabouço teórico contemporâneo. Este artigo objetiva investigar as bases epistemológicas da teoria de criação do conhecimento organizacional, desenvolvida por Ikujiro Nonaka. Foi realizado um levantamento de suas obras (artigos e livros) que tratam sobre o tema para identificar suas bases epistemológicas. O tema teve influências interdisciplinares abarcando tanto obras do cientista e polímata Michael Polanyi, quanto do filósofo japonês Kitaro Nishida. M. Polanyi é autor da ideia “conhecimento tácito” e tratou da dimensão tácita do conhecimento. K. Nishida desenvolveu o conceito de uma lógica não-dualista, onde concebeu a ideia do “Basho” que significa “Lugar”. I. Nonaka transpôs essas ideias para o campo organizacional. Destinou o conceito de lugar como uma dimensão (física ou não) onde ocorrem fluxos de compartilhamentos e relacionamentos dentro das organizações, criando novos conhecimentos.
Citação ABNT:
LEONARDI, J.; BASTOS, R. C. Bases epistemológicas da Teoria de Criação de Conhecimento Organizacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. 2, p. 3-18, 2014.
Citação APA:
Leonardi, J., & Bastos, R. C. (2014). Bases epistemológicas da Teoria de Criação de Conhecimento Organizacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 4(2), 3-18.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33853/bases-epistemologicas-da-teoria-de-criacao-de-conhecimento-organizacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAEK, Jim. Kitaro Nishida’s philosophy of emptiness and its architectural significance. Journal of Architectural Education, p. 37-43, 2008.

BAUER, Ruben. Gestão da mudança: caos e complexidade nas organizações. São Paulo: Atlas, 1999.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CARAVANTES, Geraldo R. Administração: teorias e processos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

CARTER, Robert E. Nishida Kitaro: Place and Dialectic: Two Essays by Nishida Kitarō Trans. International Journal for Philosophy of Religion, v. 72, n. 1, p. 67-70, 2012.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da Administração. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

COMTE, Auguste. Discurso sobre o espírito positivo: ordem e progresso. Porto Alegre: Globo; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1976.

DRUCKER, Peter F. Concept of the corporation. [S.l.]: Harper Paperback, 1946.

DRUCKER, Peter F. Management challenges for the 21st Century. [S.l.]: Harper Paperback, 2001.

HOJO, Ko. The Philosophy of Kitaro Nishida and Current Concepts of the Origin of Life. New York: Academy of Sciences, 2003.

JASIMUDDIN, Sajjad M. A holistic view of knowledge management strategy. J. Knowledge Management, v. 12, n. 2, p. 57-66, 2008.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. São Paulo: Nova Cultural, 2005.

LIU, Xiang; MA, Feicheng.Transfer and distribution of knowledge creation activities of bioscientists in knowledge space. Scientometrics, v. 95, p. 299–310, 2013.

LLERENA, Patrick; OZMAN, Muge. Networks, irreversibility and knowledge creation. SpringerVerlag: J Evol Econ, v. 23, p. 431–453, 2013.

LYNCH, Thomas D.; CRUISE, Peter L. Handbook of organization theory and management: the philosophical approach. 2. ed. New York: Taylor & Francis Group, 2006.

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amarú. Teoria geral da Administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

NONAKA, Ikujiro. Creating Organizational Order out of Chaos: Self-renewal in Japanese Firms. California Management Review, v. 30, n. 2, p. 57-73, 1988.

NONAKA, Ikujiro. Management for Knowledge Creation. Harvard Business Review, v. 69, n. 6, p. 96-104, 1990.

NONAKA, Ikujiro. Toward Middle Up-down Management: Accelerating Information Creation. Sloan Management Review, v. 29, n. 3, p. 9-18, 1988.

NONAKA, Ikujiro.A Dynamic Theory of Organizational Knowledge Creation. Organization Science, v. 5, n. 1, p. 14-37, February, 1994.

NONAKA, Ikujiro; ICHIJO, K. Knowledge creation and management: new challenges for managers. Oxford University Press, 2006.

NONAKA, Ikujiro; KONNO, Noboru. The Concept of “Ba”: Building a Foundation for Knowledge Creation. California Management Review, v. 40, n. 3, p. 1-15, 1998.

NONAKA, Ikujiro; NISHIGUCHI, Toshihiro. Knowledge emergence: Social, technical, and evolutionary dimensions of knowledge creation. New York: Oxford University Press, 2001.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka.The Knowledge Creating Company. Harvard Business Review, v. 69, n. 6, p. 96-104, 1995.

NONAKA, Ikujiro; TOYAMA, R. The Theory of the Knowledge-Creating Firm: Subjectivity, Objectivity and Synthesis. Industrial and Corporate Change, v. 14, n. 3, p. 419-436, 2005.

NONAKA, Ikujiro; ZHICHANG, Zhu.Pragmatism strategy: astern wisdom, global success. Cambridge University Press, 2012.

POLANYI, Michael. Personal knowledge: Towards a post-critical philosophy. London: Routdedge&Kegan Paul, 1958.

POLANYI, Michael. The tacit dimension. London: Routdedge&Kegan Paul, 1966.

SILVEIRA, Rogério Z.; GUERRA, Ana C.; GONÇALVES, Carlos, A. A aplicação da fenomenologia nos estudos organizacionais no Brasil. Administração: Ensino e pesquisa, Rio de janeiro, v. 13, n. 2, p. 269-300, Abr./Jun., 2012. Disponível em: http://old.angrad.org.br/_resources/_circuits/article/article_1235.pdf. Acesso em: 10 nov. 2013.

THENMOZHI, M. Evolution of management theory. 2010. Disponível em: http://www.nptel.iitm.ac.in/courses/IIT-MADRAS/Management_Science_I/Pdfs/1_2.pdf. Acesso em: 10 dez. 2013.

TOFLER, Alvin. O choque do futuro. Lisboa: Bantan Books, 1970.

WANDENFELS, Hans. Absolute nothingness.Preliminary considerations on a central notion in the philosophy of Nishida Kitaro and the Kyoto School. Monumenta Nipponica, v. 21, N. 3/4, p. 354-391, 1966.

WREN, Daniel A. The evolution of management thought. 4. ed. New York: Wiley & Sons, 1994. Disponível em: http://embanet.vo.llnwd.net/o18/USC/CMGT500/Week1/docs/CMGT500_w01_Chapter10.pdf . Acesso em: 20 nov. 2013.