Confrontos entre o espaço produzido e o espaço vivido em Belo Horizonte: um estudo sobre o Quarteirão do Soul Outros Idiomas

ID:
33903
Resumo:
Considerando que, para além das edificações e regulações, espaço urbano é construído pelos atores sociais a partir de suas emoções e representações, a realização desse estudo se deu no sentido de analisar de que forma os participantes do Movimento Quarteirão do Soul ressignificam os sentidos da produção e da distribuição espacial na cidade de Belo Horizonte. Nesse movimento social, os membros se apropriam, física e simbolicamente, do centro de Belo Horizonte para dançar soul music. A partir de uma abordagem qualitativa baseada em um estudo de caso, foram realizadas 15 entrevistas que, após terem sido integralmente transcritas, foram trabalhadas por meio da análise do discurso na vertente francesa. Os principais resultados sugerem que o Quarteirão do Soul destaca-se pela ressignificação de tempo e de espaço, uma vez que viver a cidade altera a dinâmica de um local para que seus participantes reafirmem sua identidade com a cultura soul.
Citação ABNT:
COIMBRA, K. E. R.; SARAIVA, L. A. S. Confrontos entre o espaço produzido e o espaço vivido em Belo Horizonte: um estudo sobre o Quarteirão do Soul . Revista Economia & Gestão, v. 14, n. 37, p. 28-52, 2014.
Citação APA:
Coimbra, K. E. R., & Saraiva, L. A. S. (2014). Confrontos entre o espaço produzido e o espaço vivido em Belo Horizonte: um estudo sobre o Quarteirão do Soul . Revista Economia & Gestão, 14(37), 28-52.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/33903/confrontos-entre-o-espaco-produzido-e-o-espaco-vivido-em-belo-horizonte--um-estudo-sobre-o-quarteirao-do-soul--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

AUGÉ, M. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. 6. ed. Campinas: Papirus, 2007.

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1987.

BLAY, E. A. Crise urbana ou crise de reprodução do capital? In: BLAY, E. A. (Org.). A luta pelo espaço: textos de sociologia urbana. Petrópolis: Vozes, 1979.

BOLOGNESI, M. F. A mercadoria cultural. Trans/Form/Ação, São Paulo, v. 19, p. 75-86, dez. 1996.

BRITO, F. D.; JACQUES, P. B. Corpocidade: arte enquanto micro-resistência urbana. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 21, n. 2, p. 337-350, maio/ago. 2009.

CANCLINI, N. G. Cidades e cidadãos imaginados pelos meios de comunicação. Opinião Pública, Campinas, v. 8, n. 1, p. 40-53, maio 2002.

CANCLINI, N. G. El consumo cultural: una proposta teórica. In: SUNKEL, G. (Org.). Consumo cultural en América Latina. Santafé de Bogotá: Convenio Andrés Bello, 1999.

CANCLINI, N. G. Políticas culturais na América Latina. Novos Estudos, São Paulo, n. 2, p. 39-51, jul. 1983.

CARLOS, A. F. A. A (re)produção do espaço urbano. São Paulo: EDUSP, 1994.

CARLOS, A. F. A. A cidade. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998

CHARTIER, R. Cultura popular: revisitando um conceito historiográfico. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 179-192, 1995.

COIMBRA, K. E. R.; SARAIVA, L. A. S. Territorialidade em uma organização-cidade: o movimento quarteirão do soul. Gestão & Regionalidade, São Caetano do Sul, v. 29, n. 86, p. 34-46, maio/ago. 2013.

CUCHE, D. A. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 1999.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 1994.

DUARTE, F. Rastros de um rio urbano: cidade comunicada, cidade percebida. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 9, n. 2, p. 105-122, jul./dez. 2006.

FISCHER, G. N. Espaço, identidade e organização. In: CHANLAT, J.-F. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1994. v. 2.

FISCHER, T. A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades, ressonâncias. In: PRESTES MOTTA, F. C.; CALDAS, M. P. (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 24. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

IPIRANGA A, S. R. A cultura da cidade e os seus espaços intermediários: os bares e os restaurantes. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 65-91, jan./fev. 2010.

KELLNER, D. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: EDUSC, 2001.

LECHNER, N. Os desafios políticos das mudanças culturais sob a democracia. Novos Estudos, São Paulo, n. 68, p. 3-21, mar. 2004.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 2008a.

LEFEBVRE, H. Espaço e política. Belo Horizonte: UFMG, 2008b.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford: Blackwell, 1991.

LEITE, R. P. Contra-usos da cidade. Lugares e espaço público na experiência urbana contemporânea. 2. ed. Campinas: UNICAMP, 2007.

LEMOS, C. B. Construção simbólica dos espaços da cidade. In: MONTE-MOR, R. L. M. (Coord.). Belo Horizonte: espaços e tempos em construção. Belo Horizonte: CEDEPLAR/PBH, 1994.

MACDONALD, D. A Theory of Mass Culture. In: ROSEMBERG, B.; WHITE, D. (Ed.). M. Mass Culture: the Popular Arts in America. London: Collier Macmillan, 1964.

MESQUITA, Z. Espaço, território e lugar: estas palavras ciganas. Educacão, Subjetividade & Poder, Porto Alegre, v. 5, p. 64-75, jul. 1998.

MEYER, R. M. P. Segregação espacial: Brasília. In: BLAY, E. A. (Org.). A luta pelo espaço: textos de sociologia urbana. Petrópolis: Vozes, 1979.

MILAGRES, L.; KAPP, S.; BALTAZAR, A. P. A produção do espaço cotidiano de uso público. V!RUS, São Carlos, n. 4, p. 1-15, dez. 2010.

MISOCZKY, M. C. et al. De território de consumo a território de luta pela livre orientação sexual: os conflitos em torno do Centro Comercial Nova Olaria (Porto Alegre). In: ENCONTRO ANUASL DA ASSOCIAÇÃO NACIONALD E PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, XXXV, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1980.

NOGUEIRA, M. L. M. Subjetividade e materialidade: cidade, espaço e trabalho. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 21, n. 1, p. 69-86, jan. /abr. 2009.

ORTIZ, R. A Escola de Frankfurt e a questão da cultura. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 43-65, jun. 1986.

PECHMAN, R. M. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

PESAVENTO, S. J. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 53, p. 11-23, jul. 2007.

RIBEIRO, A. C. R. Identidade e resistência no urbano: o Quarteirão do Soul em Belo Horizonte. 2008. 193 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

SODRÉ, R. F. Tintas nos muros: um estudo sobre a produção de grafite no Rio de Janeiro. 2008. 242 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

SOUZA, M. L. Mudar a cidade: uma introdução à crítica ao planejamento e à gestão urbanos. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

VILAÇA, F. São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 25, n. 71, p. 37-58, jan. /abr. 2011.