Agentes de implementação: uma forma de análise de políticas públicas Outros Idiomas

ID:
34038
Resumo:
Este artigo tem como foco a análise da implementação das políticas públicas e dos burocratas implementadores. Considerando que a forma como as políticas são implementadas altera os resultados, o objetivo aqui é apresentar uma nova perspectiva analítica sobre essa questão. Para tanto, são observadas as formas de execução adotadas pelos Agentes Comunitários de Saúde, que são os implementadores do Programa Saúde da Família. O levantamento delas é construído a partir do olhar das práticas adotadas, do exercício da discricionariedade e das formas de interação que os burocratas adotam com usuários e outros profissionais dessas políticas. Por fim, avançamos na discussão de como ampliar os estudos de implementação, incorporando novos olhares que permitam compreender a complexidade desse processo.
Citação ABNT:
LOTTA, G. S.Agentes de implementação: uma forma de análise de políticas públicas . Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 19, n. 65, p. 188-208, 2014.
Citação APA:
Lotta, G. S.(2014). Agentes de implementação: uma forma de análise de políticas públicas . Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 19(65), 188-208.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34038/agentes-de-implementacao--uma-forma-de-analise-de-politicas-publicas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, F. M. (1998). O Programa de Saúde da Família no Ceará.Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora Ltda.

Arretche, M. (2001). Uma contribuição para fazermos avaliações menos ingênuas. In: Moreira, M. C. R. Moreira; Carvalho, M. C. B. de. (Org.). Tendências e Perspectivas na Avaliação de Políticas e Programas Sociais. São Paulo: IEE/PUCSP.

Bacharach & Baratz. (1962). Two Faces of Power. American Political Science Review (Vol. 56, n. 4).

Barrett, S. (2004). Implementation Studies: Time for a Revival? Personal Reflections on 20 Years of Implementation Studies. Public Administration 82 (2).

Barrett, S., and Hill, M.J. (1981). Report to the SSRC Central-Local Government Relations Panel on the ‘Core’ or Theoretical Component of the Research on Implementation unpublished.

Bryner, G. (1987). Bureaucratic discretion: law and policy in federal regulatory agencies. New York: Pergamon Press.

Burt, R. (1992). Structural Holes: The Social Structure of Competition. Harvard University Press, Cambridge, MA.

Carpim, T. C. (2006). Políticas Públicas e Ampliação do Capital Social em Comunidades Segregadas: o Programa Santo André Mais Igual. Dissertação de mestrado apresentada ao programa de Ciência Política da USP.

Davis, K. C. (1969). Discretionary justice. Baton Rouge: Louisiana State University Press.

Eliasoph, N., & Lichterman, P. (2003). Culture in Interaction. American Journal of Sociology, v. 108, p. 735-94.

Emirbayer, M. & Mische, A. (1998). What is Agency? American Journal of Sociology, n. 103.

Faria, C. A. P. (2003). Ideias, conhecimento e políticas públicas. RBCS (Vol. 18, n. 51, fev).

Faria, V. (1997). Government policy and fertility regulation: unintended consequences and perverse effects. In: Brazilian Journal of Population Studies. Fligstein, N. (2001). Social Skill and the Theory of Fields. Sociological Theory, v. 19, p. 105-25.

Fuks, M. (2000). Definição da agenda, debate público e problemas sociais: uma perspectiva argumentativa da dinâmica do conflito social. In: Bib (n. 49, 1º sem.).

Goffman, E. (1974). Frame Analysis. New York: Harper and Row.

Grindle, S. M. (1977). Bureaucrats, politicians and peasants in Mexico: a case study in public policy. University of California Press.

Handler, J. (1986). Conditions of discretion: autonomy, community, and bureaucracy. New York: Sage.

Hawkins, K. (1992). (Org.) The uses of discretion. Oxford: Oxford University Press.

Hill, H. (2003). Understanding implementation: street-level Bureaucrats’ resources for Reform. Journal of Public Administration Research and Theory. v. 13, p. 265-282.

Hill, M., & Ham, C. (1993). The policy process in the modern capitalist state. Harvest. Nova IorK.

Hogwood, B., & Gunn, L. (1993). Why perfect implementation is unattainable. In: Hill, M. & Ham, C. The policy process in the modern capitalist state. Nova York: Harvest.

Hogwood, B. W., and Gunn, L. A. (1984). Policy analysis for the Real World Oxford. University Press, Oxford.

Kingdon, J. W. (1995). Agendas, alternatives, and public policies. New York: Harper Collins (2nd ed. Cap. 9) Wrapping things up – session agenda setting. Republicado parcialmente em Theodoulou, Stella Z. & Cahn, M. A. Public policy: the essential readings. Upper Saddle River, NJ, Prentice Hall.

Kuschnir, K. (2000). O cotidiano da política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 162 p.

Lazin, Frederik. (1994). Politics and policy implementation: Project Renewal in Israel (Suny Series in Israeli Studies). State University of New York Press.

Lipsky, Michael. (1980). Street-level bureaucracy: dilemmas of the individual in public service. New York, Russell Sage Foundation, c.

Lotta, Gabriela Spanghero. (2006). Saber e poder: Agentes Comunitários de Saúde aproximando saberes locais e políticas públicas. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Administração Pública e Governo da EAESP/FGV.

Lotta, Gabriela Spanghero, & Lotta, Gabriela S. (2010). Implementação de políticas públicas: o impacto dos fatores relacionais e organizacionais sobre a atuação dos burocratas de nível da rua no Programa Saúde da Família. São Paulo: Universidade de São Paulo/FFLCH, Tese de Doutorado.

Majone, G. and Wildavsky, A. (1995). Implementation as Evolution. In Theodoulou and Cahn. Public policy: the essential readings. Upper Saddle River, NJ, Prentice Hall.

Marques, E. (2003). Redes sociais, Instituições e atores políticos no Governo da Cidade de São Paulo. Anablume e Fapesp, São Paulo.

Marques, Eduardo. (1997). Notas críticas à literatura sobre Estado, políticas estatais e atores políticos. In BIB – Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (n. 43).

Marques, E. Redes sociais e poder no Estado brasileiro: aprendizados a partir das políticas urbanas. Recuperado em: 24 março, 2006, de .

Mclean, Paul. (1998). A Frame Analysis of Favor Seeking in Renaissance: Agency, Networks and Political Culture. American Journal of Sociology, v. 104, p. 51-91.

Mclean, Paul. (2007). The Art of The Network: Strategic Interaction and Patronage in Renaissance Florence. Duke University Press, Durham.

Meier e O’Toole. (2006). Bureaucracy in a democratic state: a governance perspective. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

Ministério da saúde. Relatórios de Pesquisa. Recuperado em: 9 maio, 2005, de .

Mische, A. (2003). Cross-Talk in Movement: Rethinking the Culture-Networls Link. In: Social movements and networks: relational approaches to collective action, edited by Mario Diani and Doug McAdam. Oxford University Press, Oxford and New York.

Mische, Ann. (2007). Partisan Publics: Communication and Contention across Brazilian Youth Activist Networks. Princenton University Press, New Jersey.

Mische, A., & White, H. (1998). Between Conversation and Situation:Publics Switching Dynamics across Networks-Domains. Social Research, v. 65, p. 295-32.

Motta, P. R. (1990). Avaliação da Administração Pública: eficiência, eficácia e efetividade. Fundap, São Paulo. Projeto “Análise do setor público paulista”. (Texto digitado).

Pires, R. (2009). Burocracia, discricionariedade e democracia: alternativas para o dilema entre controle do poder administrativo e capacidade de implementação. Cadernos Gestão Pública e Cidadania. 14(54), 147-187.

Pressman, J., & Wildavsky, A. (1973). Implementation. University of California Press, Berkeley.

Silbey, S. S., & Bittner, E. (1982). The availability of law. Law and Policy Quarterly (Vol. 4, n. 4, pp. 399-434).

Silva, J., & Dalmaso, A. S. (2002). Agente Comunitário de Saúde: o ser, o saber, o fazer. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Souza, C. (2006). Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. n. 16. Porto Alegre, july/dec. 2006.

Tilly, C. (2001). Mechanisms in political processes. Annual Review of Political Science, 4.

White, H. (1995). Network switchings and bayesian forks: reconstructing the social and behavioral sciences. Social Research, 62.

Wildavsky, A. (1979). Speaking Truth to Power: The art and craft of policy analysis little brown, Boston.

Wolf, E. (1956). Aspects of group relations in a complex Society: Mexico. American Anthropologist, New Series (Vol. 58, n. 6).