Financiamentos à inovação tecnológica: reembolsáveis, não reembolsáveis e incentivos fiscais Outros Idiomas

ID:
34298
Resumo:
A necessidade de fortalecer a indústria nacional, garantindo sua competitividade por meio da introdução de inovações tecnológicas no mercado, levou o governo brasileiro a criar mecanismos de promoção da inovação tecnológica nas empresas, dentre eles financiamentos reembolsáveis, não reembolsáveis e incentivos fiscais. O presente artigo tem como objetivo avaliar o conhecimento e a utilização dos financiamentos à inovação tecnológica por empresas localizadas na cidade de São Carlos - SP, especialmente no período posterior à Lei da Inovação (nº 10.973/04), compreendido entre 2005 e 2011. Por meio de pesquisa de campo envolvendo 92 empresas, foi possível analisar as vantagens e desvantagens encontradas no uso dos financiamentos reembolsáveis, não reembolsáveis e incentivos fiscais. Além disso, pode-se entender a efetividade desses mecanismos e as experiências das empresas na utilização dos instrumentos de apoio financeiro à inovação tecnológica.
Citação ABNT:
BUENO, A.; TORKOMIAN, A. L. V. Financiamentos à inovação tecnológica: reembolsáveis, não reembolsáveis e incentivos fiscais . Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 4, p. 135-158, 2014.
Citação APA:
Bueno, A., & Torkomian, A. L. V. (2014). Financiamentos à inovação tecnológica: reembolsáveis, não reembolsáveis e incentivos fiscais . Revista de Administração e Inovação, 11(4), 135-158.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34298/financiamentos-a-inovacao-tecnologica--reembolsaveis--nao-reembolsaveis-e-incentivos-fiscais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Cassiolato, J. E.; & Lastres, H. M. M. (2000). Sistemas de inovação: políticas e perspectivas. Parcerias Estratégicas, 8, 237-255.

Corder, S.; & Salles, S.; Filho. (2006). Aspectos conceituais do financiamento à inovação. Revista Brasileira de Inovação, 5(1), 33-76.

De Negri, J. A.; & Kubota, L. C. (Eds.). (2008). Políticas de incentivo à inovação tecnológica no Brasil. Brasília, DF: IPEA.

Etzkowitz, H. (2009). Hélice tríplice: universidade-indústria-governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EdiPUCRS.

Etzkowitz, H.; & Leydesdorff, L. (2000). The dynamics of innovation: from national systems and “Mode 2” to a triple helix of university­industry­government relations. Research Policy, 29(2), 109-123.

Freeman, C. (1995). The ‘national system of innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, 19(1), 5-24.

Freitas, H.; Oliveira, M.; Saccol, A. Z.; & Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa survey. Revista de Administração da USP, 35(3), 105-112.

Guimarães, D. L. (2009). Guia prático de apoio à inovação: onde e como conseguir apoio para promover a inovação na sua empresa. Brasília, DF: MCT/ANPEI.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2005). Pesquisa de inovação tecnológica: PINTEC 2005. Rio de Janeiro: Autor.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Pesquisa de inovação tecnológica: PINTEC 2008. Rio de Janeiro: Autor.

Lakatos, E. M.; & Marconi, M. A. (2001). Fundamentos de metodologia científica. 3a ed. São Paulo: Atlas.

Mattos, J. F. C.; Gastal, C. L.; Câmara, L.; Rank, L.; & Emediato, L. G.. (2008). Manual de inovação. Brasília, DF: Movimento Brasil Competitivo.

Organisation for Economic Co-Operation and Development. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. (P. Garchet, Trad.). São Paulo: FINEP.

Os novos instrumentos de apoio à inovação: uma avaliação inicial. (2009). Brasília, DF: CGEE/ANPEI.

O’Sullivan, M. (2004). Finance and innovation. In J. Fagerberg, D. Mowery, & R. Nelson (Eds.), Oxford handbook on innovation (pp. 240-265). Oxford: Oxford University.

Pádua, E. M. M. (2004). Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. 10a ed. Campinas: Papirus.

Porter, M. E. (1996). What is strategy? Harvard Business Review, 74(6), 61-78.

Rapini, M. S.; Silva, L.; & Schultz, S. (2010). Instrumentos financeiros de apoio à inovação: como é a participação das empresas mineiras. Anais do Seminário sobre a Economia Mineira, 14.

Rea, L. M.; & Parker, R. A. (2000). Metodologia de pesquisa: do planejamento à execução. São Paulo: Guazzelli.

Salerno, M. S.; & Kubota, L. C. (2008). Estado e inovação. In J. A. De Negri, & L. C. Kubota, L. C. (Eds), Políticas de incentivo à inovação tecnológica no Brasil (pp. 13-64). Brasília, DF: IPEA.

Schumpeter, J. A. (1988). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Suzigan, W.; & Albuquerque, E. M. (2011). A interação universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil. In W. Suzigan, E. M. Albuquerque, & S. A. F. Cario (Orgs.), Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. (pp. 17-24) (Coleção Economia Política e Sociedade). Belo Horizonte: Autêntica.

Torkomian, A. L. V. (1996). Estrutura de pólos tecnológicos. São Carlos: EdUFSCar.

Weisz, J. (2006). Mecanismos de apoio à inovação. 3a ed. Brasília, DF: SENAI/DN.