Um estudo sobre a utilização de andragogia no ensino de pós-graduação em Administração Outros Idiomas

ID:
34331
Periódico:
Resumo:
A andragogia uma abordagem de ensino com foco no público adulto, vem ganhando significativa importância nos últimos 40 anos, a partir do crescimento do número de adultos que estão retornando às salas de aula. A necessidade de tal abordagem de ensino advém da premissa de que adultos e crianças aprendem de formas diferentes. O presente estudo situa-se no campo do ensino em Administração e tem como linha teórica a andragogia como forma de ensino. O principal objetivo é identificar a percepção de alunos dos cursos de pós-graduação stricto sensu em Administração mais bem avaliados no estado de São Paulo quanto à utilização da andragogia. O estudo possui enfoque quantitativo e é do tipo exploratório. O tratamento dos dados foi realizado por meio de estatística descritiva e por meio da técnica multivariada de Análise Fatorial, a partir de 139 respostas válidas. A pesquisa foi aplicada no curso de pós-graduação em Administração stricto sensu da Faculdade de Economia Administração e Contabilidade da Escola de São Paulo (FEA-USP) e da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (EAESP -FGV). Dentre os principais resultados, foi possível identificar quatro dos seis elementos do processo de andragogia propostos pela literatura. Os alunos percebem a emergência de um processo de preparação, de estabelecimento de clima colaborativo, de estabelecimento de objetivos e de avaliação contínua da aprendizagem. Por outro lado, não percebem o uso de técnicas experienciais de aprendizagem nas escolas. Também ressalta, na percepção do uso da andragogia, a influência do nível acadêmico; todavia, idade e experiência prévia como professor não resultaram em diferenças significativas nessa percepção.
Citação ABNT:
SHINODA, A. C. M.; TUMELERO, C.; MERINO, M. H.; DANESE, A. M.; CARNAÚBA, A. A. C.; MARINHO, B. L. Um estudo sobre a utilização de andragogia no ensino de pós-graduação em Administração. Revista de Gestão, v. 21, n. 4, p. 507-523, 2014.
Citação APA:
Shinoda, A. C. M., Tumelero, C., Merino, M. H., Danese, A. M., Carnaúba, A. A. C., & Marinho, B. L. (2014). Um estudo sobre a utilização de andragogia no ensino de pós-graduação em Administração. Revista de Gestão, 21(4), 507-523.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34331/um-estudo-sobre-a-utilizacao-de-andragogia-no-ensino-de-pos-graduacao-em-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASHLEY-BAISDEN, D. The effects of age in adult learner's preferences for instructional delivery. Denver: The University of Denver, 2001.

CAPES. Ferramenta de dados georreferencial – GEOCAPES. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2010a.

CAPES. Relação de Cursos Recomendados e Reconhecidos. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2010b.

CHRISTIAN, A. C. A comparative study of the andragogical-pedagogical orientation of military and civilian personnel. Oklahoma: Oklahoma State University, 1982.

CONNER, M. L. “Andragoy and Pedagogy”. Disponível em . Acesso em 1 jul. 2010.

CONTI, G. Principles of Adult Learning Scale: an instrument for measuring teacher behavior related to the collaborative teaching-learning mode. Dekalb: Northern Illinois University, 1978.

COSTELLO, A. B.; OSBORNE, J. W. Best practices in exploratory factor analysis: four recommendations for getting the most of your analysis. Practical Assessment, Research & Evaluation, v. 10, n.7, p. 1-9, 2005.

DAVENPORT, J.; DAVENPORT, J. A chronology and analysis of the andragogy debate. Adult Education Quarterly, v. 35, n. 3, p. 152159, 1985. .

DEAQUINO, C. T. E. Como Aprender: andragogia e as habilidades de aprendizagem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

FORREST III, S. P.; PETERSON, T. O. It’s Called Andragogy. Academy of Management Learning & Education, v. 5, n. 1, p. 113-122, 2006. .

GIBB, J. R. Learning theory in Adult Education.In: KNOWLES, M. S. (Org.) Handbook of Adult Education in United States. Washington: Adult Education Association of the USA, 1960.

GIL ,A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

HADLEY, H. Development of an instrument to determine adult educator's orientation: andragogical or pedagogical. Boston: Boston University School of Education, 1975.

HAIR, JR. J. E. et al. Analisis multivariate. 5. ed. Madrid: Prentice May Iberia, 1999.

HOLTON III, E. F.; WILSON, L. S.; BATES, R. Toward development of a generalized instrument to measure andragogy. Human Resource Development Quarterly, v. 20, n. 2, p., 2009.

HOULE, C.O. The Design of education. San Fracisco: Jossey-Bass, 1972.

IBGE. Síntese de Indicadores da PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2010.

KERWIN, M. The relationship of selected factors to the educational orientation of andragogically and pedagogically oriented educators teaching in four of North Carolina's two year college. Raleigh: North Carolina State University, 1979.

KNOWLES, M. S. Designs for Adult Learning. Alexandria. American Society for Training and Development, 1995.

KNOWLES, M. S.; HOLTON III, E. F.; SWANSON, R. A. Aprendizagem de Resultados: uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

KNOWLES, M. S. The Modern Practice of Adult Education: From Pedagogy to Andragogy. Engewood Cliff. New Jersey: Cambridge, 1980.

KOLB, D. Experiential Learning: experience as the source of learning and development. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1984.

LESNIAK, S. Active Learning and other teaching activities as perceived by part-time faculty and students in a professional degree program designed for adult learners. La Verne: University of La Verne, 1995.

LINDEMAN, E. The Meaning of Adult Education. Nova York: New Republic, 1926.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MALLINCKRODT, B.; WANG, C. H. Quantitative methods for verifying semantic equivalence of translated research instruments: A Chinese version of the experiences in close relationships scale. Journal of Counseling Psychology, v. 51, n. 3, p. 368-379, 2004. .

MCCOLIN, E. Faculty and student perceptions of teaching styles: do teaching styles differ for traditional and nontraditional students? Mississipi: University of Southern Mississipi, 1998.

MCGREGOR, D. The Human Side of Enterprise. New York: McGraw Hill, 1960.

MERRIAM, S. B.; CAFFARELLA, R. S. Learning in adulthood: a comprehensive guide. 2nd ed. San Francisco: Jossey-Bass, 1999.

PERRIN, A. The fit between Adult Learner Preferences and the theory of Malcom Knowles. Kansas: University of Kansas, 2000.

PINHEIRO, S. Perceptions versus preferences: adult international students teaching-learning experiences in an american university. Michigan: Michigan State University, 1999.

SAMPIERI R. H.; COLLADO C. F.; LUCIO P. B. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SUANMALI, C. The core competencies of andragogy. Columbia: Columbia University Teachers College, 1981.

TRIPODI, T.; FELLIN, P.; MEYER, H. Análise da pesquisa social. Rio de Janeiro: F. Alves, 1975.

WILSON, L. A test of andragogy in a postsecondary educational setting. Dissetation (Ph. D) ̶ The School of Human Resource Education and Workforce Development Graduate Faculty of the Louisiana State University and Agricultural and Mechanical College, Louisiania, 2005.

ZMEYOV, S. Andragogy: origins, developments and trends. International Review of Education, v. 44, n. 1, p. 103-108, 1998. .