Desenvolvimento de métricas para avaliação da competitividade de Clusters: uma aplicação empírica no setor têxtil Outros Idiomas

ID:
34375
Resumo:
O objetivo deste estudo consiste em desenvolver métricas para avaliação da competitividade de clusters. O modelo teórico adotado foi o de Zaccarelli et al. (2008), o qual apresenta onze fundamentos de competitividade de clusters. A pesquisa classifica-se como qualitativa exploratória, cujos dados foram levantados através de fontes primárias (entrevistas semiestruturadas) e secundárias (análise de documentos). Como resultado, desenvolveram-se métricas exequíveis e adequadas à avaliação da competitividade de clusters. Além disso, foi verificada a presença dos onze fundamentos no Brás, distrito da cidade de São Paulo conhecido por sua intensa atividade comercial, e a apreciação de cada métrica permitiu uma descrição detalhada das características que tornam o Brás um cluster competitivo.
Citação ABNT:
PEREIRA, C. E. C.; SARTURI, G.; BOAVENTURA, J. M. G.; POLO, E. F. Desenvolvimento de métricas para avaliação da competitividade de Clusters: uma aplicação empírica no setor têxtil. Gestão & Regionalidade, v. 30, n. 90, p. 155-172, 2014.
Citação APA:
Pereira, C. E. C., Sarturi, G., Boaventura, J. M. G., & Polo, E. F. (2014). Desenvolvimento de métricas para avaliação da competitividade de Clusters: uma aplicação empírica no setor têxtil. Gestão & Regionalidade, 30(90), 155-172.
DOI:
10.13037/gr.vol30n90.2894
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34375/desenvolvimento-de-metricas-para-avaliacao-da-competitividade-de-clusters--uma-aplicacao-empirica-no-setor-textil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, J. S; SILVEIRA NETO, R. M. Impacto das Externalidades de Aglomeração no Crescimento do Emprego: O Caso do Cluster de Confecções em Pernambuco. Documentos Técnico-Científicos, v. 42, n. 2, 2011.

ANDRADE, L. P.; CORREIA NETO, J. S.; SILVA, E. V.; LUCENA, M. V. M.; ABREU, N. R.; BALDANZA, R. F. Processo de Formulação de Estratégias Empresariais em Micro e Pequenas Empresas Industriais de Confecções no Cluster de Santa Cruz do Capibaribe. In: Luciano Pires de Almeida. (Org.). Estratégia & Marketing. 1 ed. Olinda - PE: Livro Rápido - Elógica, 2007. p. 11-155.

BAYEUX, G. M.; ARTIGAS, R. C. Casa das Retortas. Prefeitura do Município de São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura, Departamento de Informação e Documentação Artísticas, Centro de Documentação e Informação sobre Arte Brasileira Contemporânea, 1980.

BELL, G. G. Clusters, networks, and firm innovativeness. Strategic management journal, v. 26, n. 3, p. 287-295, 2005.

BOASSON, V. et al. Firm value and geographic competitive advantage: evidence from the US pharmaceutical industry. Journal of Business, v. 78, n. 6, p. 2465-2493, 2005.

BRITO, M das G.; BERNARDES, R.. Simples aglomerados ou sistemas produtivos Inovadores? Limites e possibilidades para a indústria do vestuário na metrópole paulista. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 2, p. 71-85, 2005.

CARDOSO, A. F.; DOS SANTOS, C. C.; HOELTGEBAUM, M. A. Saída para o desenvolvimento regional: os fatores de sucesso dos clusters de confecção no município de brusque em Santa Catarina. In SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 2006. Resende. Anais ... III SEGeT, Resende - RJ. 2006.

CASTELLAR, S. M. V. Cadeia Produtiva de Confecções nos Bairros Brás, Bom Retiro e Pari. Trabalho Técnico – SEBRAE-SP, 2007.

CRUZ, S.C.S.; TEIXEIRA, A.C. The evolution of the cluster literature: shedding light on the regional studies– regional science debate. Regional Studies, v. 44, n. 9, p. 1263-1288, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GILL P.; STEWART K.; TREASURE E.; CHADWICK B. Methods of data collection in qualitative research: interviews and focus groups. British dental journal, v. 204, n. 6, p. 291-295, 2008.

GOMES, S de C. Uma inserção dos migrantes nordestinos em São Paulo: o comércio de retalhos. Imaginário, v. 12, n. 13, p. 143-169, 2006.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American journal of sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

HAUGE, A.; MALMBERG, A.; POWER, D. The spaces and places of Swedish fashion. European Planning Studies, v. 17, n. 4, p. 529-547, 2009.

HSIEH, Pi-Feng; LEE, Chung-Shing; HO, Jonathan C. Strategy and process of value creation and appropriation in service clusters. Technovation, v. 32, n. 7, p. 430-439, 2012.

IEMI. Instituto de Estudos e Marketing Indústrial. Relatório Setorial da Indústria Têxtil Brasileira. v. 12, n. 12. São Paulo: IEMI, v. 12, n. 12, 2012.

KAMATH, Shyam; AGRAWAL, Jagdish; CHASE, Kris. Explaining geographic cluster Success – The GEMS model. American Journal of Economics and Sociology, v. 71, n. 1, p. 184-214, 2012.

KREMER, A.; MATOS, E. A.; KOVALESKI, J. L. Formação de um cluster no segmento de confecções-vestuário: o caso de Ponta Grossa. Tecnologia & Humanismo, CEFET-PR, v. 1, p. 8-22, 2005.

MARSHALL, A. Principles of Economics Book Four: The Agents of Production: Land, Labour, and Capital and Organization. Disponível em: . Acesso em 11 de out.2012.

PICKLES, J.; SMITH, A. Delocalization and persistence in the European clothing industry: the reconfiguration of trade and production networks. Regional Studies, v. 45, n. 2, p. 167-185, 2011.

PORTER, M.E. Clusters and the New Economics of Competition. Harvard Business Review, v. 76, n. 6, p. 77-90, 1998.

PORTER, M. E. The competitive advantage of nations. New York: The Free Press, 1990.

RICARDO, D. On the principles of Political Economy and Taxation. London: J. M. Dent & Sons Ltd.; 1978.

SAMMARRAY, A.; BELUSSI, F. Evolution and relocation in fashion-led Italian districts: evidence from two case studies. Entrepreneurship and Regional Development, v. 18, n. 6, p. 543-562, 2006.

SÃO PAULO (Município). Lei nº 14.223 de 26 de setembro de 2006. Dispõe sobre a ordenação dos elementos que compõem a paisagem urbana do Município de São Paulo. Secretaria do Governo Municipal, São Paulo, SP, 2006.

SÃO PAULO (Município). Lei nº 14.973/09 de 11 de setembro de 2009. Dispõe sobre a organização de sistemas de coleta seletiva nos grandes geradores de resíduos sólidos do município de São Paulo e dá outras providências. Secretaria do Governo Municipal, São Paulo, SP, 2009.

SCARPIN, M. R. S.; MONDINI, V. E. D.; SCARPIN, J. E.; VIEIRA, M. P. Análise Bibliométrica de Artigos de Clusters e Internacionalização em Periódicos de Alto Impacto no Período de 2000 a 2010. Revista da UNIFEBE, v. 10, p. 123-140, 2012.

SCHMITZ, H. On the clustering of small firms. IDS Bulletin, v. 23, n. 3, p. 64-69, 1992.

SEBRAE-SP. Estatísticas sobre nº de Micro e Pequenas Empresas do Município de São Paulo - Distrito: Brás. Unidade Inteligência de Mercado: Pesquisas Econômicas, 2001.

SEBRAE-SP. Estatísticas sobre nº de Micro e Pequenas Empresas do Município de São Paulo - Distrito: Brás. Unidade Inteligência de Mercado: Pesquisas Econômicas, 2012.

SILVA, S. C. Circuito espacial de produção de confecções: nexos entre o circuito superior e inferior. Revista Geográfica de América Central, v. 2, n. 47E, 2011.

SILVA, S. C. O circuito inferior de confecções e a nova imigração na cidade de São Paulo. In XVI Encontro Nacional dos Geógrafos, 16, Porto Alegre - RS, 2010.

SIQUEIRA, J. P.; GERTH, F. M.; BOAVENTURA, J. M. G. Análise da competitividade dos clusters industriais de calçados de Franca e Birigui. Revista Gestão Organizacional, v. 4, n. 2, p. 102-112, 2011.

SMITH, A. A Riqueza das Nações. Curitiba: Juruá, 2009.

TAKEDA,Y.; KAJIKAWA, Y.; SAKATA, I. & MATSUSHIMA, K.. An analysis of geographical agglomeration and modularized industrial networks in a regional cluster: A case study at Yamagata prefecture in Japan. Technovation, v. 28, n. 8, p. 531-539, 2008.

TAVARES, B.; ANTONIALLI, L. M.; SANTOS, M. I. P. Influência das características das aglomerações sobre a geração de externalidades para as empresas. Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 115-142, 2010.

TELLES, R.; SIQUEIRA, J. P. L.; DONAIRE, D.; GASPAR, M. A. Atratividade em Clusters Comerciais: Um Estudo Comparativo de Dois Clusters da Cidade de São Paulo. Gestão & Regionalidade, v. 29, n. 85, p. 47-62, 2013.

TODEVA, E. Clusters in the South East of England. Surrey, UK: University of Surrey, 2006.

UK Department of Trade and Industry. Biotechnology Clusters: report of a Team Led by Lord Sainsbury, Minister for Science, 1999. Disponível em: . Acesso em: 14 de jun.2014.

VERAS, M. P. B. Cortiços no Brás: velhas e novas formas da habitação popular na São Paulo industrial. Análise Social, v. 29, n. 127, p. 599-629, 1994.

VICHNEWSKI, H. T. Indústrias Matarazzo em Ribeirão Preto. Coleção Identidades Culturais, n.2. Ribeirão Preto: Fundação Instituto do Livro, 2010.

WANG, L.; MADHOK, A.; XIAO LI, S. Agglomeration and clustering over the industry life cycle: Toward a dynamic model of geographic concentration. Strategic Management Journal, v. 35, n. 7, p. 995-1012, 2014.

ZACCARELLI, S.; TELLES, R.; SIQUEIRA, J.; BOAVENTURA, J.; DONAIRE, D. Clusters e Redes de Negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008.