O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração Outros Idiomas

ID:
34784
Resumo:
O objetivo deste artigo é discutir as possíveis contribuições de estudos que fazem confluir história e cotidiano para a construção de novos olhares sobre a Administração. Para atender a esse objetivo, debatemos a aproximação entre a Administração e a história e os estudos sobre o cotidiano como opção para se produzirem olhares alternativos dentro da Administração. Concluímos reiterando que a construção desses diálogos pode abrir trilhas interessantes para o desenvolvimento de conhecimentos autorrefletidos e que estejam posicionados política, social e geograficamente.
Citação ABNT:
BARROS, A.; CARRIERI, A. P. O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração. Revista de Administração de Empresas, v. 55, n. 2, p. 151-161, 2015.
Citação APA:
Barros, A., & Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração. Revista de Administração de Empresas, 55(2), 151-161.
DOI:
10.1590/S0034-759020150205
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34784/o-cotidiano-e-a-historia--construindo-novos-olhares-na-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alcadipani, R, & Bertero, C. O. (2012). Guerra Fria e ensino do management no Brasil: o caso da FGV-EAESP. RAE-Revista de Administração de Empresas, 52(3), 284-299.

Alcadipani, R, Khan, F. R, Gantman, E, & Nkomo, S. (2012). Southern voices in management and organization knowledge. Organization, 19(2), 131-143.

Alcadipani, R, & Rosa, A. R. (2010). O pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “borat” brasileiro. RAE-Revista de Administração de Empresas, 50(4), 371-382.

Alcadipani, R, & Rosa, A. R. (2011). From grobal management to glocal management: Latin American perspectives as a counter-dominant management epistemology. Canadian Journal of the Administrative Sciences, 28(4), 453-466.

Barley, S, & Kunda, G. (1992). Design and devotion: surges of rational and normative ideologies of control in managerial discourse. Administrative Science Quarterly, 37(3), 363-399.

Barros, A, & Carrieri, A. (2013). Ensino superior em administração entre os anos 1940 e 1950: uma discussão a partir dos acordos de cooperação Brasil-Estados Unidos. Cadernos Ebape.br, 11(2), 256-273.

Barros, A, Cruz, R. C, Xavier, W, Carrieri, A, & Lima, G. (2011). Apropriação dos saberes administrativos: um olhar alternativo sobre o desenvolvimento da área. RAM-Revista de Administração Mackenzie, 12(5), 43-67.

Barros, A, Xavier, W, Cruz, R, Carrieri, A, & Lima, G. (2012). O ethos capitalista weberiano e a afetividade no comércio mineiro. Cadernos Ebape. br, 10(2), 376-392.

Benjamin, W. (2006). Passagens. Belo Horizonte, São Paulo: UFMG/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Caldeira, A. M. (1995). A apropriação e construção do saber docente e a prática cotidiana. Cad. Pesqui., (95), 5-12.

Candiotto, C. (2010). Foucault e a crítica da verdade. Belo Horizonte: Autêntica; Curitiba: Champagnat.

Carvalho, C. A. P. (2006). Outras formas organizacionais: o estudo de alternativas ao modelo empresarial na realidade brasileira. Porto Alegre. Projeto Procad/CNPq.

Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano I: as artes do fazer. Petrópolis: Vozes.

Certeau, M. (1996). A invenção do cotidiano 2: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes.

Chanlat, J-F. (2000). Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas.

Chizzotti, A. (2004). Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez.

Clark, P, & Rowlinson, M. (2004). The treatment of history in organization studies: towards an ‘historic turn’? Business History, 46(3), 331-352.

Clegg, S. R, & Hardy, C. (1996). Introduction: organizations, organization and organizing. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. Nord (Eds) Handbook of organization studies (pp. 1-28). London: Sage.

Cooke, B. (2010). Managerialism as knowing and making Latin America: International development management and world bank interventions. In Faria, A.; GUEDES, A. (eds.), International Management and International Relations a Critical Perspective from Latin America (pp. 161-184). London: Routledge.

Curado, I. (2001). O desenvolvimento dos saberes administrativos em São Paulo. Tese de doutorado, Administração, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo.

Duran, M. C. (2007). Maneiras de pensar o cotidiano com Michel de Certeau. Diálogo Educacional., 7(22), 115-128.

Faria, A, Ibarra-Colado, E, & Guedes, A. L. (2010). Internationalization of management, neoliberalism and the Latin America challenge. Critical perspectives on international business, 6(2-3), 97-115.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2009). A arqueologia do saber (7a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Frenkel, M, & Shenhav, Y. (2003). From Americanization to colonization: the diffusion of productivity models revisited. Organization Studies, 24(9), 1537-1561.

Frenkel, M, & Shenhav, Y. (2006). From binarism back to hibridity: a postcolonial reading of management and organization studies. Organization Studies, 27(6), 855-876.

Frenklel, M. (2009). The Americanization of the antimanagerialist alternative in Israel: how foreign experts retheorized and disarmed workers’ participation in management, 1950-1970. International Studies of Management and Organization, 38(4), 17-37.

Gagnebin, J-M. (2004). História e narração em Walter Benjamin (2a ed.). São Paulo: Perspectiva.

Ginzburg, C. (1989). O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Cia. das Letras.

Goff, J, Le. (2003). História e memória (5a ed.). Campinas: Editora da Unicamp.

Gomes, A, & Santana, W. (2010). A história oral na análise organizacional: a possível e promissora conversa entre a história e a administração. Cadernos Ebape, 8(1), 1-18.

Grant, J. D, & Mills, A. J. (2006). The quiet Americans: formative context, the Academy of Management leadership, and the management textbook, 1936-1960. Management & Organizational History, 1(2), 201-224.

Grey, C. (2010). Organizing studies: publications, politics and polemic. Organization Studies, 31(6), 677-694.

Guarinello, N. (2004). História científica, história contemporânea e história cotidiana. Revista Brasileira de História, 24(48), 13-38.

Holanda, L. A. (2011). Resistência e apropriação de práticas de management no organizar de coletivos da cultura popular. Tese de doutorado, Administração, Propad/UFPE, Recife.

Ibarra-Colado, E. (2006). Organization studies and epistemic coloniality in Latin America: thinking otherness from the margins. Organization, 13(4), 463-488.

Jacques, R. (1996). Manufacturing the employee. London: Sage Publications.

Kelley, E. S, Mills, A. J, & Cooke, B. (2009). Management as a Cold War phenomenon? Human Relations, 59(5), 603-610.

Levigard, Y, & Barbosa, R. (2010). Incertezas e cotidiano: uma breve reflexão. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(1), 84-89.

Locke, R. (1996). The collapse of the American management mystique. Oxford: Oxford University Press.

Martins, J. S. (2008). A sociabilidade do homem simples. São Paulo: Hucitec.

Matitz, Q. R. S, & Vizeu, F. (2012). Construção e uso de conceitos em estudos organizacionais: por uma perspectiva social e histórica. RAPRevista de Administração Pública, 46(2), 577-598.

Matos, M. (2002). Cotidiano e cultura: história, cidade e trabalho. Bauru, SP: EDUSC.

Mattos, P. L. (2009). “Administração é ciência ou arte?” O que podemos aprender com este mal-entendido? RAE-Revista de Administração de Empresas, 49(3), 349-360.

Meyer, R, & Boxenbaum, E. (2010). Exploring European-ness in organization research. Organization Studies, 31(6), 737-755.

Mignolo, W. (2007). Delinking. Cultural Studies, 21(2-3), 449-514.

Murphy, J, & Zhu, J. (2012). Neo-colonialism in the academy? AngloAmerican domination in management journals. Organization, 19(6), 915-927.

Novais, F. A, & Silva, R. (2011). Introdução: para a historiografia da nova história. In F. A. Novais, & R. Silva (Orgs.). Nova história em perspectiva. (Vol. 1, pp. 6-73). São Paulo: Cosac Naify.

Oliveira, J, & Cavedon, N. R. (2013). Micropolíticas das práticas cotidianas: etnografando uma organização circense. RAE-Revista de Administração de Empresas, 53(2), 156-168.

Patto, M. (1993). O conceito de cotidianidade em Agnes Heller e a pesquisa em educação. Perspectivas, 16, 119-141.

Pfeffer, J. (1993). Barriers to the advance of organization science: paradigm development as a development variable. The Academy of Management Review, 18(4), 599-620.

Ramos, A. G. (1981). A nova ciência das organizações: uma reconstrução da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora da FGV.

Rossler, J. H. (2004, abril). O desenvolvimento do psiquismo na vida cotidiana: aproximações entre a psicologia de Alexis N. Leontiev e a teoria da vida cotidiana de Agnes Heller. Caderno Cedes, 24(62), 100-116.

Rowlinson, M. (2013). Management & organizational history: the continuing historic turn. Management & Organizational History, 8(4), 327-328.

Rowlinson, M, Jacques, R, & Booth, C. (2009). Critical management and organizational history. In M. Alvesson, T. Bridgman, & H. Willmott (Eds.). The Oxford handbook of critical management studies (pp. 286-304). Oxford: Oxford University Press.

Runté, M, & Mills, A. J. (2006). Cold War, chilly climate: exploring the roots of gendered discourse in organization and management theory. Human Relations, 59(5), 695-720.

Said, E. (1990). Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Cia. das Letras.

Santos, M. (2006). A natureza do espaço: técnica e tempo: razão e emoção (4a ed.). São Paulo: Edusp.

Souza, A, Filho. (2002). Michel de Certeau: fundamentos de uma sociologia do cotidiano. Sociabilidades (USP), 2, 129-134.

Üsdikem, B, & Kieser, A. (2004). Introduction: history in organisation studies. Business History, 46(3), 321-330.

Vargas, R. A, & Junquilho, G. S. (2013). Funções administrativas ou práticas? As “artes do fazer” gestão na Escola Mirante. Revista de Ciências da Administração, 15(35), 180-195.

Vizeu, F. (2010). Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. RAE-Revista de Administração de Empresas, 50(1), 37-47.

Weatherbee, T. (2012). Caution! This historiography makes wide turns: historic turns and breaks in management and organization studies. Management & Organizational History, 7(3), 203-218.

Xavier, W, Barros, A, Cruz, R, Carrieri, A. (2012). O imaginário dos mascates e caixeiros-viajantes de Minas Gerais na formação do lugar, do não lugar e do entrelugar. Revista de Administração, 47(1), 38-50.

Zanetti, A, & Vargas, J. T. (2007). Taylorismo e fordismo na indústria paulista: o empresariado e os projetos de organização racional do trabalho, 1920 – 1940. São Paulo: Associação Editorial Humanista.