Atitudes de aceitação e rejeição de indivíduos às ações organizacionais em prol da diversidade da força de trabalho Outros Idiomas

ID:
34842
Resumo:
Este artigo revela um estudo exploratório acerca das atitudes de aceitação e rejeição dos indivíduos às ações organizacionais em prol da diversidade da força de trabalho, realizado em duas instituições bancárias que atuam no Brasil, uma nacional e uma estrangeira. O objetivo foi investigar as justificativas de indivíduos para tais atitudes com base em categorias ancoradas em três vertentes de conhecimento: no Cognitivismo da Psicologia Social (MICHENER; DELAMATER; MYERS, 2005), na Psicologia do Desenvolvimento do Indivíduo (ADLER, 1968) e na Teoria Neoinstitucional (MEYER; ROWAN, 1977). A pesquisa foi realizada em 2011, com sujeitos de duas instituições financeiras sediadas em São Paulo, Brasil. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas. Os dados foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. Os resultados revelaram que grande parte das atitudes manifestas foi justificada por crenças na justiça social e obtenção de ganhos, ambas abordagens inerentes à Psicologia Social. As justificativas que poderiam ser relacionadas à teoria Neoinstitucional foram pouco observadas, bem como as inerentes à Psicologia do Indivíduo. Espera-se que os resultados obtidos contribuam para os estudos sobre a aceitação ou rejeição às ações organizacionais em prol da diversidade da força de trabalho, considerando-se diferentes perspectivas do conhecimento.
Citação ABNT:
FERNANDES, F. R.; LOPES, F. M.; OLIVEIRA, G. A.; FERREIRA, T. S.; WELZEL, E.; PEREIRA, J. B. C. Atitudes de aceitação e rejeição de indivíduos às ações organizacionais em prol da diversidade da força de trabalho. Revista Gestão Organizacional, v. 7, n. 1, p. 19-29, 2014.
Citação APA:
Fernandes, F. R., Lopes, F. M., Oliveira, G. A., Ferreira, T. S., Welzel, E., & Pereira, J. B. C. (2014). Atitudes de aceitação e rejeição de indivíduos às ações organizacionais em prol da diversidade da força de trabalho. Revista Gestão Organizacional, 7(1), 19-29.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34842/atitudes-de-aceitacao-e-rejeicao-de-individuos-as-acoes-organizacionais-em-prol-da-diversidade-da-forca-de-trabalho/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADLER, A. Superioridad e interessocial: una coleccion de sus ultimos escritos. Trad. Maria Martinez Penaloza. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1968.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: 70, 1977.

BATAGLIA, W.; FRANKLIN, M. A.; CALDEIRA, A.; SILVA, A. A. Implicações das Teorias Ambientais para a Administração Estratégica. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, 30, 2006.

BERGER, P. I.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1973.

FADIMAN, J.; FRAGER, R. Teorias da personalidade. São Paulo: Harper e Row do Brasil, 1979.

FEBRABAN. Folder Diversidade, p. 6. Disponível em: . Acesso em: 22 set.2011.

HEILMAN, M. E.; BLOCK, C. J.; LUCAS, J. A. Presumed incompetent? Stigmatization and affirmative action efforts. Journal of Applied Psychology, v. 77, n. 4, p. 536-544, 1992.

KEELEY, H. H.; MICHELA, J. L. Attribution Theory and Research. In: ROSENZWEIG, M.; KIDDER, D. L.; LANKAU, M. J.; CHROBOT-MASON, D.; MOLLICA, K. A.; FRIEDMAN, R. A. Backlash Toward Diversity Initiatives: Examining the Impact of Diversity Program Justification, Personal, and Group Outcomes. The International Journal of Conflict Management, v. 15, n. 1, p. 77-102, 1980.

LECK, J. D.; SAUNDERS, D. M.; CHARBONNEAU, M. Affirmative actions programs: an organizational justice perspective. Journal of Organizational Behavior, v. 17, p. 79-89, 1996.

LIND, E. A.; TYLER, T. R. The social psychology of procedural justice. New York: Plenum Press, 1988.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutional organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, p. 340-63, 1977.

MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F. G. de. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

PEREIRA, J. B. C. A relação entre as dimensões de justiça organizacional e as atitudes dos indivíduos diante da diversidade. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil, 2008.

RICHARD, O. C.; KIRBY, S. L. Attitudes of white American male students toward work force diversity programs. The Journal of Social Psychology, v. 137, n. 6, p. 784-786, 1997.

SCOTT, W. R. The Adolescence of Institutional Theory. Administrative Science Quarterly, n. 32, 1987.

SIDANIUS, J.; PRATTO, F. The Inevitability of Oppression and the Dynamics of Social Dominance. In: SNIDERMAN, P.; TETLOCK, P. (Eds.). Prejudice, Politics, and the American Dilemma. [S.l.]: Stanford University Press, 1993. p. 173-211.

SPASSATEMPO, D. D.; ALMEIDA, F. P.; IMAMURA, R. T.; COSTA, P. As necessidades das mulheres gestoras no ambiente de trabalho. Trabalho de Graduação Interdisciplinar, Programa de Graduação em Administração de Empresas, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2011.

TOUGAS, F.; BEATON, A. M.; VEILLEUX, F. Why women approve affirmative action: the study of a predictive model. International Journal of Psychology, v. 26, n. 6, p. 761-776, 1991.