Mérito, reprodução social e estratificação social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais Outros Idiomas

ID:
34879
Resumo:
O artigo apresenta uma reflexão teórica sobre mérito, reprodução social e estratificação social, destacando algumas correntes teóricas sobre estratificação social, o modo como elas destacam (ou não) o mérito e esforço individual, e por fim apresentando contribuições para o debate e os estudos organizacionais. Em detalhe, são apresentadas as noções iniciais sobre estratificação social, destacando a prevalência de estudos e abordagens funcionalistas sobre o tema. A seguir, trata da leitura funcionalista da abordagem weberiana acerca da estratificação social, feita por Parsons e seguidores, que influenciou a teoria sociológica da modernização, e a própria elaboração de sua hipótese meritocrática, central nos estudos clássicos sobre estratificação social. Tal hipótese é questionada, tomando por base estudos de inspiração marxista, que veem, na estratificação social, um fenômeno de reprodução social. Adiante, são apresentados algumas considerações sobre diferentes maneiras de se mensurar a estratificação social, destacando as de inspiração weberiana e marxista. E por fim, o artigo busca indicar apontamentos e contribuições das reflexões sobre estratificação social para os estudos organizacionais.
Citação ABNT:
HELAL, D. H.Mérito, reprodução social e estratificação social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 73, p. 251-267, 2015.
Citação APA:
Helal, D. H.(2015). Mérito, reprodução social e estratificação social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 22(73), 251-267.
DOI:
10.1590/1984-9230734
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/34879/merito--reproducao-social-e-estratificacao-social--apontamentos-e-contribuicoes-para-os-estudos-organizacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARBOSA, L. Igualdade e meritocracia: a ética do desempenho nas sociedades modernas. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

BARBOSA, L. Meritocracia à brasileira: o que é desempenho no Brasil? Revista do Serviço Público, v. 120, n. 3, p. 59-102, set.-dez. 1996.

BILLS, D. Credentials, signals, and screens: schooling and job assignment. Review of Educational Research, v. 73, n. 4, p. 441-6, 2003.

BLAU, P.; DUNCAN, O. The American occupational structure. New York: John Wiley, 1967.

BOUDON, R.; BOURRICAUD, F. Dicionário crítico de sociologia. São Paulo: Ática, 1993.

BOURDIEU, P. Cultural reproduction and social reproduction. In: Brown, R. (Ed.). Knowledge, education and cultural change. London: Tavistock, 1973.

BOURDIEU, P. Espíritos de estado: gênese e estrutura do campo burocrático. In: BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, P. Le capital social: notes provisoires. Actes de la Recherche en Science Sociales, n. 31, p. 2-3, Jan. 1980.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. Reproduction in education, society and culture. London: Sage, 1977.

BOWLES, S.; GINTIS, H. Does schooling raise earnings by making people smarter? In: ARROW, K.; BOWLES, S.; DURLAUF, S. (Orgs.). Meriticracy and economic equality. Princeton: Princeton University Press, 2000.

BOWLES, S.; GINTIS, H. Schooling in capitalist America revisited. Sociology of Education, v. 75, n. 1, p. 1-18, Jan. 2002.

BOWLES, S.; GINTIS, H. Schooling in capitalist America. New York: Basic, 1976.

BROWN, D. The social sources of educational credentialism: status cultures, labor markets and organizations. Sociology of Education, Extra Issue, p. 19-34, 2001.

CASTRO, C. Sociologia aplicada à administração. São Paulo: Atlas, 2002.

CLEGG, S. As organizações modernas. Oeiras: Celta, 1998.

COLEMAN, J. Foundations of social theory. Cambridge: Belknap, 1994.

COLEMAN, J. Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, v. 94, Suppl.; p. 95-120, 1988.

COLLINS, R. Functional and conflict theory of educational stratification. American Sociological Review, v. 36, p. 1002-1019, 1971.

COLLINS, R. The credential society. New York: Academic Press, 1979.

DAVIS, K.; MOORE, Wilbert. Alguns princípios de estratificação. In: VELHO, O.; PALMEIRA, M. (Orgs.). Classes e estratificação social. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

EDWARDS, R. Contested terrain: the transformations of the workplace in the twentieth century. New York: Basic, 1979.

ELSTER, J. Marxismo, funcionalismo e teoria dos jogos: argumentos em favor do individualismo metodológico. Lua Nova, n. 17, p. 163-204, jun. 1989._

FERNANDES, D. C.; HELAL, D. H. (Orgs.). As cores da desigualdade. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

FOLGER, J. K.; NAM, C. B. Educational trends from census data. Demography, v. 1, n. 1, p. 247-57, Mar. 1964.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1999.

GOLDTHORPE, J. H. Problems of 'Meritocracy'. In: ERIKSON, R.; JOHNSSON, J. O. (Eds). Can education be equalized? The Swedish case in comparative perspective. Boulder: Westview, 1996.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p.481-510, nov. 1985.

GRANOVETTER, M. Getting a job: a study of contacts and careers. 2. ed. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, p. 1360-1380, 1973.

GRUSKY, D. Social stratification: class, race, and gender in sociological perspective. 2. ed. Boulder: Westview, 2001.

HALLER, A.; SARAIVA, H. Ascription and status transmission in Brazil. In: SCOVILLE, J. G. (Orgs.). Status influences in third world markets: caste, gender and custom. Berlin: Walter de Gruyter, 1991, p. 65-93.

HALSEY, A. H. Towards meritocracy? the case of Britain. In: Karabel, J.; Halsey, A. H. (Eds.). Power and ideology in education. New York: Oxford University Press, 1977.

HELAL, D. H. A dinâmica da estratificação social no setor público brasileiro: meritocracia ou reprodução social? 2008. 174 f. Tese (Doutorado em Sociologia) — Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.

HOLSINGER, D. B. Education and the occupational attainment process in Brazil. Comparative Education Review, v. 19, p. 267-275, 1975.

HOUTEN, J.; GESTHUIZEN, M.; WOLBERS, M. Intergenerational transmission of occupational status: the role of voluntary association membership as an emerging compensatory strategy of reproduction. Research in Social Stratification and Mobility, v. 33, p. 13-26, 2013.

HURN, C. J. The limits and possibilities of schooling: an introduction to the sociology of education. 3. ed. Boston: Allyn and Bacon; 1993.

LENSKI, G. E. Power and privilege. New York: McGraw-Hill, 1966.

LEVY, M. Modernization and the structure of societies. Princeton: Princeton University Press, 1966.

MOORE, W. O funcionalismo. In: BOTTOMORE, T.; NISBET, R. (Orgs.). História da análise sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. p. 421-474.

PAIVA, V. Qualificação, crise do trabalho assalariado e exclusão Social. In: GENTILLI, P.; FRIGOTTO, G. (Orgs.). A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. Buenos Aires: CLACSO, 2000. p. 49-64.

PAIXÃO, M.; ROSSETTO, I.; MONTOVANELE, F.; CARVANO, L. M. (Orgs.). Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil: 2009-2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

PARSONS, T. Equality and inequality in modern society, or social stratification revised. In: LAUMANN, E. (Ed.). Social stratification: research and theory for the 1970s. New York: Bobbs-Merril, 1970.

PARSONS, T. O sistema das sociedades modernas. São Paulo: Pioneira, 1974.

PASTORE, J. Desigualdade e mobilidade social no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

PASTORE, J.; HALLER, A. O. Social mobility under labor market segmentation in Brazil. In: HAUSER, R. M.; MECHANIC, D.; HALLER, A. O.; HAUSER, T. S. (Eds.). Social structure and behavior: essays in honor of William Hamilton Sewell. New York: Academic Press. p. 113-40. 1982.

PASTORE, J.; SILVA, N. V. Mobilidade social no Brasil. São Paulo: Makron, 2000.

PETERSEN, T.; SAPORTA, I.; SEIDEL, M.D. L. Offering a job: meritocracy and social networks. American Journal of Sociology, v. 106, n. 3, p. 763-816, nov. 2000.

PORTES, A. Social capital: its origins and applications in modern sociology. Annual Review of Sociology, v. 24, p. 1-24, 1998.

PRATES, A. A. P. Administração pública e burocracia. In: AVELAR, L.; CINTRA, A. O. (Orgs.). Sistema político brasileiro: uma introdução. 2. ed. Rio de Janeiro: KonradAdenauer-Stiftung; São Paulo: Editora Unesp, 2007.

PUTNAM, R. D. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

RIVERA, L. Ivies, extracurriculars, and exclusion: elite employers’ use of educational credentials. Research in Social Stratification and Mobility, v. 29, p. 71-90, 2011.

ROSSI, W. G. Capitalismo e educação: contribuição ao estudo crítico da economia da educação capitalista. 2. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

SALA, E.; TERRANEO, M.; LUCCHINI, M.; KNIES, G. Exploring the impact of male and female facial attractiveness on occupational prestige. Research in Social Stratification and Mobility, v. 31, p. 69-81. 2013.

SANTOS, J. A. Estrutura de posições de classe no Brasil: mapeamento, mudanças e efeitos na renda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

SILVA, N. V. Cor e processo de realização socioeconômica. Dados, v. 24, p. 391-409, 1981.

SØRENSEN, A. The basic concepts of stratification research: class, status, and power. In: GRUSKY, D. (ed.). Social stratification: class, race, and gender in sociological perspective. 2. ed. Boulder: Westview, 2001.

THOLEN, G.; BROWN, P.; POWER, S.; ALLOUCH, A. The role of networks and connections in educational elites’ labour market entrance. Research in Social Stratification and Mobility, v. 34, p. 142-154, 2013.

TREIMAN, D. Industrialization and social stratification. In: LAUMANN, E. (ed.). Social stratification: research and theory for the 1970’s. New York: Bobbs-Merrill, 1970.

TRIVENTI, M. The role of higher education stratification in the reproduction of social inequality in the labor market. Research in Social Stratification and Mobility, v. 33, p. 45-63, 2013.

VIEIRA, L. C. A. Mérito, sociedade e direito: reflexões sobre a noção de merecimento objetivo e seus institutos na função pública. 2004. Dissertação (Mestrado em Direito) — Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2004.

WEBER, M. Economy and society. Los Angeles: UCLA Press, 1978.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

WERFHORST, H.; HOFSTEDE, S. Cultural capital or relative risk aversion?Two mechanisms for educational inequality compared. The British Journal of Sociology, v. 58, n. 3, p. 391-415, sep. 2007.

WRIGHT, E. A general framework for the analysis of class structure. Politics and Society, v. 13, n. 4, p. 383-423, 1984.

WRIGHT, E. Classe, crise e o estado. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

WRIGHT, E. Classes. Londres: Verso, 1985.

WRIGHT, E. Varieties of marxist conceptions of class structure. Politics and Society, v. 9, n. 3, p. 326-370, 1980.