Queremos mobilidade! Lógicas de consumo associadas à experência com o primeiro automóvel Outros Idiomas

ID:
35135
Resumo:
O consumo da população de renda mais baixa tem se intensificado nos últimos anos e a participação desse grupo de consumidores no mercado não tem se limitado apenas à categoria de produtos simples e essenciais. A opção por formas de pagamento mais acessíveis, tais como cartões de crédito, com suas opções de parcelamento, propiciou o acesso a produtos e serviços outrora disponíveis apenas às classes mais abastadas, como viagens, aparelhos tecnológicos como celulares e computadores e, principalmente, automóveis. Dessa forma, alguns autores passaram a defender a concepção de que os limites da base da pirâmide social, já não eram suficientes para definir o grupo de compradores que entram com mais força no mercado de bens e serviços de consumo, assim, outras denominações e contornos sociais foram atribuídos a esses indivíduos, como a caracterização de “classe média emergente”. Dessa forma, guiado pelos questionamentos: quais os principais significados associados à experiência de compra do primeiro carro? Que lógicas de consumo sobre esse grupo de consumidores da cidade de Teresina podem ser identificadas a partir de suas ações no mercado de automóveis? Este estudo buscou identificar e compreender significados e práticas construídos no processo de consumo do primeiro automóvel de um grupo de consumidores da cidade de Teresina. Nesta pesquisa qualitativa, exploratória, com suporte no paradigma interpretativista e no campo da Consumer Culture Theory (CCT), que utilizou como instrumento de coleta de dados um roteiro de entrevistas semiestruturado, foram realizadas entrevistas em profundidade com 18 consumidores da classe média emergente de Teresina. Para analisar as falas dos sujeitos adotou-se a proposta metodológica de Spiggle (1994), assim, todas as entrevistas foram lidas, por diversas vezes, na busca por aspectos convergentes e divergentes que permitissem a formulação de categorias de análise. Posteriormente, as categorias encontradas foram comparadas com o corpo teórico existente sobre a temática para validar os achados e permitir posteriormente, a formulação de teorias. A interpretação dos relatos sugere que esse grupo de consumidores inicia sua experiência no mercado de automóveis a partir de significados e práticas associados a aspectos utilitários dessa categoria de produtos que diferem daqueles apontados em outros estudos que estavam focados em consumidores de mais alta renda. Dessa forma, os relatos não destacaram os valores simbólicos e subjetivos que aparecem como os mais importantes na literatura consultada. Os achados desse estudo exploratório falam de liberdade, conforto e conquista associados à mobilidade urbana diferindo, assim, em sua construção, daqueles significados simbólicos encontrados em outros estudos sobre o comportamento do consumidor de automóveis.
Citação ABNT:
RODRIGUES, T. K. A.; CASOTTI, L. M. Queremos mobilidade! Lógicas de consumo associadas à experência com o primeiro automóvel . Revista de Administração da Unimep, v. 13, n. 1, p. 220-247, 2015.
Citação APA:
Rodrigues, T. K. A., & Casotti, L. M. (2015). Queremos mobilidade! Lógicas de consumo associadas à experência com o primeiro automóvel . Revista de Administração da Unimep, 13(1), 220-247.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/35135/queremos-mobilidade--logicas-de-consumo-associadas-a-experencia-com-o-primeiro-automovel-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABDALA, P.; MISOCZKY, M. C. A Nova Classe Média e a Dialética do Consumo. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 36, 2012, Anais… Rio de Janeiro: Anpad, 2012.

ARNOULD, E. J.; THOMPSON, C. J. Consumer culture theory (CCT): Twenty years of research. Journal of Consumer Research, v. 31, n. 4, p. 868-882, mar. 2005.

ARNOULD, E.; THOMPSON, C. Consumer Culture Theory (and we really mean theoretics): dilemmas and opportunities posed by an academic branding strategy. In: BELK, R. W.; SHERRY Jr., J. F. (Ed.) Consumer Culture Theory. Oxford: Elsevier, 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA. Critério de classificação econômica Brasil. Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=301. Acesso em 12.04.2014.

BACHA, M. L.; STREHLAU, V. I.; SCHAUN, A. Consumidor consciente da renda baixa: uma proposta de segmentação. Revista Brasileira de Marketing, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 67-83, set./dez. 2011.

BARROS, C. A. A “invisibilidade” do mercado de baixa renda nas pesquisas de marketing. In: ENCONTRO DE MARKETING, 2, 2006, Anais ... Salvador: Anpad, 2006.

BARROS, C. A. Representations of poverty and digital inclusion: Clashes over alterity in the field of technology and the virtual universe. Journal of Latin American Communication Research, v. 2, p. 92-114, 2012a.

BARROS, C. A. Tecnologias digitais, sociabilidade e território: um estudo entre jovens pertencentes às camadas populares no Brasil. Avatares de la comunicación y la cultura, v. 4, p. 1-17, 2012b.

BARROS, D. F.; HEMAIS, M. W. Orgulho e Preconceito (?) – uma Investigação Sobre os Significados do Consumo Consciente para a Nova Classe Média. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 38, 2014, Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2014.

BELK, R.; BAHN, K.; MATER, R. Developmental Recognition of Consumption Symbolism. Journal of Consumer Research, v. 9, n.1, p.4-17. 1982.

BELK, R.; BAHN, K.; MATER, R. Men and their machines. Advances in consumer research, v. 31, n. 1, p. 273-278, 2004.

BELK, R.; GER, G.; ASKEGAARD, S. The fire of desire: a multisited inquiry into consumer passion. Journal of Consumer Research, v. 30, p. 326-351, 2003.

BELK, R.; SHERRY JR, J. F.; WALLENDORF, M.A naturalistic inquiry into buyer and seller behavior at a swap meet. Journal of Consumer Research, v.14, n.4, p. 449-470, mar. 1988.

BELK, R.; SHERRY JR, J. F.; WALLENDORF, M. The sacred and the profane in consumer behavior: theodicy on the Odyssey. Journal of Consumer Research, v.16, n.1, p. 1-38, jun. 1989.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organizational Analysis. London: Heineman, 1979. 432 p.

CALDER, B. J.; TYBOUT, A. M. What consumer research is. Journal of Consumer Research, v.14, n.1, p.136-140, jun. 1987.

CAMPBELL, C. The romantic ethic and the spirit of modern consumerism. Oxford: Backwell publishers, 1987.

CASTILHOS, R. B. Subindo o Morro: Consumo, Posição Social e Distinção entre Famílias de Classes Populares. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 31, 2007, Anais ... Rio de Janeiro: Anpad, 2007.

CHAUVEL, M. A.; MATTOS, M. P. A. Z. Consumidores de baixa renda: uma revisão dos achados de estudos feitos no Brasil. Cadernos Ebape. BR, v. 6, n. 2, p. 1-17, jun. 2008.

COELHO, M. C. O valor das intenções: dádiva, emoção e identidade. São Paulo: FGV Editora, 2006.

CORRÊA, L. M. Don’t Worry, fool around: considerações sobre o uso do reggae e do ska na publicidade brasileira. Revista Brasileira do Caribe, São Luís, v. 11, n. 22, p. 185-204, jan./jun. 2011.

DENZIN, N.K.; LINCOHL, Y. S. Handbook of qualitative research. London: Sage, 2000.

DOUGLAS, M.; ISHERWOOD, B. The world of goods: towards an anthropology of consumption. Middlesex: Penguin, 1978.

FENABRAVE. Balanço Semestral da Distribuição de Veículos Automotores no Brasil. 2013. Disponível em: . Acessado em: 26 mai. 2014.

FERBER, R. can consumer research be interdisciplinary? Journal of Consumer Research, v.4, n.3, p.189-192, dez. 1977.

FORD, H. My life and work. Cosimo: Inc., 2007.

FRANCA, M. S.; CASOTTI, L. M.; FARIA, M. D. Sonhos parcelados das famílias: significados e sentimentos associados ao automóvel. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 37, 2013, Anais ... Rio de Janeiro: Anpad, 2013.

GOLVÊA, M. A.; ALVES, M. E.; MANTOVANI, D. M. N. Segmento de mercado de baixa renda. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 4-28, set./dez. 2013.

GRUBB, E. L.; HUPP, G. Perception of Self, Generalized Stereotypes, and Brand Selection. Journal of Marketing Research, v. 5, n. 1, p. 58-63, 1968.

HEMAIS, M. W.; CASOTTI, L. M. Insatisfações Projetadas de Consumidores de Baixa Renda. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, p. 65-84, 2014.

HEMAIS, M. W.; CASOTTI, L. M.; ROCHA, E. Hedonismo e moralismo: consumo na base da pirâmide. Revista de Administração Eletrônica, São Paulo, v.53, n.2, p.199-207, mar./abr. 2013.

HEMAIS, M. W et al. Economia, marketing e indivíduos de baixa renda: O interesse após uma história de indiferença. Revista de Ciências da Administração, v. 16, p. 49-64, 2014.

HIRSCHMAN, E. C.; HOLBROOK, M. B. Hedonic consumption: Emerging concepts, methods and propositions. Journal of Marketing, v. 46, n. 3, 1982.

HIRSCHMAN, E. C.; HOLBROOK, M. B. Mens, dogs, guns and cars: the semiotics of rugged individualism. Journal of Advertising, v. 32, n. 1, p. 9-22, 2003.

HUNT, S. D. Positivism and paradigm dominance in consumer research: toward critical pluralism and rapprochement. Journal of Consumer Research, v.18, n.1, p.32-44, jun. 1991.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Índice de Desenvolvimento Urbano. Disponível em:. Acessado em: 26mai. 2014.

KARNANI, A. The mirage of marketing to the bottom of the pyramid: how the private sector can help alleviate poverty. California Management Review, v. 9, n. 4, p. 90-11, 2007.

LAKATOS, I. “Falsification and the methodology of scientific research programmes”; In: LAKATOS, I. and MUSGRAVE, A. (Eds.), Criticism and the Growth of Knowledge. Cambridge: Cambridge University Press. 1974.

LEVY, S. J. Symbols for Sale. Harvard Business Review, v.37, n.4, 117-24, jul./ago. 1959.

MALINOWSKI, B. Argonautas do Pacífico ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MATTOSO, C. L. de Q.; FERREIRA, G. Gaste com moderação: um estudo sobre o comportamento do jovem adulto universitário de classe C frente ao discurso do consumo consciente do dinheiro e do crédito. Pensamento e Realidade, v. 27, p. 56-73, 2012.

MATTOSO, C. L. Q. A Posição Social, Sua Influencia no Consumo da Base da Pirâmide e a Adoção de um novo modelo de Estratificação Social. Revista Brasileira de Pesquisa de Marketing, Opinião e Mídia, São Paulo, v. 12, p. 45-58, 2013.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão das trocas nas sociedades arcaicas. São Paulo: EPU, 1974.

MCCRACKEN, G. Culture and consumption. Bloomington: Indiana University press, 1986.

NERI, M. C. (Coord). A nova classe média: o lado brilhante dos pobres. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, CPS, 2010. Disponível em: http://www.fgv.br/cps/ncm. Acesso em 15.02.2014.

NERI, M. C. (Coord). A Nova Classe Média. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, CPS, 2008.

NOGAMI, V. K. C.; VIEIRA, F. G. D.; MEDEIROS, J. Reflexões acadêmicas e de mercado para o marketing na base da pirâmide. Revista de Negócios, v.17, n.4, p.55-73, 2012.

NOGAMI, V. K.; PACAGNAN, M. N. Produção acadêmica sobre o consumo na base da pirâmide. Revista do mestrado em administração e desenvolvimento empresarial, Rio de Janeiro, v.15, n.3, p.100-113, set./dez.2011.

PEREZ, C.; BAIRON, S. Universos de sentido da população de baixa renda no Brasil: semânticas da estabilidade, da ascensão social e da mobilidade. Matrizes, v. 7, n. 2, p. 177-191, jul./dez. 2013.

PRAHALAD, C. K.; HAMMOND, A. Serving the world’s poor profitably. Harvard Business Review, v.80, n. 9, p.4-11, 2002.

PRAHALAD, C. K.; HART, S. L. The fortune at the bottom of the pyramid. Strategy and Business, v.26, p.1-14, 2002.

RATNER, C. Educating the low-income consumer: some viewpoints from an action program. Journal of Consumer Affairs, v. 2, n. 1, p. 107-114, 1968.

ROCHA, A. da; ROCHA, E. Paradigma interpretativo nos estudos de consumo: retrospectiva, reflexões e uma agenda de pesquisas para o Brasil. Revista de Administração de Empresas, v.47, n.1, p.71-80, jan./mar. 2007.

ROCHA, A. R. C.; ROCHA, A. R. C. da. Consumo como Classificação: Um Estudo de Consumidores Emergentes de Cruzeiros Marítimos.In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 38, 2014, Anais ... Rio de Janeiro: Anpad, 2014.

ROCHA, E. A sociedade do sonho: comunicação, cultura e consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

ROCHA, E.; BARROS, C. Dimensões culturais do marketing: teoria antropológica, etnografia e comportamento do consumidor. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. 37-47, out./dez. 2006.

SAHLINS, M. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SHETH, J. N. Acrimony in the ivory tower: a retrospective on consumer research. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 20, n. 4, p. 345-353, FALL 1992.

SPIGGLE, S. Analysis and Interpretation of Qualitative Data in Consumer Research. Journal of Consumer Research, v. 21, n. 3, p. 491-503, 1994.

STURDIVANT, F.; WILHELW, W. Poverty, minorities and consumer exploitation. New York: Freepress, 1969.

SUAREZ, M.; CASOTTI, L. M.; CHAUVEL, M. A. Motivações e significados do abandono de categoria: aprendizados a partir da investigação com exfumantes e ex-proprietários de automóveis. Cadernos Ebape. BR, v. 10, p. 411-434, 2012.

SUAREZ, M. C.; CASOTTI, L. M.; CAMPOS, R. D. Carro de pai, Carro de filho: uma investigação dos significados do consumo do automóvel a partir de uma perspectiva familiar. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 37, 2013, Anais ... Rio de Janeiro: Anpad, 2013.

SUAREZ, M.; MATTOS, R. Carro de pai, carro de filho: uma investigação dos significados do consumo a partir de uma perspectiva familiar. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 37, 2013, Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2013.

VEBLEN, T. B. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Pioneira, 1965.

YACCOUB, M. A Chamada “Nova Classe Média”. Cultura Material, Inclusão e Distinção Social. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 17, n. 36, p. 197-231, jul./dez. 2011