Fatores Estruturais e Aspectos Recursivos no Desenvolvimento de Pequenas Empresas de Base Tecnológica, em São Carlos, SP: um estudo sob a ótica da Teoria da Estruturação de Giddens Outros Idiomas

ID:
35179
Resumo:
O desenvolvimento de pequenas empresas de base tecnológica - PEBTs merece particular atenção da academia e do mercado pela sua inserção na fronteira da inovação e empreendedorismo. O artigo busca compreender o ambiente das PEBTs, em São Carlos, SP, e a influência em seu desenvolvimento, tomando como base a Teoria da Estruturação - TE (Giddens). Para a consecução da pesquisa foi elaborado um roteiro inédito para entrevistas em profundidade cuja validação, feita por 11 professores especialistas na área, ocorreu por meio da técnica do snowball. Como resultado principal identificou-se a efetiva presença dos elementos da TE no ambiente das PEBTs por meio de análise de frequência de cada uma das proposições para a amostra. Tal descoberta permitiu compreender que o ambiente em que as empresas estão inseridas é pautado pela identificação de relacionamentos, dinâmica de funcionamento e das lacunas no negócio que precisam ser preenchidas para alavancar seu desenvolvimento.
Citação ABNT:
MORETTI, S. L. A.; CRNKOVIC, L. H. Fatores Estruturais e Aspectos Recursivos no Desenvolvimento de Pequenas Empresas de Base Tecnológica, em São Carlos, SP: um estudo sob a ótica da Teoria da Estruturação de Giddens . Revista Gestão & Tecnologia, v. 15, n. 1, p. 5-31, 2015.
Citação APA:
Moretti, S. L. A., & Crnkovic, L. H. (2015). Fatores Estruturais e Aspectos Recursivos no Desenvolvimento de Pequenas Empresas de Base Tecnológica, em São Carlos, SP: um estudo sob a ótica da Teoria da Estruturação de Giddens . Revista Gestão & Tecnologia, 15(1), 5-31.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/35179/fatores-estruturais-e-aspectos-recursivos-no-desenvolvimento-de-pequenas-empresas-de-base-tecnologica--em-sao-carlos--sp--um-estudo-sob-a-otica-da-teoria-da-estruturacao-de-giddens---/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores -ANPROTEC (2002). Glossário dinâmico de termos na área de tecnópolis, parques tecnológicos e incubadoras de empresas. Brasília: Anprotec, Sebrae.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3a ed.). Lisboa: Edições 70.

Bateman, T. S., & Snell, S. A. (1998). Administração: Construindo Vantagem Competitiva. São Paulo: Atlas.

Bhaskaran, S. (2006). Incremental innovation and business performance: small and medium-size food enterprises in a concentrated industry environment Journal of Small Business Management, 44(1).

Carvalho, K.C., & Escrivão Filho, E. (2012). Pequenas empresas e suas práticas estratégicas no olhar da etnometodologia: construção de um mapa em conversa com a teoria da dependência de recursos e a teoria institucional. Anais do EGEPE, Florianópolis, SC, Brasil, 7.

Cohen, I. J. (1999). Teoria da estruturação e práxis social. In A. Giddens, & J. Turner. Teoria social hoje. São Paulo: Editora UNESP.

Cohn, G. (1997). Max Weber: sociologia (2a ed.). São Paulo: Ática.

Cortes, M.R., Pinho, M., Fernandes, A.C., Smolka, R.B. & Barreto, A.L.C.M. (2005). Cooperação em empresas de base tecnológica: uma primeira avaliação baseada numa pesquisa abrangente. São Paulo em Perspectiva. v.19, n.1.

Daft, R.L. (2008). Organizações: Teoria e Projetos. São Paulo: Cengage Learning.

Escrivão Filho, E., Carvalho, K. C., Benze, R. P., & Albuquerque, A. F. (2005). Compreendendo a dinâmica das pequenas empresas: mapa organizacional como ferramenta da ação administrativa. Revista de Ciências Humanas e Aplicadas (Matiz), Matão: Instituto Matonense Municipal de Ensino Superior – IMMES, n.1, pp.20-40.

Ferro, J.R., Torkomian, A.L. (1998). A criação de pequenas empresas de alta tecnologia. Revista de Administração de Empresas, 28(2).

Giddens, A. (1999). Estruturalismo, pós-estruturalismo e a produção da cultura. In A. Giddens, & J. Turner (Orgs.). Teoria social hoje (pp.281-319). São Paulo: Unesp.

Giddens, A. (2009). A constituição da sociedade (3a ed.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2001). As micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil. IBGE, Coordenação de Serviços e Comércio. Rio de Janeiro. Recuperado em 15 abril, 2013, de www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1.

Ivar-Souza, F., Muylder, C.F., & Moriguchi, S.N. (2014). Redes Sociais e os Impactos dessa Inovação nas Organizações – Um Estudo de Caso da Rede Corporativa “Comunidade de Negócios” da Área Comercial das Empresas do Grupo Algar. Revista Gestão & Tecnologia, 14(1).

Junquilho, G. (2001). Condutas gerenciais e suas "raízes". Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Campinas, SP, Brasil, 25.

Katz, D., & Kahn, P.L. (1987). Psicologia Social das Organizações. São Paulo: Atlas.

MCTMinistério da Ciência e Tecnologia (2010). Recuperado em 12 maio, 2013 de

Municipais, I. I. S. (2011). Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010. Estudos & Pesquisas: informações demográfica e socioeconômica, (28).

Nascimento, A.P., Oliveira, M.P.V., & Zanqueto, H. (2013). Maturidade de Sistemas de Gestão da Qualidade como um Construto de Segunda Ordem. Revista Gestão & Tecnologia, 13(3).

Nooteboom, B. (1994). Innovation and diffusion in small firms: theory and evidence. Small Business Economics, v.6, pp.327-47.

Novaes, M.B.C.N., & Brunstein, J. (2012). Paradoxos e contradições no desenvolvimento de competências para a sustentabilidade: uma investigação em cooperação com os gestores. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Rasera, M., & Balbinot, Z. (2010). Redes de inovação, inovação em redes e inovação aberta: um estudo bibliográfico e bibliométrico da produção científica no EnANPAD 2005-2009. Revista Acadêmica da FACE, 21(2).

Rusch, M., & Oliveira, L.R. (2012). Instrumento para Avaliação de Projetos na Gestão de Portfólio de Empresas Desenvolvedoras de Software. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2).

Santos Junior, O. A. D., & Montandon, D. T. (2011). Os Planos Diretores Municipais pós-Estatuto da Cidade: balanço crítico e perspectivas. Recuperado de http://www.cidades.gov.br/index.php/planejamento-urbano/729-biblioteca.html

Santos, S. (2009). Conceito de empresa tecnológica. Material de aula. USP: São Paulo.

Schermerhorn, J.R., Hunt, J.G., & Osborn, R.N. (1999). Fundamentos de Comportamento Gerencial. Porto Alegre: Bookman. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo SEBRAE-SP. Cenários para as MPEs – 2009-2015, versão março de 2009. Recuperado em 20 março, 2013, de http://www.sebrae.com.br

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo SEBRAE-SP. Cenários para as MPEs – 2009-2015, versão março de 2009. Recuperado em 20 março, 2013, de http://www.sebrae.com.br

Terence, A. C. (2008). Processo de criação de estratégias em pequenas empresas: elaboração de um mapa estratégico para empresas de base tecnológica do polo de São Carlos/SP. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil.

Torkomian, A. L. V. (1997). Gestão de tecnologia na pesquisa acadêmica: o caso de São Carlos. Tese (Doutorado em Administração). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Torres, O. (2011). The silent and shameful suffering of bosses: layoffs in SME. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 13(2).

Weber, M. (2009). Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. v.1. Brasília: UNB.