Um comparativo entre o positivismo e complexidade como epistemologias na Teoria dos Custos das Transações e na Teoria de Imersão de Redes Outros Idiomas

ID:
35210
Resumo:
Teorias de estudos organizacionais explicam o funcionamento das organizações de formas diversas, refletindo o posicionamento epistemológico e a visão dos pesquisadores sobre a natureza das organizações. Realizamos um estudo bibliográfico relacionando as epistemologias positivista e da complexidade com duas das principais teorias de estudos organizacionais: Teoria dos Custos das Transações (TCT) e Teoria de Imersão de Redes (TIR). Concluimos que a epistemologia positivista serve de base para a TCT pelo seu princípio determinista, sua separação entre os indivíduos e o meio que os cerca, sua racionalidade instrumental e sua unidimensionalidade nas decisões e ações, orientadas unicamente a resultados financeiros. Concluimos também que a epistemologia da complexidade fundamenta a TIR pelo seu princípio humanista, seu alinhamento entre os indivíduos e o meio que os cerca, sua racionalidade substantiva e sua multidimensionalidade nas decisões e ações, que consideram aspectos sócioambientais.
Citação ABNT:
GOUVEIA, T. A.; CONTI, C. R. Um comparativo entre o positivismo e complexidade como epistemologias na Teoria dos Custos das Transações e na Teoria de Imersão de Redes . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 9, n. 1, p. 35-50, 2015.
Citação APA:
Gouveia, T. A., & Conti, C. R. (2015). Um comparativo entre o positivismo e complexidade como epistemologias na Teoria dos Custos das Transações e na Teoria de Imersão de Redes . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(1), 35-50.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/35210/um-comparativo-entre-o-positivismo-e-complexidade-como-epistemologias-na-teoria-dos-custos-das-transacoes-e-na-teoria-de-imersao-de-redes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BACHELARD, Gaston. As questões do epistemólogo. As regiões da epistemologia. A noção de objetividade. A noção de problemática. In: Epistemologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1977

BARRETO, T. V. Positivismo, positivismos: da tradição francesa ao positivismo instrumental. Estudos de Sociologia, p. 7-31, 1998

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005

BURRELL, Gibson; MORGAN, Gareth. Sociolgical Paradigms and Organizational Analysis. London: Heinemann Educational Books, 1979

CABONE, P. P. Fenômenos ligados ao autoritarismo organizacional: a visão crítica de Guerreiro Ramos sobre a organização autocrítica. Revista de Administração Pública, n. 3, p. 85-100, 1991

CARNAP, R. Testabilidade e Signficado. In: Schlick-Carnap. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os pensadores). 1983

CARVALHO, C.; VIEIRA, M. O poder nas organizações. São Paulo: Thomson Learning, 2007

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications, 1994

DONALDSON, L. For Positivist Organization Theory. London: Sage, 1996

DURKHEIM, E. As Regras do Método Sociológico. In: Durkheim. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os pensadores). 1983

FACHIN, Roberto; RODRIGUES, Suzana Braga. Nota técnica: teorizando sobre as organizações – vaidades ou pontos de vista? In: CLEGG, Stewart; HARDY, Cynthia; NORD, Walter. Handbook de estudos organizacionais. Volume 1. São Paulo: Atlas, 1999

GRANOVETTER, M. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. In: MARTES, Ana Cristina Braga (org.). Redes e sociologia econômica. São Carlos: Edufscar, 2009

GRAYLING, A C. Epistemology. Bunnin and others (editors); The Blackwell Companion to Philosophy. Cambridge, Massachusetts: Blackwell Publishers Ltd, 1996.

GRIX, Jonathan. Introducing Students to the Generic Terminology of Social Research. Politics, v. 22, n. 3, p. 175-186, 2002

GUBA, E. G., LINCOLN, Y. S. Competing paradigms in qualitative research. In DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. The Sage handbook of qualitative research. London: Sage, 1994

GUERREIRO RAMOS, Alberto. Administração e contexto brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 1983

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. São Paulo: FGV, 1981

HART, O. An economist’s perspective on the Teory of the Firm. In: WILLIAMSON, O. (Ed.) Organization theory: from Chester Barnard to the present and beyond. Oxford: Oxford University Press, 1995

JAPIASSU, H. Alguns instrumentos conceituais. In: Introdução ao pensamento epistemológico. 7 ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1992

JAPIASSU, H. O que é epistemologia? In: Introdução ao pensamento epistemológico. 7 ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1992

JOHNSON, Phil; DUBERLEY, Joanne. Positivism: the management mainstream? In: Understanding Management Research: Understanding Management Research: an introduction to epistemology. London: Sage, 2000

JOHNSON, Phil; DUBERLEY, Joanne. Positivist Epistemology: the search of foundations? In: Understanding Management Research: an introduction to epistemology. London: Sage, 2000

KARLBERG, S. Max Weber's types of rationality: cornestones for the analysis of rationalization processes in history. The American Journal of Sociology, v. 85, n. 5, p. 1145-1179, 1980

KUHN, Thomas S. Estrutura das revoluções científicas. 5ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1998

MAAK, T.; PLESS, N. Business leaders as citizens of the world. Advancing humanism on a global scale. Journal of Business Ethics, n. 88, p. 537-550, 2009

MARIOTTI, Humberto. Pensamento complexo: suas aplicações à liderança, à aprendizagem e ao desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atlas, 2007

MARSDEN, R; TOWLEY, B. Introdução: a coruja de Minerva – reflexos sobre a teoria na prática. In: CLEGG, S.; HARDY, C; NORD, W. Handbook de estudos organizacionais. Volume 2. São Paulo: Atlas, 1999

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para as ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007

MONDO, Tiago Savi. Considerações epistemológicas sobre a construção de preferências e os hábitos de consumo. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 7, n. 3, p.119, 2013

MORIN, Edgard. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000

MORIN, Edgard. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007.

PENNA, A. G. Introdução à epistemologia. Rio de Janeiro: Imago, 2000

PIRSON, M.; LAWRENCE, P. Humanism in business – Towards a paradigm shift? Journal of Business Ethics, n. 93, p. 553-565, 2010

RANSON, S.; HINNINGS, B; GREENWOOD, R. The structuring of organizational structures. Administrative Science Quarterly, v. 25, n. 1, p.1-17, 1980

REED, M. Teorização organizacional: Um campo historicamente contestado. In: CLEGG, Stewart; HARDY, Cynthia; NORD, Walter. Handbook de estudos organizacionais. Volume 1. São Paulo: Atlas, 1999

SCHWANDT, T. A. Three epistemological stances for qualitative inquiry. In: DENZIN, N. e LINCOLN, Y. (eds) Handbook of qualitative research. London: Sage, 1994.

SERVA, M. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas, v. 37, n. 2, abr./jun. 1997, p. 18-30

SERVA, M.; DIAS, T.; ALPERSTEDT, G. D. Paradigma da complexidade e teoria das organizações: Uma reflexão epistemológica. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 276-287, 2010

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Responsabilidade moral e identidade empresarial. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 7, 2003

VERGARA, Sylvia Constant. Entre ser e parecer ser. Revista GV Executivo, v. 9, n. 11, p. 74, jan./jul 2010

VERGARA, Sylvia Constant. Teoria Prática Educacional: da técnica à ética. In: PUC-Ciência. Rio de Janeiro, 1990.

VIEIRA, Marcelo Milano Falcão; CALDAS, Miguel Pinto. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. Revista de Administração de Empresas (RAE), v. 46, n. 1, p.59-70, 2006

WILLIAMSON, O. Transaction costs economics and organizational theory. In: WILLIAMSON, O. (Ed.) Organization theory: from Chester Barnard to the present and beyond. Oxford: Oxford University Press, 1995

WITTMANN, Milton Luiz; LUBECK, Rafael Mendes; NELSIS, Vinicius De Mesquita. Uma visão não-linear sobre estratégia empresarial pelo prisma da complexidade. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração. v. 7, n. 4, p. 117-135, 2013