Internacionalização no setor sucroalcooleiro nordestino Outros Idiomas

ID:
3539
Resumo:
O objetivo deste artigo consiste em analisar as manifestações dos principais conceitos-chave das teorias de internacionalização a partir da trajetória de empresas pertencentes ao setor sucroalcooleiro nordestino. Seis teorias foram selecionadas para nortear a análise empreendida: Ciclo de Vida, Modelo Uppsala, Escolha Adaptativa, o Paradigma Eclético, Visão Baseada em Recursos e Modelo Diamante. A estratégia de pesquisa adotada foi a de estudo de caso. Os dados foram coletados por meio de documentos do setor e de entrevistas semi-estruturadas. Na etapa de análise dos dados, foi utilizado o software Atlas.ti. Como resultado, evidenciou-se que, nas empresas do setor sucroalcooleiro nordestino, há forte presença de aspectos relacionados à localização e recursos internos, oriundos no Modelo de Diamante, no Paradigma Eclético e no modelo de Visão Baseada em Recursos. Observa-se, ainda, que a formação de uma forte rede interna, contemplada pela Teoria de Redes, também se mostrou importante para compreensão de tal fenômeno. As demais teorias analisadas tornaram-se menos aplicáveis, principalmente (a) pela natureza típica do setor sucroalcooleiro no estado da Paraíba, centrada em exportação indireta, e (b) por corresponder a produtos fortemente padronizados.
Citação ABNT:
FERREIRA, E. M.; MACHADO, A. G. C.; MORAES, W. F. A. Internacionalização no setor sucroalcooleiro nordestino. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 5, n. 1, art. 5, p. 112-131, 2010.
Citação APA:
Ferreira, E. M., Machado, A. G. C., & Moraes, W. F. A. (2010). Internacionalização no setor sucroalcooleiro nordestino. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 5(1), 112-131.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3539/internacionalizacao-no-setor-sucroalcooleiro-nordestino/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMARATUNGA, D.; BALDRY, D. Case study methodology as a means of theory building: performance measurement in facilities management organizations. Work Study, v.50, n. 3, p.95-104, 2001.

BARNEY, J. B. Firms resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, vol. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BARNEY, J. B. Is the Resource-Based Theory a Useful Perspective for Strategic Management Research?, Yes. Academy of Management Review, vol. 26, n. 1, p.41-56, 2001.

BARNEY, J. B.; WRIGHT, M.; KETCHEN JR, D. J. The resource-based view of the firm: Ten years after 1991. Journal of Management, vol. 27, n. 6, p.625-641, 2001.

BARON, Dr Peter. The world sugar market: resilience amidst crisis? IX International DATAGRO Conference. São Paulo, 2009.

BENETTI, Maria D. A internacionalização real do agronegócio brasileiro - 1990-03. Econ FEE, Porto Alegre, v.32, p. 197-222, ago. 2004.

BJORKMAN, I.; FORSGREN, M. Nordic international business research: a review of its development. In: International Studies of Management and Organization, v.30, n. 1, 2000, p. 6-25.

BORINI, F.; COELHO, F.; RIBEIRO, F.; PROENÇA, E. O Prisma da Internacionalização. VII SEMEAD, vol. 3, n° 5, 2006.

BRASILK, F.; ORTEGA, L. M. Análise de Estratégia de Internacionalização o Caso Bematech. Workshop sobre Internacionalização de empresas, 2006.

BRITTO, R. P. de; BORINI, F.; PINHEIRO, E. A Influência dos Recursos e Capacidades Organizacionais no Processo de Internacionalização: Survey com as Empresas Exportadoras do Estado de São Paulo. Revista Ciências da Administração, Fortaleza, v. 13, n. 2, p. 270-78, nov. 2007.

DATAGRO. Estimativas de Balanço Mundial de Açúcar. Disponível em www.datagro.com.br. Acesso em: 23 abr.2010.

DOZ, Y. L.; PRAHALAD, C. K. Headquarters influence and strategic control. Transnational management. Chicago: Irwin. 1995. p. 522-66.

DUNNING. John H.; ARCHER, Howard. The Ecletic Paradigm and the Growth of UK Multinational Enterprise 1870-1983. Business and Economic History, v. 16, p. 19-51, 1987.

DUNNING, John H. The Ecletic (OLI) Paradigm of International Production: Past, Present and Future. International Journal of the Economics of Business, v.8, p. 173-90, 2001.

DUNNING, John H. The Ecletic Paradigm of International Production: A Restatement and some possibles extensions. Journal of International Business Studies, vol. 19, n. 1, p. 1-31, 1988. ABI/INFORM Global.

DUNNING, John. H. Toward an eclectic theory of international production: some empirical tests. Journal of International Business Studies, v.11, n. 1, p. 9-31, 1980.

FAHY, John. A resource-based analysis of sustainable competitive advantage in a global environment. International Bussiness Review, v. 11, p. 57-78, 2002.

FAHY, John. Competitive Advantage in International Services: A Resource Based View. International Studies of Management and Organization, vol. 26, n. 2, p. 24-37, 1996.

FERREIRA, Gerson Freitas; OLIVEIRA JUNIOR, M. M.; GIÃO, Paulo Roberto. O Processo Estratégico de Internacionalização da GERDAU. XI SemeAd Empreendedorismo em organizações, São Paulo, 2008.

FOESTER, Heinz von. Visão e conhecimento: disfunções de segunda ordem. In: SCHINITMAN, D. F. (org.) Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

HITT, Michael A.; IRELAND, R Duane; HOSKISSON, Robert E. Administração Estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Cengaging Learning, 2008.

HOLT, D. H. International Management. Fort Worth, TX: Dryden, 1998.

JOHANSON, Jan; MATTSON, Lars-Gunnar. Internationalziation in industrial systems: A network approach. In: The Internationalziation of the Firm: A reader. 2 ed. Thomson Business Press, 1988.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. Bussiness Relationship Learning and Commitment in the Internationalization process. Journal of International Entrepreneurship, vol. 1, p. 83-101, 2003.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The Internationalization Process of the Firm - A Model of Knowledge Development and Increasing Foreign Market Commitments. Journal of International Business Studies. v. 8, n. 1, p. 23-32, 1977.

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL. F. The internationalization of the firm Four Swedish cases. The Journal of Management Studies, p. 305-322, 1975.

KINGSMAN. What to expect from the 2010 world sugar market? Datagro International Conference. São Paulo, oct. 2009.

KOVACS, E. P.; OLIVEIRA, R. B. Imbricamento entre os Conceitos de Estratégia e Teorias de Internacionalização: proposição de um framework sobre o processo de formação de estratégias internacionais. IN: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ENANPAD, 32, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

KOVACS, Érica Piros. O processo de internacionalização das empresas do Nordeste: proposição de um framework. Recife: UFPE, 2009, 394 f.. Tese (Doutorado no Programa de Pós-Graduação Administração), CCSA, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

KUADA, John; SORENSEN, Olav J. Internationalization of Companies from Developing Countries. International Business Press, 2000.

LAM, Long W.; White, Louis P. An adaptive choice model of the internationalization process. International Journal of Organization Analysis, vol. 7, n. 2, p. 105-134, 1999. ABI/INFORM Global

MELIN, Leif. Internationalization as a strategy process. Strategic Management Journal, vol. 13, p. 99-118, 1992.

MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education. JosseyBass: San Francisco, 1998.

NATÁRIO NETO, J. R. O diamante de Porter: um estudo exploratório multicaso no setor pesqueiro exportador de Santos. Dissertação Mestrado. Gestão de Negócios. Santos. Unisantos. 2006.

PORTER, Michael. Competição. Estratégias Competitivas Essenciais. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

PORTER, Michael. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

PORTER, Michael. Vantagem Competitiva das Nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

RODRIGUES, I.; MADEIRA, A. B.; THEUER, S.; FLEURY, M. T. L. Internacionalização de Empresas Brasileiras do Setor de Construção Civil: a experiência da Andrade Gutierrez. IX SEMEAD - Seminário de Administração. São Paulo, FEA/USP, ago. 2006.

ROWLEY, J. Using case studies in research. Management research news, v.25, n. 1, p. 16-27, 2002.

SASI, Viveca; ARENIUS, Pia. International new ventures and social networks: Advantage of liability? European Management Journal. v. 26, p. 400-11, 2008.

TUNG, R. L. Selection and training procedures of US, European and Japanese multinationals. California Management Review, p. 57-71, 1982.

VASCONCELLOS, E. P. G.; SUN, V.; FACCIOLI, F. Internacionalização: Modelo Conceitual e Aplicação. In: VIII SEMEAD Seminários em Administração FEA-USP, 2005, Sao Paulo.

VERNON, Heidi; WORTZEL, Lawrence H. Globalizing Strategies for Multinationals from Developing Countries. Columbia Journal of World Business, v. 23, n. 1, p. 27-35, Spring. 1988.

VERNON, Raymond. International investment and international trade in the product cycle. Quarterly Journal of Economics. 1966. p. 191-207.

VERNON, Raymond. The product cycle hypothesis in a new international environment. Bulletin. 1979. p. 255-67.

VIDAL, F.; SANTOS, J. A. N.; SANTOS, M. A. Situação do setor sucroalcooleiro no Nordeste: estruturação da cadeia produtiva, produção e mercado. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 44., 2006, Fortaleza. Anais... Fortaleza. SOBER, 2006. Disponível em: http://www.sober.org.br/palestra/5/374.pdf. Acesso em: Acesso em: 11 nov.2008. 2006.

WHITELOCK, J. Theories of internationalization and their impact on market entry. In International Marketing Review, v. 19, n. 4, p. 342-347, 2002.

YIN, Robert K. Estudos de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.