Aquisições internacionais em multinacionais: sob um campo de forças Outros Idiomas

ID:
3541
Resumo:
O objetivo deste ensaio é o de debater a ação das multinacionais em relação às alternativas de gestão de suas unidades no exterior, em especial acerca de suas aquisições, com repercussões tanto na interação entre matriz e subsidiárias/coligadas quanto sobre a aprendizagem e o conhecimento gerencial a ela associados. Inicialmente, é debatido o problema da internacionalização de empresas por meio de investimentos diretos no exterior (IDEs) ― marcadamente as aquisições e associações estratégicas. Destaca-se, no texto, o grau de assimilação e intercâmbio de práticas e valores dentro das organizações em interação, incluindo um conjunto de tipologias derivadas da literatura existente. Em seguida, é feita uma abordagem mais específica sobre os aspectos intra e interorganizacionais das multinacionais, ligados às estratégias, às competências e aos papéis de matrizes e subsidiárias, suas consequentes formas de relacionamento ao fluxo de conhecimento existente e as formas de aprendizagem dele derivadas ― análise que envolve, também, um conjunto de tipologias já estabelecidas. Debatem-se, em seguida, duas visões acerca da oposição entre o universal e o particular na gestão internacional, com aspectos globais e contextuais: a oposição convergência-divergência como um campo de forças, com impactos na transferência de conhecimento. Por fim, são feitas algumas considerações conclusivas, enfatizando, à guisa de contribuição, outra tipologia de multinacionais a qual relaciona a dualidade convergência-divergência aos níveis organizacional e nacional bem como ao posicionamento das companhias à matriz resultante.
Citação ABNT:
RAMOS FILHO, A. C.Aquisições internacionais em multinacionais: sob um campo de forças. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 5, n. 1, art. 7, p. 148-163, 2010.
Citação APA:
Ramos Filho, A. C.(2010). Aquisições internacionais em multinacionais: sob um campo de forças. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 5(1), 148-163.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3541/aquisicoes-internacionais-em-multinacionais--sob-um-campo-de-forcas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMBOS, Tina C.; AMBOS, Björn; SCHLEGELMILCH, Bodo B. Learning from foreign subsidiaries: an empirical investigation of headquarters benefits from reverse knowledge transfers. International Business Review, Orlando, v. 15, n. 3, p. 294-312, Jun. 2006.

BARKEMA, Harry G.; VERMEULEN, Frank. International expansion through start-up or acquisition: a learning perspective. Academy of Management Journal, Briarcliff Manor, v. 41, n. 1, p. 7-26, Feb. 1998.

BARROS, Betania T. et al. Fusões e aquisições no Brasil: entendendo as razões dos sucessos e fracassos. São Paulo: Atlas, 2003.

BARTLETT, Christopher A.; GHOSHAL, Sumantra. Gerenciando empresas no exterior: a solução transnacional. São Paulo: Makron Books, 1992.

BERRY, John W. Contexts of acculturation. In: SAM, David L.; BERRY, John W. (Ed.). The Cambridge Handbook of Acculturation Psychology. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. p. 27-42.

BIRKINSHAW, Julian M.; BRESMAN, Henrik. Managing the Post-Acquisition integration process: how the human integration and task integration processes interact to foster value creation. Journal of Management Studies, Oxford, v. 37, n. 3, p. 395-425, May 2000.

BIRKINSHAW, Julian M.; HOOD, Neil; JONSSON, Stefan. Building Firm-Specific Advantages in Multinational Corporations: The Role of Subsidiary Initiative. Strategic Management Journal, Hoboken, v. 19, n. 3, p. 221-241, Mar. 1998.

BIRKINSHAW, Julian M.; MORRISON, Allen J. Configurations of strategy and structure in subsidiaries of multinational corporations. Journal of International Business Studies, Hampshire, v. 26, n. 4, p. 729-753, Fourth Quarter. 1995.

CHANDLER Jr, Alfred D.; MAZLISH, Bruce. Leviathans: multinational corporations and the new global history. Cambridge: Cambridge University Press, 2005

CHILD, John; FAULKNER, David; PITKETHLY, Robert. The Management of International Acquisitions. Oxford: Oxford University Press, 2001.

CYRINO, Álvaro B.; BARCELOS, Érika P. Estratégias de Internacionalização: evidências e reflexões sobre as empresas brasileiras. In: TANURE, Betania; DUARTE, Roberto G. (Org.). Gestão Internacional. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 221-46.

DE WIT, Bob.; MEYER, Ron. (Ed.). Strategy: process, content, context an international perspective. 2 ed. London: International Thomson Business Press, 1998.

EDWARDS et al. Reverse diffusion in US Multinationals: barriers from the American Business System. Journal of Management Studies, Oxford, v. 42, n. 6, p. 1261-1286, set. 2005.

EVERETT, James E.; STENING, Bruce W.; LONGTON, Peter A. Some evidence for an international managerial culture. Journal of Management Studies, Oxford, v. 19, n. 2, p. 153-62, mar. 1982.

GHOSHAL, Sumantra; BARROS, Betania T. Estratégia e gestão empresarial: estudo de casos. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

GUPTA, Anil K.; GOVINDARAJAN, Vijay. Knowledge Flows and the Structure of Control within Multinational Corporations. Academy of Management Review, Briarcliff Manor, v. 16, n. 4, p. 768-792, Oct. 1991.

GUPTA, Anil K. Knowledge Flows within Multinational Corporations. Strategic Management Journal, Hoboken, v. 21, n. 4, p. 473-496, Apr. 2000.

HASPESLAGH, Philippe C.; JEMISON, David B. Managing Acquisitions: Creating Value Through Corporate Renewal. New York: The Free Press, 1991.

HICKSON, David J.; PUGH, Derek S. Management Worldwide: the impact of societal culture on organizations around the globe. London: Penguin Books, 1995.

HITT, Michael A.; IRELAND, R. Duane; HOSKISSON, Robert E. Administração Estratégica. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.

HOFSTEDE, Geert. Culturas e Organizações: compreender a nossa programação mental. Lisboa: Sylabo, 1997.

HOLM, U.; PEDERSEN, T. The Dilemma of Centres of Excellence: Contextual Creation of Knowledge versus Global Transfer Knowledge. 2000. (Série de Working Papers). Disponível em: http://openarchive.cbs.dk/bitstream/handle/10398/6584/wp8-2000_tp.pdf?sequence=1 Acesso em: 21 out.2010. 2008.

KERR, Clark et al. The Road to Similarity. In: WEBBER, Ross A. Culture and Management: text and readings in comparative management. Homewood: Richard D. Irwin Inc. 1969.

LEVITT, Theodore. A Globalização dos Mercados. In: MONTGOMERY, Chyntia A.; PORTER, Michael E. (Org.). Estratégia: a busca pela vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998. p. 197-216.

MARKS, Mitchell L.; MIRVIS, Philip H. Joining Forces: Making One Plus One Equal Three in Mergers, Acquisitions, and Alliances. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

MOTTA, Paulo Roberto. Novas hipóteses sobre a gestão intercultural: avanços de uma contra corrente. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 30., 2006, Salvador. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2006. Disponível em: http://www.anpad.org.br/enanpad/2006/dwn/enanpad2006-eorc-1116.pdf. Acesso em: 20 set. 2006.

MUELLER, Frank. Societal effect, organizational effect, and globalization. Organization Studies, London, v. 15, n. 3, p. 407-428, Summer. 1994.

NAHAVANDI, Afsaneh; MALEKZADEH, Ali E. Acculturation in Mergers and Acquisitions. Academy of Management Review, Briarcliff Manor, v. 13, n. 1, p. 79-90, Jan. 1988.

NOHRIA, Nitin; GHOSHAL, Sumantra. The Differentiated Network. San Francisco: Jossey-Bass, 1997.

PARKER, Bárbara. Evolução e Revolução: da internacionalização à globalização In: CLEGG, Stewart. R; HARDY, Cynthia; NORD, Walter R. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998. v. 1, p. 400-33.

PERLMUTTER, Howard V. The Tortuous Evolution of the Multinational Corporation. Columbia Journal of World Business, New York, n. 4, n. 1, p. 9-18, Jan./Feb. 1969.

PRAHALAD, Coimbatore K.; DOZ, Yves L. The Multinational Mission: balancing local demands and global vision. New York: The Free Press, 1987.

RALSTON, David A. et al. Differences in managerial values: a study of U.S., Hong Kong and PRC managers. Journal of International Business Studies, Hampshire, v. 24, n. 2, p. 249-75, Second Quarter. 1993.

ROCHA, Ângela. Por que as empresas brasileiras não se internacionalizam? In: ROCHA, Ângela (Coord.). As novas fronteiras: a multinacionalização das empresas brasileiras. Rio de Janeiro: Mauad, 2003. p. 13-28.

RONEN, Simcha. Comparative and Multinational Management. New York: John Wiley and Sons, 1986.

SALES, Amy S.; MIRVIS, Philip H. When Cultures Collide: issues in acquisitions. In: KIMBERLY, John R.; QUINN, Robert E. Managing Organizational Transitions. Homewood: Irwin, 1984.

SENN, Larry. Cultura. In: KEY, Stephen L. (Ed.). Guia da Ernst & Young para administração de fusões e aquisições. Rio de Janeiro: Record, 1992. cap. 15, p. 272-289.

TEMPEL, Anne; WALGENBACH, Peter. Global Standardization of Organizational Forms and Management Practices? What New Institutionalism and the Business-Systems Approach Can Learn from Each Other. Journal of Management Studies, Oxford, v. 44, n. 1, p. 1-24, jan. 2007.

WEBBER, Ross A. Convergence or Divergence? Columbia Journal of World Business, New York, n. 4, n. 3, p. 75-83, May/June. 1969.

WHITLEY, Richard. How and Why International Firms different? The consequences of cross-border managerial coordination for firm characteristics and behaviour. In: MORGAN, Glenn; KRISTENSEN, Peer H. WHITLEY, Richard. The Multinational Firm: organizing across institutional and national divides. Oxford: Oxford University Press, 2001. p. 27-68.