Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Local: Spin-offs Acadêmicas diante de um Quadro Que Conjuga Dinamismo Científico e Estagnação Econômica Outros Idiomas

ID:
36100
Resumo:
Nesta pesquisa buscou-se problematizar a universidade em meio ao seu papel no sistema de inovação, questionando as possibilidades dessa relação alterar a realidade local e promover o seu desenvolvimento. Foram estudadas, por meio de abordagem qualitativa com fins descritivos, Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) de três municípios mineiros com até 100 mil habitantes – Itajubá, São João Del Rei e Viçosa – que possuem em suas universidades incubadoras de empresas de base tecnológica em atividade. O desenvolvtanto por essas empresas serem recentes quanto pelo fato de a relação entre elas e o município não serem sólidas. Foi possível identificar que ainda se mostra incipiente a consideração da inovação como norte estratégico ao desenvolvimento local, e que a viabilidade dessa interação exige bases mais diretamente voltadas à consideração da realidade que diferencia empresas de base tecnológica das tradicionais. Os atores estão presentes e o apoio governamental que o sustenta também, resta uma orientação alinhada com a tecnologia gerada nas IFES para que o caminho para a inovação seja viável, o que exige ações que ampliem a interação dos atores locais e entre estes e os extras locais. imento local dos municípios ainda é um processo iniciante enquanto resultante da geração de spin-offs,
Citação ABNT:
GAVA, R.; GARCIA, M. O.; PAULA, P. F.; BASTOS, T. B. Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Local: Spin-offs Acadêmicas diante de um Quadro Que Conjuga Dinamismo Científico e Estagnação Econômica . Revista Organizações em Contexto, v. 11, n. 21, p. 211-239, 2015.
Citação APA:
Gava, R., Garcia, M. O., Paula, P. F., & Bastos, T. B. (2015). Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Local: Spin-offs Acadêmicas diante de um Quadro Que Conjuga Dinamismo Científico e Estagnação Econômica . Revista Organizações em Contexto, 11(21), 211-239.
DOI:
10.15603/1982-8756/roc.v11n21p211-239
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36100/inovacao-tecnologica-e-desenvolvimento-local--spin-offs-academicas-diante-de-um-quadro-que-conjuga-dinamismo-cientifico-e-estagnacao-economica-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; Capital Social e desenvolvimento local. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. PequenaEmpresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Duramá, 2003. cap. 24, p. 423-440.

ARAÚJO, M. H.; LAGO, R. M.; OLIVEIRA, L. C. A.; CABRAL, P. R. M.; CHENG, L. C.; BORGES, C.; FILION, L. J. “Spin-Off” acadêmico: criando riquezas a partir de conhecimento e pesquisa. Química Nova, v. 28, suplemento s26-s35, 2005.

ARAÚJO, T. B. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan, 2000.

BERGER, M.; DIEZ, J. R. Technological capabilities and innovation in Southeast Asia: results from innovation surveys in Singapore, Penang and Bangkok. Science, Technology and Society, v. 11, n. 1, p. 109-148, 2006.

BOCAYUVA, P. C. C. Desenvolvimento Local e Redes Socioprodutivas. In: SILVEIRA, C. M.; REIS, L. C. Desenvolvimento Local: Dinâmicas e Estratégias. Rio de Janeiro: Rede DLIS/ RITS, 2001, p. 45-56.

BRAMWELL, A.; WOLFE, D. A.Universities and regional economic development: the entrepreneurial University of Waterloo. Research Policy, v. 37, n. 8, p. 1.175-1.187, 2008.

BRANDÃO, C. A. Localismos, mitologias e banalizações na discussão do processo de desenvolvimento. In: Encontro Nacional de Economia Política, 7 e Colóquio Latino Americano de Economistas Políticos, 2. 2002, Curitiba. Anais... Curitiba, 2002.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; SPINK, P. K. (orgs.). Reforma do Estado e administração pública gerencial. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. 316p.

BUARQUE, S. C. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. Projeto de Cooperação Técnica INCRA/IICA. Brasília: INCRA/IICA, 1999.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais e micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. Pequena Empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Duramá, 2003. cap. 2, p. 35-50.

COZZI, A.; JUDICE, V.; DOLABELA, F.; FILION, L. J. Empreendedorismo de base tecnológica. Spin-off: criação de novos negócios a partir de empresas constituídas, universidades e centros de pesquisa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DOSI, G. Sources, procedures, and microeconomic effects of innovation. Journal of Economic, v. 26, n. 2, p. 1.120-1.171, 1988.

DRUMMOND, P. H. F. O Planejamento Tecnológico de uma Empresa de Base Tecnológica de Origem Acadêmica por Intermédio dos Métodos Technology Roadmapping (TRM), Technology Stage-Gate (TSG) e Processo de Desenvolvimento de Produtos (PDP) Tradicional, 156s. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2005.

DUTTA, S.; LANVIN, B. The Global Innovation Index 2013: The Local Dynamics of Innovation. Geneva, Ithaca and Fontainebleau: Cornell University, INSEAD and WIPO, 2013.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and ‘‘Mode 2’’ to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO– FIESP.Coeficientes de Exportação e Importação (CEI). São Paulo: FIESP, 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2014.

FLICK, U. Introdução à pesquisa Qualitativa. 3. ed., Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREEMAN, C. Technological infrastructure and international competitiveness. Industrial and Corporate Change, v. 13, n. 3, 2004, p. 541-569.

FREEMAN, C. The “National System of Innovation” in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v. 19, n. 1, 1995, p. 5-24.

GAVA, R.; VIDAL, W. J. R. Sistema de Inovação em Nível de Firma: Evidências de uma Iniciativa no Mercado Brasileiro de Telecomunicações. RAC-Eletrônica, Curitiba, PR, v. 3, n. 1, p. 180-201, 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2013.

GOULART, S.; VIEIRA, M. M. F. COSTA, C. F.; KNOPP, G. C. Articulações em rede e acontecimentos no território: subsídios teóricos para a formação de políticas públicas para o desenvolvimento. Cadernos EBAPE. BR, Rio de Janeiro, RJ, v. 8, n. 3, p. 388-403, 2010.

HUGGETT, S. The bibliometrics of the developing world. Research Trends, Issue 35, 2013. Disponível em: Acesso em: 15 jul. 2014.

JOHNSON, B.; LUNDVALL, B-Å. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizado. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ; Contraponto, 2005, cap. 3, p. 83-130.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. 2003. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2013.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; LEMOS, C.; MALDONADO, J.; VARGAS, M. A. Globalização e inovação localizada. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Brasília: IBICT/ MCT, 1999, cap. 1, p. 39-71.

LEMOS, C. R. Micro, Pequenas e Médias Empresas no Brasil: Novos Requerimentos de Políticas para a Promoção de Sistemas Produtivos Locais. 281s. Tese (Doutor em Ciências em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

LEMOS, L. M. Desenvolvimento de Spin-offs Acadêmicos: estudo a partir do caso da UNICAMP. 198s. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008.

LEMOS, P. A integração do empreendedorismo tecnológico nas universidades de pesquisa: alguns aspectos das atividades na Unicamp em uma perspectiva de aprendizado comparado. In: Encontro Anual ANPOCS, 36., 2012, Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia: ANPOCS, 2012. p. 1-19.

LUNDVALL, B-Å. User-producer relationships and national systems of innovation. In: Lundvall, B. Å. (org.). National system of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter, 1992, cap. 3, p.45-67.

MARTINS, S. R. O. Desenvolvimento Local: questões conceituais e metodológicas. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v.3, n. 5, p. 51-59, 2002.

MÉNARD, C. Institutions, contracts and organizations: Perspectives from New Institutional Economics.Northamton (Massachusetts): Edward Elgar Publishing, 2000.

MYTELKA, L.; FARINELLI, F. De aglomerados locais a sistemas de inovação. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A.Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Contraponto, 2005, cap. 10, p. 347-378.

QUARESMA, F. S. Complexidades sociais no desenvolvimento local: uma revisão de literatura para o estudo das mediações culturais no rural-urbano. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural – SOBER, 45. Londrina, 2007. Anais... Londrina: SOBER, 2007.

RASMUSSEN, E.; BORCH, O. J. University capabilities in facilitating entrepreneurship: a longitudinal study of spin-off venture at mind-range universities. Research Policy, v. 39, n. 5,p. 602-612, 2010.

RODRIGUES, C.; MELO, A. I. The triple helix model as inspiration for local development policies: an experience-based perspective. International Journal of Urban and Regional Research, v. 37, n. 5, p. 1.675-1.987, 2013.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

SANTOS, M. Dinheiro e território. Geographia, n. 1, p. 7-13, 1999.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

SANTOS, M.;SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SAQUET, M. A. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SENNES, R. Inovação no Brasil: Políticas Públicas e Estratégias Empresariais. Washington: Woodrow Wilson International Center for Scholars/ Brazil Institute. 2008.

SILVEIRA, E. M. A participação dos entes universidade, indústria e governo em incubadoras de base tecnológica. 129s. Dissertação (Mestrado em Administração) –Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2007.

STERNBERG, R. Success factors of university-spin-offs: regional government support programs versus regional environment. Technovation, v. 34, n. 3, p.137-148, 2014.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação: A Economia da Tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TITO, F. Brasil ruma ao ‘top 10’ de artigos científicos, diz presidente da Capes. G1, Brasília, 15 set. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2014.

VAINER, C. B. Utopias urbanas e o desafio democrático. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, PR, n. 15, p.25-31, jul./dez. 2003.

VAZ, M. T. N. Desenvolvimento regional e inovação empresarial: o impacto do desenvolvimento local nas determinantes de inovação das pequenas empresas. Revista paranaense de desenvolvimento. Curitiba, PR, n.108, p.7-24, jan./jun. 2005.

WATSON, M. W. Vector autoregressions and cointegration. In: Engle R. F.; McFADDEN D. L. (orgs.). Handbook of econometrics Amsterdam: Elsevier. 1994, cap. 47, p. 2.843-2.915.