Ensino de inovação na formação do administrador brasileiro: contribuições para gestores de curso Outros Idiomas

ID:
36201
Resumo:
Com o objetivo de contribuir para a gestão de negócios inovadores, este artigo investiga como a inovação é abordada nos cursos de Bacharelado em Administração. Este trabalho tem natureza qualitativa apoiada por pesquisa exploratória, com delineamento de pesquisa histórico-documental, com acesso às fontes de dados primários nos bancos de dados do Ministério de Educação e Cultura e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. A caracterização do contexto brasileiro da inovação foi elaborada com base nos dados do Guide Innovation Index. A análise dos dados permitiu identificar os diferentes estágios do ensino de inovação nos cursos de Administração existentes no país, analisados regionalmente. Como resultados obtidos, aponta-se que, embora minimamente abordado, o tema inovação é mais frequentemente debatido nos cursos de Administração nas regiões sul e sudeste do país, que concentram o maior volume da atividade industrial do país. Este estudo conclui que o tema inovação é pouco debatido nos cursos de Administração, o que indica um espaço de oportunidade de revisão de conteúdo em compasso com as estratégias governamentais para aumento da taxa de inovação nas empresas brasileiras.
Citação ABNT:
PEREIRA, R. S.; FRANCO, I. D.; SANTOS, I. C. D.; VIEIRA, A. M. Ensino de inovação na formação do administrador brasileiro: contribuições para gestores de curso. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 16, n. 1, p. 101-139, 2015.
Citação APA:
Pereira, R. S., Franco, I. D., Santos, I. C. D., & Vieira, A. M. (2015). Ensino de inovação na formação do administrador brasileiro: contribuições para gestores de curso. Administração: Ensino e Pesquisa, 16(1), 101-139.
DOI:
10.13058/raep.2015.v16n1.202
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36201/ensino-de-inovacao-na-formacao-do-administrador-brasileiro--contribuicoes-para-gestores-de-curso/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDREASSI, T. Inovação e competição. In: SBRAGIA, R. (Coord.). Inovação:Como vencer este desafio empresarial. São Paulo: CLIO, 2006.

ANGRAD Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Administração. Bibliografia básica de referência ANGRAD para os cursos de graduação em administração. Rio de Janeiro: ANGRAD, 2013.

ANTUNES JÚNIOR, J. A. V.; LEIS, R. P.; MARCANTONIO, M. I. P. O polo de inovação tecnológica da região norte do Rio Grande do Sul à luz dos sistemas regionais de inovação: sua evolução, aspectos facilitadores e limitadores. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. 2, p.435-466, 2012.

ARÍCIA, Martins. Só 20% das médias empresas usam leis de incentivo à inovação, diz estudo.Jornal o Valor Econômico. São Paulo. 08/06/2012.

AT KEARNEY. Innovation Management:strategies for success and leadership. Chicago: AT Kearney, 2008.

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Meio Inovador Empresarial: Conceitos, Modelos e Casos. Revista IMES Administração, ano XIX, n. 56, p. 34-43, 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CES nº 01/2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, e dá outras providências. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces01_04.pdf>. Acesso em: 17/10/2012.

BRASIL. Resolução CNE/CES nº 04/2005. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 17/10/2012.

CAMERINI, C. Inovação em pauta. Revista da FIEC, v. 5, n. 50, 2011.

CAMPANÁRIO, M de A.; MACCARI, E. A.; MARTINS, C. B.; MAFFEI, P A de J. Inovação incremental: tecnologia da quarta camada da Fujifilm. Revista Gerenciais, v. 4, n. 1-13, p. 63-70, 2005.

CFA. CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO. História da Administração no Brasil. Brasília, DF, 2013. Disponível em . Acesso em: 31/05/201 3.

CHAVES, A. Tecnologia. EDTCH – Education Tecnology, 1979.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; JOHNSON, C. W. Inovação na Sala de Aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHRISTENSEN, C. M. O Dilema da Inovação. São Paulo: Makron Books, 2001.

DRUCKER, P. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship) prática e princípios. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

DRUCKER, P. The Discipline of Innovation. Harvard Business Review, v. 80, n. 8, p. 95-102, 1998.

DUTTA, S.; CAULKIN, S. The power of innovation, 2007.

e-MEC. Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados, 2013.

ETZKOWITZ, H. Entrepreneurial science: the second academic revolution. In: Seminar on academy-industry relations and industrial policy:regional, national and international issues. State University of New York, 1993.

EUROPEAN UNION FOR REGIONAL POLICY. Creativity and Innovation: driving competitiveness in the Region. Acting Together to Promote Creativity and Innovation Panorama Inforegio, n. 29, p. 18-19, 2009.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1997.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A Economia da Inovação Industrial.Campinas: Unicamp, 2008.

FREEMAN, C. The economics of innovation. Middlesex: Penguin Books, 1974.

FURTADO, A.; QUADROS, R. Construindo o IBI.Inovação Uniemp, v. 2, n. 3, p. 26-27, 2006.

GAVIOLI, M de C. Inovação na Indústria de Serviços de Telecomunicações:fatores determinantes e impactos na cadeia de valor. Dissertação (Mestrado Profissional) – Escola de Administração de São Paulo, 2010.

GOODWIN, A. L. Perspectives on High Performing Education System in Finland, Hong Kong, China, South Korea and Singapore: what lessons for the U.S.? In: LEE, S. K. et al. (Eds.). Educational Policy Innovations: levelling up and sustaining educational achievement. Springer Educational Innovation Book Series 1, Cap. 11, p. 185-199, 2014.

HUSSAIN, M. F.; AFSAL, A.; ASIF, M.; AHMAD, N.; BILAL, R. M. Impact of Innovation, Technology and Economic Growth on Entrepreneurship. American International Journal of Contemporary Research, v. 1, n. 1, p. 45-51, 2011.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Nacionais: Contas Regionais do Brasil – 2010. Rio de Janeiro, [s.n], 2012. Disponível em: . Acesso em: 02/06/2013.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estados@. Rio de Janeiro: [s.n]. Disponível em: . Acesso em: 02/06/2013.

KNIGHT, K. A descriptive model of the intra-firm innovation process. Journal of Business, v. 40, n. 4, p. 479-496, 1967.

LALL, S. Technological change and industrialization in the Asian newly industrializing economies: achievements and challenges. In: KIM, L.; NELSON, R. (Eds.). Technology, learning & innovation: Experiences of newly industrializing economies. Cambridge: Cambridge University, 2000.

LAMENZA, A.; BRESCIANI, L. P. Centralidade da Inovação: Estratégia Competitiva e Política Industrial no Brasil. In: LAMENZA, A. (Org.). Estratégias Empresariais: Pesquisas e casos brasileiros. São Paulo: Saint Paul, p. 65-114, 2008,

LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de Informação Gerenciais.7.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

LEYDESDORFF, L.; ETZKOWITZ, H. Tripe Helix as a model for innovation studies. Sciend and Public Policy, v. 25, n. 3, p. 195-203, 1998.

LONGO, W. P. Conceitos básicos sobre ciência, tecnologia e inovação.2.ed. Rio de Janeiro: FINEP, 2004.

LUZ, M da S.; SANTOS, I. C. Ciência, tecnologia e pesquisa tecnológica: a luta por uma política nacional em C&T. Revista Produção Online, v.7, n. 1, p.154 182, 2007.

MANUAL DE OSLO. Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. 3.ed. Rio de Janeiro: FINEP, 2005.

MATHEUS, R. F. Rafael Capurro e a filosofia da informação: abordagens, conceitos e metodologias de pesquisa para a Ciência da Informação.Perspect. ciênc. inf.,v.10 n.2, p.140-165, 2005.

McGHEE, P.; McALINEY, P. Painless Project Management:a step-by-step guide for planning. Hoboken (NJ): John Wiley & Sons, Inc. 2007.

NELSON, Richard. R. National innovation systems– A comparative analyses. Oxford: Oxford University, 1993.

OH, J. High school diversification against educational equality: a critical analysis of neoliberal education reform in South Korea. Asia Pacific Education Review, v. 12, n. 1, p. 381-392, 2011.

PEREIRA, R da S.; FRANCO, I. D.; ALMEIDA, L. C. B.; SANTOS, I C dos. O Ensino de “Inovação” na Administração, Ciências Contábeis, Turismo e Tecnologia em Gestão: Um Estudo Exploratório em Instituições de Ensino Superior Brasileiras.Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 4, p. 221-244, 2012.

PEREZ, C. Technological Revolutions and techno-economic paradigm. Technology Governance. Norway, 2011.

PINTEC. Pesquisa de inovação tecnológica. Rio de Janeiro: [s.n], 2012.

PORTER, M. Vantagem competitiva. 4.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

PREDEBON, J. Criatividade: abrindo o lado inovador da mente: um caminho para o exercício prático dessa potencialidade, esquecida ou reprimida quando deixamos de ser crianças. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2001.

SÁBATO, J.; BOTANA, N. La ciencia y la tecnologia en el desarrollo future de America Latina. Políticas CTI, 1970.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. A estrutura da capacidade de inovar das empresas brasileiras: Uma proposta de constructo. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 3, p. 103-128, 2012.

SANTOS, I. C. Educação para a Inovação. Ciclo de Palestras em Comemoração ao Dia do Administrador. Palestra ministrada na UNASP – Centro Universitário Adventista de São Paulo. Itapecerica da Serra/SP, 2014.

SANTOS, I. C.; KUBO, E. K. M.; AMORIM, W. A. C. Formação do cluster tecnológico de São José dos Campos: trajetória e implicações. Revista Metropolitana de Sustentabilidade,v. 3, n. 2, p. 23-46, 2013.

SANTOS, I. C.; LUZ, M da S. Implantação da Política para take offtecnológico e algumas considerações sobre o desenvolvimento nacional. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional,v. 3, número especial, p.115 139, 2007.

SANTOS, I. C.; MORAIS, P. R.; FREIRE, J R de S.; LUZ, M da S. Managing Innovation under Constraints: A Glimpse on the Brazilian Conditions for Innovation. International Journal of Advances in Management and Economics, v.2, n. 6, p. 131-144, 2013.

SBRAGIA, R.; STAL, E. A empresa e a inovação tecnológica: motivações parceria e papel do estado. Revista Fórum de Líderes Empresariais.Ano VII, n. 11, 2004.

SCHUMPETER, J. Teoria do desenvolvimento econômico: Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SIMANTOB, M.; LIPPI, R. Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas. São Paulo: Globo, 2003.

STAL, E. Inovação Tecnológica, Sistemas Nacionais de Inovação e Estímulos Governamentais à Inovação. In MOREIRA, D. A.; QUEIROZ, A. C. S. Inovação Organizacional e Tecnológica.São Paulo: Thomson Learning, Cap. 2, p. 23-53, 2007

TEIXEIRA, D. S. Pesquisa, desenvolvimento experimental e inovação industrial: motivações da empresa privada e incentivos do setor público. In: MARCOVITICH, J. (Coord.). Administração em ciência e tecnologia. São Paulo: Edgard Blucher, Cap. 2, p. 45-91, 1983.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT K. Gestão da Inovação. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TUMELERO, C. Sobrevivência de empresa de base tecnológica pós-incubadas: estudo da ação empreendedora sobre a mobilização e uso de recursos. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Economia, Contabilidade e Administração – Universidade de São Paulo, 2012.

VIOTTI, E. B. National learning systems. A new approach on technical change in late industrializing econominies and evidences from the evidences from de the cases of Brazil and South Korea. Technological Forecasting and Social Change, v. 69, n. 7, p. 653-680, 2002.

WORLD ECONOMIC FORUM.The Global Competitiveness Report 2012–2013, Insight Report by Klaus Schwab.