Sustentabilidade e governança corporativa: um estudo da evidenciação de emissões de GEE das empresas listadas no ISE Bovespa Outros Idiomas

ID:
36550
Periódico:
Resumo:
O objetivo desse trabalho é analisar se os relatórios de sustentabilidade estão evidenciando, de forma transparente, o inventário e a redução de Gases de Efeito Estufa (GEE) das empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) Bovespa. A pesquisa qualitativa foi realizada com dados secundários, obtidos por meio de análise documental nos relatórios de sustentabilidade divulgados nos sites institucionais das empresas estudadas. O universo de pesquisa foram as 44 empresas listadas no ISE da Bovespa em 2009. Os resultados mostram que poucas empresas listadas no ISE Bovespa apresentam, de forma transparente, suas emissões de GEE e adotam as normas do GHG Protocol. Verificou-se também que não há uma forma padronizada de evidenciar as emissões de GEE nos relatórios de sustentabilidade, ou seja, o inventário e a redução dos GEEs das empresas objetivo de estudo.
Citação ABNT:
RIBEIRO, H. C. M.; SOUZA, M. T. S.; GOMES, N. Sustentabilidade e governança corporativa: um estudo da evidenciação de emissões de GEE das empresas listadas no ISE Bovespa . Reuna, v. 19, n. 5, p. 89-116, 2014.
Citação APA:
Ribeiro, H. C. M., Souza, M. T. S., & Gomes, N. (2014). Sustentabilidade e governança corporativa: um estudo da evidenciação de emissões de GEE das empresas listadas no ISE Bovespa . Reuna, 19(5), 89-116.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36550/sustentabilidade-e-governanca-corporativa--um-estudo-da-evidenciacao-de-emissoes-de-gee-das-empresas-listadas-no-ise-bovespa-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACEVEDO, C. R.; NOHARA, J. J. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma. São Paulo: Atlas, 2007.

AGUILAR, S. Elements for a robust climate regime post-2012: options for mitigation. Review of European Community & International Environmental Law, v. 16, n. 3, p. 356-367, 2007.

ALIGLERI, L.; ALIGLERI, L. A.; KRUGLIANSKAS, I. Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas, 2009.

ALPERSTEDT, G. D.; QUINTELLA, R. H.; SOUZA, L. R. Estratégias de gestão ambiental e seus fatores determinantes: uma análise institucional. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 2, p. 170-186, 2010.

ANDRADE, M. A. M.; GOSLING, M.; XAVIER, W. S. Por trás do discurso socialmente responsável da siderurgia mineira. Produção, v. 20, n. 3, p. 418-428, 2010.

ANTONI, M.; HURT, Q. Applying the global reporting initiative (GRI) for public bodies in the South African context: the e Thekwini experience. Development Southern Africa, v. 23, n. 2, p. 251-263, 2006.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial. São Paulo: Saraiva, 2007.

BARBISAN, A. O.et al. Técnica de valoração econômica de ações de requalificação do meio ambiente: aplicação em área degradada. Engenharia Sanitária Ambiental, v. 14, n. 1, p. 119-128, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 5 ed. Lisboa: Edições 70. 2009.

BEATO, R. S.; SOUZA, M. T. S.; PARISOTTO, I. R. S. Rentabilidade dos índices de sustentabilidade empresarial em bolsas de valores: um estudo do ISE/Bovespa. Revista de Administração e Inovação, v. 6, n. 3, p. 108-127, 2009.

BEUREN, I. M.; LONGARAY, A. A. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas. 2003.

BM&F BOVESPA - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo. Índice de sustentabilidade empresarial. Disponível em: . Acesso em: Jun.2010.

BOSETTI, V.; VICTOR, D. G. Politics and economics of second-best regulation of greenhouse gases: the importance of regulatory credibility. Energy Journal, v. 32, n. 1, p. 1-24, 2011.

BRITO, R. P.; BERARDI, P. C. Vantagem competitiva na gestão sustentável da cadeia de suprimentos: um metaestudo. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 2, p. 155-169, 2010.

BROWN, H. S.; JONG, M.; LESSIDRENSKA, T. The rise of the global reporting initiative: a case of institutional entrepreneurship. Environmental Politics, v. 18, n. 2, p. 182-200, 2009.

CAMARGOS, M. A.; BARBOSA, F. V. Evidência empírica do impacto da adesão aos níveis diferenciados de governança corporativa sobre o comportamento das ações na Bovespa. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30., 2006. Salvador. Anais eletrônicos... Salvador: ANPAD, 2006. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

CARNEIRO, A. R. A.et al. Governança corporativa em empresas brasileiras como determinante da evidenciação de benefícios a empregados. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 10, n. 19, p. 157-178, 2013.

CARVALHO, T. S.; PEROBELLI, F. S. Avaliação da intensidade de emissões de CO2 setoriais e na estrutura de exportações: um modelo inter-regional de insumo-produto São Paulo/restante do Brasil. Economia Aplicada, v. 13, n. 1, p. 99-124, 2009.

CORREIA, L. F.; AMARAL, H. F.; LOUVET, P. Um índice de avaliação da qualidade da governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, v. 22, n. 55, p. 45-63, 2011.

COSTA, R. S.; MARION, J. C. A uniformidade na evidenciação das informações ambientais. Revista Contabilidade & Finanças, v. 43, p. 20-33, 2007.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRUZ, C. F.et al. Um estudo empírico sobre a transparência da gestão pública dos grandes municípios brasileiros. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 4., 2010. Salvador. Anais eletrônicos... Salvador: EnAPG, 2010. Disponível em: Acesso em: Jun. 2010.

CUNHA, D. R.; PARADA, F. M.; NASCIMENTO, R. S. Análisis de las informaciones ambientales divulgadas por internet: um estúdio comparativo de empresas del mercado bursátil brasileño, chileno y español. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 3, n. 2, p. 200-209, 2006.

CUOCO, L. G. A.; TOSINI, M. F. C.; VENTURA, E. C. F.Carbono social: desenvolvimento sustentável via mecanismo de desenvolvimento limpo? In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30., 2006. Salvador. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2006. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

DIAS, L. N. S.; SIQUEIRA, J. R. M.; ROSSI, M. Z. G. Balanço social: a utilização dos indicadores do Global Reporting Initiative (GRI) em empresas brasileiras. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30., 2006. Salvador. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2006. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

FILHO, M. A. F. M. Responsabilidade social e investimento social privado: entre o discurso e a evidenciação. Revista Contabilidade & Finanças, v. 19, n. 47, p. 89-101, 2008.

FONSECA, S. A.; MARTINS, P. S. Gestão ambiental: uma súplica do planeta, um desafio para políticas públicas, incubadoras e pequenas empresas. Produção, v. 20, n. 4, p. 538-548, 2010.

FUCHS, P. G.; MACEDO-SOARES, T. D. L. VAN A.; RUSSO, G. Modelo conceitual para avaliação de práticas e estratégias climáticas: resultados de sua aplicação nos setores automotivo e de papel e celulose no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 4, p. 837-874, 2009.

GARCIA e SOUZA, T de M. G. Governança corporativa e o conflito de interesses nas sociedades anônimas: monografia do curso de especialização em direito empresarial. São Paulo: Atlas, 2005.

GASPARINO, M. F. Análise de relatórios de sustentabilidade, com ênfase na GRI: comparação entre empresas do setor de papel e celulose dos Estados Unidos e Brasil. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30., 2006. Salvador. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2006. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

GHG PROTOCOL BRASIL. Especificações do programa brasileiro GHG Protocol. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas. 1995.

GLOBAL REPORTING INITIATIVE. G3 guidelines. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

GLOBAL REPORTING INITIATIVE. Sustainability reports guide lines. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

GREEN, J. F. Private standards in the climate regime: the greenhouse gas protocol. Business & Politics, v. 12, n. 3, p. 1-37, 2010.

GRÜN, R. Convergência das elites e inovações financeiras: a governança corporativa no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 20, n. 58, p. 67-90, 2005.

GRUPO INTERGUBERNAMENTAL DE EXPERTOS SOBRE EL CAMBIO CLIMÁTICO. Introducción a los modelos climáticos simples utilizados en el segundo imforme de evaluación del IPCC. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

HILGEMBERG, E. M.; GUILHOTO, J. J. M. Uso de combustíveis e emissões de CO2 no Brasil: um modelo inter-regional de insumo-produto. Nova Economia, v. 16, n. 1, p. 49-99, 2006.

IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. Disponível em: Acesso em: Jun. 2010.

JAMES-OVERHEU, C.; COTTER, J. Corporate governance, sustainability and the assessment of default risk. Asian Journal of Finance & Accounting, v. 1, n. 1, p. 34-53, 2009.

JASKELEVICIUS, B. Kyoto protocol requirement and wind energy evolution in Lithuania. Ekologija, v. 53, n. 3, p. 1-8, 2007.

JUNQUEIRA, M. S. D. “Adicionalidade” ambiental do álcool combustível: um benefício ambiental verdadeiro ou somente mais uma matriz energética – um estudo do ciclo de vida desse combustível. RAE - Eletrônica, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2002.

KEAN OW-YONG. Corporate governance update. Corporate Governance: An International Review, v. 14, n. 3, p. 197-200, 2006.

KOLK, A.; LEVY, D.; PINKSE, J. Corporate responses in an emerging climate regime: the institutionalization and commensuration of carbon disclosure. European Accounting Review, v. 17, n. 4, p. 719-745, 2008.

KOLK, A. Sustainability, accountability and corporate governance: exploring multinationals’ reporting practices. Business Strategy & the Environment, v. 17, n. 1, p. 1-15, 2008.

LAMPRINIDI, S.; KUBO, N. Debate: the global reporting initiative and public agencies. Public Money & Management, v. 28, n. 6, p. 326-329, 2008.

LEAL, M. J.; CAMURI, W. C. A governance corporativa e os modelos mundialmente praticados. Revista de Ciências Gerenciais, v. 12, n. 15, p. 59-74, 2008.

LEITE FILHO, G. A.; PRATES, L. A.; GUIMARÃES, T. N. Análise dos níveis de evidenciação dos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras A+ do Global Reporting Initiative (GRI) no ano de 2007. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 3, n. 7, p. 43-59. 2009.

LEITE FILHO, G. A.; PRATES, L. A.; GUIMARÃES, T. N. Níveis de evidenciação dos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras a+ do global reporting initiative (GRI) no ano de 2007. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 33., 2009, Rio de Janeiro, 2009. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2009. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

LENZA, E. R. B.; LAPINI, P. A.; CAMARGO, S. H. R. V. Desenvolvimento sustentável e lucratividade como fatores de contribuição para a sobrevivência das organizações: uma abordagem a partir da análise do relatório anual da empresa Natura Cosméticos S.A. Gestão da Produção, Operações e Sistemas, v. 3, n. 3, p. 25-38, 2008.

LOPES, A. B. Finanças internacionais: uma introdução. São Paulo: Atlas, 2003.

MALACRIDA, M. J. C.; YAMAMOTO, M. M. Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade & Finanças, v. Edição Comemorativa, p. 65-79, 2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório e publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas, 2007.

MOREIRA, H. M.; GIOMETTI, A. B. R. O Protocolo de Quioto e as possibilidades de inserção do Brasil no mecanismo de desenvolvimento limpo por meio de projetos em energia limpa. Contexto Internacional, v. 30, n. 1, p. 9-47, 2008.

MURITIBA, S. N. Envolvimento dos conselhos de administração na estratégia das organizações. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

NASCIMENTO, A. M.; BIANCHI, M.; TERRA, P. R. S. A controladoria como um mecanismo interno de governança corporativa: evidência de uma survey comparativa entre empresas de capital brasileiro e norte-americano. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 29., 2005, Brasília, Anais eletrônicos... Brasília: ANPAD, 2005. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

NOBRE, F. S.; RIBEIRO, R. E. M. Cognição e sustentabilidade: estudo de casos múltiplos no índice de sustentabilidade empresarial da BM&F Bovespa. Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 4, p. 499-517, 2013.

NUNES, J. G.et al. Análise das variáveis que influenciam a adesão das empresas ao índice BM&F Bovespa de sustentabilidade empresarial. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 7, n. 4, p. 328-340, 2010.

ORTAS, E.; MONEVA, J. M. Origins and development of sustainability reporting: analysis of the Latin American context. Journal Globalization, Competitiveness & Governability, v. 5, n. 2, p. 16-37, 2011.

PEDROSO, M. C.; ZWICKER, R. Sustentabilidade na cadeia reversa de suprimentos: um estudo de caso do projeto plasma. Revista de Administração da USP, v. 42, n. 4, p. 414-430, 2007.

PENEDO, A. S. T. Limites e possibilidades do balanço social. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2011.

PRADO-LORENZO, J. M.et al. Management Decision, v. 47, n. 7, p. 1133-1157, 2009.

PRADO-LORENZO, J. M.; GARCIA-SANCHEZ, I. M. The role of the board of directors in disseminating relevant information on greenhouse gases. Journal of Business Ethics, v. 97, n. 3, p. 391-424. 2010.

QUEIROZ, F. A. de. Meio ambiente e comércio da agenda internacional: a questão ambiental das negociações da OMC e dos blocos econômicos regionais. Ambiente & Sociedade, v. 8, n. 2, p. 1-22, 2005.

RIBEIRO, A. M.; NASCIMENTO, L. F.; BELLEN, H. M. van. Evidenciação ambiental: análise comparativa multissetorial entre Brasil, Estados Unidos e Inglaterra. Contextus, v. 7, n. 1, p. 07-22, 2009.

RIBEIRO, H. C. M.; CORRÊA, R.; PIEROT, R. M. Projeto de mecanismo de desenvolvimento limpo: um estudo de caso na empresa de energia eólica do estado do Piauí. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 2, n. 2, p. 61-75, 2012.

RIBEIRO, H. C. M. Implementação das boas práticas de governança corporativa: impactos sobre a controladoria das empresas atuantes no novo mercado da BOVESPA. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, 2009.

ROGERS, P.; RIBEIRO, K. C. S.; SOUSA, A. F. Determinantes macroeconômicos da governança corporativa no Brasil. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 29., 2005, Brasília, Anais eletrônicos... Brasília: ANPAD, 2005. Disponível em: Acesso em: Jun. 2010.

ROSSI JÚNIOR, J. L. What is the value of corporate social responsibility? An answer from Brazilian sustainability index. Journal of International Business & Economics. v. 9, n. 3, p. 169-178, 2009.

ROVER, S.; BORBA, J. A.; MURCIA, F. D. R. Características do disclosure ambiental de empresas brasileiras potencialmente poluidoras: análise das demonstrações financeiras e dos relatórios de sustentabilidade do período de 2005 a 2007. Contextus, v. 7, n. 1, p. 23-36, 2009.

SANTOS, C. A.; COSTA, F. M. G.; ESPEJO, M. M. S. B. Índice de sustentabilidade empresarial: evolução das práticas de sustentabilidade empresarial 2005 a 2008. In: 1o South American Congress on Social and Environmental Accounting Research, 1., 2009, Rio de Janeiro, Anais eletrônicos… Rio de Janeiro: CSEAR, 2009. Disponível em: Acesso em: Jun. 2010.

SARKIS, J. The adoption of environmental and risk management practices: relationships to environmental performance. Annals of Operations Research, v. 145, n. 1, p. 367-381, 2006.

SILVA, C. A. T.et al. Relatórios da administração das companhias brasileiras de capital aberto: uma análise qualitative. Contextus, v. 4, n. 2, p. 07-16, 2006.

SILVA, D. H. Protocolos de Montreal e Kyoto: pontos em comum e diferenças fundamentais. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 52, n. 2, p. 155-172, 2009.

SILVA, M. B.; GRIGOLO, T. M. Metodologia para iniciação científica à prática da pesquisa e da extensão II. Florianópolis: UDESC, 2002.

SIMNETT, R.; NUGENT, M. Developing an assurance standard for carbon emissions disclosures. Australian Accounting Review, v. 17, n. 2, p. 37-47, 2007.

SIMNETT, R.; NUGENT, M.; HUGGINS, A. L. Developing an international assurance standard on greenhouse gas statements. Accounting Horizons, v. 23, n. 4, p. 347-363, 2009.

SMITH, G. E. Filling the void: an exercise to enhance student understanding of corporate social responsibility reporting using the global reporting initiative’s (GRI) G3 reporting guidelines. Proceedings of the Northeast Business & Economics Association, p. 685-689, 2010.

SOUZA, M. T. S.; RIBEIRO, H. C. M. Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 3, p. 368-396, 2013.

STAROSKY FILHO, L.et al. Geração e distribuição de riqueza em entidades sem fins lucrativos de assistência social de Blumenau. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 32, n. 2, p. 53-65, 2013.

TEIXEIRA, E. A.; NOSSA, V.; FUNCHAL, B. O índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista Contabilidade & Finanças, v. 22, n. 55, p. 29-44, 2011. The Greenhouse Gas Protocol Initiative. (2010). GHG Protocol. Recuperado de:

UNFCCC. United Nations Framework Convention on Climate Change. Disponível em: Acesso em: Jun.2010.

VENTURA, L. C. Governança corporativa: seis anos de notícias. São Paulo: Saint Paul Editora, 2005.

WATTANASUPACHOKE, T.; TANLAMAI, A. Environmental orientation, green management practices and reputation advantage. International Journal of Business Research, v. 10, n. 6, p. 35-45, 2010.