O papel da liderança em associações: os desafios na construção de processos coletivos de gestão Outros Idiomas

ID:
36718
Resumo:
Neste estudo objetiva-se compreender o papel da liderança na construção de uma associação de produtores. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa desenvolvida através de pesquisa descritiva quanto aos fins e estudo de caso quanto aos meios. Para a coleta de dados foi utilizada entrevista semiestruturada com nove associados dos dez que compõem a associação. Os dados foram interpretados por intermédio da análise de conteúdo e as categorias de análise foram: processo de constituição da associação, compreensão do significado da liderança, relação entre líderes e seguidores e os papéis desempenhados pelos líderes. Como resultados podese destacar que o líder da associação é percebido pelo grupo através de suas características pessoais. A relação entre líder e seguidores baseia-se no respeito e confiança e nessa interação o líder exerce vários papéis com o intuito de unir o grupo, organizar os trabalhos, informar e negociar.
Citação ABNT:
ASSIS, D. G. C.; SILVA, F. M. V.; SIQUEIRA, E. S.; BINOTTO, E. O papel da liderança em associações: os desafios na construção de processos coletivos de gestão . Revista Gestão & Planejamento, v. 16, n. 1, p. 4-28, 2015.
Citação APA:
Assis, D. G. C., Silva, F. M. V., Siqueira, E. S., & Binotto, E. (2015). O papel da liderança em associações: os desafios na construção de processos coletivos de gestão . Revista Gestão & Planejamento, 16(1), 4-28.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36718/o-papel-da-lideranca-em-associacoes--os-desafios-na-construcao-de-processos-coletivos-de-gestao--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRANTES, J. Associativismo e cooperativismo: como a união de pequenos empreendedores pode gerar emprego e renda no Brasil. Rio de Janeiro: Interciência, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, B. T.; PRATES, M.A.S. O estilo brasileiro de administrar. São Paulo: Atlas, 1996.

BASS, B. M. Bass & Strogdill´s Handbook of Leadership: theory, research and managerial applications. 3. ed. New York: The Free Press, 1981.

BASS, B. M.; AVOLIO, B. J. Developing transformational leadership: 1992 and beyond. Journal of European industrial Training, Bingley, issue 5, v. 14, p. 21-27, Sept./Oct. 1990.

BERGAMINI, C. W. O líder eficaz. São Paulo: Atlas, 2009.

BLAKE, R. R.; MOUTON, J. S. The Managerial Grid III. Houston: Gulf, 1985.

BOEHM, A; YOELS, N. Effectiveness of welfare organizations: the contribution of leadership styles, staff cohesion, and worker empowerment. British Journal of Social Work. v. 39, n. 7, p. 1360-1380, oct. 2009.

BONASSI, F. A. O associativismo como estratégia competitiva no varejo: um estudo de caso na Aremac-am Associação Regional de Empresas de Materiais de Construção da Alta Mogiana. Revista Eletronica de Administração FACEF. Franca, v. 2, n. 3, p. 1-25, jul./dez. 2003.

BRASIL, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Indicação geográfica (IG). Disponível em . Acesso em: 01 abr. 2012.

BRYMAN, A. Liderança nas organizações. In: Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004.

BURNS, J. M. Leadership. New York: Harper and Row, 1978.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DANSEREAU, F. et al. A vertical dyad linkage approach to leadership in formal organizations. Organizational Behavior and Human Performance, n. 13, pp. 46-78, 1975.

DAVEL, E; MACHADO, H. V. A Dinâmica entre liderança e identificação: sobre a influência consentida nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 107-126, set./dez. 2001.

DRATH. W. H.; PALUS, C. J. Making common sense: leadership as meaning-maling in a community of practice. North Carolina: Center for Creative Leadership, 1994.

FAYOL, H. Administração industrial e geral. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1964.

FERRAZ, D.L. da S.; DIAS, P. Discutindo autogestão: um diálogo entre os pensamentos clássico e Contemporâneo e as influências nas práticas autogestionárias da economia popular solidária. O&S, v. 15, n. 46, jul/set, 2008.

FIEDLER, F. E. The leadership situation and the black box in contingency theories. In CHEMERS, M. M.; AYMAN, R. Leadership, theory and research: perspectives and directions, p. 1-28, 1993.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOLLO, S. S.; CASTRO, A. W. V. Indicações geográficas no brasil: as indicações de procedências já outorgadas e as áreas e produtos com potencial de certificação. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46., 2008, Rio Branco. Anais... Brasília, DF: SOBER, 2008. 1CD-ROM.

GUTIERREZ, G. L. Autogestão de empresas: considerações a respeito de um modelo possível. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p.7-19, abr./jun. 1988.

HEIFETZ, R. A. Leadership without easy answers. Cambridge: Harvard University Press, 1998.

HEIFETZ, R. A. The practice of adaptive leadership: tools and tactics for changing your Organization. Cambridge: Harvard University Press , 2009.

HERSEY, P.; BLANCHARD, K. H. Management of organizational behavior: utilizing human resources. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1993.

HOUSE, R. J. A path-goal theory of leader effectiveness. Administrative Science Quarterly, n. 16, p. 321-328, 1971.

KATZ, D.; KAHN, R. L. Psicologia social das organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1973.

KATZ, R. L. Skills of an effective administrator. Harvard Business Review, January-february, 1955.

KIRK P.; SHUTTE A. M. Community leadership development. Community Development Journal, S.l. v. 39, n. 3, p. 234–251, jul. 2004.

KIRKPATRICK, S. A.; LOCKE, E. A. Leadership: do trait matters? The executive, n. 5, p. 48-60, 1991.

KNICKERBOCKER, I. Liderança: uma conceituação e algumas implicações. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 137-161, set./dez. 1961.

LIMA, F. G. F. Características do associativismo e o paradoxo do desenvolvimento local: um estudo de caso da ranicultura em Guaratiba. 2010. 116 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) – Curso de PósGraduação em Desenvolvimento Local, Centro Universitário Augusto Motta. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2012.

LIMA, J. C. O trabalho autogestionário em cooperativas de produção: o paradigma revisitado. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 56, p. 45-62, out. 2004.

LISBOA, A. de M. Economia Solidária e autogestão: imprecisões e limites. RAE , v. 45, n. 3, p. 109-115, julho/setembro, 2005.

LOUBACK, J.; TEIXEIRA, M. L. M.; BIDO, D. S. Valores organizacionais e racionalidades: uma visita ao terceiro setor. Organizações e Sociedade, v. 16, n. 49, p. 225-246, 2009.

MINTZBERG, H. The manager’s job: folklore and fact. Harvard Business Review. New York. p. 163–176, mar./apr. 1990.

MINTZBERG, H. The nature of managerial work. New York: HarperCollins Publishers, 1973.

MUMFORD, M. D. et al. Leadership skills: conclusions and future directions. Leadership Quarterly, n. 11, v. 1, pp. 155-170, 2000.

NEVES, E. B.; DOMINGUES, C. A.. Manual de metodologia da pesquisa. Rio de Janeiro: EB/CEP, 2007.

NORTHOUSE, P. G. Leadership: theory and practice. London: Sage Publications, 2004.

PEDROSA; A. C. G. et al. Competência gerencial no terceiro setor: um estudo em organizações não governamentais na cidade de Fortaleza-Ceará. In: ENANPAD, 33., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: ANPAD, 2009, p. 1-14.

QUINN, R. E. et al. Competing Values Leadership: Creating Value in Organizations. In: COOPER, C. L. (Org). New horizons in mangement. Massachusetts: Edward Elgar Publishing, 2006.

RODRIGUES, V. L. G. S. O associativismo em questão: os empresários dos complexos sucro-alcooleiro e citrícola. Informações Econômicas. São Paulo. v. 28, n. 9, p. 11-24, set. 1998.

ROSENFIELD, C.L. A autogestão e a nova questão social. Civitas, v. 3, n. 2, p. 395-415, jul./dez. 2003.

SILVA, F. M. V. da. A transição de líder para contribuidor individual: a experiência vivida pelo ser gestor universitário. 2011. 273 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

SOUZA, W. J. de; SERAFIM, L. S.; DIAS, T. F. Representações sociais do papel de gestores de organizações não-governamentais. Revista O & S. Salvador, v.17, n. 53, p. 363-378, abr./jun. 2010.

STOGDILL, R. M. Handbook of leadership: a survey of theory and research. New York: Free Press, 1974.

TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1970.

VARELLA, M. D. E. P.; BARROS A. F. Estímulo ao associativismo no Brasil : algumas propostas de políticas públicas. Revista de Informação Legislativa. Brasilia. 40 2003. Disponível em: . Acesso em: 8 nov. 2011.

VECCHIO, R. A. Conhecendo uma experiência autogestionária: possíveis contribuições aos estudos organizacionais. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador. Anais... Salvador: ENANPAD, 2006.

VERONESE, M. V. Liderança em processos autogestionários de trabalho. In: ENCONTRO DE PESQUISADORES LATINO-AMERICANOS DE COOPERATIVISMO, 5., 2008, Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: USP, 2008.

VERONESE, M. V.; SCHOLZ, R. H. O processo emergência da liderança solidária compartilhada: um estudo de casos múltiplos. In: CONGRESSO LUSO AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 11., 2011, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2011.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.