A Influência das Redes de Cooperação no Desenvolvimento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) Outros Idiomas

ID:
36785
Resumo:
A competitividade acirrada e a necessidade de melhores posições no mercado têm levado micro e pequenas empresas à formação de redes de cooperação interempresarial, tendo como meta se manter no mercado competitivo pelo compartilhamento de recursos e conhecimento. De tal modo, este artigo teve por objetivo investigar possíveis influências de redes de cooperação no desenvolvimento de micro e pequenas empresas na cidade de Maceió-AL, a partir da perspectiva dos dirigentes dessas redes. Assim, em um estudo ex-post-facto , de cunho exploratório, foram entrevistados os CEOs ( Chief Executive Officers ) de quatro grandes redes da região, em que, por intermédio do software Alceste, foram realizadas análises de conteúdo informatizadas com o apoio de técnicas estatísticas de χ2 (coeficiente de associação) e Análise Fatorial de Correspondência. Os resultados mostram que as redes têm gerado renda com o incentivo à criação de empregos e melhorado a qualificação produtiva das empresas por meio da promoção de cursos e capacitações, o que têm fortalecido os pequenos mercados, tendo um papel fundamental no desenvolvimento econômico local. Apesar disso, a formação de redes na região tem sido contingente à situação, uma vez que a consolidação no mercado competitivo não se consegue apenas com iniciativas individualizadas. Isto é, os empresários tendem às parcerias, porém de maneira imatura, sem a preocupação com elementos estratégicos, tendo-se as redes como um refúgio para a sobrevivência organizacional ou para apoios financeiros, subsídios ou financiamentos.
Citação ABNT:
SOUZA, G. H. S.; LIMA, N. C.; COELHO, J. A. P. M.; OLIVEIRA, S. V. W. B.; MILITO, C. M. A Influência das Redes de Cooperação no Desenvolvimento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs). Desenvolvimento em Questão, v. 13, n. 31, p. 259-294, 2015.
Citação APA:
Souza, G. H. S., Lima, N. C., Coelho, J. A. P. M., Oliveira, S. V. W. B., & Milito, C. M. (2015). A Influência das Redes de Cooperação no Desenvolvimento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs). Desenvolvimento em Questão, 13(31), 259-294.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36785/a-influencia-das-redes-de-cooperacao-no-desenvolvimento-de-micro-e-pequenas-empresas--mpes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMATO NETO, J.; LUZ, M. C. V. da; BUENO, C. C. G. The dynamic cooperation network as an instrument for the technological management and innovation process: The case of the Brazilian aeronautic sector. Journal of Technology Management and Innovation, v. 1, n. 3, p. 140-147, 2006.

AMATO NETO, J. Productive cooperation network as a competitive advantage for small and medium firms in the Brazilian state of São Paulo. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, v. 5, n. 2, p. 201-211, 2008.

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. R.; REYES JR. E. O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 3, p. 458-477, 2010.

BORGATTI, S. P.; FOSTER, P. C. The network paradigm in organizational research: a review and typology. Journal of Management, v. 29, n. 6, p. 991-1013, 2003.

BORTOLASO, I.; VERSCHOORE, J. R.; ANTUNES JR., J. A. V. Cooperative Strategies: evaluating network strategy management of small and medium-sized enterprises. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 45, p. 419-437, 2012.

CARVALHO, M. M. Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas. 2009.

CASAROTTO FILHO, N.; AMATO NETO, J. Cooperação entre pequenas e médias empresas, garantia mutualista e desenvolvimento regional: reflexões sobre sistemas de garantia de crédito. REAd, Revista Eletrônica de Administração, v. 13, n. 3, p. 1-17, 2007.

CASAROTTO FILHO, N. et al. Estratégias empresariais e competitividade para pequenas empresas: os mecanismos de redes. Revista de Negócios, v. 4, n. 2, p. 39-45, 1999.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local. Estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas, 1999.

CASTOR, B. V. J. Estratégias para a pequena e média empresa. São Paulo: Atlas, 2009.

CORRÊA, V. S.; VALE, G. M. V. Redes sociais, perfil empreendedor e trajetórias. Revista de Administração da USP, v. 49, n. 1, p. 77-88, 2014.

COURLET, C. Novas dinâmicas de desenvolvimento e sistemas industriais localizados. Ensaios FEE, v. 14, n. 1, p. 9-25, 1993.

CRUZ, J. A. W.; MARTINS, T. S.; QUANDT, C. O. Redes de cooperação: um enfoque de governança. Revista Alcance, v. 15, n. 2, p. 190-208, 2008.

CRUZ, J. A. W.; REIS, J. A. F. dos; EL-KOUBA, A. Estratégia cooperativa e estrutura organizacional: estudo de caso em uma associação de carrinheiros. Cadernos da Escola de Negócios, v. 4, n. 4, p. 1-17, 2006.

DOZ, Y. L.; HAMEL, G. A vantagem das alianças: a arte de criar valor através de parcerias. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., 2000.

DRUCKER, P. F. Administrando para obter resultados. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2003.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-firm network: antecedents, mechanisms and forms. Organization Studies, v. 16, n. 2, p. 183-214, 1995.

GULATI, R. Network location and learning: the influence of network resources and firm capabilities on alliance formation. Strategic Management Journal, v. 20, p. 397-420, 1999.

IPIRANGA, A. S. R.; AGUIAR, M. M. S. Life, work and sustainable learning practices: a study on a small business network. Brazilian Administration Review, v. 11, n. 2, p. 145-163, 2014.

IPIRANGA, A. S. R. Uma discussão teórica sobre aprendizagem, inovação e cultura nos arranjos e sistemas produtivos territoriais. Cadernos Ebape.BR, v. 6, n. 2, p. 1-15, 2008.

LIRA, W. S.; GONÇALVES, G. A. da C.; CÂNDIDO, G. A. Alianças estratégicas para o desenvolvimento sustentável. Sociedade e Natureza, v. 19, n. 2, p. 217-232, 2007.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

MARCHI, J. J.; CASSANEGO Jr., P.; WITTMANN, M. L. Troca e criação de valor: possibilidades competitivas advindas da estratégia de redes. Revista de Administração da USP, v. 47, n. 2, p. 180-196, 2012.

NAKANO, D. N. Fluxos de conhecimento em redes interorganizacionais: conceitos e fatores de influência. In: AMATO NETO, J. (Org.). Redes entre organizações: domínio do conhecimento e da eficácia operacional. São Paulo: Atlas, 2005. p. 57-67.

OLAVE, M. E. L.; A formação de redes de cooperação e clusters em países emergentes: uma alternativa para MPEs no Brasil. In: AMATO NETO, J. (Org.). Redes entre organizações: domínio do conhecimento e da eficácia operacional. São Paulo: Atlas, 2005. p. 68-93.

OLAVE, M. E. L.; AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade e sobrevivência para pequenas e médias empresas. Gestão & Produção, v. 8, n. 3, p. 289-303, 2001.

REINERT, M. Alceste (version 4.0 Windows). Toulouse: Image, 2000.

REINERT, M. Postures énonciatives et mondes lexicaux stabilisés en analyse statistique de discours. Langage et société, v. 121-122, p. 189-202, 2007.

REIS, A. P. dos; AMATO NETO, J. Aprendizagem por cooperação em rede: práticas de conhecimento em arranjos produtivos locais de software. Produção, v. 22, n. 3, p. 345-355, 2012.

RIBAULT, M.; MARTINET, B.; LEBIDOIS, D. A gestão das tecnologias. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995.

RIBEIRO, A. S. M. Alceste: análise quantitativa de dados textuais (Manual). Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

SEIFRIZ, M. A.; GONDIM, S. M. G.; PEREIRA, M. E. Internationalization and Networks in Small and Medium-sized Enterprises: the role of ethnic ties. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 16, n. 50, p. 5-24, 2014.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Sebrae (Org.). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2012. 5. ed. Brasília: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – Dieese, 2012.

SIEGEL, S.; CASTELLAN Jr., N. J. Nonparametric statistics for the behavioral sciences. 2. ed. Boston: McGraw-Hill, 2003.

SOHN, A. P. L.; CASAROTTO FILHO, N.; CUNHA, I. J. Interorganizational knowledge management. Direccion y Organizacion, v. 48, p. 34-40, 2012.

STEFANO, S. R.; ZAMPIER, M. A.; GRZESZCZESZYN, G. Cooperativas: características, gestão e relevância socioeconômica para o Brasil. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO – SEMEAD – FEA/USP, 9., 2006, São Paulo. Anais... São Paulo, SP, 2006.

TAUHATA, T. L.; MACEDO-SOARES, T. D. L. Van. A. de. Redes e alianças estratégicas no Brasil: caso CVRD. RAE-eletrônica, v. 3, n. 1, p. 1-23, 2004.

TRAVAGLINI, C. The generation and re-generation of social capital and enterprises in multi-stakeholders social cooperative enterprises: a system dynamic approach. Revista de Administração da USP, v. 47, n. 3, p. 436-445, 2012.

VALKOKARI, K.; KANSOLA, M.; VALJAKKA, T. Towards collaborative smart supply chains – capabilities for business development. International Journal of Enterprise Network Management, v. 4, n. 4, p. 380-399, 2011.

VARRICHIO, P. et al. Collaborative networks and sustainable business: a case study in the Brazilian system of innovation. Procedia – Social and Behavioral Sciences, v. 52, p. 90-99, 2012.

VERSCHOORE, J. R.; BALESTRIN, A. Ganhos competitivos das empresas em redes de cooperação. RAUSP-e – Revista de Administração Eletrônica, v. 1, n. 1, p. 1-21, 2008.

VILLELA, L. E.; PINTO, M. C. S. Governança e gestão social em redes empresariais: análise de três arranjos produtivos locais (APLs) de confecções no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 5, p. 1067-1089, 2009.

YOSHINO, M. Y.; RANGAN, U. S. Strategic alliances: an entrepreneurial approach to globalization. Boston: Harvard Business Press, 1995.