Inovação aberta em serviços e o papel do cliente no ambiente de negócios: uma análise com estudantes universitários Outros Idiomas

ID:
36795
Resumo:
O intenso fluxo de informações no ambiente competitivo obrigou as organizações a buscar como estratégia de inovação parcerias e fontes de conhecimento canalizadas em diversos agentes aos quais se comunica, compondo o que se denomina modelo de inovação aberta. Diante disso, o cliente passa a adquirir um novo papel dentro da cadeia de inovação das empresas, redefinindo a forma pela qual os serviços são prestados e alterando o padrão de competição das empresas. Com base nessas considerações, o artigo busca explorar como o cliente percebe-se dentro do paradigma da inovação aberta em sua relação com as empresas de serviços. Esta pesquisa é quantitativa com abordagem descritiva, partindo do método hipotético-dedutivo e tendo como estratégia de pesquisa uma survey realizada com estudantes universitários. Os dados foram coletados mediante o uso de questionário com perguntas fechadas e analisados por meio de análise fatorial exploratória, como forma de validar os construtos e suas dimensões e buscar por fatores capazes de demonstrar se as três hipóteses levantadas são válidas ou não: (i) os clientes atualmente percebem seu papel dentro da cadeia de inovação das empresas; (ii) os clientes valorizam empresas de serviços que inovam abertamente; e (iii) o modelo de inovação aberta modificou o ambiente de negócios na perspectiva do cliente. Como resultado obteve-se a validação das hipóteses levantadas e a elaboração de um modelo intitulado “Modelo dos Seis Fatores de Percepção”, que representa a percepção do cliente perante o modelo de inovação aberta.
Citação ABNT:
SILVA, G.; SILVA, D. E. P. Inovação aberta em serviços e o papel do cliente no ambiente de negócios: uma análise com estudantes universitários . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 5, n. 3, p. 74-87, 2015.
Citação APA:
Silva, G., & Silva, D. E. P. (2015). Inovação aberta em serviços e o papel do cliente no ambiente de negócios: uma análise com estudantes universitários . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 5(3), 74-87.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36795/inovacao-aberta-em-servicos-e-o-papel-do-cliente-no-ambiente-de-negocios--uma-analise-com-estudantes-universitarios-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, C. A.; TIERGARTEN, M.; ARAÚJO, J. P. J. Vantagem competitiva a partir de uma abordagem de redes: estudo de caso na rede Graphia. Revista de Administração da Unimep, Piracicaba, v. 6, n. 3, p. 142-163, set./dez. 2008.

BABBIE, E. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

BARBIERI, J. C.; ALVARES, A. C.; CAJAZEIRA, J. E. R. Gestão de idéias para inovação contínua. São Paulo: Artmed, 2009.

BARRAS, R. Towards’s theory of innovation in services. Research Policy, v. 15, n. 4, p. 161-174, 1986.

CHESBROUGH, H. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2012.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em Administração. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

FREEMAN, C. The determinants of innovation: market demand, technology and the response to social problems. Futures, v. 11, n. 3, p. 206-215, 1979.

GALLON, A. V.; ENSSLIN, S. R.; SILVEIRA, A. Rede de relacionamentos em pequenas empresas de base tecnológica (EBTS) incubadas: um estudo da sua importância para o desempenho organizacional na percepção dos empreendedores. Journal of Information Systems and Technology Management, v. 6, n. 3, p. 551-572, 2009.

GALLOUJ, F.; WEINSTEN, O. Inovation in services. Research Policy, v. 26, p. 537-556, 1997.

GIBBONS, M.; JOHNSTON, R. The roles of science in technological innovation. Research Policy, [S.l.], v. 3, n. 3, p. 220-242, 1974.

GOBARA, C. et al. A influência das dimensões da cultura organizacional na inovação em serviços: uma análise do setor hoteleiro. BASE Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, São Leopoldo, v. 7, n. 4, p. 252-265, out./dez., 2010.

GUILFORD, J. P. Psycometric methods. New York: McGraw-Hill, 1954.

HAGEDOORN, J.; WANG, N. Is there complementarity or substitutability between internal and external R&D strategies? Research Policy, v. 41, n. 6, p. 1072-1083, 2012.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 1998.

HEGER, T.; ROHRBECK, R. Strategic foresight for collaborative exploration of new business fields. Technological Forecasting & Social Change, v. 79, n. 5, p. 819-831, 2012.

ISIDRO-FILHO, A.; GUIMARÃES, T. A.; PERIN, M. G. Determinantes de Inovações Apoiadas em Tecnologias de Informação e Comunicação Adotadas por Hospitais. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 8, n. 4, p. 142-159, out./dez. 2011.

ITO, N. C. et al. Valor e vantagem competitiva: buscando definições, relações e repercussões. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 16, n. 2, p. 290-307, mar./abr. 2012.

KAFOUROS, M. I.; FORSANS, N. The role of open innovation in emerging economies: Do companies profit from the scientific knowledge of others? Journal of World Business, v. 47, n. 3, p. 362-370, 2012.

KANG, K.; RYU, T.; LEE, Y. Effects of research tool patents on biotechnology innovation in a developing country: A case study of South Korea. BMC Biotechnology, v. 25, n. 9, p. 1-11, 2009.

LAVIE, D.; DRORI, I. Collaborating for Knowledge Creation and Application: The Case of Nanotechnology Research Programs. OrganizationScience, v. 23, n. 3, p. 704-724, May/June, 2012.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MUELLER, W. F. The origins of the basic inventions underlying du pont’s major product and process innovations, 1920 to 1950. In: GROVES, Harold M. The rate and direction of inventive activity: economic and social factors. Chairman: Universities-National Bureau, 1962. p. 323-328.

PÉNIN, J.; HUSSLER, C.; BURGER-HELMCHEN, T. New shapes and new stakes: a portrait of open innovation as a promising phenomenon. Journal of Innovation Economics, v. 1, n. 7, p. 11-29, 2011.

REZENDE, S. F. L.; LIMA, W. M. A.; VERSIANI, Â. F. Evolução de conhecimentos no relacionamento comprador-fornecedor. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 16, n. 1, p. 39-58, jan./fev. 2012.

ROBERTSON, P. L.; CASALI, G. L.; JACOBSON, D.Managing open incremental process innovation: Absorptive Capacity and distributed learning. Research Policy, v. 41, n. 5, p. 822-832, 2012.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. New York: Free Press, 1995.

ROPER, S.; ARVANITIZ, S. From knowledge to added value: A comparative, panel-data analysis of the innovation value chain in Irish and Swiss manufacturing firms. Research Policy, v. 41, n. 6, p. 10931106, 2012.

SALUNKE, S.; WEERAWARDENA, J.; MCCOLL-KENNEDY, J. R. Towards a model of dynamic capabilities in innovation-based competitive strategy: insights from project-oriented service firms. Industrial Marketing Management, v. 40, n. 8, p. 1251-1263, 2011.

SAUNDERS, M.; LEWIS, P.; THORNILL, A. Research Methods for Business Students. 2. ed. Harlow, England: Pearson Education, 2000.

SCARPIN, M. R. S. et al. Desenvolvimento de um ambiente propício para inovação no setor de serviços: uma análise em empresas de serviços contábeis do vale do Itajaí – SC. Revista de Contabilidade e Organizações, Ribeirão Preto, v. 5, n. 13, p. 91-108, 2011.

SCHUMACKER, R. E.; LOMAX, R. G. A beginner’s guide to structural equation modeling. Mah-wah: Lawrence Erlbaum, 2004.

SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Perspectivas de Inovação na Micro e Pequena Empresa. Revista Economia & Gestão, Belo Horizonte, v. 13, n. 33, p. 90-107, 2013.

SUNDBO, J.; GALLOUJ, F. Innovation in services. Oslo: Noruega, 1998.

TETHER, B. S. What is innovation? Approaches to Distinguishing New Products and Processes from Existing Products and Processes. [2003]. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2015.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

UTTERBACK, J. M. Dominando a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996.

UTTERBACK, J. M.; ABERNATHY, W. J. A dynamic model of process and product innovation. Omega, v. 3, n. 6, p. 639-656, 1975.

VARGAS, E. R.; ZAWISLAK, P. A. Inovação em Serviços no Paradigma da Economia do Aprendizado: a Pertinência de uma Dimensão Espacial na Abordagem dos Sistemas de Inovação. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 10, n. 1, p. 139-159, jan./mar. 2006.

VASCONCELLOS, L. H. R.; MARX, R. Como ocorrem as inovações em serviços? Um estudo exploratório de empresas no Brasil. Gestão e Produção, São Carlos, v. 18, n. 3, p. 443-460, 2011.

WANG, M. Exploring potential R&D collaborators with complementary technologies: The case of biosensors. Technological Forecasting & Social Change, v. 79, n. 5, p. 862-874, 2012.

XIA, T.; ROPER, S. From capability to connectivity Absorptive capacity and exploratory alliances in biopharmaceutical firms: A US–Europe comparison. Technovation, v. 28, n. 11, p. 776-785, 2008.