As Empresas Transnacionais e o Multiculturalismo: Desafios para os Modelos de Análise em Gestão Internacional Outros Idiomas

ID:
36844
Resumo:
O propósito desse artigo é problematizar o multiculturalismo nas empresas transnacionais e suas implicações para os modelos de análise em Gestão Internacional. Foi realizado um estudo de caso de caráter qualitativo numa subsidiária americana de uma empresa transnacional brasileira. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas e desenhos e colagens elaborados pelos respondentes e os dados foram analisados de forma interpretativa. Pode-se observar que no contexto da subsidiária analisada a diversidade da força de trabalho precisa ser considerada pelos modelos de gestão. O artigo é finalizado com reflexões sobre implicações do multiculturalismo para os modelos de Gestão Internacional, entre elas, a necessidade de considerar os contextos culturais específicos e sua diversidade na construção de novas possibilidades de análise.
Citação ABNT:
TEIXEIRA, A. C. C.; LIMA, D. M. C.; GUEDES, A. L. M.; MACIEL, E. Transnational Companies and Multiculturalism: Challenges for Analysis Models in International Management . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 9, n. 2, p. 84-95, 2015.
Citação APA:
Teixeira, A. C. C., Lima, D. M. C., Guedes, A. L. M., & Maciel, E. (2015). Transnational Companies and Multiculturalism: Challenges for Analysis Models in International Management . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(2), 84-95.
DOI:
10.12712/rpca.v9i2.544
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/36844/as-empresas-transnacionais-e-o-multiculturalismo--desafios-para-os-modelos-de-analise-em-gestao-internacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ADLER, N. J. International dimensions of organizational behavior. Cincinnati: SouthWestern, 2002.

ADLER, N. J.; GRAHAM, J. L. Cross-cultural interaction: The international comparison fallacy? Journal of International Business Studies, v. 20, n. 3, p. 515-537, 1989.

ALCADIPANI, R. Critical international management and international critical management: perspectives from Latin America. Critical Perspectives on International Business. v. 6, n. 2/3, 2010.

AMIM, S. Capitalismo, Imperialismo e mundialização. In: SEOANE, J; TADDEI, E. (Org.). Resistências mundiais: de Seattle a Porto Alegre. Petrópolis: Vozes, 2001.

ARZENO, M. E. G. Psicodiagnóstico clínico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BANDEIRA, M. Relações Brasil-EUA no Contexto da Globalização. São Paulo: SENAC, 1997.

BANERJEE, S. B.; LINSTEAD, S. Globalization, multiculturalism and other fictions: colonialism for the new millennium? Organization, v. 8, n. 4, p. 683-722, 2001.

BARBEIRO, H. O Relatório da CIA: Como será o mundo em 2020. São Paulo: Ediouro, 2007.

CALÁS, M. B.; SMIRCICH, L. Dangerous liaisons: the feminine-in-management meets globalization. Business Horizon, v. 36, n. 2, p. 164-80, 1993.

CAMPBELL, J.; MOYERS, B. The Power of Myth, New York: Dobleday, 1988.

CUERVO-CAZURRA, A. The multinationalization of developing country MNEs: the case of multilatinas. Journal of Internacional Management, v. 14, n. 2, p. 138-154, 2008 .

DAMATTA, R. O que faz do Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

FARIA, A.; IBARRA-COLADO, E.; GUEDES, A. Internationalization of management, neoliberalism and the Latin America challenge. Critical Perspectives on International Business, v. 6, n. 2/3, 2010.

FLEIG, D. G. et al. Reestruturação produtiva e subjetividade: análise interpretativa do significado do desemprego. Organização & Sociedade, Salvador, v. 12, n. 33, p. 71-91, 2005.

FLEURY M. T. L. Brazilian Multinationals: Competences for Internationalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2011. v. 1. 420p.

GRASSANO, E. Indicadores psicopatológicos nas técnicas projetivas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.

HALL, E. T. A dimensão oculta. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

HAMMER, E. F. A técnica projetiva da casa-árvorepessoa: interpretação de conteúdo. In HAMMER, E. F (Org.). Aplicações clínicas dos desenhos projetivos. Rio de Janeiro: Interamericana, 1981.

HARLING, P. ; HAMID. Y. Dossiê Guerra Infinita/Mitos: A demonização forçada dos xiitas. Le Monde Diplomatique, Setembro de 2006.

HOFSTEDE, G. Cultures and organizations: software of the mind. New York: McGraw-Hill, 1991.

HOFSTEDE, G. Cultures consequences: Comparing values, behaviors, institutions and organizations across nations. Thousand Oaks, CA: Sage, 2001.

HOFSTEDE, G. The Universal and the Specific in 21st-Century Global Management. Organizational Dynamics, v. 28, n. 1, p. 34-43, 1999.

HOFSTEDE, G.; McCRAE, R. R. Personality and culture revisited: linking traits and dimensions of culture. Cross-cultural Research, v. 30, n. 1, p. 52-88, 2004.

IANNI, O. Teorias da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

JACK, G. A.; CALÁS, M. B.; NKOMO, S. M.; PELTONEM, T. Critique and International Management: An uneasy relationship? Academy of Management Review, v. 33, n. 4, p. 870-884, 2008.

JACKSON, W. E.; STONE, V. ; ALVAREZ, E. B. Socialization amidst Diversity: the Impact of Demographics on Work Team Oldtimers and Newcomers. In: CUMMINGS, L. L.; STAW, B. (Org.). Research in Organizational Behavior. Greenwich, CT: JAI, 1993.

LAURENT, A. The culture of diversity of western conceptions of management. Human Resource management, v. 25, n. 1, p. 91-102, 1983.

MACDOUGALL, G. The visual in anthropology. In: BANKS, M.; MORPHY, H. (eds.) Rethinking Visual anthropology. Londres: Yale University Press, 1997.

MARTIN, J.; FROST, P. J.; O’NEILL, O. A. Organizational Culture: Beyond Struggles for Intellectual Dominance. In: S. R. Clegg, C. Hardy, T. B. Lawrence, and W. R. Nord (Eds.). The SAGE Handbook of Organization Studies. London: Sage, p. 725-753, 2006.

MC SWEENEY, I. Hofstede´s model of national culture differences. Human Relations, v. 55, n. 1, p. 88-117, 2002.

MOREIRAS, A. The Order of Order: On the Reluctant Culturalism of Anti-Subalternist Critiques. Journal of Latin American Cultural Studies, v. 8, n. 1, p. 125-145, 1999.

MORIN, E. Meu Caminho. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

NKOMO, S. M.; COX, T. Diversidade e Identidade nas Organizações. In: CLEGG, S. R; HARDY, C.; NORD, W. R. (Eds.) Handbook de Estudos Organizacionais: Modelos de Análise e Novas Questões em Estudos Organizacionais, v. 1. São Paulo: Atlas, p. 332-358, 2006

PICCOLO, E. G. Os testes gráficos. In: OCAMPO, M. L. S. et al (col). O processo de psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PINK, S. Doing Visual Ethnography. Londres: SAGE Publications, 2007.

PRASAD, A.; PRASAD, P. Otherness at large: identity and difference inthe new globalized organizational landscape. In: MILLS, A.; MARJOSA, I. Gender, identity and culture of organizations. London: Rotledge, 2001.

PUTNAM, L. L.; PHILLIPS, N. ; CHAPMAN, P. Metáforas da Comunicação e da Organização. In: CLEGG, S. R; HARDY, C.; NORD, W. R. (Eds.) Handbook de Estudos Organizacionais: Modelos de Análise e Novas Questões em Estudos Organizacionais, v. 3. São Paulo: Atlas, p. 77-125, 2004.

RAMAMURTI, R.; SINGH, J. Emerging Multinationals in Emerging Markets. Cabridge University Press, 2009.

STOLLER, P. Sensuous Scholarship. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1997.

SWEIG, J. Friendly Fire: Losing Friends and Making Enemies in the Anti-American Century. Council on Foreign Relations. 2006

TANURE, B. Gestão à Brasileira: uma comparação entre América Latina, Estados Unidos, Europa e Ásia. São Paulo: Atlas, 2005.

TROMPENAARS, FONS. Nas Ondas da Cultura. São Paulo: Educator, 1994.

TSUI, A. Contributing to Global Management Knowledge: A Case for High Quality Indigenous Research. Asia Pacific Journal of Management, v. 21, n. 4, p. 491-513, 2004.

VAN KOLCK, O. L. Testes projetivos gráficos no diagnóstico psicológico. São Paulo: EPU Pedagógica e Universitária, 1984.