Interfaces da responsabilidade social corporativa: um estudo de caso da empresa vision system Outros Idiomas

ID:
37129
Resumo:
O presente artigo busca analisar as práticas de responsabilidade social da empresa Vision System à luz do modelo de Carroll. Para tanto, foi efetuado um estudo de caso, com abordagem qualitativa. A coleta de dados foi realizada por meio de observação não participante, entrevistas semiestruturadas e análise de documentos, bem como do questionário MPE Brasil – Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas respondido pela organização. Dentre os resultados, foi possível visualizar que a empresa pesquisada mantém em sua prática diária preceitos relacionados à Responsabilidade Social Corporativa. As práticas adotadas correspondem aos requisitos estabelecidos pelo modelo de Carroll (1979), indicando que é uma empresa com responsabilidades econômicas, legais, éticas e discricionárias. A organização atua proativamente em relação à responsabilidade social e atende às questões correspondentes ao consumo, ao meio ambiente e à segurança do produto e do trabalho. O desafio da organização consiste, assim, em manter, atualizar e ampliar as práticas já adotadas. Conclui-se que, por meio da estruturação de seus projetos e programas, a empresa pesquisada realiza, dissemina e avalia com alto nível de envolvimento dos colaboradores diversas práticas de responsabilidade social corporativa.
Citação ABNT:
DEMETERKO, C. D. M. S.; LUCAS, M. G.; SEHNEM, S. Interfaces da responsabilidade social corporativa: um estudo de caso da empresa vision system. Revista de Administração da UFSM, v. 8, n. Ed. Especial, p. 50-68, 2015.
Citação APA:
Demeterko, C. D. M. S., Lucas, M. G., & Sehnem, S. (2015). Interfaces da responsabilidade social corporativa: um estudo de caso da empresa vision system. Revista de Administração da UFSM, 8(Ed. Especial), 50-68.
DOI:
10.5902/1983465916326
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37129/interfaces-da-responsabilidade-social-corporativa--um-estudo-de-caso-da-empresa-vision-system/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMS, Frank W. Management’s responsibilities in a complex world. Harvard Business Review, v. 29 n. 3, p. 29–34, 1951.

ALVES, Elvisney Aparecido. Dimensões da Responsabilidade social da empresa: uma abordagem desenvolvida a partir da visão de Bowen. Revista de Administração, São Paulo, v.38, n.1, p. 37–45, jan./fev./mar. 2003.

ANDREWS, Kenneth. R. The concept of corporate strategy. Homewood, IL: Dow JonesIrwin, 1971.

ARAUJO, R.G. (Des) Compassos entre entendimento e práticas de responsabilidade social corporativa. 2012. 90p. Dissertação (Mestrado em Administração) Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, 2012.

ARRUDA, G. S de; PEREIRA, B.A.D. Estado da arte dos estudos sobre Responsabilidade Social Empresarial (RSE) no Brasil. IV Encontro de Estudos em Estratégia. Recife, PE, 21 a 23 jun. 2009.

ASHLEY, P. et al. Ética e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva, 2002.

ASHLEY, Patricia A.; COUTINHO, Renata B. G.; TOMEI, Patricia. A. Responsabilidade Social Corporativa e Cidadania Empresarial: Uma Análise Conceitual Comparativa. ENANPAD 2000. set/2000.

BOWEN, Howard R. Responsabilidades sociais do homem de negócios. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

CARROLL, A. B. A Three-dimensional conceptual model of corporate performance. Academy of Management Review.v.4, n. 4, p. 497-505, 1979.

CARROLL, A. B. The four faces of corporate citizenship. Business and Society Review. v. 100, n. 1, p.17, 1998.

CARROLL, A. B. The pyramid of corporate social responsibility: toward the moral management of organizational stakeholders. Business Horizons, jul./ago. 1991.

CARVALHO, O.;MEDEIROS, J. Racionalidades subjacentes às ações de responsabilidade social corporativa. Revista O&S. v. 20, n. 64, p.17-36, jan./mar. 2013.

CHERNEV, A; BLAIR, S. Doing Well by Doing Good: The Benevolent Halo of Corporate Social Responsibility. Journal of Consumer Research, v. 41.April 2015

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. “Livro Verde: Promover um quadro europeu para a responsabilidade social das empresas”. Bruxelas, 2001. Disponível: http://eurlex. europa.eu/LexUriServ/site/pt/com/2001/ com2001_0366pt01.pdf. Acessado em: 08 ago. 2015.

DAVIS, Keith. The Case for and Against Business Assumption of Social Responsibilities. The Academy of Management Journal, v. 16, n. 2, p. 312-322, junho/1973.

FILATOTCHEV, I; NAKAGIMA, C. Corporate governance, responsible managerial behavior, and corporate social responsibility: organizational efficiency versus organizational legitimacy? The Academy of Management Perspectives. v. 28, n. 3, p. 289–306, 2014.

FREDERICK, William C. The growing concern over business responsibility. California Management Review, n. 2, p. 54-61, 1960.

FREGUETE, L.M; NOSSA, V; FUNCHAL, B. Responsabilidade Social Corporativa e Desempenho Financeiro das Empresas Brasileiras na Crise de 2008. Revista Administração Contemporânea. Rio de Janeiro, v.9, n.2. p.232-248, mar./abr. 2015.

FREIRE, R.; SOUZA, M. J. B. de; FERREIRA, E. Responsabilidade social corporativa: evolução histórica dos modelos internacionais. (não publicado)

FREIRE. de S.; SILVA, C. A. T. Balanço social: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2001.

FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e Liberdade. Tradução de Luciana Carli, 3.ed. Nova Cultura, São Paulo, Capítulo VIII, 1962 (edição de 1988).

GALBRAITH, J. K. Economics and the public purpose. Boston: Houghton Mifflin, 1973.

GARAY, A. B. S. A responsabilidade social corporativa (RSC) como elemento de atração de talentos: percepção dos alunos destaques do curso de administração. REAd. ed. 51, v. 12, n.3, mai./jun. 2006.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. v. 35, n. 3, p. 20-29, mai./jun. 1995.

HUSTED, B.W. Social corporate responsibility practice from 1800-1914: past initiatives and current debats. Business Ethics Quaterly v.15. n.1, p.125-141, 2015.

IRIGARAY, H. A. R.; VERGARA, S. C.; SANTOS, M. C. F. Responsabilidade social corporativa: um duplo olhar sobre a Reduc. RAM – Revista Administração Mackenzie. v. 14, n. 6, p. 82111, nov./dez. 2013, edição especial.

JOHNSON, Harold L. Can the businessman apply Christianity? Harvard Business Review, v. 36 n. 4, p. 68–76, 1958.

KRAMER, M. E. P. Responsabilidade social corporativa: uma contribuição das empresas para o desenvolvimento sustentável. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM). v.4, n.1, p. 1-50, maio/2005.

LEVITT, Theodore. The dangers of corporate social responsibility. Harvard Business Review, v. 36 n. 3, p. 41–50, 1958.

MACEDO, N. M. M. N. Diagnóstico das percepções de responsabilidade social empresarial a partir do modelo tridimensional de performance social: o caso de uma empresa do setor têxtil. 2010. 200f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção), UFPB, João Pessoa, 2010.

MADRUGA, S. R. Estágio de maturidade da responsabilidade social comparativa e o desempenho econômico-financeiro: estudo em empresas brasileiras. 186f. Tese. (Mestrado em Administração) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MATHIS, A. de A., MATHIS, A. Responsabilidade social corporativa e direitos humanos: discursos e realidades. Revista Katálysis [online]. v.15, n.1, p. 131-140, 2012.

MORETTI, Sergio, CAMPANÁRIO, Milton. A produção intelectual brasileira em Responsabilidade Social Empresarial: RSE sob a ótica da bibliometria. RAC. v.13, a.5, p.68-86. Curitiba: ANPAD, jun. 2009.

MPE BRASIL PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Premiadas nacionalmente. Disponível em. Acesso em 06/05/14.

OLIVEIRA, José Antonio Puppim de. Empresas na Sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

ORLITZKY, M., SCHMIDT, F. L., & RYNES, S. L. Corporate social and financial performance: a meta-analysis. Organizational Studies. v. 24, n.3, p. 403–441, 2003.

PEREIRA, W. A.; CAMPOS FILHO, L. A. N. Investigação sobre as semelhanças entre os modelos conceituais da responsabilidade social corporativa. RGSA – Revista de Gestão Social e Ambiental. v. 1, n. 1, p. 3-18, 2007.

POPESCU, M; STEGAROIU, I; CRENICEAM, L. Considerations regarding the analisys between corporate governance and social responsibility in Romanian companies, in the context of knowledge based economy. Management şi Inginerie Economică, vol. 14, n. 2, 2015

QUEM SOMOS. Grupo Vision System. Disponível em. Acesso em 10/06/14.

SCHMELTZ, L. Identical or Just Compatible? The Utility of Corporate Identity Values in Communicating Corporate Social Responsibility. International Journal of Business Communication. v. 51 n. 3, p. 234–258, 2014.

TANG, L; GALLAGHER, C.C.; BIE, B. Corporate Social Responsibility Communication Through Corporate Websites: A Comparison of Leading Corporations in the United States and China. International Journal of Business Communication. v. 52 n. 2, p. 205–227, 2015.

TODESCAT, M.; DIAS JUNIOR, C. M.; MOREIRA, B. C. M. A utilização de indicadores de responsabilidade social para caracterização de aglomerados produtivos. FACES – Journal Belo Horizonte, v. 12, n. 4, p. 67-83, out./dez. 2013.

WALLER, D. S.; LANIS, R. Corporate social responsibility (CSR) disclosure of advertising agencies: an exploratory analysis of six holding companies annual reports. Journal of Advertising, v. 38 n. 1, p. 109–121, 2009.

WANG, W. K., Lu, W. M., KWEH, Q. L., & Lai, H. W. Does corporate social responsibility influence the corporate performance of the U.S. telecommunications industry? Telecommunications Policy, v. 38, n.7, p. 580-591, 2014.

WOOD, D. J. Corporate Social Performance Revisided. Academy of Management Review. v. 16, n. 4, p. 691-718, 1991.

WORLD BUSINESS COUNCIL FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT. “CSR: Meeting changing expectations”, 2002. Disponível em: http:// www.wbcsd.org/work-program/businessrole/ previous-work/corporate-social-responsibility. aspx. Acessado em 15 ago. 2015.

XAVIER, A. V. Responsabilidade Social Corporativa: um enfoque multidisciplinar no contexto globalizado. Desenvolvimento em questão UNIJUÍ. a. 8, n. 16, p. 131-158, jun./ dez. 2010.