Separação do Processo Decisório dos Bancos com Capital Aberto na BM&FBovespa Outros Idiomas

ID:
37178
Resumo:
Governança corporativa é definida como um conjunto de práticas utilizadas para melhorar o desempenho de uma organização ao proteger as partes interessadas e facilitar o acesso ao capital, minimizando, assim, os problemas de agência. A separação do processo decisório é tida como importante para a sobrevivência das organizações complexas e com estrutura de propriedade difusa ao controlar os problemas originados pela delegação dos direitos de controle, restringindo a possibilidade de desapropriação dos investimentos. Considerando a dualidade como a concentração das decisões de gestão e controle em um mesmo indivíduo, espera-se que organizações complexas e com estrutura de propriedade difusa obtenham melhor desempenho se não apresentarem dualidade. Este estudo tem como objetivo investigar os potenciais determinantes da separação do processo decisório das instituições financeiras com capital aberto na BM&FBOVESPA. Foram coletados dados de bancos brasileiros listados na bolsa e foi analisada a ocorrência de dualidade. Na sequência, foram investigados possíveis fatores que determinam a unificação dos cargos de CEO e Chairman. Os resultados, para a amostra, apontam que bancos complexos tendem a separar o processo de decisão. Entretanto, a separação, diferente do pressuposto teórico, não necessariamente leva a um melhor desempenho das instituições. Ainda, a estrutura de propriedade difusa implica em menor probabilidade de separação dos cargos de CEO e Chairman. Os resultados instigam novas pesquisas e uso de outras variáveis, já que os fatores relacionados ao desempenho e à estrutura de propriedade apresentam implicações opostas às que são esperadas na teoria. É possível que problemas de tamanho da amostra tenham efeito sobre os resultados da pesquisa. Todavia, este trabalho explora um tema relativamente pouco estudado e introduz um novo paradigma de pesquisa.
Citação ABNT:
SOUZA, L. F.; COSTA, D. R. M. Separação do Processo Decisório dos Bancos com Capital Aberto na BM&FBovespa. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 18, n. 2, p. 85-100, 2015.
Citação APA:
Souza, L. F., & Costa, D. R. M. (2015). Separação do Processo Decisório dos Bancos com Capital Aberto na BM&FBovespa. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(2), 85-100.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37178/separacao-do-processo-decisorio-dos-bancos-com-capital-aberto-na-bm-fbovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alchian, A.; Demsetz, H. (1972). Production, information costs and economic organization. American Economic Review, 62(5), 777-795.

Allen, F.; Gale, D. (2000). Corporate governance and competition. In: Vives, X. (Ed.). Corporate Governance: Theoretical and Empirical Perspectives. Cambridge, UK: Cambridge University press, p. 23-94.

Alves, C.; Alves, N. (2009). Análise do nível de divulgação da governança corporativa segundo recomendações do comitê da Basiléia: um estudo em bancos privados e públicos brasileiros. Revista Universo Contábil, Blumenau, 5(1), 06-21.

Araújo, L.; Jorge Neto, P.; Ponce, D. (2006). Competição e concentração entre os bancos brasileiros. Revista Economia, 7(3), 561-586.

BACEN - Banco Central do Brasil. (2012). 50 maiores bancos e o consolidado do sistema financeiro nacional. Balancetes processados até 31 de dezembro de 2011. Disponível em < http://www4.bcb.gov.br/top50/port/top50.asp >. Acesso em: 04 set. 2012.

Baliga, B.; Moyer, R.; Rao, R. (1996). CEO duality and firm performance: What`s the fuss? Strategic Management Journal, 17(1), 41-53.

Baysinger, B.; Hoskisson, R. (1990). The Composition of boards of directors and strategic control: Effects on corporate strategy. The Academy of Management Review, 15(1), 72-87.

Bebchuck, L. A. (1999). A rent protection theory of corporate ownership and control (Discussion Paper, 260). Cambridge, MA: Harvard Law School.

Berle, A.; Means, G. (1932). The modern corporation and private property. New York: Macmillan.

Brickley, J.; Coles, J.; Jarrell, G. (1997). Leadership structure: Separating the CEO and Chairman of the board. Journal of Corporate Finance: Contracting, Governance and Organization, 3(3), 189-220.

Costa, D.; Chaddad, F.; Azevedo, P. (2013). The determinants of ownership structure: Evidence from Brazilian agricultural cooperatives. Agribusiness, 29(1), 62-79. doi: 10.1002/agr.21325.

CVM. (2002). Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Disponível em . Acesso em: 15 maio2012.

Demsetz, H.; Lehn, K. (1985). The structure of corporate ownership: Causes and consequences. The Journal of Political Economy, 93(6), 1155-1177.

Fama, E.; Jensen, M. (1983). Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics, 26(2), 301-327.

Greene, W. (2002). Econometric Analysis. New Jersey: Prentice Hall, p. 710-718.

Grossman, S.; Hart, O. (1986). The costs and benefits of ownership: A theory of vertical and lateral integration. The Journal of Political Economy, 94(4), 691-719.

Hansmann, H. (1996). The ownership of enterprise. 1. ed. Cambridge: Harvard University Press, cap. 4 p. 384.

Jensen, M.; Meckling, W. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, p. 305-360.

Kwok, J. (1998). Does CEO duality matter: An integrative approach. Dissertation submitted to the Faculty of the Virginia Polytechnic Institute and State University, Virginia.

La Porta, R.; Shleifer, A.; Lopes-de-Silanes, F.; Vishny, R. (2000). Investor protection and corporate governance. Journal of Financial Economics, v. 58, p. 3-27.

Lamba, A.; Stapledon, G. (2001). The determinants of corporate ownership structure: Australian evidence. U of Melbourne Public Law Research Paper No. 20.

Levine, R. (2006). Finance and growth: Theory and evidence. In: AGHION, P; DURLAUF, S. (Eds.). Handbook of Economic Growth, Netherlands: Elsevier Science.

Lima, R. (1996). Modelos de resposta binárias: Especificação, estimação e inferência. Revista Agricultura em São Paulo, São Paulo, n. 43, n. 2.

Macey, J. R.; O’Hara, M. (2003). The corporate governance of banks. FRBNY Economic Policy Review, p. 91-107.

Mülbert, P. (2009). Corporate governance of bank after the financial crisis – theory, evidence, reforms. ECGI Law Working Paper, 130.

Okimura, R. T. (2003). Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desempenho das empresas no Brasil. Dissertação de Mestrado em Administração. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pi, L.; Timme, S. (1993). Corporate control and bank efficiency. Journal of Banking Finance, v. 7, p. 515-530.

Shleifer, A.; Vishny, R. (1997). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52(2), 737-783.

Silveira, A. M. (2002). Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas), USP, São Paulo.

Silveira, A. M.; Barros, L. A. B. C.; Famá, R. (2003). Estrutura de governança e valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 50-64.

Simon, H. (1962). The architecture of complexity. Proceedings of the American Philosophical Society, 106(6), 467-482.

Williamson, O. (1984). Corporate governance. The Yale Law Journal, 93(7), 1197-1230.